12 de agosto de 2022


Ataque ao Repórter Brasil é violência contra jornalistas


19/01/2021


 

O diretor do site Repórter Brasil, Leonardo Sakamoto, diz que a invasão hacker está no contexto de agressões à imprensa sob o bolsonarismo

Por Cristina Serra, da Comissão de Defesa da Liberdade de Imprensa e dos Direitos Humanos da ABI

 

ABI – Como foram os ataques ao site Repórter Brasil e à casa onde vocês trabalham?

Sakamoto – No dia 6 de janeiro, o Repórter Brasil começou a sofrer ataques digitais, tentativas de derrubar o site por excesso de visitas, que é um ataque relativamente comum feito contra órgãos de imprensa. O acesso transborda e isso faz com que o site saia do ar. Nós temos uma equipe de segurança digital e eles começaram a atuar contra o ataque. Mas no dia 7, nós recebemos uma mensagem de um e-mail, de um provedor que fica na Alemanha. A mensagem dizia que os ataques digitais vinham deles e que se todos os nossos conteúdos entre 2003 e 2005 não fossem retirados do ar, a gente continuaria sem acesso ao site. É claro que nós não cedemos à chantagem e os ataques continuaram. Os responsáveis por esses ataques continuaram desafiando os nossos técnicos de segurança e desde o dia 6 a Repórter Brasil tem tombado todos os dias por mais que a nossa equipe atue. O site ficar fora do ar por várias horas.

ABI – Por até quanto tempo?

Sakamoto – `As vezes, por até oito horas num só dia. A nossa equipe neutraliza o ataque, mas eles voltam com força pra interromper. Eles tem tirado o site do ar todos os dias e tentam em horários diferentes pra tentar pegar a nossa equipe técnica desguarnecida. Fazem um ataque em massa, param, voltam duas horas depois, fazem outro ataque em massa. São vários ataques diferentes. É que nem ataque de vírus. O sistema imunológico percebe e neutraliza um vírus, aí vem outro e outro. Eles fazem a mesma coisa, partem pra outro tipo de vírus e outro e outro. Esse tipo de chantagem que eles estão fazendo é nova. Normalmente, nesses ataques, sequestram um site ou arquivos e pedem dinheiro. Mas dessa vez o que eles estão pedindo é auto-censura. Estão pedindo que a gente tire conteúdos jornalísticos que estão no ar faz tempo.

ABI – Como foi a tentativa de invasão da sede?

Sakamoto – Depois dos ataques virtuais, na manhã do dia 7 de janeiro, tentaram arrombar o portão da sede da Repórter Brasil, em São Paulo. Felizmente, não tiveram sucesso porque vizinhos chegaram e chamaram a polícia. As pessoas se assustaram e foram embora.

ABI – Que medidas vocês tomaram ?

Sakamoto – Nós fizemos dois boletins de ocorrência na delegacia. Um boletim falando do ataque virtual com a chantagem e outro sobre a tentativa de arrombamento, que não sabemos se tem relação direta entre uma coisa e outra. Mas é uma coincidência muito estranha. Por sorte, não havia ninguém na casa na hora da tentativa de arrombamento. Depois dos B.Os, o delegado abriu inquérito, tomou depoimentos e mandou fazer perícia no local. Nós também levamos o caso ao Ministério Público Federal, comunicamos à ONU e à OEA, por meio de interlocutores nossos, às instâncias de liberdade de expressão. E levamos a várias entidades de defesa do jornalismo.

ABI – E os ataques virtuais continuam?

Sakamoto – Sim, nós recebemos uma mensagem que se as demandas não fossem atendidas, não só o site ficaria fora do ar, como todos os funcionários da Repórter Brasil seriam prejudicados. Ou seja, passaram a ameaçar a equipe inteira. A gente não sabe o que mais eles são capazes de fazer. E aí ampliamos a segurança na Repórter Brasil. As pessoas já não estavam indo à sede por causa da pandemia. Mas, as equipes do financeiro e administrativo íam. Orientamos que ninguém saia sozinho à noite e reforçamos várias medidas de segurança digital também. Tomamos algumas medidas de reforço de privacidade de alguns funcionários. Mas, no meu caso, é o contrário. A minha segurança é aumentar a minha exposição. Eu sofro ataques há seis anos, já recebi até ameaça de morte. Então, eu me preocupo menos comigo e mais com a minha equipe.

ABI – Esse tipo de ataque, pedindo a autocensura, é a primeira vez que acontece com um veículo jornalístico, que você tenha conhecimento?

