Cinegrafista é ferido gravemente em protesto no Centro do Rio


Por Cláudia Souza e Igor Waltz*

07/02/2014


O repórter cinematográfico da Bandeirantes, Santiago Ilídio Andrade, que ficou gravemente ferido na cabeça nesta quinta-feira , 6, durante um protesto no Centro do Rio continua internado no Hospital Souza Aguiar. Ele teve afundamento de crânio, passou por uma cirurgia de aproximadamente quatro horas e seu estado de saúde é grave. Como mostrou o telejornal “Bom Dia Rio”, outras seis pessoas também foram levadas para o hospital; cinco delas já tiveram alta. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, outro homem, que não teve a identidade revelado, continua internado, mas não corre risco de morrer.

Andrade recebeu os primeiros socorros do repórter Wyre Davies e do cinegrafista Chuck Tayman, ambos da BBC inglesa. Tayman chegou a tirar a camisa para ajudar a estancar o sangue que escorria da cabeça do cinegrafista. A Secretaria de Saúde informou que a cirurgia foi concluída e a hemorragia, controlada. Contudo, o câmera continua em estado grave, no CTI.

Protesto

No fim da tarde desta quinta-feira, cerca de mil pessoas reuniram-se pacificamente na Igreja da Candelária. O protesto foi contra o aumento da tarifa de ônibus que passa, neste sábado, de R$ 2,75 para R$ 3 reais. O reajuste é de 9,09%. Estudantes, integrantes de partidos políticos e black blocs caminharam  em direção à Central do Brasil, onde mascarados subiram nas catracas. Houve confronto com a Polícia Militar.

Montagem 2 - cinegrafista da Band é atingido em protesto no Rio (Foto: Agência O Globo)

(Foto: Agência O Globo)

O cinegrafista está em pé, com a câmera no ombro, trabalhando no meio da praça. No primeiro registro, vê-se um rastro de fogo com faíscas perto das costas dele. À direita, a foto mostra uma explosão sobre a cabeça do funcionário. Uma grande quantidade de fogo se espalha. Na imagem abaixo, à esquerda, ele se curva, ainda com a câmera no ombro, e é possível ver muita fumaça. Momentos depois, o repórter cinematográfico da TV Globo, Júnior Alves, se aproxima e registra a imagem do cinegrafista da Bandeirantes caído no chão.

O Comandante do 5° Batalhão da Polícia Militar (BPM), Luis Henrique Marinho, informou à assessoria de imprensa da PM que, na hora do incidente, estava a 30 metros do local onde o cinegrafista foi atingido. O comandante disse ter visto pessoas vestidas de preto lançando morteiros, e um desses explosivos teria caído na cabeça do funcionário da TV Bandeirantes.

Mas o repórter da emissora Globo News Bernardo Menezes, que acompanhava a manifestação, relatou que no fim da noite de quinta, no Jornal das Dez, as bombas de efeito moral teriam partido da polícia. Segundo o jornalista, que estava a poucos metros da confusão, um desses artefatos estourou perto do cinegrafista da Band, que caiu na hora.

O fotógrafo da Agência O Globo registrou o momento em que um homem acendeu o artefato que atingiu a cabeça de Andrade. Na imagem, ele está de camisa cinza e aparece correndo segundos após a ativação do explosivo. No entanto, não há como identificar o agressor. “Eu estava acompanhando o protesto, quando vi um homem de calça jeans, camisa cinza e com lenço preto no rosto, abaixando e acendendo o fogo de artifício que estava no chão. Logo após, ele sai correndo. Consegui fazer a sequência do artefato atingindo o cinegrafista. A intenção de quem disparou era acertar os policiais que corriam na direção do grupo de manifestantes — disse o fotógrafo da Agência O Globo.

homem cinza

Outros profissionais de comunicação também foram feridos durante o confronto entre manifestantes e policiais. Um repórter do site UOL foi agredido na Central do Brasil. Quando os PMs se aproximaram, ele levantou as mãos e se identificou como jornalista, mas mesmo assim foi atingido com dois golpes nas pernas. Um repórter da GloboNews e fotógrafos de agências de notícias também relataram agressões policiais.

Perícia

O delegado Maurício Luciano de Almeida, titular da 17ª DP (São Cristóvão), declarou que pretende ouvir testemunhas do momento que o artefato atingiu o cinegrafista, incluindo profissionais de imprensa que estavam no local. Para ajudar identificar a ação, serão analisadas as imagens das câmeras de segurança da região.

No início da tarde desta sexta-feira, policiais concluíram a perícia no local do incidente. Agentes do esquadrão antibombas também recolheram fragmentos de artefatos em frente à Central do Brasil.

—O esquadrão vai recolher o material para saber se a suspeita se confirma ou não, afirmou o delegado.

Repúdio

A presidente Dilma Roussef manifestou-se sobre o ataque ao cinegrafista em sua conta no Twitter, pouco depois das 16h desta sexta-feira. “Minha solidariedade ao cinegrafista Santiago Andrade, atingido por explosivo quando participava da cobertura de manifestação, no Rio”, diz a postagem da Presidente.

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) também divulgou nota repudiando a agressão ao cinegrafista da Bandeirantes e exigindo uma apuração rápida. A associação registrou que é o terceiro caso de agressão a jornalistas em 2014. Em 2013, 114 profissionais da área foram feridos em todo o país enquanto cobriam protestos.

A TV Bandeirantes emitiu um comunicado afirmando que representantes da emissora estão apoiando a família do funcionário no hospital.

*Com informações do portal UOL, Veja, G1, BBC. 

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012