2 de outubro de 2022


Zéfiro, Darcy e Rita Lee em Dicas para o finde e a semana


24/09/2021


À meia-noite de amanhã para domingo ligue a tevê no Canal Curta e assista o documentário de Silvio Tendler Em busca de Carlos Zéfiro (já exibido no Macunaíma) sem cortes, em comemoração aos 100 anos do rei das revistinhas pornôs. O Macunaíma exibirá cinco documentários sobre Darcy Ribeiro e Rita Lee tem exposição em SP. E muito mais em DICAS.

Por Vera Perfeito, diretora de Cultura e Lazer da ABI

Não perca à zero hora de domingo no Canal Curta, a exibição de Em busca de Carlos Zéfiro, de Sílvio Tendler, exibido em janeiro no Cineclube Macunaíma, que vai comemorar os 100 anos do biografado, o rei da exaltação do prazer sexual em seus “catecismos”, revistinhas de sacanagem que alegrou a moçada dos anos 1950 e 1960.O diretor vai exibir seus filmes sem cortes dos desenhos explícitos de Zéfiro, um pacato datiloscopista de Anchieta e casado a vida toda com a mesma mulher. O Macunaíma, exibe cinco filmes sobre Darcy Ribeiro, de Ana Maria Magalhães. Deborah Colker estreia on line seu novo balé CURA. Vários programas nas tevês e festivais de cinema, filmes como o lançamento de duas versões sobre o crime de Suzanne von Richthofen que matou os pais com o namorado, além de séries, uma delas com Paul McCartney. O Itaú Cultural de São Paulo promove uma exposição comemorativa do centenário de Paulo Freire e O MIS-SP, realiza outra sobre a contestadora Rita Lee. Há livros interessantes como o de Rodrigo Faour sobre MPB sem preconceitos, podcasts como A República das Milícias, lazer com vinhos em Portugal, música brasileira na Belle Époque na Sala Cecília Meireles e live de Marcel Powell, filho de Baden. Muitas peças teatrais on line, incluindo a G.A.L.A. de Gerald Thomas, estão indicadas aqui. E não esqueça de que aglomeração ainda está proibida. No Rio, os casos de Covid aumentam e, por isso, não deixe de tomar a 3ª dose se for idoso. Boa semana!

NA ABI

Segunda-feira

19h30 – no ABI Esporte: apresentação do jornalista Marcos Gomes. O professor e historiador Luiz Antonio Simas é o entrevistado do programa para falar sobre seu mais novo livro “Maracanã: quando a cidade era terreiro”. Participam do programa os jornalistas Cid Benjamin, vice-presidente da ABI, Caco Schmitt e Antonio Lima Jr. Pelo canal da Associação Brasileira de Imprensa do YouTube.

Terça-feira

19h30 – Cineclube Macunaíma  exibe hoje A coragem da alegria/ O Brasil de Darcy Ribeiro. São cincoepisódios que estarão disponíveis, a partir das 10hs de hoje até segunda-feira. O filme,,,,,, Às 19h30, haverá debate sobre a obra com a diretora, o cineasta Silvio Tendler…..A mediação será do jornalista Ricardo Cota. Assista o filme e o debate pelocanal da Associação Brasileira de Imprensa do YouTube.

Quinta-feira

18h –   Rumos do Jornalismo. Apresentação de Andrea Pena. Pelo canal da Associação Brasileira de Imprensa do YouTube.

TELEVISÃO

22h30 CANAL BRASIL –  O Som do Vinil –  Supla será o primeiro convidado de Charles Gavin na próxima temporada de O Som do Vinil, que foi toda gravada remotamente e estreará no CANAL BRASIL, segunda-feira (27/9). Também participarão Fafá de Belém, Rodrigo Amarante, Pat Metheny, Céu, BaianaSystem e Ratos de Porão. O ex-baterista do Titãs, Charles Gavin, viaja pela história dos LPs que transformaram a música popular brasileira, mostrando a criação dos álbuns que mais marcaram as últimas décadas. O programa ainda traz entrevistas com músicos e produtores.

18h30 TV BrasilMeu pedaço de Brasil: Bruno Barros comanda a segunda temporada do programa de turismo. Ele gravou um dos episódios no Cânion do Rio Poti, no Piauí. Também visitou cidades coO programa recebe grandes nomes da música brasileira para um encontro incrível, repleto de sucessos, surpresas e parcerias musicais inéditas.mo Fortaleza, Curitiba e Belo Horizonte. A estreia é domingo.

GlobonewsLeila Sterenberg cobrirá as eleições na Alemanha no domingo. Ela foi uma das 12 pessoas convidadas em todo o mundo para acompanhar o pleito, entre historiadores, cientistas sociais e jornalistas.

23h30 5as feiras Canal BISVamos tocar: estreou nova temporada. Lobão será o entrevistado de quinta-feira, dia 30/9.

Terças-feiras 20h30 Multishow Música boa ao vivo: em sua oitava temporada mostra fôlego e a mistura de estilos dá certo. Ivete Sangaloestá muito bem como apresentadora. O programa recebe grandes nomes da música brasileira para um encontro incrível, repleto de sucessos, surpresas e parcerias musicais inéditas.

19hs – YouTube do GNT Prazer, feminino – apresentado por Karol Comká e Marcela McGowan, ganhará nova temporada. Que tal uma conversa sem tabus sobre a sexualidade da mulher? “Prazer, Feminino” é a série que vai ao ar no YouTube do GNT. “Prazer, Feminino” mostra pontos de vista diferentes e complementares sobre determinado tema, com um papo sincero, divertido, cheio de informação e troca de experiências entre as amigas, que a internet shipa como #Kacela. Marcela, obstetra, ginecologista e formada em sexualidade humana e terapia sexual, e Karol, cantora divertida, com muita personalidade e sem papas na língua.

