Sindicato repudia prisão de repórteres no Pará


14/04/2011


O Sindicato dos Jornalistas do Pará emitiu nota condenando a prisão da equipe de jornalismo da TV Liberal, afiliada da Rede Globo, composta pelo repórter Guilherme Mendes, o cinegrafista Carlos Batista e o auxiliar Edmilson Luz. Eles foram detidos por três policiais no município de Acará, a pedido da diretora da Unidade Mista de Saúde local, onde os integrantes da emissora estavam produzindo uma reportagem sobre denúncias de falta de estrutura, medicamentos e médicos na região.
 
 
Segundo o site de notícias Comunique-se, a ordem de prisão teria sido dada pela Prefeita Francisca Almeida, que depois chegou a entrar em contato com a direção da TV Liberal para negar o fato, alegando que estava em Belém no momento da detenção da equipe de jornalismo.
 
 
A equipe de jornalismo ficou detida por meia hora, acusada de estar fazendo gravações sem autorização prévia. A ordem de soltura dos profissionais foi dada pela Diretora da Unidade Mista de Saúde, Simone Almeida, após desistir de registrar a ocorrência.
 
 
Para a direção da TV Liberal, a prisão dos seus profissionais de jornalismo foi uma retaliação porque a reportagem comprova as denúncias de condições precárias de atendimento, falta de médico e medicamentos, além do péssimo estado de higiene do hospital público de Acará.
 
 
Nota do sindicato
 
 
“O Sindicato dos Jornalistas do Pará (Sinjor-PA) repudia os fatos ocorridos com a equipe de jornalismo da TV Liberal, composta pelo repórter Guilherme Mendes, o repórter-cinematográfico Carlos Batista e o auxiliar Edmílson Luz , que foi detida por três policiais militares, no município do Acará, a pedido da diretora da unidade de saúde daquela localidade, no momento em que fazia uma reportagem sobre as más condições de saúde, com atendimento precário e falta de estrutura, medicamentos e médicos.

O Sinjor entende que a população do município do Acará e de todo o Pará tem o direito de saber o que ocorre naquela unidade de saúde e as dificuldades enfrentadas pelos cidadãos que buscam atendimento O papel de levar informação a sociedade tem contribuído para que providências sejam tomadas em todas as áreas deficientes em nosso Estado.

A presidente do Sinjor, Sheila Faro, e os diretores da entidade ressaltam que a atitude tomada é inaceitável, pois constitui-se em agressão a toda a sociedade, já que viola a liberdade de imprensa e o direito à informação. É princípio basilar de toda democracia que o livre exercício da profissão de jornalismo seja preservado. O Sinjor já acionou a sua assessoria jurídica, para entrar com a ação judicial cabível contra os responsáveis por esse lamentável fato.”

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012