6 de julho de 2022


Programação semanal retorna ao site da ABI com Dicas


04/02/2022


Por Vera Perfeito, diretora de Cultura e Lazer da ABI.

Dicas retorna com programas em casa e na rua com cuidado

Dicas retorna hoje com diversas séries (é bom ainda ficar em casa porque a Ômicron está fazendo estragos), um filme de Almodóvar e shows (para quem não tem medo de uma aglomeração hoje na Cinelândia, às 18hs). Livros sobre feminismo, exposições e programação on line da ABI. Você escolhe como se divertir. Bom final de semana.

NA ABI

Segunda-feira

19h30 – ABI Esportes é comandado pelo jornalista e conselheiro da ABI Marcos Gomes e vai ao ar pelo canal da ABI no Youtube – bit.ly/3uZn84f. Hoje, o programa trtaz um panorama sobre as torcidas organizadas dos clubes de futebol. Vamos conhecer o que vem sendo feito para reduzir os casos de violência atribuídos a uma parcela desses torcedores. Participam do programa o presidente e o vice da Associação Nacional das Torcidas Organizadas do Brasil, Luiz Claudio do Espírito Santo e Régis Alves e o professor da Escola de Ciências Sociais da FGV, Bernardo Buarque de Holanda. .

Terça-feira

19h30 O Cineclube Macunaíma exibe, a partir das 10h de hoje até segunda-feira, o filme Jururã, o espírito da floresta, de Armando Lacerda, sobre o primeiro deputado federal da etnia indígena, Mario Juruna. A luta dos índios Xavantes contra o extermínio e a expulsão de suas terras no interior do Brasil conduz o cacique e líder Mário Juruna à política. Chegando ao Parlamento, o único representante indígena no Congresso Brasileiro enfrenta, com os guerreiros da sua geração, a agressiva política de expansão agrícola do governo brasileiro. Seus parentes, filhos, tios e amigos de outras tribos indígenas reconstituem pela memória oral a sua história, desde a expulsão de seu território nos anos 40 até a reintegração das terras ancestrais e a restauração de sua cultura. À noite, haverá debate com o diretor, Diogo Juruna, filho do cacique, e os cineastas Silvio Tendler e Liloye Boublie. Assistam o filme e o debate pelo canal da ABI no YouTube. Link do debate: bit.ly/3uZn84f.

QUINTA-FEIRA

19h30Encontros da ABI com a Cultura. Hoje, a entrevistada do programa será Elvira Lobato, que recebeu diversos prêmios em seus 46 anos de Jornalismo e, entre eles, o Vladimir Herzog  e Esso, sendo ainda autora dos livros “Antenas da Floresta – a saga das tevês na Amazônia” e “Instinto de repórter”. A apresentação é da jornalista Vera Perfeito e os entrevistadores serão as jornalistas Cristina Serra e Zezé Sack e o jornalista do UOL Rubens Valente.

TELEVISÃO

Segunda-feira

18h15 Tv Globo estreia da novela Além da ilusão. Conta a história de Davi (Rafael Vitti), preso injustamente pela morte de Elisa (Larissa Manoela), sua namorada. Após 10 anos, o mágico escapa da cadeia, assume outra identidade e reencontra a irmã de Elisa, Isadora (Larissa Manoela), por quem se apaixona. Davi faz do ilusionismo sua arte e seu meio de sobreviver; Isadora tem os pés no chão e mira horizontes mais promissores, principalmente, no mundo do trabalho; eles precisam enfrentar grandes obstáculos, como as diferenças sociais para ficar juntos. “O tic tac do meu coração” é a música-tema da novela cantada por Gaby Amarantos que está no elenco.

MultishowTVZ verão ao vivo: Thiaguinho vai apresentar cinco edições do TVZ verão ao vivo que estreia hoje, às  . Zeca Pagodinho, Belo, Ferrugem, Juliette, Péricles e Pedro Sampaio serão convidados da atração. No digital, Mari Gonzales e Gominho comandarão a transmissão.

SÉRIES

APPLE TV Suspicion com Uma Thurman e Noah Emmerich no elenco, esta minissérie de suspense conta a história de quarto ingleses acusados de sequestrar o filho da magnata americana de mídia Katherine Newman, interpretada por Uma. Eles começam uma desesperada busca pela inocência. Os episódios chegam à plataforma toda sexta-feira.

