17 de agosto de 2022


Jornalismo com impacto social na América Latina


01/07/2021


Por Lautaro García Alonso, publicado no site do LatAm Journalism Review, Centro Knight

Jornalismo de soluções, jornalismo regenerativo, jornalismo construtivo, jornalismo de impacto, jornalismo humano, jornalismo proposital, jornalismo útil, jornalismo de serviço.

Esses são apenas alguns dos nomes que uma – não tão – nova forma de fazer jornalismo recebeu nos últimos tempos, e que se firmou na América Latina. Um jornalismo que, ao invés de apenas divulgar notícias sobre os últimos acontecimentos econômicos, sociais, culturais e políticos da atualidade, propõe uma visão proposicional – e muitas vezes positiva – sobre os problemas sobre os quais relata. Um jornalismo que visa destacar as iniciativas que atuam no sentido de contrariar as consequências negativas dos conflitos e sugerir formas de melhorar os problemas sociais e, assim, contribuir para uma melhor qualidade de vida e convivência na comunidade.

Pessoas resolvendo problemasAssim como não há um consenso geral em torno dos limites conceituais dessa abordagem jornalística, não há uma fórmula para colocá-la em prática. Assim, o que acontece é que cada meio adapta sua visão e práticas a partir de sua própria interpretação do que entende por “jornalismo regenerativo”, “positivo” ou “soluções” (ou qualquer um dos outros conceitos disponíveis).

Consequentemente, o resultado acaba sendo um mosaico heterogêneo, cujo ponto comum se reduz ao material com o qual suas peças foram feitas: a vontade de forjar um jornalismo que transcenda o paradigma de comunicar apenas más notícias e, em vez disso, ofereça uma alternativa para um número crescente de leitores buscando consumir outros tipos de conteúdo.

Na América Latina, a recepção e o crescimento do jornalismo de soluções tem sido notável. Em particular, a Fundação Gabo, por meio de uma aliança com a Solutions Journalism Network (SJN), dos Estados Unidos , começou em 2019 a promover essa abordagem jornalística por meio de sua rede. Assim, criaram uma seção em seu site exclusivamente voltada para a divulgação de soluções jornalísticas: ali publicam regularmente conselhos e recursos para jornalistas e compartilham notas de jornalistas e da mídia latino-americana que implementam essa abordagem jornalística em suas investigações. Paralelamente, também organizam oficinas e encontros de capacitação, além de conceder prêmios e bolsas de estudo para a promoção do jornalismo com repercussão social.

Uma das líderes latino-americanas em jornalismo de soluções é Liza Gross, jornalista argentina, além de editora e especialista em inovação na mídia. Atualmente, além de ser uma das principais formadoras da Fundação Gabo nesta técnica jornalística, faz parte da equipe SJN (onde atua como VP de Mudança de Prática).

Questionada sobre a situação dessa abordagem jornalística na região, a jornalista se mostra otimista. “Com a Fundação Gabo, trabalhamos na América Latina há três anos e devo dizer que estou profundamente entusiasmada pela resposta calorosa que o jornalismo de soluções teve na região”, disse ela à LatAm Journalism Review (LJR).

Gross define o jornalismo de soluções como “cobertura rigorosa e evidência de respostas sistêmicas aos problemas sociais”. E acrescenta: “o jornalismo de soluções é uma técnica jornalística, mas além disso é uma forma de ver a realidade que como jornalistas retratamos para oferecer um panorama mais completo e complexo aos nossos públicos”.

O jornalismo de soluções teve uma recepção especial na Argentina, país no qual está presente há vários anos e onde continua se expandindo. Por isso, LJRentrevistou dois jornalistas locais cujos meios de comunicação se tornaram referência para essa abordagem jornalística.

Notícias positivas: rumo a um jornalismo regenerativo

O Noticias Positivas, fundado pela jornalista Andrea Méndez Brandam em Buenos Aires em 2003, foi o primeiro meio de comunicação na Argentina a fazer jornalismo de soluções. A iniciativa nasceu como uma mídia independente, a convite da Positive News , um veículo fundado em 1993 no Reino Unido que foi pioneiro nesta abordagem jornalística em todo o mundo. Segundo Méndez Brandam, naquela época conceitos como “RSE” (responsabilidade social corporativa) ou “sustentabilidade” eram pouco discutidos.

Captura de tela do site Positive NewsAs notícias e artigos publicados pelas Noticias Positivas cobrem os mais diversos temas, principalmente: novas economias, hábitos sustentáveis, proteção do ambiente, educação e cultura, saúde e bem-estar, energias renováveis, ciência e tecnologia, iniciativas de solidariedade, entre outros.

