27 de setembro de 2022


Entrevista – Helena Chagas


14/09/2006


A consciência do exercício digno da profissão  

José Reinaldo Marques
15/09/2006

Ex-colunista política do Globo e atual editora regional de Jornalismo do SBT em Brasília, Helena Chagas diz que não é “de olhar para trás, nem de guardar ressentimentos”. Está feliz na nova função, garante, e fala aqui do atual cenário político brasileiro, das tentativas de manipulação da imprensa e do pai, o jornalista Carlos Chagas.

Não pretendia falar sobre o caso da conta bancária do caseiro Francenildo Costa, que derrubou o então Ministro da Fazenda Antônio Palocci, mas acabou dando detalhes do episódio, em que afirma já estar mais que claro que agiu o tempo todo profissionalmente. Como responsável pela sucursal do diário, correu atrás de uma informação: “Tentei ajudar os repórteres que estavam fazendo a matéria e a enviei para a sede do jornal.”

Na ocasião, Helena foi procurada por Palocci, que queria saber se O Globo estava apurando o caso: “Disse a ele que sim. Não ia mentir, nem a ele nem a ninguém. E ponto final.” Segundo ela, cada um deve assumir suas responsabilidades. A dela é ser jornalista, com a consciência tranqüila de que o foi “em cada minuto desse episódio”.

ABI OnlineA mídia muitas vezes é alvo de tentativas de manipulação. Como você avalia este fato?
Helena Chagas — A mídia é sempre alvo de tentativas de manipulação dos mais diversos setores da sociedade. Assim como a própria mídia, que faz parte dessa sociedade, em algumas ocasiões é acusada de tentar manipular a opinião pública. Faz parte do jogo. É bom nunca esquecer que estamos de lados diferentes do balcão, nosso objetivo como jornalistas é obter a informação correta e transmiti-la à sociedade da forma mais correta e isenta, independentemente dos interesses de A, B ou C. É óbvio que isso é o ideal e que nem sempre se consegue. Mas o importante é ter sempre isso em mente.

ABI OnlineQual é a relação ideal que um jornalista deve manter com suas fontes para não prejudicar sua credibilidade?
Helena — De distanciamento, sejam elas autoridades políticas ou não. Jornalista não é amigo de fonte e vice-versa, pelo simples fato de que os interesses dos dois são diferentes: o jornalista quer a notícia, a fonte quer que determinado fato aconteça ou não, quer influenciar os rumos de algum processo, ou mesmo “aparecer bem na foto”. Para nós, isso não é o importante. 

Em cada conversa com uma fonte, temos que nos perguntar qual é o interesse da pessoa que nos está passando a informação — e, claro, checar a informação. O fato de haver sempre um interesse não nos impede de dar a matéria — se ela for relevante e verdadeira, tem que ser dada — e de ter uma relação de confiança com a fonte. Mas, como já disse, relação de confiança não é amizade, nem tampouco cumplicidade.

ABI OnlineComo essa relação de confiança se estabelece?
Helena — É preciso agir corretamente. Se o jornalista se comprometeu com a fonte a não revelá-la, deve cumprir o compromisso. Por sua vez, o principal compromisso da fonte, é falar a verdade. Fonte que mente deixa de ser fonte.

ABI OnlineMuitos jornalistas acham que a credibilidade dos meios de comunicação está vulnerável. Você concorda?
Helena — Acho que vivemos um momento em que a credibilidade de muitas instituições anda abalada: a dos políticos, sobretudo a do Congresso Nacional, a da Justiça, a dos cartolas do futebol… É natural que os meios de comunicação também sofram com esse processo. O sistema político se exauriu, e isso abala todas as instituições a ele ligadas. Por outro lado, vejo também que a imprensa não está assim tão mal na escala de credibilidade de nossas instituições: quase todas as pesquisas mostram que ela ainda é uma das mais respeitadas. 

ABI Online É possível que o crime organizado no Brasil esteja usando a imprensa, como tem feito o terrorismo internacional?
Helena — Acho que o crime organizado está para lá de organizado em nosso País, muito mais do que amplos setores da polícia. Tentar usar a mídia é só uma faceta dessas organizações — que estão organizadíssimas também na área judicial. Só um bom trabalho de inteligência poderá coibir e desmantelar isso.

