9 de agosto de 2022


Facebook remove live em que bolsonaro associa vacina da covid à AIDS


25/10/2021


Publicado no portal Congresso em Foco.

O Facebook e o Instagram removeram, na noite de domingo (24), a live presidencial realizada na última quinta-feira (21). Durante a transmissão, Jair Bolsonaro associa o desenvolvimento da Aids em pessoas vacinadas contra a covid-19 no Reino Unido.

Na live, Bolsonaro leu uma fake news que dizia que pessoas vacinadas contra a covid-19 estão desenvolvendo a doença. “Vacinados [contra a Covid] estão desenvolvendo a síndrome da imunodeficiência adquirida [Aids]”, disse o presidente.

Um porta-voz do Facebook esclareceu que a vídeo fere as normas da empresa ao promover a divulgação de notícias falsas sobre a covid-19 e por isso foi retirado do ar. “Nossas políticas não permitem alegações de que as vacinas de covid-19 matam ou podem causar danos graves às pessoas”, informou.

Todas as vacinas aplicadas contra a covid-19 passaram por testes em diversos países. Aqui no Brasil, todas elas precisaram antes de aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Esta é a segunda vez que o presidente tem suspenso vídeos publicados nas redes sociais. A primeira foi em março, quando duas redes retiraram do ar um vídeo em que o presidente provoca aglomerações durante um passeio em Brasília. Na ocasião o Brasil registrava aproximadamente 2.500 mil mortes diárias em decorrência do coronavírus

Decisão do Facebook reforça relatório

A decisão do Facebook quanto à fala de Bolsonaro acontece na véspera da votação do relatório final da CPI da Covid, na qual o presidente é acusado de nove crimes por suas ações no combate à pandemia. Entre elas, o trabalho contrário à vacinação em massa das pessoas pela opção consciente por deliberadamente infectar o maior número de pessoas por uma crença na chamada “imunidade de rebanho”.

O relatório também dedica espaço a acusações contra Bolsonaro por disseminação de fake news na pandemia. Em um dos trechos diz que o presidente, juntamente com seus filhos, comanda uma “organização oculta e complexa” de promoção de notícias falsas em favor de interesses próprios e do governo.

De acordo com o texto, lido na comissão na última quarta (20) essas ações têm por propósito “extrair proveito econômico ou político”. O relatório da CPI será votado na terça (26) e uma vez aprovado deve seguir para a Procuradoria-Geral da República, a quem cabe acatar os pedidos de indiciamento contra o presidente Bolsonaro.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012