Adeus a Lily Marinho


06/01/2011


O corpo de Lily Marinho, viúva do jornalista e fundador das Organizações Globo Roberto Marinho, foi enterrado no final da manhã desta quinta-feira, dia 6, no Cemitério São João Batista, em Botafogo, zona sul do Rio de Janeiro. Lily morreu na noite desta terça-feira, 5, aos 89 anos, de falência múltipla dos órgãos. Ela estava internada em estado grave desde o dia 13 de dezembro último, na Clínica São Vicente, na Gávea, com quadro de infecção respiratória.
 
Em nota, a Presidente Dilma Roussef lamentou a morte de Lily Marinho e destacou o seu empenho em favor da população carente. “Lily Marinho teve importante atuação na defesa dos mais necessitados, desenvolvendo diversos projetos sociais. Foi reconhecida como Embaixadora da Boa Vontade da Unesco. Com sua cultura e elegância, foi uma grande dama. Neste momento de perda, quero transmitir meu sentimento a todos os seus parentes e amigos”.
 
Presente ao velório, o Governador do Rio, Sérgio Cabral Filho (PMDB), sublinhou o papel social da viúva de Roberto Marinho. “Fica primeiro a lembrança de uma mulher muito elegante. Não só no aspecto estético, mas elegante por dentro, em seu estilo. Uma mulher educada e agradável e que gostava de viver. Uma mulher que se apaixona por outro homem depois da maturidade de tal forma como ela e Dr. Roberto se apaixonaram é uma prova de amor à vida”.
 
O Prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), também homenageou a trajetória da socialite. “Acho que ela é a cara do Rio. Filha de inglês e francês, nasceu na Alemanha, casou-se com um grande carioca e adotou a cidade. Era uma grande carioca. O Rio e o Brasil perderam uma grande dama”.
 
Filho adotivo de Lily, João Batista era um dos mais emocionados no velório. “Ela salvou minha vida. Vou levar o coração dela comigo”, disse.
 
Biografia
 
Filha única da francesa Jeanne Bergeon e do militar britânico John Lemb, Lily Marinho nasceu em 10 de maio de 1921, em Colônia, na Alemanha, onde o pai servia, mas foi criada em Paris, onde conheceu o primeiro marido, o empresário e jornalista brasileiro Horácio de Carvalho, dono do extinto jornal Diário Carioca, com quem se casou nos anos 1940. Com ele, permaneceu por 45 anos e teve um único filho biológico, Horacinho, que morreu aos 26 anos em um acidente de carro.
 
Dona Lily e Roberto Marinho se conheceram em 1941. Quase cinquenta anos mais tarde, quando a reencontrou, já viúva, ele propôs o casamento, que foi realizado em setembro de 1991. Em 2004, um ano após a morte do jornalista, Lily Marinho escreveu em francês o livro “Roberto e Lily”, no qual narra os anos de convivência do casal.

*Com Folha de S. Paulo, O Globo e Estadão.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012