ABI OnlineComo deve ser encarado o caso do seqüestro do repórter e do cinegrafista da TV Globo paulista?
Helena — Um absurdo tanto quanto o seqüestro de qualquer cidadão, um sinal trágico dos dias que estamos vivendo nas grandes cidades. Grave é a insegurança geral que atinge a todos. 

ABI OnlineComo as empresas jornalísticas podem proteger seus funcionários?
Helena — Elas são parte da sociedade, assim como seus funcionários são cidadãos como quaisquer outros. Todos devem se proteger de todas as maneiras possíveis.

ABI OnlineQue prejuízos políticos a onda de violência acarretará para o Governo de São Paulo?
Helena — O Estado falhou na promoção da Justiça e na proteção que deve ao cidadão. E isso inclui as esferas federal, estadual e municipal do poder público. Todos têm culpa no cartório, ainda que constitucionalmente a segurança seja uma atribuição do governo estadual. Esse jogo de empurra, a capitalização política desse tipo de tragédia, tende apenas a desgastar mais ainda os políticos. Fica difícil alguém ganhar com isso. Uns perdem menos, outros mais. Mas todos perdem.

ABI OnlineA propaganda eleitoral na TV está com um tom mais moderado do que o anunciado pelos partidos com candidatos à Presidência. Você acha que vai ser assim até o final?
Helena — Acho que não. É inevitável que, à medida que se aproximam as eleições, os programas se tornem um pouco mais agressivos. Há formas e formas de se fazer isso, e o que se espera é que ninguém resvale para a baixaria e para os golpes abaixo da linha da cintura. Mas o desespero às vezes leva candidatos e marqueteiros a passar do ponto.

ABI OnlineQual será o fator decisivo nesta eleição presidencial?
Helena — Não dá para dizer ainda com certeza. Existem dois vetores disputando. A economia parece preponderante até o momento: a melhora nas condições de vida da população de baixa renda com o fim da inflação, a queda de alguns preços, o aumento do salário mínimo e do crédito e do poder aquisitivo e os programas sociais. Mas há também outro fator: o do discurso da ética, das denúncias de corrupção, da perda da bandeira que o PT sempre empunhou, argumentando ser diferente dos outros partidos. Até agora ele pesou, sobretudo, para as classes médias e parte das elites, mas não parece estar influenciando tanto assim os outros extratos da população, aqueles que passaram a viver melhor. 

ABI OnlineQual é o diferencial nas eleições para o Legislativo e os governos estaduais?
Helena — Acho que aí pode haver um movimento maior de repúdio ao status quo, sobretudo depois do escândalo dos sanguessugas, o que mais envolveu parlamentares em corrupção na história do Congresso, cuja imagem anda muito ruim. Isso sinaliza uma renovação maior — o que não quer dizer, absolutamente, que vá haver uma melhora qualitativa no Legislativo. É possível renovar e piorar, sobretudo num sistema eleitoral exaurido como o nosso.

Quanto aos governos estaduais, acredito que prevalecerá o mesmo pragmatismo que parece estar regendo a eleição presidencial. Os governadores cujas administrações têm bons índices de aprovação estão liderando as pesquisas e podem se reeleger já no primeiro turno.

ABI OnlineNum programa do Observatório da Imprensa, na TVE, você criticou a um tipo de jornalismo que chamou de “fiteiro”. O que vem a ser isso?
Helena — Não me lembro de ter chamado algum jornalismo de “fiteiro”.

ABI OnlineVocê se referiu a fitas com denúncias que chegam às mãos dos repórteres, dizendo que “fita não é matéria, é o ponto de partida para apuração de uma matéria”.
Helena — Sem dúvida, há jornalismos e jornalismos, e exemplos de mau jornalismo em todos os lugares. Quando determinadas instituições entram em crise, ou quando o radicalismo político exacerba os ânimos dentro de uma sociedade, temos exageros, erros e precipitações em todos os lados. 