FESTIVAIS

– Tarcísio Meira e Paulo José são homenageados no Festival Satyricine,  mostra on-line com 83 filmes nacionais

Festival Satyricine exibe clássicos e novas produções brasileiras para comemorar reabertura do Cine Bijou, em 25 de janeiro do próximo ano, em São Paulo. Mais de 80 filmes nacionais clássicos e contemporâneos serão exibidos on-line no Festival Satyricine Bijou, produzido pela companhia Os Satyros. O evento, que que vai até o dia 29,  e as transmissões acontecem pela plataforma Sympla Play. Os ingressos custam a partir de R$5, disponibilizando o filme de 3 a 7 dias. O festival pretende lançar uma luz sobre a nova geração do cinema brasileiro e dar visibilidade às produções nacionais.

Na Mostra Competitiva, serão exibidos 13 longas e 16 curtas realizados nos últimos dois anos por diretores estreantes ou que estejam em seu segundo filme. Os vencedores, que serão anunciados em live no Instagram da Cia de Teatro Os Satyros (@ossatyros) no último dia do festival, vão receber um troféu criado pela artista plástica Maria Bonomi. O júri é encabeçado pelos cineastas Silvio Tendler e Alain Fresnot.

Além da competição, o Festival conta com a Mostra do Novo Cinema Brasileiro, que traz obras de diretores que vêm se firmando no cenário nacional e internacional, como Felipe Bragança (“Um animal amarelo”), Karim Aïnouz (“Praia do Futuro”), Gabriel Mascaro (“Divino amor”) e Marco Dutra (“As boas maneiras”).Clássicos do cinema brasileiro não ficam de fora e compõem a Mostra Memória, uma homenagem a grandes artistas que morreram durante a pandemia. O público poderá assistir a Tarcísio Meira em “A idade da Terra”, de Glauber Rocha, e Eva Wilma em “São Paulo SA”, de Luis Sérgio Person. Também serão celebrados Paulo José, Camila Amado e Sérgio Mamberti. A programação completa pode ser acessada no site do Festival Satyricine Bijou.

A primeira edição do festival homenageia a atriz e cineasta Helena Ignez. Em mais de 50 anos de carreira, a musa do Cinema Novo atuou em premiadas produções como “O padre e a moça” (1966), de Joaquim Pedro de Andrade, e “O bandido da luz vermelha” (1968), de Rogério Sganzerla, com quem foi casada. Ignez co-dirigiu ainda a sequência “Luz nas trevas – A volta do bandido da luz vermelha”, lançada em 2012.

– MOSTRA CINEMAS AFRICANOS ONLINE COMEÇA EM 1º DE OUTUBRO

Os cinéfilos interessados em descobrir a variedade dos cinemas africanos, pouco frequentes no circuito comercial brasileiro, têm uma oportunidade rara entre os dias 1 e 10 de outubro de 2021, quando ocorre uma nova edição da Mostra Cinemas Africanos, criada por Ana Camila Esteves e Beatriz Leal Riesco. O evento será inteiramente online e gratuito, com sessões e um curso disponíveis através da plataforma Sesc Digital.
A programação traz doze filmes, sendo dez longas-metragens (oito deles em sua primeira exibição brasileira) e dois curtas-metragens. A lista inclui um faroeste da África do Sul (Flatland, 2019); um suspense de ação de Uganda (A Garota do Moletom Amarelo, 2020); um horror nigeriano baseado no folclore local (Juju Stories, 2021), além de produções da Argélia, Mali e Sudão.

Em paralelo, as sessões de curtas-metragens se dividem em dois eixos: a Sessão Cinema Árabe Africano Feminino, com obras de Argélia, Egito, Marrocos, Tunísia e Sudão; e uma parceria com o FIFF (Festival International des Films de Femmes) de Cotonou, incluindo obras de Mali, Benin, Camarões, Mauritânia, Tunísia, Senegal, República Centro-Africana, Ruanda e Madagascar.
Descubra os longas-metragens selecionados:
Edifício Gagarine, de Fanny Liatard, Jérémy Trouilh (França, 2020)
Flatland, de Jenna Bass (África do Sul, 2019)
A Garota do Moletom Amarelo, de Loukman Ali (Uganda, 2020)
Juju Stories, de Surreal 16 (Nigéria, 2021)
Knuckle City, de Jahmil X.T. Qubeka (África do Sul, 2019)
Meu Primo Inglês, de Karim Sayad (Argélia, 2019)
Para Maria, de Damilola Orimogunje (Nigéria, 2020)
Rua do Saara, 143, de Hassen Ferhani (Argélia, 2019)
O Último Refúgio, de Ousmane Samassekou (Mali, 2021)
Você Morrerá aos 20, de Amjad Abu Alala (Sudão, 2019)

MOSTRA BETTY FARIA: 80 ANOS APRESENTA 15 FILMES GRATUITOS

Entre os dias 22 de setembro e 11 de outubro, ocorre no Centro Cultural Banco do Brasil em São Paulo (CCBB-SP) a mostra inédita Betty Faria: 80 Anos. Com curadoria de Leandro Pardí, o evento apresenta quinze longas-metragens estrelados pela atriz, desde a década de 1960 até os dias atuais. A maior parte da programação gratuita ocorre de modo presencial, porém dois filmes são disponibilizados online: Perfume de Gardênia (1992), de Guilherme de Almeida Prado, e o italiano Marlene de Souza (2004), de Tonino di Bernardi.
Os destaques da programação incluem Os Monstros de Babaloo (1970), de Elyseu Visconti, considerado um dos principais filmes do Cinema Marginal; Bye Bye Brasil (1980), clássico do cinema brasileiro dirigido por Cacá Diegues; Jubiabá (1986), de Nelson Pereira dos Santos, adaptado de Jorge Amado; e o aclamado Bens Confiscados (2004), de Carlos Reichenbach.

