Cursos para jornalistas em áreas de conflito


10/02/2005


Nestes cursos, os jornalistas aprendem a reconhecer as trajetórias das balas, a avaliar a espessura de uma parede e, portanto, sua capacidade para suportar o impacto de um projétil, buscar áreas protegidas para fazer sua cobertura, sobre os últimos lançamentos da indústria bélica, a se defender de tentativas de seqüestro, se prevenir de armas químicas e como escapar do fogo cruzado.

Oferecidos por ex-militares, custa entre 2 e 5 mil dólares e têm duração média de cinco dias. A maioria está com inscrições abertas para todo o ano de 2005.

– Ake (Awareness, Knowlegde and Excellence) – www.akegroup.com – curso criado por ex-militares britânicos da SAS (força de elite do exército britânico), dura cinco dias e é ministrado nas trincheiras da empresa, em Hereford, Inglaterra.

– Centurion Risk Assessment Services Ltd. – www.centurion-riskservices.co.uk – curso ministrado por ex-integrantes de comandos da Marinha Real Britânica.

– Pilgrims Group – www.pilgrimsgroup.com – Oferecido por ex-oficiais britânicos.

– Praetorian International – www.praetorian-international.com – oferecido por ex-integrantes das Forças Especiais do exército americano.

– Travel Advisory Group Inc. – www.traveladvisorygroup.com – oferecido por ex-integrantes das Special Forces da Marinha Americana.

– Caecopaz (Centro Argentino de Treinamento Conjunto para Operações de Paz) – www.caecopaz.mil.arg, funciona no centro militar do Campo de Maio, localizado a 20 km de Buenos Aires. O curso para jornalistas em ambientes hostis é ministrado por ex-integrantes das três armas (Exército, Marinha e Aeronáutica), policiais federais, civis e ex-membros das forças multinacionais de paz de Brasil, Argentina, França, Bolívia, Canadá, Inglaterra e Estados Unidos, que atuaram em missões de paz da ONU.

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) – www.sipiapa.org – está considerando oferecer ainda este ano o curso de Jornalismo em Ambientes Hostis, tanto em Buenos Aires (Caecopaz), quanto em Virgínia (Centurion), sem custo para os participantes. No entanto, só podem participar e assistir às aulas através de convite da SIP ao meio de informação. As datas ainda não foram definidas. Maiores informações através do correio eletrônico: mmontaldo@sipiapa.org

Guias rápidos

www.centurion-riskservices.co.uk/mediasafetynet – área de conteúdo da empresa Centurion Risk Assessment, em que são publicados relatórios sobre o que está acontecendo em áreas de risco no mundo, que cuidados deve ter o jornalista ao viajar para estes lugares, etc. 

Guia para reportagens em regiões arriscadas do Comitê para a Proteção dos Jornalistas.
www.cpj.org/Briefings/2003/safety/journo_safe_guide.pdf
Criado pelo Comitê Para Proteção de Jornalistas (CPJ) – www.cpj.org – , ONG fundada por jornalistas americanos em 1981, com sede em Nova York. O documento oferece informações básicas sobre como trabalhar em áreas de risco.

Centro Dart Jornalismo/Trauma
O site www.dartcenter.org traz informações sobre as experiências de jornalistas que cobrem situações como estas. Traz dicas de coberturas, como abordar sobreviventes de um ataque ou catástrofe, etc.                                                                                                    

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012