Jornalista Luiz Paulo Horta é eleito imortal na ABL


21/08/2008


Crítico musical e jornalista, Luiz Paulo Horta foi eleito nesta quinta-feira, dia 21, membro da Academia Brasileira de Letras, ocupando a cadeira nº 23, que pertenceu a Machado de Assis e estava vaga desde o dia 17 de maio, com a morte da escritora Zélia Gattai. O nome do novo imortal foi referendado em sessão secreta, à qual compareceram 30 acadêmicos. A cadeira 23 também foi de Jorge Amado, Lafayette Rodrigues Pereira, Alfredo Pujol e Otávio Mangabeira.

Luiz Paulo Horta concorreu ao título de imortal com Antônio Torres, Nelson Valente, Marcelo Henrique, Isabel Lustosa, Jorge Eduardo Magalhães de Mendonça, Marco Aurélio Lomonaco Pereira, Ziraldo Alves Pinto, Blasco Peres Rego, Paulo Hirano, Valter Escravoni Alberto, Fábio Lucas, Embla Rhodes, José Paulo da Silva Ferreira, Octavio de Melo Alvarenga, João Carlos Zeferino, Palmerinda Vidal Donato, Felisbelo da Silva e Marylena Barreiros Salazar.

Ao se referir ao novo imortal, o Presidente da ABL, Cícero Sandroni, destacou:
— Luiz Paulo Horta é um jornalista, crítico musical e teólogo da mais alta qualificação. O fato de ele ter obtido as maiores cotações nos três escrutínios de hoje significa que a Academia não pretendia tê-lo fora de seus quadros. E também que o Horta foi o candidato que não apresentou qualquer índice de rejeição.

Carreira

Luiz Paulo Horta nasceu em 1943, é carioca e membro da Academia Brasileira de Música. Estudou Piano e Teoria Musical nos Seminários de Música Pró-Arte. Em 1970, iniciou a carreira de crítico musical no Jornal do Brasil. Entre 1985 e 1990, foi o responsável pela seção musical do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Em seguida, foi para O Globo, onde está até hoje.

Publicou seu primeiro livro “Cadernos de música”, em 1983, e editou o “Dicionário de música Zahar”. Escreveu também “Guia da música clássica em CD”, “Sete noites com os clássicos” e “Villa-Lobos, uma introdução”, e organizou, com Luiz Paulo Sampaio, a edição brasileira do “Dicionário Grove de música”.

CONSELHO DELIBERATIVO APROVA ANISTIA

Com o pagamento do valor correspondente a três mensalidades (R$ 120), todos os associados que estão em débito com a ABI terão de volta os seus direitos associativos.

Participe desta campanha. Vamos reconstruir a ABI!