7 de outubro de 2022


Entrevista – Paulo Patarra


19/04/2007


“Jornalista tem que saber ler”

Gil Campos
20/04/2007
 

O jornalista Paulo Patarra não tem mais os ralos cabelos e a barba que o acompanharam na maior parte dos seus mais de meio século de jornalismo. Mas a inteligência, o perfil de líder, o bom humor, o olhar crítico e a língua afiada estão ainda mais aguçados no velho Patarra, hoje com 73 anos.

No início do segundo semestre do ano passado, ele descobriu um câncer na garganta, provocado pelos 61 anos de tabagismo. “Fumei perto de 1 milhão de cigarros. Fiz as contas”, escreveu, esboçando um sorriso. “Escreveu” porque Patarra não fala mais — e foi escrevendo que concedeu esta entrevista ao ABI Online. Seu último cigarro, há nove meses, foi fumado no hospital, horas antes de ser submetido a uma laringectomia — procedimento cirúrgico para retirada da laringe e das cordas vocais. Mesmo assim, ele não demonstrou desânimo e avisou aos amigos: “Não é um ‘pobre’ câncer que vai me derrubar. Só pode me matar.”

Patarra começou a fumar aos 12 anos, idade em que, depois de estudar em um colégio de padres, se tornou ateu convicto. A convicção, aliás, foi motivo de muitas discussões entre ele, o criador e Diretor da revista Realidade, e o repórter Carlos Alberto Libânio Christo, o Frei Betto:
— Bettinho (só eu o chamo assim) e eu “brigamos” muito; coisa de religioso versus ateu.

Frei Betto, cuja amizade com o diretor ultrapassou as barreiras da Redação, comenta:
— Paulo é comunista, ateu convicto, e sempre me disse ter inveja da minha fé. Curioso. Ao ouvir isso, eu tinha a impressão de que ele se queixava não a mim, mas a Deus, por não lhe ter concedido o dom da fé. Nunca, entretanto, ele deixou de respeitar minha postura cristã, e temos em comum o patrimônio, hoje olvidado, das idéias de esquerda. 

         Luís Carlos Prestes: sem rosto

Patarra militou no PCB, entre 1957 e 1960, tendo sido preso no governo JK ao ser flagrado pichando a frase “Anistia para Prestes”. Em 1968, pouco antes de estourar o AI-5, assinou a entrevista com Luís Carlos Prestes que foi capa da Realidade. Apesar de ter sido uma das mais importantes de sua vida de repórter, a matéria trouxe a decepção com o Partidão:
— O PCB me enganou, disse que o Prestes tinha feito plástica. Não vi o rosto dele e a foto é quase de costas. Com a revista nas bancas, cara desenhada na capa, com a chamada “Este rosto não existe mais”, estourou o Ato 5. Fugi durante seis, sete meses. Fiquei no Hotel Delfim, em Guarujá, por conta da Editora Abril. Tinha medo de que os militares me pegassem e torturassem para saber onde estava o velho.

A reportagem, seu último trabalho na Realidade, rendeu um Prêmio Esso de Jornalismo, que Patarra se esquivou de receber:
— Tive que pedir que esquecessem. Se não, de novo, os milicos iam ficar p…

Por leitura labial, era fácil perceber alguns palavrões, não só quando o assunto era ditadura, mas também jornalismo, jornalistas e veículos de comunicação na atualidade — “jornalista precisa é saber ler”, escreveu com furor.

A entrevista foi interrompida três vezes: quando uma enfermeira se aproximou para verificar a pressão arterial e a temperatura do paciente, quando outra pessoa lhe trouxe um copo de vitamina — ele fez careta no primeiro gole — e quando se escutou o único gol da seleção brasileira contra a equipe de Gana, naquela tarde de 27 de março — Patarra correu para perto da pequena TV da enfermaria no Centro de Hematologia. 

