Membros do Estado Islâmico (EI) executaram mais dois jornalistas na Líbia


Por Claudia Sanches

30/04/2015


20150108174508212392e

Kalthoum Kannou, candidata às eleições presidenciais da Tunísia, participa de ato pela a libertação de dois jornalistas tunisianos desaparecidos desde 8 de setembro, na Líbia. Foto: AFP FETHI BELAID

Após a descoberta dos cinco corpos de jornalistas do canal de TV líbio Barqa, no leste da Líbia, nesta segunda-feira, 27 de abril, o governo da Tunísia anunciou, na quarta-feira, dia 29, que enviará uma delegação ao país para discutir as mortes de outros dois profissionais de imprensa, Sofian Chourabi e Nadhir Ktari, ocorridas em 2014. Uma autoridade de Túnis, capital da Tunísia, não confirmou as execuções de Sofian Chourabi e Nadhir Ktari, sequestrados em agosto último.

Um porta-voz do governo oficial da Líbia afirmou que um militante radical admitiu na prisão ter assassinado os dois repórteres, e revelou que o Estado Islâmico também matou os cinco jornalistas, um egípcio e quatro líbios, que trabalhavam para o canal líbio Barqa TV.

jornalistastunisianos2Sofian Chourabi e Nadhir Ktari, que também trabalhavam para a mesma emissora,  estavam desaparecidos desde agosto de 2014, quando viajaram da cidade oriental de Tobruk para Benghazi, depois de cobrirem a inauguração do Parlamento eleito. Eles passaram por Derna, reduto da militância islâmica.

Campo minado

Militantes do Estado Islâmico têm explorado um vácuo de segurança na Líbia, onde dois governos e parlamentos aliados a vários grupos armados lutam entre si em várias frentes quatro anos após a derrubada do ditador Muammar Gaddafi.

O Estado Islâmico, que capturou grandes partes da Síria e do Iraque, assumiu a responsabilidade na Líbia pela morte de 30 etíopes e 21 cristãos egípcios, bem como um ataque contra um hotel em Trípoli, embaixadas e campos petrolíferos.

 

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012