Entidade denuncia aumento de crimes contra a imprensa na América Latina(AL)


Por Cláudia Souza*

09/10/2015


71 assembleia geral da SIP

 

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) divulgou documento chamando a atenção para a deterioração das condições de trabalho dos jornalistas na AL, para o crescimento da violência contra repórteres e para a ampliação da censura em grande parte da região, incluindo o Brasil.

O panorama sobre a situação dos  jornalistas na América Latina foi apresentado no encerramento da 71ª Assembleia Geral da SIP, organização que reúne donos e editores de jornais da América Latina(AL), realizada entre os dias 2 e 6 de outubro, em Charleston, nos Estados Unidos. O estudo alerta para as mortes violentas no Brasil, no México e na Guatemala, para as agressões na Bolíva,  na Argentina e na Venezuela, e para a concentração de veículos de comunicação nas mãos de grupos governamentais no Paraguai e na Nicarágua.

De acordo com números apresentados durante o encontro, entre os meses de março e setembro do ano corrente, a SIP registrou 11 assassinatos de jornalistas: Brasil (3), México (3), Guatemala (2), Colômbia (1), Honduras (1) e República Dominicana (1).

— É preocupante a violência sem fim contra a imprensa. Nesse ritmo, é possível que o número de mortes violentas de jornalistas em 2014, que chegou a 21, seja superado em 2015. Em vários países estão sendo registrados casos de agressão física, atentados e ameaças contra repórteres e veículos de comunicação, além da crescente repressão ao trabalho de correspondentes na cobertura de processos eleitorais na Guatemala e na Argentina, e de conflitos sociais no Brasil, no Peru e no Equador, sublinhou Carlos Jornet, membro da SIP, e diretor do jornal argentino “La Voz”, de Córdoba.

*Fonte: France Press

 

 

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012