Dilma determina que a PF ajude na apuração da morte de Santiago


10/02/2014


 

PF deve apoiar a investigação de Santiago Andrade. (Crédito: Reprodução)

PF deve apoiar a investigação de Santiago Andrade. (Crédito: Reprodução)

A presidente Dilma Rousseff determinou nesta segunda-feira, 10 de fevereiro, que a Polícia Federal apoie as investigações sobre a morte do cinegrafista Santiago Ilídio Andrade. Atingido por um rojão em uma manifestação no Rio de Janeiro na quinta-feira (6), Andrade teve morte cerebral constatada nesta segunda-feira, 10 de fevereiro.

“Determinei à PF que apoie, no que for necessário, as investigações para a aplicação da punição cabível”, afirmou a presidente em mensagem publicada em sua conta no Twitter.

A presidente também disse que a morte do cinegrafista “revolta e entristece” e criticou a violência em manifestações. “Não é admissível que os protestos democráticos sejam desvirtuados por quem não tem respeito por vidas humanas. A liberdade de manifestação é um princípio fundamental da democracia e jamais pode ser usada para matar, ferir, agredir e ameaçar vidas humanas, nem depredar patrimônio público ou privado”, escreveu.

Na sexta-feira (7), um dia após o cinegrafista ter sido atingido pelo rojão, a presidente também havia usado sua conta no Twitter para comentar o episódio. Na ocasião, ela expressou sua solidariedade a Andrade.

O vice-presidente da República, Michel Temer, também usou o Twitter para lamentar a morte do cinegrafista. “Lamento muito o falecimento do cinegrafista Santiago Andrade da TV Band. Que sua família e amigos encontrem conforto neste momento de dor”, postou na rede social.

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, também se manifestou e lamentou a morte do cinegrafista. Em nota, ele afirmou que todo tipo de violência é inaceitável e não deve ser tolerado. Para ele, “a sociedade deve refletir sobre os limites entre o direito de manifestação e os excessos que resultam em vandalismo e violência”.

O governador do estado, Sergio Cabral, disse que o direito de manifestação é fundamental para a democracia, mas a violência é inaceitável.

*Com informações do G1. 

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012