28 de novembro de 2022


Ivan Proença lerá Manifesto em Defesa da Petrobrás nessa segunda-feira (26)


24/09/2022


Ivan Proença, diretor da ABI, será um dos palestrantes do encontro que lançará oficialmente nesta segunda-feira (26/9/22), às 21h, ao vivo, pelas COMBrasil (via satélite, pelos canais 28 da SKY e da OiTV, 3 da ClaroTV, 239 da VivoTV e 20 da Nossa TV) e TV Comunitária de Brasília (canal 12 na NET), para mais de 50 milhões de pessoas, o manifesto O PETRÓLEO VOLTARÁ A SER NOSSO E O BRASIL VOLTARÁ A CRESCER.

Devido ao seu histórico de coerência e luta, a ele foi designada a tarefa de ler o documento.  Proença participou em abril de 1964 da defesa do CACO, Centro Acadêmico Cândido de Oliveira, da Faculdade Nacional de Direito, de grande presença política no apoio a Jango, Brizola, ao trabalhismo e nacionalismo. Os lacerdistas armados, como os bolsoraristas de hoje, foram assassinar os membros do CACO, alunos da FND. Militar, estava de serviço no Ministério da Guerra, que, como a FND, ficava no entorno do Campo de Santana. Ivan Proença levou soldados e impediu o massacre dos lacerdistas. Foi cassado, afastado do Exército e anistiado em 1979. Tem mais de 90 anos.

Segunda-feira estarão ao lado de Proença o vice-presidente da AEPET, Felipe Coutinho, o jornalista Beto Almeida; o professor de Direito Econômico da USP, Gilberto Bercovici; Ivan Proença, diretor da ABI; e o geólogo Guilherme Estrella, ex-diretor de Exploração e Produção da Petrobrás. O evento será apresentado pelo jornalista Paulo Miranda.

Clique aqui para ler o manifesto O PETRÓLEO VOLTARÁ A SER NOSSO E O BRASIL VOLTARÁ A CRESCER

De Próprio Punho, por Ivan Proença: “Cassado como militar e cassado como professor, foi assim que resolvi criar a OLIP” (oficina literária mais antiga do Brasil, fazendo 50 anos)

Eu era oficial (capitão) do Regimento de Guarda Presidencial em 1964. No 1º de abril, dia do Golpe, não aderi. A seguir, fui preso, isolado, cassado e perseguido por 20 anos. Na minha nova carreira, professor, também fui cassado: eu e minha mulher, a professora Isis Maria Balter Proença, cassados e proibidos de prestar concurso público. Minhas novas tentativas, no jornalismo, junto à ABI inclusive, foram vigiadas e constam das fichas dos órgãos de repressão: atividades no âmbito da ABI, anos 70 e 80.

Cassado como militar e cassado como professor, foi assim que resolvi criar a Oficina de Ficção e Poesia, daria minhas aulas aqui e ali, inclusive, até em igreja, seria difícil “descobrirem” e intervir. Um salário insignificante, 6 a 7 escritores, mas ajudaria.

Os primeiros anos de Oficina foram dificílimos, como foi difícil atravessar o período obscurantista da Ditadura, trazendo à luz fatos enterrados por interesses escusos. Mas veio a Anistia: embora restrita, ajudou sob certos aspectos. Exemplo: embora sob intervalada vigilância, já não precisava apresentar-me no DOPS de três em três meses, para declarar sobre minhas atividades.

Reconstituí minha vida através do Mestrado e Doutorado, após fundar a Oficina. E repito aos escritores: oficina não faz escritor, apenas encurta os caminhos para a boa literatura. Hoje, minha oficina é tida como a mais antiga em funcionamento ininterrupto por 50 anos no País. Discreta, sem espírito mercadológico ou marqueteiro, a Oficina não possui vagas em seu sempre limitadíssimo número de ficcionistas e poetas.

Sou autor de 14 livros de Literatura e Cultura Brasileira, Prêmio Especial Esso de Literatura, cinco dos livros agora sendo reeditados, a exemplo do Ideologia do Cordel (sou especialista, membro da Academia de Cordel, maior coleção do Sudeste), e, a exemplo dos livros do Golpe e do Futebol e Palavra.

Neste 2022, comemoram-se (evento dia 6 de abril) os 50 anos da OLIP, Oficina Literária Ivan Proença, a mais antiga do País, que abrigou, e abriga, alguns de nossos mais importantes escritores, pela boa e relevante escrita.

No Governo Brizola, fui Diretor de Cultura do Estado, do MIS e de Projetos Especiais. Hoje, sou militante e ativíssimo, lecionando e acompanhando o GTNM (Grupo Tortura Nunca Mais), atuando no Conselho da ABI, repudiei o rótulo com que o novato na ABI, vice-presidente, contemplou-me e a outros veteranos companheiros (velhos acomodados), na ânsia de promover outras intrusas “renovadoras”.

Pouco antes da 1ª Anistia, afinal, convite para lecionar em uma faculdade, a FACHA, onde trabalharia tranquilo, sabendo que não seria demitido após visita dos repressores. O diretor, professor Hélio Alonso, tinha bom trânsito com militares (cursara a Escola Superior de Guerra) e se interessava por ter bons professores, mesmo sabendo-os contrários à Ditadura: eu e mais três, tornando-nos, até, com o tempo, amigos do diretor.

Hoje, durante e depois da pandemia, estamos ministrando as aulas por skype. Recebo por e-mail os textos, “trabalhos de casa” dos escritores, corrijo, comento em aula e devolvo, fotografando cada um por WhatsApp ou e-mail. Novos tempos.

Ivan Cavalcanti Proença é coronel do Exército. Um Exército que lutou (com a ABI) por “o Petróleo é nosso”, por um Brasil mais igual, por um nacionalismo fraterno e por um patriotismo nunca ufanista. É Mestre e Doutor em Literatura (UERJ e UFRJ) e palestrante em quase todos os estados do Brasil, além de 40 anos lecionando também na FACHA. É membro e diretor da Academia Carioca de Letras.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012