Fichel Davit anuncia projeto de Museu da Comunicação


Por Claudia Sanches

04/01/2016


fichel

Fichel interagindo com um aparelho de projeção de 1871 (Foto: Antônio Scorza (Agência O Globo)

O jornalista Fichel Davit Chargel, que exerceu interinamente a Presidência da ABI, anunciou o projeto de inauguração do Museu da Comunicação e Costumes. A iniciativa é do próprio jornalista e colecionador, que vai levar seu acervo de peças antigas para Paquetá, onde comprou a chácara em que José Bonifácio de Andrada e Silva passou seus últimos dias em exílio. A previsão é de que a exposição esteja aberta a publico daqui a oito meses, tempo para recuperação do imóvel.

museuPaquetá_cinema

Peça da época pré-cinema: imagens em movimento

Com cerca de 4mil metros quadrados, o casarão fica na Praia da Guarda, é aberto ao público e foi tombado em 1938. A ideia é levantar um anexo não só para abrigar o acervo todo mas também para a construção de uma oficina de recuperação e de uma biblioteca para os livros,  jornais e revistas.

O acervo é grande, com mais de dez mil peças raras, e fica guardado em um amplo apartamento em Santa Teresa. Mas tudo está sendo embalado para sair de lá nos próximos meses,  conjunto de antiguidades, algumas do século XVI, e vai virar museu.

O projeto de criação do museu é uma parceria com a Prefeitura do Rio de Janeiro, Estado, o Instituto Brasileiro de Museus e ainda prevê uma parceria com a iniciativa privada. Segundo Fichel, o museu recebeu esse nome porque além de abrigar um pouco da história da comunicação, as peças contam também, os hábitos e costumes de outras épocas, como as bengalas, chapéus e leques.

O objetivo principal registrar arquivos, memórias e histórias no campo das Comunicações, oferecendo um espaço aberto para as comunidades interagirem com os objetos e viajarem através do tempo.

museuPaquetá_1

Projeção de imagens em 3D, já no século XIX

Acervo

Em sua coleção, grande parte peças do século XIX, que ele coleciona há mais de 60 anos, garimpados pelo mundo inteiro, entre fotos, pinturas e outras raridades. São anúncios publicados no jornal O Mosquito, de 1876, caixas de música, Rádios Galena, um deles de fabricação de Guilherme Marconi, um dos inventores do rádio, fonógrafos europeus, gramofones, incluindo portáteis e infantis, vitrolas tipo maleta, acervo de fotos estereoscópicas, em papel e vidro, fotos Daguerre, incluindo material do fotógrafo Felix Nadar, cartões postais, objetos utilizados em outros tempos como chapéus e bengalas, propagandas e almanaques e revistas antigas. Fichel lembra que na coleção está o exemplar nº 1 do Correio Braziliense. Entre os objetos que despertam a curiosidade estão os aparelhos da época pré-cinema. São “brinquedos” que seriam o entretenimento dos velhos tempos, que ampliavam os desenhos. A sua grande revolução foi quando a técnica foi usada na fotografia.

museuPaquetá_teatro2

Entretenimento da época: brinquedo dava movimento às imagens

O colecionador também lembra que os estereoscópios são o princípio do cinema 3D, a diversão do século XIX, já que não existia televisão e da transição da pintura a óleo para a fotografia. “Foi uma época de transição, em que vários pintores deixaram a pintura como ganha-pão e se tornaram fotógrafos , como foi o caso de Felix Nadar. O interessante também é descobrir que o princípio da terceira dimensão remonta ao século XIX, mas ganha projeção com o cinema e a TV. Outro ponto interessante são os simbolismos dos objetos, que, em outros tempos, como o leque e a bengala, tinham significado diferente, de como a pessoa estava posicionada socialmente ou o que queria transmitir dependendo da posição do objeto”, conta o jornalista.

 

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012