ACQUA CONTENT – FESTIVAL DE CINEMA DE CASCAIS APOSTA NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Acqua Content – Festival de Cinema de Cascais segue até domingo,  no Anfiteatro da Casa da Guia, em Cascais, onde irá exibir produções cinematográficas do Brasil e de Portugal. Além de difundir o diálogo entre as obras destes países, a primeira edição do festival nasce com o objetivo de  fomentar o desenvolvimento sustentável e  vai abordar questões importantes relativas ao tema através dos seus  filmes e  painéis interativos, que contará com  presenças representativas, tais como a do cientista ambiental  Lucas Almeida Braga. O filme Amazônia – O Despertar da Florestânia, será exibido hoje, às 15h, e após a exibição do filme, haverá uma conversa com a atriz e realizadora Cristiane Torloni.Na programação que conta com mais de 10 filmes, ganham destaque ainda as produções luso brasileiras: O Grande Circo Místico de Cacá Diegues, coprodução da portuguesa Fado Filmes e a Luz Mágica e Alguém Como Eu, do realizador Leonel Vieira, que assina o roteiro com Adriana Falcão. A entrada é livre mediante inscrições feitas através do site www.acquacontentpt.com, onde também se encontra a programação completa.

Festival de Cinema Russo

O segundo Festival de Cinema Russo no Brasil abre sua edição de 2021 hoje e será realizado on-line em parceria com a plataforma de streaming Spcine Play. Até 10 de outubro, será possível assistir na mostra a oito novos filmes russos, completamente de graça. O Festival de Cinema Russo é organizado pela Roskino com o apoio do Ministério da Cultura da Federação Russa e exibido por todo o mundo. Em 2020, mais de 200.000 espectadores assistiram ao cinema russo em nove países. Eis a seleção de cinco títulos imperdíveis no festival:

  1. Parentes (2021) – A personagem principal deste filme descobre que tem uma doença incurável e terá apenas mais um ano de vida. Ele decide que é hora de realizar seu maior sonho: ir ao festival de música barda russa Gruchinski de carro com toda a família e cantar sua própria música ali. Apesar da situação trágica, o protagonista mostra não ser a pessoa mais agradável do mundo na estrada: ele xinga o tempo todo a mulher e filhos e até tenta se livrar da noiva do filho, de quem não gosta. A família, apesar de tudo, ainda se preocupa com ele e está sempre em busca de meios de curá-lo, até com medicina popular. Uma tragicomédia com uma mensagem importante, no final das contas.

  2. 2. Masha (2021) – Este filme é um drama policial sobre os “selvagens anos 1990”. A adolescente Masha (apelido de Maria) cresce em uma família provinciana e sonha em se mudar para Moscou e virar cantora. Mas ela está cercada pelo “romântico” mundo do crime e sempre “resolvendo problemas” entre gangues locais. Aos 13 anos, ela já viu brigas, tiroteios e sonhos terminados. Masha conseguirá deixar o interior?

  3. Doutora Liza (2020) – Esta cinebiografia sobre Elizaveta Glinka, mais conhecida como doutora Lisa mostra a médica intensivista que se tornou popular principalmente como fundadora da ONG Ajuda Justa (Spravedlivaia Pomosch), especializada em medicina paliativa. Em 2016, ela morreu em um acidente de avião no Mar Negro, enquanto viajava em uma missão humanitária para a Síria. Este filme, baseado em fatos reais, mostra um dia na vida da doutora Lisa: junto com o marido, ela sai para comemorar o 30º aniversário de casamento, mas, de repente, descobre que sua ajuda  é necessária para conseguir remédios para uma criança com câncer. O filme é pesado, mas está recebendo muitas críticas positivas dos telespectadores russos.

  4. Na ponta (2020) – Este filme é um verdadeiro thriller esportivo! Aleksandra Pokrovskaia é uma famosa esgrimista russa que ainda tem um objetivo a alcançar no esporte: uma medalha de ouro olímpica. Mas, de repente, surge a jovem Kira Egorova, vencendo uma competição. Parece que Aleksandra só poderia desistir nesse cenário, mas ela decide ir em frente. O filme é baseado em um confronto real entre duas famosas esgrimistas de sabres russas, Sofia Velikaia e Iana Egorian. O papel principal é interpretado por Svetlana Khodtchenkova, que também estrelou em “Viking” (2016) e “Wolverine: Imortal” (2013).
  5. Luta (2019) – Os russos podem não ter tantos títulos no esporte, mas são tão loucos por futebol como os brasileiros. Mas e quanto ao futebol paraolímpico? Este documentário mostra a seleção russa paraolímpica de futebol para cegos, que almeja se tornar a melhor do Campeonato Europeu. O diretor de cinema Maksim Arbugaev mostra como os atletas se preparam para essa competição — no futebol e na vida. O filme ganhou o prêmio Guirlande d’honneur no Milano International FICTS Fest.

– Começou ontem, a “II Mostra Alemã de Cinema: Elas Dirigem!”.

Serão exibidos seis longas, sendo cinco inéditos. Todos com legendas em português e acesso gratuito via CineSesc. A mostra faz parte das comemorações do Dia da Reunificação da Alemanha, 3 de outubro. A Alemanha atua em todo o mundo pela igualdade de gênero e a promoção dos direitos das mulheres. Os longas serão exibidos  até 27 de outubro, com estreias às quintas-feiras. Cada obra permanecerá na plataforma por uma semana. As transmissões podem ser acompanhadas no site Cinema em Casa, do SESC.