Em 2014, o Noticias Positivas passou a ser o primeiro meio de comunicação a obter a certificação B Corp, passando assim a ser uma “Empresa B” ou de triplo impacto. Ou seja, não busca apenas o desempenho econômico, mas também tem o compromisso de gerar impactos socioambientais positivos na comunidade.

Desde então, a empresa continuou crescendo e se expandindo para outras áreas: além do site de notícias digitais, lançou uma revista sobre energias renováveis ​​(Energía Positiva), criou um programa de rádio e passou a oferecer serviços de consultoria corporativa (N + Conectar).

Em 2019, decidiram redefinir a linha editorial e transformaram o “jornalismo de soluções” em “jornalismo regenerativo”. A este respeito, Méndez Brandam explica à LJR que “era preciso dar uma guinada no conceito, já que hoje não basta apenas falar em soluções”.

A ideia de “regenerador” centra-se na noção de transformação – neste caso, para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) – e na interdependência entre setores da sociedade que interagem com objetivos positivos semelhantes, a partir de uma senso de responsabilidade compartilhada. Até à data, a equipe é composta por 14 pessoas, das quais três integram uma redação localizada em Madri.

Red/Acción: ‘vamos fazer jornalismo humano’

A Red/Acción nasceu em 2018, por iniciativa de Carlos “Chani” Guyot, até então redator-chefe do jornal La Nación .

“Eu me propus a escolher e abraçar outro desafio: explorar as fronteiras do que é entendido como jornalismo tradicional pensando no que o jornalismo é necessário”, disse o fundador e atual CEO da Red/Acción à LJR . “Na Red/Acción, partimos de duas premissas: por um lado, desativar o excesso de negatividade (por isso falamos de jornalismo de soluções) e, por outro, desmontar o modelo de difusão através do jornalismo que promove a participação cidadã”, acrescenta.

Screenshot do site InfobaeO lema da Red/Acción é “vamos fazer jornalismo humano”. Daí surge, entre outras coisas, a importância que atribuem à interação com os seus públicos: dos seguidores nas redes sociais aos que participam como assinantes e membros. Nesse sentido, Guyot explica que eles têm “universos diferentes de participação”: pesquisas no Instagram, trazendo um problema social que permite ao público dar sua opinião ou mesmo eventos em que a dinâmica assume o formato de uma conversa, “mas articulada através do método jornalístico”.

Atualmente, Red/Acción é formada por uma equipe de 17 pessoas, que se distribuem em cinco áreas: página web – na qual publicam histórias que permitem entender os problemas sociais e como podem ser resolvidos –, newsletter temáticas, redes sociais, a revista impressa com edição bimestral (MONO) e Laboratório de Experimentação Jornalística para estudantes de jornalismo. Com exceção da revista e de algumas newsletters, que são produtos exclusivos para assinantes, o restante do conteúdo é aberto.

Além disso, Red/Acción continua a se expandir para novos públicos. Assim, em maio deste ano, lançaram a Solutions for Latin America, em aliança com o Infobae. Este é um suplemento no qual os jornalistas da Red/Acción publicam uma matéria diferente sobre o jornalismo de soluções todos os dias na página inicial do Infobae. O objetivo da iniciativa é expandir o alcance dessa abordagem jornalística para o restante da América Latina.

“Pensamos no Infobae porque é o meio de língua espanhola mais lido e um dos poucos na Argentina com uma perspectiva regional”, diz Guyot. “Estamos muito felizes com o resultado. Apesar de serem textos longos, os leitores acompanham”, garante.

Por sua vez, há alguns meses, foi lançada a Rede de Jornalismo Humano: uma aliança de veículos que compartilham uma série de valores em torno do jornalismo social. Até o momento, a rede é formada pela Red/Acción e outras sete mídias latino-americanas: GK (Equador), Cerosetenta (Colômbia), Mi Voz(Chile), La vida de nos (Venezuela), Lado B (México), Salud con Lupa (Peru) e El Toque (Cuba).

Modelo de negócios: como o jornalismo de impacto é financiado? 

Um tópico inevitável ao discutir novos formatos de mídia é o modelo de negócios. Nesse sentido, dentro do jornalismo de soluções não existe um critério unificado de qual caminho seguir. Em relação às duas mídias analisadas, embora ambas coincidam na diversificação de suas receitas, as estratégias para alcançar a subsistência econômica são diferentes.

A Notícias Positivas possui um sistema de patrocinadores: empresas que decidem apoiar o projeto e com as quais estabelecem acordos que vão além dos banners publicitários no site. É um modelo personalizado: as diretrizes são acordadas individualmente com cada patrocinador. Assim, o contrato muitas vezes inclui a geração de conteúdo para a empresa, ou seja, a organização e  moderação de eventos internos. Méndez Brandam afirma que até agora nunca recorreram ao modelo de assinante: em grande parte, porque nunca tiveram a estrutura de uma redação.