NETFLIX

Ozarkos novos episódios continuam cheios de ação. A série trata de um esquema de lavagem de dinheiro com o cartel mexicano que dá errado. O consultor financeiro Marty Bird (Jason Bateman) promete ao líder do tráfico que consegue elaborar um plano ainda maior. Mas quando ele se muda para os arredores do lago de Ozark com sua esposa Wendy (Laura Linney), eles descobrem um lado obscuro e selvagem do capitalismo. Pois naquela parte do estado do Missouri, eles não serão os únicos lavando dinheiro ilegal. Os dois são surpreendidos por Ruth (Julia Garner), uma jovem criminosa acostumada a violência do tráfico depois de crescer rodeada de bandidos. Ela e sua família decidem intimidar os Bird para proteger seu território. Marty e Wendy acabam se afundando cada vez mais fundo nesse mundo sombrio das drogas e se veem presos entre poderosos chefões do crime organizado. Para proteger sua família, os dois decidem fazer o que for preciso, mesmo que tenham que utilizar violência.

After lifechegou a terceira e última temporada da série. São seis episódios curtinhos. O personagem central, Tony (Ricky Gervais), um viúvo amargurado, não consegue aceitar a perda da mulher para o cancer, pensa em suicídio e não consegue terv rtelações cordiais com ninguém.Tony odeia gentilezas e as mascaras sociais e magoa quem se aproxima dele.Faz piadas homofóbicas e tripúdia do cunhado que tenta tudo para animá-lo. Tony é reporter do Tambury Gazette, jornal de interior. Os dramas do enredo são bem interessantes. A terceira temporada é a da cura e Tony assiste vídeos da mulher que morreu sem parar e vai conseguindo abrir espaço para alguma alegria e doçura. Outras criações de Gervais: The office e Derek, uma pequena pérola ambientada num asilo.

Neymar: o caos perfeito – estrela nos campos, o jogador ganhou esta série documental de três episódios que conta sua trajetória no esporte. Abordando também as controvérsias da carreira de jogador, a produção tem entrevistas de Beckham, Messi e Mbappé, que opinam sobre o lugar do craque na história do esporte.

Murderville – a cada episódio, o detective Terry Seattle (Will Arnette) soluciona um crime com a ajuda de uma estrela diferente que se junta ao elenco nesta comédia. A questão é: os convidados nunca têm acesso ao roteiro e precisam improviser nas investigações. Entre as participações estão Sharon Stone e Conan O’Brien.

HBO Four hours at the Capitol (quarto horas no Capitólio): é um maravilhoso documentário sobre a invasão do Capitólio por bárbaros partidários de Donald Trump e que completou um ano no dia 6 de janeiro. A produção é de Dan Reed, vencedor do Emmy. São imagens inéditas sobre a turba que entrou no prédio tentando impeder a certificação da vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais. Há registros de celulares, de câmeras de segurança e de equipamentos acoplados aos uniformes dos guardas. O espectador é transportado para as escadarias do prédio e suas dependências. Sente a fúria da multidão e o medo de quem ficou encurralado. Há entrevsitas com pessoas que estavam lá como politicos, policiais, jornalistas e manifestantes. A fala de um policial espancadao que sobreviveu é emocionante. È bom ver para tentar impedir  que aconteça igual por aqui.

HBO MAX

Raised by Wolves –  a segunda temporada da ficção científica produzida por Ridley Scott continua seguindo os androides ai e Mãe cuidando das seis crianças humanas que eles levaram para o planeta Kepler-22b. Todos agora fazem parte de uma recém-formada colônia ateísta, na zona tropical, e precisam contornar os problemas dessa adaptação.

Vale de lágrimas – sobre a Guerra dos Seis Dias, em 1967, que mudou o mapa do Oriente Médio. Depois dela, Israel passou a controlar o Sinai, ocupou a Cisjordânia e o setor oriental de Jerusalém e tomou as Colinas de Golan da Síria. Essa demonstração de força do país minúsculo ao vencer a vizinhança árabe também abriu uma mágoa e uma sentiment de humilhação. Em q973, no feriado do Yom Kippur, veio a revanche. Israel em peso rezava quando esses países unidos fizeram um ataque de surpresa. É essa a guerra do “Vale de lágrimas”. A ficção se baseia em fatos reais. Golda Meir e Moshe Dayan aparecem em transmissões de Tv na época. São dez episódios.

GLOBOPLAY  

O canto livre de Nara: a série de cinco  episódios sobre a vida de Nara Leão. Imperdível.