Em setembro serão exibidos os seguintes filmes:

Esta semana – The case you – Alemanha, 2020, 80 min., documentário, inédito). Direção: Alison Kuhn. A diretora convidou cinco mulheres para passar vários dias com uma equipe em uma sala de teatro. Dentro deste espaço protegido, tentaram descobrir o que as conecta. As atrizes estão na casa dos vinte anos, e, junto com a diretora passaram por uma casting onde sofreram abusos sistemáticos de natureza sexual e violenta, assim como centenas de outras pessoas. A diretora, assim como as atrizes, queria suprimir este dia o mais rápido possível. Em um processo de superação. Alison Kuhn dirige e explora junto as mulheres em “The Case You”, o que aconteceu naquela época, como foi possível que isso acontecesse e o que agora significa para suas vidas e trabalho.

30/9 –  Um peixe que nada de costas(Ein Fisch, der auf dem Rücken schwimmt, Alemanha, 2020, 103 min., ficção, 12 anos, inédito). Direção: Eliza Petkova. Elenco: Nina Schwabe, Theo Trebs, Anna Manolova, Márton Peter Nagy.Andrea é uma mulher no início de seus 40 anos e com um passado desconhecido. Quando Phillip e seu filho Martin se apaixonam por ela ao mesmo tempo, Andrea acaba no meio de um complexo triângulo amoroso, rodeado por expectativas, medos e questionamentos. Enquanto passam um verão juntos, a relação entre os três se torna cada vez mais destrutiva e cheia de culpa.

FILMES

Em busca de Carlos Zéfiro: à meia-noite de sábado (25/9) para domingo (26/9) no canal CURTA, não deixe de assistir o documentário de Silvio Tendler Em busca de Carlos Zéfiro sem cortes em comemoração aos 100 anos do biografado. O filme teve problemas ao ser exibido pela primeira vez no Curta que recusou-se a colocá-lo na sua grade de programação com os desenhos mais explícitos de Zéfiro. O diretor teve que cortar imagens de sexo escancarado, apagando a a essência da arte do desenhista carioca , autor das revistinhas pornôs, conhecidas como “catecismos”, que alegraram a vida dos adolescentes das décadas de 1950 e 1960. Mas o filme foi exibido na íntegra, em janeiro, no Cineclube Macunaíma. Agora, ele será exibido na versão do diretor. Estão no longa de 90 minutos, entre outros, o antropólogo Roberto da Matta, a atriz Maitê Proença e o escritor Gonçalo Júnior, autor de uma biografia de Zéfiro.

GLOBOPLAY – o show Chico e Caetano entrou para o catálogo do canal. A produção é das melhores e encanta o público. Aliás, a Globoplay estreará na Europa. Em 14/10, chega a Portugal e depois será lançado em mais 20 países. São nove episódios em celebração à música. Chico Buarque e Caetano Veloso promovem encontros de estilos no palco, com nomes brasileiros e estrangeiros, como Elizeth Cardoso, Mercedes Sosa, Tom Jobim e Cazuza.

Apple TV até 7 de outubroBeing James Bond (Sendo James Bond”)Daniel Craig ficou emocionado após filmar sua cena final como James Bond. Ele aparece conversando com a equipe e agradecendo a todos pelo trabalho nos cinco filmes em que encarnou 007. O documentário é um especial sobre a jornada de Daniel à frente da franquia. Durante o discurso de despedida, ele chora enquanto a equipe escuta com atenção para, em seguida, aplaudir o ator. Ele encarnou o espião pela primeira vez, em 2006, em “Cassino Royale”. E “Sem tempo para morrer” – que estreia em 30 de setembro – encerra um período de 15 anos no papel. Dirigido por Cary Fukunaga, o filme traz no elenco nomes como Ana de Armas, Rami Malek, Léa Seydoux, Christoph Waltz e Jeffrey Wright.

AMAZON PRIME VIDEOO canal exibe dois filmes cujo enredo é o de uma jovem de classe alta de São Paulo que decide assassinar os pais com a ajuda do namorado e do cunhado. É a história real de um dos crimes que mais chocaram o país: Suzanne von Richtofen e os irmãos Daniel e Cristian Cravinhos confessaram o crime, em 2002, mas o ex-casal deu versões diferentes, daí as duas versões para a tela. Um é A menina que matou os pais (história contada sob o ponto de vista de Daniel) e O menino que matou meus pais (narrativa pelo olhar de Suzane). O roteiro é do escritor Raphael Montes e de Ilana Casoy. Suzane é interpretada por Carla Diaz e Daniel, Leonardo Bittencourt. O diretor é Maurício Eça.

HBO MAXIn the same breath(Na mesma respiração): verdades e mentiras da pandemia – documentário que mostra o início do surto na China e nos EUA. Com imagens e relatos impressionantes, alerta sobre desinformação e censura.

GNT: Prateados – a vida em tempos de madureza. O filme de Valmir Moratelli e Libário Nogueira estreia hoje no GNT. Depois chega ao Globoplay. Um registro franco sobre o que pensam os idosos brasileiros a respeito de temas como vida, morte, sexo e trabalho, entre outros. Eles compartilham valores no período de pandemia, em que foram classificados como a parte mais vulnerável da sociedade.