Sakamoto – Os nossos advogados e mesmo advogados que já trabalham há mais tempo na defesa de jornalistas nos dizem que é a primeira vez que veem esse tipo de ataque. A gente até brinca que a Repórter Brasil inaugura alguns tipos de ataque. Por exemplo, em 2015 pagaram um anúncio no Google para me difamar. Na investigação, que rastreou e fez quebra de sigilo, descobriu-se que era um frigorífico que estava bancando isso. É muito difícil saber qual a motivação do ataque. Eu faço reportagem investigativa sobre muitos assuntos. Nesses três anos de conteúdo que eles querem apagar tem muita coisa: trabalho escravo, desmatamento, danos à comunidades indígenas e quilombolas, violência contra jornalistas, trabalho infantil, tráfico e outros assuntos. Os criminosos não dizem qual o assunto que deve ser apagado, dizem o período, entre 2003 e 2005. Pode ser, inclusive, que isso seja um despiste. Eles podem, simplesmente, querer tirar a Repórter Brasil do ar por causa de alguma matéria recente, alguma investigação nova que tenha incomodado. É um tipo de ataque novo e por isso a gente está falando tanto com os colegas e a imprensa porque isso poderá ser feito contra veículos grandes ou pequenos, principalmente para veículos menores, que não tem condições de contratar advogado e equipe de segurança pra segurar o tranco. É importante descobrir quem fez isso e que essas pessoas sejam, pelo menos, expostas. Elas precisam saber que não são invencíveis.

ABI – Os ataques a você e ao Repórter Brasil aumentaram depois que Bolsonaro chegou ao poder? Você vê alguma relação entre os ataques e o ambiente do bolsonarismo no Brasil, já que o presidente ataca a imprensa e jornalistas o tempo todo ?

Sakamoto – O bolsonarismo é anterior à presidência do Bolsonaro e vai se manter posterior à queda do Bolsonaro, seja saída eleitoral ou qualquer outra forma institucional. É um movimento que já vem de anos. Esse ultraconservadorismo foi a razão da violência contra mim e contra a Repórter Brasil. Já sofri ataques físicos, já apanhei na rua, fui xingado, ameaçado de morte etc. É claro que houve uma escalada contra mim. A Repórter Brasil trabalha contra interesses pesados, relacionados a direitos humanos, ambientais, trabalhistas, tudo isso. O site nasceu e já começaram os ataques. Então, os ataques sempre existiram. Mas quando o bolsonarismo emerge, se torna uma força político-eleitoral e ganha a presidência, é claro que tudo muda de figura num nível bizarro. Nas eleições de 2018, eu fui parado na rua três vezes e ouvi ameaças de morte. Antes do vetor Bolsonaro, os ataques vinham do poder econômico e do poder político. Hoje, o principal foco de ataque aos jornalistas é o próprio presidente da República e a sua família. Esses ataques geram uma onda de choque.

ABI – Há um contexto permanente de ataque aos jornalistas estimulado pelo próprio presidente.

Sakamoto – A partir do momento que o chefe de Estado ou de Governo é o principal fomentador da violência contra jornalistas, isso gera um ambiente extremamente tóxico e envenenado em que qualquer ataque, seja ele digital, simbólico ou físico contra um jornalista, é praticamente legitimado pelas ações do presidente. Isso banaliza a violência contra os jornalistas e legitima esse tipo de ação na certeza da impunidade. Sempre houve impunidade na violência contra jornalistas, principalmente no interior do Brasil, onde jornalistas morrem com tiro, facada e por aí vai. Agora, você tem uma coisa mais generalizada e com o presidente legitimando esse processo. Em meio a isso, acontece um ataque como esse à Repórter Brasil. Um ataque que não é apenas pelo excesso de invasão, de acesso pra desestabilizar o site, como era feito antes. É isso e mais a chantagem: “ou tira o conteúdo ou você está ferrado, seus funcionários vão ser prejudicados”. Esse nível de cara de pau é decorrente do ambiente intoxicado pelas ações do próprio presidente. Se você tem um ambiente em que um ataque contra um jornalista é visto como um ataque à democracia, se o Estado reage a isso, é outra situação para os jornalistas. A gente tem que tomar cuidado para que não haja uma normalização dos ataques a jornalistas. Esses ataques são muito violentos, causam um dano individual muito grande nas pessoas, muitos se sentem sozinhos, não aguentam. Há um movimento para colocar a legitimidade da imprensa em cheque, para ameaçar e constranger jornalistas e tem sido bem sucedido. Não podemos perder a nossa capacidade de indignação.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012