Meu nome é noveladocumentário sobre a vida do autor de novelas Gilberto Braga

Ouro Verde – ganhadora do Emmy Internacional de melhor novella, a produção portuguesa chega à plataforma. A trama – que tem no elenco atores brasileiros como Zezé Motta, Silvia Pfeifer, Gracindo Júnior e Bruno Cabrerizo – conta a hhistória de Jorge Monforte (Diogo Morgado), um empresário da região da Amazônia.

Angela Black – conta a história de Ângela, uma mulher que vive um casamento abusivo por trás de uma vida de classe media aparentemente feliz. A situação começa a mudra quando um investigador revela segredos sombrios do marido dela.

STAR+

Only murders in the building (Somente crimes no edifício): o quarto episódio se refere ao cantor Sting, ex- The Police.

Pam&Tommy – história real de sexo, rock and roll, fama, privacidade e exposição é o tema da minissérie de oito episódios cujo roteiro é baseado na negociação de uma fita gravada, em 1990, de uma transa entre a atriz Pamela Anderson e Tommy Lee, baterista de uma banda. Um eletricista insatisfeito colocou a fita em domínio público, sendo o primeiro sex tpae a viralizar na internet. No elenco estão Lily James como Pamela, e Sebastian Stan como Tommy.

GNTAmores livres: Série documental de João Jardim retrata os diferentes tipos de relacionamento não monogâmicos que vão além do padrão Amor Romântico através de depoimentos de pensadores sobre o tema e de pessoas que formam diversos tipos de configurações amorosas. São dez episódios: 1- Trisal; 2- Rede Relações Livres; 3 –Poliamor; 4- Casamento a três; 5 – Casamento aberto; 6 – Poliamoristas; 7 – Poliafetividade; 8 – Morando a três; 9 – Amores múltiplos; 10 – Swing.

 

GLOBOPLAY, CANAL CURTA, sites do SESC SÃO PAULO, da PINACOTECA DE SÃO PAULO e do INSTITUTO INHOTIM: Cartas ao mundoa partir de terça-feira, a série audiovisual de três episódios aborda a crise ambiental e social, tendo como eixo a indignação de Glauber Rocha. É uma série de Bia Lessa, em parceria com pensadores como Flora Süssekind e Ailton Krenak. O primeiro episódio, “Asfixia”, mostra por que o largo do Paissandu, no centro da capital paulista, foi escolhido como “microcosmo do mundo” com sete estacionamentos numa região em que faltam moradias e há pessoas em estado de pobreza extrema. “Mercadoria”, o episódio 2, toca diretamente na questão de consumo. O terceiro episódio, “O comum” mostra que no Largo do Paissandu os estacionamentos poderiam se tornar hortas comunitárias e os prédios abandonados se tornariam moradia para quem precisa. Na série ainda aparecem reproduções de obras de 80 artistas plásticos. Elas estão nas ruas onde também passam filmes de Glauber. “Cartas ao mundo” é também uma exposição no Sesc da Avenida Paulista.

FILM &ARTSBossa Nova: o primeiro capítulo da série estreou no dia 25, data em que Tom Jobim faria 95 anos e quando também é comemorado o Dia Nacional da Bossa Nova. Narrado pelo neto de Tom, Daniel Jobim, traz releituras de sucessos do compositor interpretados por Cris Delanno, Roberto Menescal, Toni Garrido, Kay Lyra e Maurício Maestro. A produção volta no domingo, dia 6 de fevereiro, às 21h30, com 12 novos episódios (reprisados às terças-feiras, às 20h30O e depoimentos de nomes como Roberto Menescal, Carlos Lyra Marcos Valle e João Donato.

FILMES

Mães paralelas – de Almodóvar. Duas mulheres dão à luz no mesmo dia e no mesmo hospital. Uma delas, de meia idade, teve a gravidez planejada e já se sente preparada para ser mãe. Particularmente chegado a investigar funções maternas (“Tudo sobre minha mãe”, entre vários outros), neste filme o diretor criou uma trama que confronta galerias diversificadas da categoria — do passado e do presente. Em elenco bem entrosado, Almodóvar encontra na parceria estável com Penélope Cruz, a intérprete mais que perfeita para sintetizar femininos em colisão — consigo mesma, com seu tempo, com o passado. Talvez em sua melhor atuação, a atriz é apenas excepcional em um jeito tão Almodóvar de ser. Destaque também para a veterana Aitana Sánchez-Guijon, como a mãe desnaturada da jovem Ana, Teresa, que coloca a carreira acima de todas as coisas —e se garante como “apolítica” para seguir em frente. Cine Santa Teresa (13h e 19h35), Espaço Itaú (14h, 16h20 e 18h40) e Cine Reserva Cultural Niterói (17h40 e 20h10).