Ao final, depois de quatro horas, escreveu nas anotações do repórter: “Falamos, não? Imagina só se eu não estivesse mudo!” As respostas que se seguem foram entregues em um segundo encontro com Patarra, que um dia tentou ser poliglota, mas nunca concluiu os cursos de Inglês, Francês e Italiano.

ABI OnlineQual a sua análise sobre a imprensa brasileira na área política?
Paulo Patarra — É tempo de “fitagem”: quem ganha (ou compra) gravação — de som e/ou imagem — tem manchete. E cadê a reportagem? No mais, tomem-se frescuras, cerco às celebridades, exaltações aos imbecis, dedo no gatilho até pra esquerdóides.

ABI OnlineComo ser jornalista em tempos de computador, internet e globalização?
Patarra — Todos podem mentir. Máquina é que nem gente. E globalização é coisa velha. Só se cai nela por interesse de uns poucos. Aqui e mundo afora. Uma coisa acho certa: o jornal vai ser impresso na casa dos leitores. Não é óbvio? Mas quando dei aula na Universidade S. Marcos proibi ‘pesquisa’ na internet.

ABI OnlineComo se “fabrica” jornalista? No dia-a-dia ou nas faculdades de Comunicação?
Patarra — Tanto faz. Jornalista precisa é saber ler. Muito. De tudo. Se fizer qualquer faculdade, talvez ajude.

ABI OnlineVocê é a favor do diploma para exercer o jornalismo?
Patarra — Não. Comecei pela Cásper Líbero, que se apresentava como “escola de jornalismo”. Era tão ruim que acabei expulso, de tanto reclamar. Dizem que a ECA (da USP) é a tal. Pelo que vi, não vi.

ABI OnlineQual é a sua análise sobre as revistas semanais da chamada grande imprensa?
Patarra — Carta Capital corre só, pela meia-esquerda. Época — com o canhão da Globo abrindo caminho — já deixou IstoÉ a comer poeira, muita poeira. Quanto à Veja, quanto dinheiro jogado fora numa redação pedante; é só boba ironia e triste reacionarismo. Está à direita dos ACMs. Em direitismo, bate Época e IstoÉ, uma tarefa difícil…

Clique para ampliar

ABI OnlineQuatro Rodas foi um ensaio para a Realidade
Patarra — Foi. Tanto Mino Carta (que foi para o Grupo Estado) como eu — e os outros — estávamos lá de passagem, à espera do lançamento de uma revista de interesse geral. Quando assumi a Direção de Quatro Rodas, trocamos turismo por índios: “O povo deve morrer”. Carlos Azevedo (repórter que assinou a matéria) ficou com o fotógrafo (maravilhoso) Luigi Mamprin quatro meses no mato, às escondidas da cúpula. Também compramos carteiras de motoristas para uma outra reportagem. Levei para Realidade quase todos os que tinha enfiado na Quatro Rodas e em outras revistas da Abril: o “maluco beleza” do Narciso Kalili veio de Intervalo, Eduardo Barreto estava escondido em Claudia e Hamilton Almeida Filho, um gênio diabólico, como outros, veio da rua.

ABI OnlineFaltam hoje grandes repórteres ou espaço para eles?
Patarra — Faltam é repórteres. Todos os bons viraram colunistas, o que é mais barato para os patrões. Reportagem é coisa cara, mas os melhores jornais deste planeta continuam a fazê-los. Já por aqui…

ABI OnlineComo foi seu trabalho com Roberto Civita e Roberto Marinho?
Patarra — Com o Robert (naquele tempo ele não tinha o “o”) Civita foi ótimo. Afinal, fui eu que o indiquei para comandar a revista, quando o primeiro Diretor, o publicitário e escritor Hernani Donato, caiu por incompetência, comprovada no número zero, em novembro de 1965. “Nomear” Robert foi o pulo-do-gato: nunca faltou dinheiro na revista. Para nós e para qualquer doida matéria que nascesse das reuniões de pauta, que jamais acabavam antes de se começar a edição seguinte.

