14 de agosto de 2022


A mídia, as manifestações e o presidente incomível


31/05/2021


Por Eliara Santana, no Jornal GGN


Brasil de Fato

No dia 29 de maio, um sábado bonito de outono, o Brasil da esperança, da alegria e dos afetos foi às ruas gritar “Fora, Bolsonaro”. Houve manifestações em todos os estados e no Distrito Federal, em várias e várias cidades, grandes e pequenas. Houve carreatas também. A indignação com o genocídio do governo federal foi maior que o medo do vírus. Nas ruas, todos de máscaras, sem beijos e abraços, sem tomar cerveja, tentando manter o distanciamento. Foi bonita a festa.

Mas, sem patos de verde e amarelo na porta da Fiesp e dancinhas esquisitas, a mídia não deu muita bola para os protestos.

No JN, Bonner não se levantou para, de pé, fazer uma expressiva fala e chamar a reportagem sobre as manifestações – como fez algumas vezes quando o assunto era manifestação contra racismo nos EUA. Bem, ontem, Bonner nem estava na bancada, e a cobertura foi a mais burocrática e sem graça possível, ressaltando, a todo momento, que “em alguns locais houve aglomeração”. As pessoas saíram de casa, mesmo com medo, usaram as máscaras, houve distribuição de máscaras em várias cidades, houve batuque alegre, os deslocamentos estavam procurando respeitar o distanciamento, havia muitos jovens e muitas crianças… mas nada disso mereceu estar na pauta. Os critérios de notícia que orientam as decisões da grande mídia corporativa brasileira são de fato bem únicos.

Na cobertura das manifestações nos EUA, o repórter ia correndo ao lado da multidão, naquele movimento elétrico, dando a dimensão da energia da multidão e o tamanho do deslocamento. Ontem, as imagens eram todas do alto, imagens de helicóptero. Nenhum repórter na pista, nenhuma entrevista, nenhuma tomada mais de perto. Nas manifestações com os patos amarelos, a cobertura começava na saída da família de casa… ontem havia muitas famílias, muitas crianças com cartazes. Mas nada disso foi mostrado, foi destacado. Nenhuma criança com cartaz mereceu atenção dos repórteres. Alias, não havia repórteres nas ruas.

A caminhada em várias cidades – Belo Horizonte, Salvador, Rio de Janeiro, Porto Alegre, por exemplo – foram muito grandes, distâncias grandes foram percorridas sem confusão, sem aglomeração, com organização e alegria. Por que não havia repórteres caminhando junto, mostrando a festa cívica, a alegria, o compromisso com a civilidade? Só é legal correr em manifestação nos EUA?

A passeata em São Paulo foi gigantesca – passeata numa pandemia, com tanta gente já combalida, com medo, deveria merecer destaque. Mas isso não foi dimensionado pela TV Globo. Mereceu segundos protocolares, com imagens do alto, no JN.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012