RIO de olhares únicos  – O documentário faz uma viagem pela cidade do Rio de Janeiro em busca de ângulos exclusivos através das perspectivas de cinco personagens que têm conexões especiais com as paisagens naturais da cidade: um engenheiro montanhista que trabalhou toda sua vida no teleférico mais famoso do mundo, uma atleta de highline que está inspirando mulheres a ingressarem no esporte, um ultramaratonista de infância humilde que se tornou campeão treinando nas florestas, uma bióloga que protege os pássaros marinhos e um piloto de vôo duplo que inventou a técnica de “ioga no céu”. Dirigido pelo fotógrafo e jornalista  Rafael Duarte. Acaba de ganhar prêmios de melhor documentário no New York City Film & Television Festival e no Infinity Film Festival de Londres. Belíssimo filme. Inscreva-se no VideoCamp para assistir.

SÉRIES

EMMY 2021

Na disputa entre os serviços de streaming, a Netflix ficou com nove premiações, à frente da Apple TV+, com quatro, e HBO Max, com três. O Disney+ ganhou a categoria de melhor especial de variedade gravado com Hamilton. Já Ted Lasso, série de humor envolvendo o mundo do futebol, da Apple TV+, contou com os prêmios de melhor ator (Jason Sudeikis), ator coadjuvante (Brett Goldstein) e atriz coadjuvante (Hannah Waddingham) dentro da categoria, cuja estatueta de melhor atriz ficou para Jean Smart, de Hacks – que ainda levou o melhor roteiro e a melhor direção em séries de comédia.

Netflix

The Crownque tal rever a série sobre a família real britânica ganhou o prêmio de a melhor série dramática no Emmy 2021? Olivia Colman (Rainha Elizabeth II ) como melhor atriz, Josh O’Oconnor (Príncipe Charles) como melhor ator, Gillian Anderson (Primeira Ministra Margaret Thatcher) como melhor atriz coadjuvante, Thobias Menzies (Príncipe Phillip) como melhor ator coadjuvante e a atriz convidada Claire Foy (por uma breve aparição de Elizabeth II na juventude). O décimo e último episódio da quarta temporada “Guerra”, que explora a ruína do casamento entre Charles e Lady Di (Emma Corrin) recebeu prêmios de melhor direção (Jessica Hobbs) e roteiro (Morgan). O brasileiro  Adriano Goldman levou o seu segundo Emmy de melhor fotografia pelo episódio “Conto de fadas” da série que reconstitui o período inicial do casamento, e que ficou também com o prêmio de montagem.

O Gambito da Rainha – também levou o Emmy de minisséries, ganhando de Mare of Easttown (outra ótima série da HBO Max) com Kate Winslet que ganhou o Emmy de melhor atriz em minissérie. Sucesso da Netflix, a série narra a história de Elizabeth Harmon, uma jovem órfã que, na década de 1950, torna-se um prodígio do xadrez ainda aos oito anos de idade. Com o passar do tempo, a jornada de Beth é marcada pelo sucesso nos tabuleiros, mas também por traumas e vícios autodestrutivos.  Categorias em que venceu: Melhor Minissérie e Melhor Direção de Minissérie.

Halston

A série estrelada por Ewan McGregor tem produção de Ryan Murphy (de Glee e Hollywood). A trama acompanha  a ascensão e queda do famoso estilista Roy Halston Frowick, que nasceu em 1932 e morreu em 1990. Ele ficou conhecido por escândalos e sua contribuição ao estilo dos anos 1970. Categoria em que venceu: Melhor Ator em Minissérie (Ewan McGregor)

APPLE TV

Ted Lasso–  Estrelada por Jason Sudeikis, a série de comédia narra a história de um treinador americano de futebol que viaja ao Reino Unido para treinar um time inglês em decadência. A produção chama atenção também por sua origem: Sudeikis viveu o personagem, até então inexistente, em um comercial de TV encomendado pela NBC Sports, a fim de divulgar a Premier League. A campanha deu tão certo que o que era para ser apenas uma propaganda televisiva, acabou virando um seriado premiado. Número de vitórias: 4. Categorias em que venceu: Melhor Série de Comédia, Melhor Ator em Série de Comédia (Jason Sudeikis), Melhor Ator Coadjuvante em Série de Comédia (Brett Goldstein) e Melhor Atriz Coadjuvante em Série de Comédia (Hannah Waddingham).

HBO MAX

Hacks

Deborah Vance (Jean Smart) é uma comediante pioneira em decadência, perdendo público em sua residência em Las Vegas. Determinada a salvar a carreira, ela contrata uma jovem para ajudá-la a atualizar seu repertório e, assim, atrair um público mais novo com novos causos. Número de vitórias: 3. Categorias em que venceu: Melhor roteiro de Série de Comédia, Melhor Direção de Série de Comédia e Melhor Atriz em Série de Comédia (Jean Smart).

Mare of Easttown

A detetive Mare (Kate Winslet) precisa investigar o assassinato de um homem em uma pequena cidade Pensilvânia. Ao mesmo tempo, sua vida está desmoronando, com diversas crises de ansiedade enquanto tenta superar a morte do próprio filho. A produção acaba refletindo sobre o luto e a saúde mental.Categorias em que venceu: Atriz Principal em Minissérie (Kate Winslet), Atriz Coadjuvante em Minissérie (Julianne Nicholson) e Ator Coadjuvante em Minissérie (Evan Peters).

I May Destroy You

Arabella tem muitos amigos e uma promissora carreira como escritora, mas tudo muda quando ela passa a questionar sua vida ao cair em baladas e na noite de Londres. Às vésperas de entregar seu segundo livro para uma editora, ela vai para a festa. Na manhã seguinte, tem dificuldade para lembrar o que aconteceu e conta com a ajuda de seus melhores amigos, Terry e Kwame.Categoria em que venceu: Melhor Roteiro de Minissérie

Disney+

Hamilton –  é a história de uma América antiga contada por uma América dos dias de hoje. Misturando uma trilha sonora que tem hip-hop, jazz, R&B e Broadway, Hamilton conta a história do pai fundador Alexander Hamilton e cria um revolucionário momento no teatro, um musical que teve um profundo impacto na cultura, política e na educação. Melhor especial de variedade.