ABI OnlineDo ponto de vista profissional, como você avalia sua transferência para o SBT?
Helena — Como uma bela oportunidade de aprender coisas novas. Até agora, passei a maior parte da minha vida profissional na imprensa. Gosto muito, mas acho que o futuro aponta para um profissional multimídia, habilitado a lidar com a informação em jornal, TV, internet, rádio… Busco essa versatilidade.

ABI OnlineQue tipo de jornalismo você pretende desenvolver no canal?
Helena — Pretendo me integrar e dar alguma colaboração ao bom trabalho que já vem sendo feito por profissionais como o Luiz Gonzaga Mineiro (diretor de Jornalismo do SBT), a Ana Paula Padrão e o Carlos Nascimento.

ABI OnlineVocê acha que vai sentir falta do colunismo?
Helena — Já estou sentindo. Afinal, passei muitos anos escrevendo. Mas, dentro dessa visão de profissional multimídia, quem disse que eu parei de escrever? Estou apenas descansando temporariamente, enquanto me acostumo à rotina da TV. Daqui a pouco volto às letrinhas, nas páginas ou na internet.

ABI OnlineSeu contrato com o SBT prevê comentários políticos?
Helena — Minha função é ser editora regional em Brasília, mas há espaço para fazer outras coisas quando arrumar um tempinho.

ABI OnlineA emissora está montando algum programa especial para as eleições?
Helena — O SBT realizou a primeira série de entrevistas com os candidatos, todos na mesma semana, com a Ana Paula Padrão e fará debates e entrevistas com os candidatos a governador. Vai trabalhar também em conjunto com a Transparência Brasil para chamar atenção para a importância das eleições legislativas e, sobretudo, esclarecer o eleitor a respeito de denúncias de corrupção e o envolvimento de políticos.

ABI OnlineO dito “há males que vêm para o bem” pode ser aplicado aqui?
Helena — Não acho que a crise tenha sido boa. Era preferível que não tivesse acontecido. Mas de tudo fica sempre uma lição. Ela mostrou que, embora nossas instituições e nosso sistema político estejam exauridos, nossa democracia é robusta. Passamos por escândalos, denúncias, cassações, e a economia do País não se abalou, como ocorria antigamente. Estamos em campanha eleitoral e vamos votar livremente em outubro.

ABI OnlineSerá que o País atingiu um grau de amadurecimento que não permite retrocessos?
Helena — Começa a se formar um consenso na sociedade quanto à necessidade de uma reforma política. Enfim, apesar de tudo, aos trancos e barrancos, estamos caminhando para frente. Para quem cresceu sob as sombras de uma ditadura militar, isso é importante. 

ABI OnlinePoucos parlamentares citados em CPIs foram punidos. Qual será o reflexo disso nas eleições?
Helena — Espero que seja o maior possível. Ou seja: se o Congresso e a Justiça não punem, o eleitor pode punir não votando nessas pessoas.

ABI OnlineCorrespondentes estrangeiros acham difícil explicar a política brasileira. Por quê?
Helena — Qualquer política vista de fora pode ser difícil de ser explicada.

ABI OnlineEles dizem também que nossos jornais se aprofundam muito em detalhes que fogem do ponto central da notícia. O que você acha?
Helena — Não vejo muito isso não. Acho que os jornais de um modo geral, não só os brasileiros, precisam urgentemente encontrar um caminho novo para fazer frente à expansão de novos meios, como a internet e a TV a cabo, para conquistar um leitor que já nasceu sabendo mexer com computador e acostumou-se a ler as notícias de graça na web. É preciso atrair esse novo leitor com um conteúdo diferente.

ABI OnlineSeu pai, Carlos Chagas, é um dos jornalistas mais respeitados do País. Que influência ele teve na sua escolha profissional?
Helena — Acho que foi indireta, nunca ficou dizendo que eu fosse isso ou aquilo. Mas o fato de crescer numa casa onde se lê muito, onde se tem acesso a muita informação e a pessoas que lidam com ela, inegavelmente, foi uma influência. Na infância, ia às redações em que meu pai trabalhava e ficava batucando nas máquinas de escrever — ih, acho que agora traí minha idade…

ABI OnlineQual foi a principal lição que seu pai lhe deu sobre o exercício da profissão?
Helena — Ser leal à notícia e ao leitor acima de tudo. 

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012