LIVROS

A história diz que o feminismo tem quatro ondas:

1ª) surgiu na primeira metade do século XIX, correspondendo à luta pelo sufrágio.

2ª) a partir dos anos 1960, aos movimentos de liberação e à busca de igualdade jurídica e social.

3ª) nos anos 1990, trouxe novas discussões sobre identidade, gênero e sexualidade.

4ª) hoje é marcada pelo uso massivo dos meios digitais sobretudo para combater as diferentes formas de violência contra a mulher.

E é nesse presente que os livros abaixo questionam: será que a história feminista é mesmo tão recente, tão facilmente demarcada no tempo e tão euro-americana e branca.

Contra o feminismo branco – Rafia Zakaria (Intrínseca, R$49,90). A autora analisa do colonialismo europeu no século XIXaté o trabalho das organizações humanitárias nos dias de hoje e desenha um panorama que chama de “maneira condescendente como mulheres brancas tratam as outras, sobretudo as pobres”. As sufragistas queriam votar mas se aliaram aos homens e não entenderam que as indianas também queriam votar nas nações independentes. A autora diz que, hoje, pessoas brancas tomam decisões que afetam as vidas de mulheres sobre as quais nada sabem e que queriam ser ouvidas.

Feminismo branco: das sufragistas às influenciadoras e quem elas deixaram para trás (Harper Collins, R$49,90) – Koa Beck. Ser ouvida e reconhecer narrativas sobre suas experiências foi o que fez a jornalista Koa Beck deixar redações de publicações femininas nos EUA e escrever esse livro. Ela diz que viu mulheres negras  se perguntando o que fazer diante de pautas como “liderança feminina nas grandes corporações”. Segundo a autora, ela são invisíveis mesmo em movimentos como a Marcha das Mulheres ou o #MeToo. A autora acredita que o feminismo branco se tornou uma ideologia capaz de levar outras mulheres a aspirarem a branquitude, mas que nada faz para alterar as estruturas misóginas e racistas. Para essas mulheres as necessidades básicas foram resolvidas. Não são elas que vão questionar o poder.

Feminismos: uma história global (Companhia das Letras, R$84,90) – Lucy Delap. O livro aborda 250 anos de história feminista ao redor do mundo e afirma que o movimento das mulheres floresceu graças a interações globais mesmo muito antes das comunicações em rede. Mas que as relações do poder amplificaram apenas algumas vozes. A autora diz que as mulheres da Guatemala, por exemplo, são perfeitamente  capazes de estabelecer suas prioridades e desenhar suas políticas. E esse aspecto é uma das razões de o feminismo ser um dos movimentos políticos mais inovadores do mundo.

 

MÚSICA

Para garimpar: os hits avulsos lançados em 1982, ano em que a música brasileira se revelou pop. São eles:

1)    Fera ferida: Roberto Carlos; 2) Olhos cloridos, Sandra Sá; 3)Tô que tô, Simone; 4) O melhor vai começar, Guilherme Arantes; 5)Hadock Lobo esquina com Matoso, Tim Maia; 6) Simples carinho, Ângela Ro Ro; 7) Mesmo que seja eu, Erasmo Carlos; 8) Asa morena, Zizi Possi; 9) Pelo amor de Deus, Emílio Santiago; 10) Nasci para bailar, Nara Leão.

Álbuns imperdíveis:

1)    Um banda um (“Andar com fé”, “Drão”, “Esotérico”, “Deixar você” e “Pula, camiunha”, de Gilberto Gil; 2) Luz (“Samurai” com gaita de Stevie Wonder), “Açaí”, Sina” e “Pétala”), Djavan; 3) Cores, nomes (“Queixa e “Trem das cores”, foram os hits, mas o disco também trouxe “Meu bem, meu mal”, a versão de “Sonhos” (de Peninha) e “Um canto de afoxé para o bloco de Ilê”, canção feita com o filho Moreno, ainda criança), Caetano Veloso; 4) Um raio laser ( “Fazendo música, jogando bola”, “Um raio laser”, “Planeta Vênus”, o axé “Oludum origem negra nagô”), Pepeu Gomes; 5) Minha voz ( “Azul” (Djavan), “Bloco do prazer” (Moraes Moreira), “Luz do sol” e “Dom de iludir” (ambas de Caetano) – Gal Costa; 6) Mato grosso (“Por debaixo dos panos”, “Promessas demais” e “Tanto amar”) Ney Matogrosso; 7) Alegria ( “Bate coração” e “Amor com café”) – Elba Ramalho; 8) Cavalo de pau ( “Morena tropicana” e “Como dois animais” ) – Alceu Valença; Rita Lee Roberto de Carvalho (“Flagra”, “Só de você” e “Cor-de-rosa choque”) – Rita Lee; Robson Jorge & Lincoln Olivetti ( “Aleluia”) – hoje é disco cultuado.