Novas Séries

STAR+McCartney 3, 2, 1série documental que chegou ao streaming brasileiro esta semana pela mais recente plataforma da Disney, o Star+. Sem distrações, convidados ou excessivas imagens de apoio, a produção foca explicitamente na criatividade e na música que McCartney de 79 anos, criou ao longo de seis décadas de carreira com os Beatles, os Wings ou na carreira solo, em seis episódios de meia hora cada um. A série é em preto e branco foi filmada em um estúdio vazio e na Califórnia e o cenário estimula a conversa entre Paul e o renomado produtor musical Rick Rubin. Paul, por vezes, toca violão e piano para ilustrar alguma história ou esmiuçar algumas das melodias mais famosas da história do rock que foram criadas por ele e seus parceiros de Liverpool. Rubin tem oito Grammys e trabalhou com quase todo mundo da música américa desde Beastie Boys, Public Enemy, Adele, Shakira, Slayer e Red Hot Chili Peppers. Ele tem à sua disposição uma potente mesa de mixagem recheada com as másters originais de gravações lendárias dos Beatles, dos Wings eou de McCartney solo. Rubin nunca produziu McCartney e ouve quase tudo sem piscar e reage maravilhado a cada história. McCartney revela que passou a ser fã dos Beatles. Não perca.

STARZPLAYBMF (Black Mafia Family): com o “show runner” e  rapper Curtis “50 Cent” Jackson. A série é inspirada na história real de dois irmãos que crescem em Detroit no fim dos anos 1980 e criaram uma das famílias criminosas mais influentes dos EUA. Produtor executivo de 11 séries – entre elas “Power”, “For life” e “50 Central”, 50 Cent crê na identificação de quem vive em áreas periféricas de metrópoles brasileiras como Rio e São Paulo. Força é algo que Cent fala com segurança depois de um atentado com sete tiros em seu carro. Ele teve vivências no tráfico, cresceu numa realidade violenta e é fã de Conceição Evaristo, defendendo a “escrevivência” (escrever sobre as próprias experiências). Ele tem, 46 anos e mais de 30 milhões de álbuns vendidos/baixados. No  elenco de produção, ele contou com Eminem e Snoop Dogg. Agora ele quer escalar um astro brasileiro dos campos e já está em negociação com um jogador de futebol.

NETFLIX

Cara gente brancachegou a quarta temporada. A obra, adaptada do filme homônimo de 2014, aborda tema como racismo, colorismo e a solidão da mulher negra. A série acompanha a estudante Sam White (Logan Browning)  outros jovens negros que sofrem discriminação em uma universidade de elite e majoritariamente branca. A tensão aumenta quando os alunos resolvem dar uma festa blackface, em que se fantasiam de pessoas negras. O grupo se une para lutar contra as agressões a promover mudanças. A nova temporada se passa em um futuro pós-pandemia e acompanha o ano  mais marcante das vidas dos personagens. A obra de Justin Simien tem no elenco Brandon P. Bell, Antoinette Robertson, DeRon Horton. John Amedori, Ashley Blaine, Featherson e Marque Richardson.

Missa da Meia-Noite – estreia hoje. É do aclamado cineasta de terror Mike Flanagan (“A maldição da residência Hill e Ouija 2), a minissérie acompanha uma ilha isolada onde eventos inexplicáveis  e aparentemente milagrosos acontecem a pós a chegada  de um jovem desafortunado (Zach Gilford) e um padre carismático (Hamish Linklater).

PRIME VIDEO – estreia hoje. Goliath: ganhador do Globo de Ouro de melhor ator em série de TV em 2017, o drama jurídico de David Kelley (“Little Big Lies”) chega à sua quarta temporada. Billy Bob Thornton vive um advogado que é demitido do grande escritório que ajudou a construir. Em busca de justiça, ele aceita representar uma cliente num caso de assassinato.

DISNEY+Star Wars: Visions: os fãs de Star Wars assitirão uma nova versão antológica da história, desta vez contada em curtasno estulo anime japonês. A produção foi criada por sete diferentes estúdios, incluindo os renomados Science Saru e Trigger. Cada um dos nove episódios traz uma narrativa diferente e um estilo de animação único.

HBO MAXPatrulha do destino: terceira temporada. Os super-heróis desajustados da DC estão de volta para salvar a Terra na série de Jeremy Carver. Com Diane Guerrero. April Bowlby eBomer no elenco, a aventura acompanha Homem-Robô, Crazy Jane, Homem-Negativo e Mulher Elástica, liderados pelo cientista maluco Dr. Niles Caulder (O Chefe).

TV CulturaDesign com D: a série de 13 episódios com apresentação de Hans Donner – que ficou 40 anos na TV Globo e criou grandes vinhetas – estreou dentro do programa Cultura & Design. Sempre às quintas-feira. O material aborda o DNA do design para o estilo de vida atual e futuro. Famoso por suas vinhetas, o teuto-brasileiro desenvolve atualmente projetos de design para móveis, fachadas e ambientes. A segunda temporada vai apresentar importantes nomes do design, como Greg Bousquet, do escritório TriptyqueLara Kaiser, da Perkins&WillMarina Linhares, entre outros, além de estrelas das artes como Isabelle TuchbandClaudia ColagrandeMariana Palma e Nina Pandolfo e da moda, como a estilista Gloria Coelho.