A Red/Acción, por outro lado, está fortemente comprometida com o modelo de assinante, oferecendo assinaturas com benefícios exclusivos. Também contam com o apoio das marcas, mas – como o Noticias Positivas – evitam a publicidade tradicional. Em vez disso, costumam oferecer às empresas, por exemplo, o patrocínio de determinadas newsletters, além de outros projetos conjuntos.

Pandemia: uma oportunidade para o jornalismo positivo ou de soluções?

Ilustração de pessoas e lâmpadaOutra questão relevante diz respeito à pandemia COVID-19 e seu impacto na forma de fazer jornalismo. Nesse sentido, os entrevistados concordaram que a atual crise de saúde representa uma oportunidade para o jornalismo de soluções.

Para Méndez Brandam, a pandemia representou um contexto de mudança absoluta, no qual eles começaram a precisar desesperadamente ver “pequenas luzes que iluminassem o caminho”. No entanto, o jornalista lamenta a irresponsabilidade de muitos dos grandes meios de comunicação em não se preocuparem em dar notícias sobre as soluções existentes para os problemas, ou mesmo desinformar o público.

Guyot, assim como Méndez Brandam, acredita que a pandemia trouxe uma nova oportunidade para o jornalismo de soluções.

“Em um momento de tantas más notícias, encontra o seu lugar um jornalismo que busca construir a partir de experiências positivas e valiosas”, afirma o diretor da Red/Acción. E esclarece que “não se trata apenas de ‘dar boas notícias’”.

“Nosso jornalismo não ignora os problemas, mas os olha com ‘raios X’: explica sua complexidade e menciona quem está fazendo algo para mudar a situação”, detalha.

Diversas visões sobre uma abordagem jornalística ainda em construção

O jornalismo positivo, ou o jornalismo de soluções, não deixa de ter críticas. Já no final do século passado, com base nos depoimentos recolhidos por Susan Benesch – uma advogada e jornalista americana que em 1998 publicou um artigo sobre o aumento da publicação de histórias a partir de uma abordagem de soluções em diversos meios de comunicação locais nos Estados Unidos – , pode-se observar a desconfiança de alguns jornalistas em relação a essa forma de fazer jornalismo. Por exemplo, um editor sênior considerou isso nada mais do que “ incentivo ” – mera promoção entusiástica de certas causas, projetos ou pessoas – e “torcida”.

Mais próximo no tempo, o “jornalismo de soluções” costuma ser considerado pelos seus críticos simplesmente como “jornalismo de boas notícias” que, longe de gerar impacto ou mudança social, apenas melhora as vendas dos jornais e revistas que o promovem.

Nesse sentido, em artigo publicado há poucos anos, Lene Bech Sillesen destacou como a divulgação de uma boa notícia favoreceu os negócios daqueles meios de comunicação que possuíam um suplemento ou seção dedicada a esse tipo de conteúdo.

Seán Wood, CEO da Positive News, diz que “as histórias positivas vendem” e que, de fato, as vendas aumentam quando a mídia inclui suplementos com boas notícias. No entanto, ele destaca a diferença entre notícias “legais”, que buscam apenas gerar cliques – por exemplo, vídeos ou curiosidades sobre animais de estimação, o que Méndez Brandam chama de “conteúdo de gatinhos” – e notícias baseadas em jornalismo de qualidade, que relatam problemas reais, destacando, ao mesmo tempo, as ações positivas ou possíveis soluções ao seu redor.

Apesar de uma tradição de décadas, o jornalismo construtivo ou de soluções ainda é um fenômeno relativamente recente. E à medida que continua a se expandir, inevitavelmente haverá veículos que verão a comunicação de notícias positivas como um negócio lucrativo que tentarão maximizar, mesmo correndo o risco de divulgar conteúdos que não cumpram os princípios do jornalismo de soluções.

Por outro lado, como a distinção semântica entre “jornalismo positivo”, “soluções” ou “boas notícias” não é clara, esses conceitos ainda são intercambiáveis. Possivelmente, será questão de tempo até que o autêntico jornalismo de impacto social se depure daquele que busca simplesmente o lazer, o entretenimento ou o relaxamento do leitor.

Apesar de tudo isso, nenhum dos entrevistados acredita que o jornalismo de soluções – ou qualquer nome que venha a adotar essa abordagem no futuro – vai se tornar a nova norma para o jornalismo.

Pelo contrário, segundo Guyot, “trata-se de encontrar um equilíbrio entre uma abordagem tradicional –mais de denúncia– e esta abordagem que, além de denunciar, olha para as propostas”.

“Não pretendemos fazer do jornalismo de soluções o paradigma dominante, mas sim um dos paradigmas que norteiam o trabalho dos profissionais da informação”, conclui Gross.

Nota de LJR: A Fundação Gabo publicou uma versão mais longa deste mesmo artigo.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012