EXPOSIÇÕES

A tensão — Leandro Erlich barco e elevador flutuantes, janelas para jardins imaginários e até uma piscina em que o visitante pode ficar “submerso” sem medo de se afogar fazem parte da mostra do argentino Leandro Erlich, com curadoria do brasileiro Marcello Dantas. Mas fique atento: é recomendado reservar os ingressos com antecedência pelo site Eventim. Por causa da grande procura, as vagas foram esgotadas até o fim de fevereiro e novos lotes estão sendo abertos diariamente. Até 7 de março. CCBB-  Dom, seg e qua, das 9h às 19h e qui a sáb, das 9h às 20h. Grátis. Agendamento pelo site www.eventim.com.br.

Notícias do Brasil: Carybé, Cícero Dias e Glauco Rodrigues– após uma reforma, o Espaço Cultural Arte Sesc reabre para o público na histórica Mansão Figner, no Flamengo, com uma exposição inaugural composta por 48 gravuras assinadas por esses artistas, com curadoria de Marcelo Campos e Pollyana Quintella. No ano do centenário da Semana de Arte Moderna de 1922, a mostra propõe uma reflexão sobre a visão identitária que acompanhou o modernismo brasileiro. Arte Sesc: Rua Marquês de Abrantes 99, Flamengo. Seg a sáb, das 12h às 19h. Grátis

SHOWS

Hoje

17h – Banca do André – point de happy hour na Cinelândia. A programação, gratuita, começa às 17h com um DJ, que comanda as carrapetas no intervalo da programação. O dono da banca é André Neves. Rua Pedro Lessa, esquina da Av. Rio Branco. Às sextas-feirasGrátis.

18h – Regida por Marcelo Caldi, a Orquestra Sanfônica do Rio de Janeiro tocará músicas de Dominguinhos na Cinelândia e nas escadaria do Theatro Municipal, de graça. Dentro do teatro, a partir das 19h30, haverá apresentações de Egberto Gismonti e da Orkestra Rumpilezz.

 

Rock 80 Festival Arpoador + Feira do Amanhã + BBQ Fest Beer –

 

 

Sábado

21h Zé Ramalho canta os grandes clássicos de sua carreira no Vivo Rio. A partir de e R$60 (meia) a R$120 Inteira). Ingressos: no Vivo Rio ou Eventim. Exige certificado de vacinação em papel timbrado.

22h Blitz. O grupo se apresenta no Circo Voador, liderado por Evandro Mesquita. R$120 (ingressos na bilheteria: 2533-0354 ou em www.eventim.com.br). Meia-entrada para idosos ou se levar 1 kg de alimento perecível.

Terça-feira

Candlelight: Tributo a Queen à luz de velas: tributo à banda Queen à luz de velas pelo Quarteto de Cordas, às 19h e 21h, no Centro Cultural Veneza. Necessário atestado de vacina.

TEATRO

Eu de vocêmonólogo com Denise Fraga com relatos de de pessoas comuns, fragmentos de vida, casos de família e pequenas alegrias. As histórias foram costuradas com textos, poesias ou canções de autores consagrados como Tchekhov e Chico Buarque e o espetáculo tem direção de Ricardo Villaça, marido da atriz. No palco há uma banda só de mulheres e ela canta até Elvis Presley. CCBB, de quarta a sábado, às 19h. Dom – 18h. Até 20/2. R$30. Classificação: 12 anos.

Quando eu for mãe quero amar desse jeito – com Vera Fischer, Mouhamed Harfouch e Larissa Maciel. A peça mistura tensão e humor ácido e a trama gira em torno de uma mãe obcecada pelo filho que entra em pé de guerra com a noiva dele. Sesc Copacabana. De quarta a domingo, 19h. Sessão extra dia 19/2 (sáb), 16h. Até 20/2. R$30. Classificação:12 anos.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012