EXPOSIÇÃO

Ocupação Paulo Freireinaugurada  no Itaú Cultural, em São Paulo, em comemoração aos 100 anos do “Patrono da Educação Brasileira”, passa em revista a trajetória do intelectual brasileiro mais lido no mundo: da infância em Recife à aplicação de seu método de alfabetização em Angicos, no Rio Grande do Norte, do exílio nos tempos da ditadura ao retorno ao Brasil dias antes da anistia, em 1979. Além da exposição, o Itaú Cultural lança uma compilação de textos sobre o educador e, em outubro, o podcast “Diálogos com Paulo Freire”. A ocupação apresenta 140 itens, entre fotografias, vídeos, documentos, cartas e manuscritos. Freire aparece irreconhecível nos retratos pré-exílio, de rosto limpo ou com um discreto bigode. Na exposição há um vídeo com palavras como se estivessem sendo escritas em tempo real: “ Aos esfarrapados do mundo e que neles se descobrem e, assim descobrindo-se, com eles sofrem, mas, sobretudo, com eles lutam”. É a dedicatória de “Pedagogia do oprimido”, principal livro de Freire.O vídeo segue mostrando os manuscritos da obra até a frase final, que sonha com “um mundo onde seja menos difícil amar”. Escrito no Chile onde o escritor se exilou após 1964, o livro foi publicado em francês e espanhol, em 1970, ano e, que ele comoçou a trabalhar no Conselo Mundial de Igrejas (CMI), na Suiça e a rodar o mundo pregando a palavra da educação libertadora. O Instituto Paulo Freire de Berlim recorreu ao método criado pelo pernambucano para ensinar alemão aso refugiados do Oriente Médio. Uma pesquisa realizada em 2016 pelo London School of Economics revelou que “A pedagogia do oprimido” é a terceira obra de ciências humanas mais citada em artigos acadêmicos publicados em inglês.

Samsung Rock Exhibition Rita Lee exposição no Museu da Imagem e do Som, em São Paulo, de itens raros do acervo pessoal da cantora e compositora de 73 anos, Rita Lee. 90% dos itens expostos saíram do sótão  da casa de Rita cujo filho, João Lee, foi o curador. Os manequins têm a assinatura do cenógrafo e carnavalesco Chico Spinoza que, em 2023, leva o enredo Rita Lee para o desfile de escolas de samba paulistas.  Rita participou de todas as etapas da exposição onde há uma seção sobre a ditadura com as letras censuradas expostas na parede. Logo à entrada, o visitante se depara com lembranças da casa onde a cantora cresceu na Vila Mariana como um frasco de lança-perfume (nome de uma das suas músicas) liberado pelo pai para os filhos quando o Corinthians ganhava, além de um álbum de figurinhas de Peter Pan, sua primeira paixão. As roupas são várias: o polêmico traje de Nossa Senhora Aparecida que ela vestiu, em 1995, a roupa de bruxa e o vestido de casamento na época dos Mutantes, emprestado por Leila Diniz e nunca devolvido à TV Globo, as vestimentas das capas de álbuns, a roupa de presidiária do primeiro show após sair da prisão e outras criadas por Spinoza para a turnê “O circo” (1982/83), cujo palco giratório também foi recriado pelo cenógrafo. E há uma sala só para os instrumentos marcantes que Rita guardou, sobretudo uma guitarra Tute, de 1954, a mais usada nos seus shows, além de pinturas e colagens que ela fez ´para David Bowie, Einstein, Fernanda Montenegro, Elis Regina, Salvador Dalí e Carmen Miranda, além da paixão pelos Beatles com desenhos em papel de pão.

Devido à pandemia, o MIS controla a entrada, liberando grupos de 30 a 60 pessoas a cada 30 minutos e só é permitido circular no museu usando máscaras.

LIVROS

Lula, biografia, volume 1(R$74,90)  Fernando Morais, em pré-venda na Amazon. A aguardada biografia do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva, escrita pelo jornalista e biógrafo Fernando Morais, entrou em pré-venda nesta segunda. O primeiro volume de “Lula” (Companhia das Letras e Penguin), de 416 páginas, será lançado oficialmente no dia 16 de novembro e já aparece em livrarias on-line custando R$ 74,90. Os bastidores da maior perseguição política ao ex-presidente Lula, vítima de lawfare, os momentos históricos da sua vida e o legado em defesa da democracia serão contados na primeira biografia sobre um dos maiores líderes políticos internacionais.

O livro, que conta a trajetória pessoal e política de Lula e será dividido em dois volumes, começou a ser escrito em 2001 pelo jornalista Fernando Morais. Na primeira parte, que tem 416 páginas, o autor fala sobre a infância do ex-presidente, as greves do ABC Paulista quando ele foi presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, a fundação do Partido dos Trabalhadores (PT),  a primeira campanha eleitoral, o balanço dos seus governos como presidente da República, a prisão em 2019 e as anulações das condenações judiciais.O jornalista acompanhou Lula por uma década para escrever a sua biografia.

“Grudei nele a partir de 2011, logo que ele deixou a Presidência, antes de ele ser diagnosticado com câncer, para poder recuperar determinadas passagens, [saber dos] bastidores de governo. Era uma oportunidade de ouvi-lo dentro de um avião, por exemplo, longe de telefone, secretária, de audiência, isso e aquilo”, conta Fernando Morais.

