Acusados da morte do jornalista Décio Sá vão a júri em fevereiro


27/01/2014


Começa no dia 3 de fevereiro o julgamento dos 11 acusados de envolvimento no assassinato do jornalista Décio Sá, de 42 anos, em abril de 2012, num bar na Avenida Litorânea, em São Luís. Os primeiros a sentar no banco dos réus serão os executores do crime, Marcos Bruno Silva de Oliveira, de 29 anos, apontado como motorista de fuga, e o próprio autor confesso do homicídio, o pistoleiro Jhonatan de Sousa Silva, de 25 anos, que responderão pelos crimes de homicídio triplamente qualificado e formação de quadrilha.

Os dois vão a júri popular entre os dias 3 e 5 de fevereiro, no Salão do Júri do Fórum Desembargador Sarney Costa, bairro Calhau, por decisão do juiz Osmar Gomes dos Santos, titular da 1ª Vara do Tribunal do Júri, que afirma estar tudo pronto para o julgamento.

“Da parte do Poder Judiciário não há nada pendente. Todo o aparato de segurança pública já foi montado para a sessão, já enviamos a carta precatória para o recambiamento do réu que se encontra no presídio federal, e, por enquanto, não há nada que possa embaraçar o início do júri”, afirmou o magistrado.

Segundo denúncia oferecida pelo Ministério Público, Jhonatan de Sousa Silva foi contratado por uma quadrilha de agiotas para matar Décio Sá, porque no dia 31 de março de 2012 (23 dias antes do crime) o jornalista denunciou em seu blog (blogdodecio.com.br) que a morte do empresário Fábio dos Santos Brasil Filho, o Fábio Brasil, de 33 anos, em Teresina, Piauí, havia sido encomendada por uma rede de agiotagem, estabelecida no Maranhão. O blogueiro foi o primeiro a atribuir a autoria desse crime à quadrilha.

De acordo com a Polícia Civil, a organização criminosa que faturava milhões com desvios de verbas públicas municipais e federais, destinadas a várias prefeituras maranhenses, era liderada pelo agiota Gláucio Alencar Pontes Carvalho, de 36 anos, e o pai dele, o aposentado José de Alencar Miranda de Carvalho, de 74 anos. “A quadrilha enxergou Décio Sá como uma ameaça, pois sabia que o jornalista podia ter mais informações que a incriminasse”, afirmou à época o secretário de Segurança Pública (SSP), Aluísio Mendes.

Ainda conforme as investigações, pai e filho arregimentaram, direta e indiretamente, pelo menos mais sete pessoas, entre elas dois policiais civis e um oficial da Polícia Militar do Maranhão, até que Jhonatan Silva e Marcos Bruno de Oliveira recebessem a proposta de R$ 100 mil pelo serviço. Entre os intermediadores do crime, a Polícia Judiciária identificou o empresário José Raimundo Sales Chaves Júnior, o Júnior Bolinha, de 38 anos, que fugiu da prisão, às vésperas do Natal, mas foi recapturado.

Entre os intermediadores do crime, a Polícia também identificou o empresário José Raimundo Sales Chaves Júnior, o Júnior Bolinha, e em setembro de 2012, o Ministério Público denunciou mais 12 pessoas pelo crime, sendo 11 pronunciadas a júri popular.

*Com informações do G1 e do Portal Imprensa.

ASSOCIADO:

NÃO DEPOSITE EM CONTA DA ABI.

DEPÓSITO EM CONTA  NÃO É IDENTIFICADO.

PAGUE COM O BOLETO OU NA TESOURARIA.