Polícia do Pará identifica quem ameaçou jornalista


02/09/2019



A Polícia Civil do Pará já identificou e responsabilizou o autor das ameaças ao jornalista Adécio Piran, editor do jornal Folha do Progresso, na cidade de Nova Progresso (PA), no sudoeste daquele estado, a 1.600 quilômetros de distância da capital Belém. A Nota cita Donizete Severino Duarte, “administrador de um grupo de WhatsApp denominado “Direita Unida Renovada”, como responsável pelas ameaças ao jornalista.

A informação foi encaminhada por Nota Oficial do governo à presidência da Associação Brasileira de Imprensa – ABI, após o presidente da entidade, Paulo Jeronimo de Sousa – o Pagê, encaminhar carta ao governador Hélder Barbalho solicitando seu empenho pessoal no esclarecimento do caso, na segurança do jornalista e na garantia da sobrevivência do jornal, cujos anunciantes estariam sendo forçados a suspenderem as publicidades no jornal on line.

Informa ainda a Nota Oficial do Governo do Pará que a Polícia Civil, após ouvir Donizete Duarte, responsabilizando-o pelas ameaças, já encaminhou o procedimento à Justiça Estadual.

Segundo informações que a ABI recebeu, o delegado Daniel Mattos Mathias Pereira fez um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), com base na Lei Nº 9.099, de setembro de 1995, que dispõe sobre os Juizados Especiais Cíveis e Criminais. Em seu artigo 69 a lei determina que “a autoridade policial que tomar conhecimento da ocorrência lavrará termo circunstanciado e o encaminhará imediatamente ao Juizado, com o autor do fato e a vítima, providenciando-se as requisições dos exames periciais necessários”.

Neste TCO Donizete aparece como autor de crimes contra a honra e contra a pessoa do jornalista Adécio Piran, através de publicações na Rede Social. Caberá ao Ministério Público Estadual dar prosseguimento ao caso.

Mas a Polícia Civil, através do mesmo delegado, continua a investigar a autoria do panfleto que circulou na região, em que Adécio Piran é alvo de calúnias e difamações. Esta investigação busca o autor do panfleto bem como o(s) possível(eis) responsável(eis) pela sua distribuição naquela região do estado.

A Nota Oficial encaminhada à ABI pela secretária de Comunicação do Governo do Pará, Vera Oliveira, garante ainda que “a Polícia Militar recebeu determinação para acompanhar o caso e cuidar da segurança do jornalista”. Segundo informações prestadas à ABI pela assessora de comunicação social da Secretaria de Segurança do Governo do Pará, Aline Saavedra, além de a Polícia Militar estar atenta à segurança do jornalista, “está sendo feito ainda uma análise de risco pela Secretaria Adjunta de Inteligência (SIAC)”.

Leia abaixo a íntegra da carta encaminhada pelo presidente da ABI ao governador Hélder Barbalho.

“Os artigos do site não refletem, necessariamente, a opinião da Diretoria da ABI”