Quanto ao Dr. Marinho, só estive com ele uma vez. Quem mandava na Rio Gráfica — futura Editora Globo — era o atual Presidente das Organizações Globo, Roberto Irineu. Foi com ele que tratei da minha ida para o Rio e foi dele que recebi carta branca. Na então Guanabara, em 1972, descobri que a empresa tinha um tripé manco de duas pernas. Da redação, impressão e distribuição, só funcionava a primeira. Falei com o Roberto Irineu e fui — pela primeira vez — encontrar com o Doutor. Expus a situação ao homem, ele ficou de pensar. No dia seguinte, a resposta simples, em um bilhete: “Demita um terço da redação.” Fiz a maleta e fui para a praia, deixando meu nome no papel de demissão. O mais notável: depois disso, trabalhei mais sete vezes nas Organizações Globo — quase 20 anos na TV, em São Paulo e no Rio de Janeiro.

ABI OnlineVocê se considera um “jornalista maldito”?
Patarra — De jeito nenhum. Veja o meu currículo. Sou um transgressor bendito.

ABI OnlineComo um ateu foi educado numa escola de padres? Ou sua descrença surgiu depois do colégio?
Patarra — Fiz o então ginásio em Taubaté, no Vale do Paraíba, de 1941 a 45. Quatro anos como interno, dos melhores tempos de minha vida. Fiquei ateu na então 2ª série ginasial, aos 12 anos. De tanto ver como os padres eram falsos, injustos, pedófilos de alma. E de ler a Bíblia todo santo dia, durante a chatíssima santa missa. Amém!

 Hamilton Almeida Filho, João Antonio e Patarra

Formação e fama

Nascido em São José dos Campos, no interior paulista, no dia 21 de outubro de 1933, órfão do pai Manoel, vítima da tuberculose, em 1937, Paulo de Carvalho Patarra estudou no Seminário de Cinema do Masp, aos 20 anos, ao mesmo tempo em que cursava o Centro de Preparação dos Oficiais da Reserva (CPOR) do Exército. Também fez curso de Operador de Raio X e nunca concluiu Ciências Sociais, na USP, muito menos Jornalismo, na Cásper Líbero, de onde foi expulso em 1956, por agitar e encabeçar um movimento de reivindicação e greve. Mas não é daí que vem a fama de “jornalista maldito”. O termo atingiu toda a equipe da revista Realidade, liderada por Patarra, por conta do jornalismo de contracultura praticado pela equipe, que fugia dos “bons modos” do jornalismo da época. E é com orgulho que seu filho Ivo Patarra, 48 anos e também jornalista, admite: “Meu pai sempre foi meio maldito.”

Clique para ampliar

Se foge do rótulo e prefere se intitular um transgressor, Patarra, ou P.Pat — “minha rubrica-assinatura pode ser reconhecida no 1º Cartório, na Rua das Palmeiras, em Santa Cecília (bairro de São Paulo)”, diz ele — no entanto, não foge da fama de bom bebedor que envolve a maioria dos jornalistas brasileiros:
— No tempo de Realidade, o primeiro gole era uísque Old Eight, triplo. Até ter uma pancreatite. Quase fui. Fiquei anos sem tocar em álcool até descobrir o vinho. Agora, nunca bebi antes ou na hora do trabalho. Nunca! Mas depois…

Avesso a computador, celular e outros avanços tecnológicos — “sou o que nas velhas redações chamavam de dinossauro” —, Patarra condenava até o uso de telefone para entrevistas na década de 60, quando era repórter da Quatro Rodas, revista em que foi repórter, fotógrafo, motorista — quebrou e capotou mais de uma dezena de carros em reportagens —, secretário de Redação e redator-chefe:
— Nesse tempo, como repórter, se eu tinha que entrevistar alguém nem que fosse para uma só pergunta, “carioca ou mineiro?”, pegava a Rural Willys da Redação e ia pro Rio ou pra BH. Um pouco por malandragem, confesso. 

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012