Anos de chumbo Chico Buarque de Holanda (Companhia das Letras), em pré-venda no site da editora. É o primeiro livro de contos do compositor e escritor e tem data marcada de lançamento: 22 de outubro. É o décimo título de Chico, de 77 anos, vencedor do Camões, o mais importante prêmio literário de língua portuguesa. O autor prepara uma prosa de atmosfera, com alusões “À barbárie do presente”. As tramas são carregadas de sexo, perversidade, desalento e delírio. No texto, há a pergunta: “O que ocorre quando um  páis inteiro – metade numa direção, metade em outra – se deixa levar por esse tio de sedução”. “Para Clarice Lispector com candura”, um dos oito contos da coleção, discute o risco de idealizar uma imagem colocando em cena um fã fervoroso da autora de “A hora da estrela”. Um dia, o jovem aspirante a poeta é convidado À casa de sua escritora favorita. “Cida” é sobre a amizade sincera e ao mesmo temo superficial entre um morador do Leblon e uma solitária mulher em situação de rua, abordando temas atemporais. Outros contos falam de desatinos familiares, passeios por Copacabana e um casal em primeira viagem. No dia 22 de outubro, a Cia das Letras lança um edição especial de 30 anos do romance “Estorvo”, acrescida de textos e Roberto Schwarz, Sérgio Sant’Anna, Marisa Lajolo e Augusto Massi, com projeto gráfico especial.

Pandemia e Pandemônio – relatos indignados de um Brasil doente e desgovernado –  é o novo livro de Ricardo Cravo Albin. A publicação reúne as crônicas e matérias publicadas pelo autor ao longo do ano de 2020 sobre um dos piores momentos que o Brasil tem experimentado. No texto0, Ricardo declara que esse relato está despertando curiosidade em países amigos doBrasil, já que, pelo tamanho continental que ele ocupa, o mundo ficou muito surpreso pelo acúmulo de mais de meio milhão de vítimas fatais. Estuda-se inclusive seu lançamento em países lusófonos e em versão espanhola.

História da Música Popular Brasileira sem preconceitos Dos primórdios em 1500, aos explosivos anos 1970 – Volume 1 (Record) -Rodrigo Faour. O livro reconstitui a trajetória dos mais variados gêneros, incluindo artistas relegados a um segundo plano ou esquecidos. O primeiro volume vai até os anos 1970 e traz encarte de 64 páginas com imagens raras maravilhosas de nossos maiores artistas da música, neste que é o mais ousado empreendimento do autor das biografias da Ângela Maria e Dolores Duran. O pesquisador  fez a mais ousada empreitada literária de sua carreira. Neste volume, Rodrigo revisita nomes ancestrais do sertanejo, na época chamado de caipira, como Raul Torres e Florêncio, muitas vezes acompanhados de sanfoneiros, como o pioneiro José  Rielli, e reverencia contemporâneas de Aracy Cortes, entre ela Pepa Delgado, Rosa Negra Risoleta e Júlia Martins. Ele passa por diversos artistas negros, dos participantes dos grandes festivais, de linhagem popular como do regional gaúcho, caipira/sertanejo, instrumental, brega-romântico, forró, carimbo, dance-music, os da revolução musical via TV. O livro é imperdível.

Regresso ao Admirável Mundo Novo (Biblioteca Azul) – o escritor inglês Aldous Huxley, quase trinta anos depois de lançar sua obra-prima e um dos monumentos da ficção científica, propõe-se a avaliar sua previsões e trata sobre ameaças à humanidade, tais como a superpopulação, a manipulação genética e psicológica, o uso de drogas como forma de controle social, e a ascensão de regimes autoritários. Em «Regresso ao Admirável Mundo Novo», Aldous Huxley expõe-nos, com argúcia e a ironia que repassam as suas obras, os aspectos da vida do nosso tempo que lhe confirmaram as previsões ou tendem a confirmá-las. Ele escreveu novelas, sátiras, ensaios, biografias, dramas, versos e romances. Espírito céptico, mas brilhante, celebrizou-se sobretudo com o romance de antecipação Admirável Mundo Novo (1932), em que faz uma sátira implacável à sociedade industrial contemporânea com argúcia e a ironia que repassam as suas obras, os aspectos da vida do nosso tempo que lhe confirmaram as previsões ou tendem a confirmá-las.

Pulp (Mino, R$69,90) – Ed Brubaker e Sean Phillips. Quadrinho que acaba de sair no Brasil pela editora Mino, a HQ vencedora do Prêmio Eisner deste ano na categoria Melhor Novo Álbum Gráfico e escrita por Ed e ilustrada por Phillip,  é mais um acerto da dupla que produz quadrinhos em estilo noir, com personagens de moral duvidosa, como o gênero de sucesso no cinema apresentou. Max Winter, aos 67 anos, vive na NY de 1939 e tem um problema: ele se sente com a mesma idade de quatro décadas atrás. Só que em sua juventu8de, na década de 1890, ele era um jovem fora-da-lei e, hoje, sobrevive como escritor transformando suas aventuras no Velho Oeste em ficção barata, daí o título “Pulp”.

Os donos do poder (Companhia das Letrs, R$109,90) – Raymundo Faoro. A obra prima do jurista Raymundo Faoro (1925-2003), que analisa as raízes do patrimonialismo brasileiro e a formação do aparelhamento burocrático do Estado, foi publicada em 1958. A nova ediçernardo Ricupero e Gabriela Nunes Ferreira.

O homem que morreu duas vezes (Intrínseca, R$59,90) – Richard Osman. Segundo livro da série “O Clube do Crime das Quintas-feiras”, que trz de volta os personagens vivendo um período de tédio após a elucidação de crimes anteriores. Até que uma história envolvendo um agente secreto sessentão leva os detetives amadires Elizabeth, Joyce, Ibrahim e Ron a embarcar numa aventura que envolve mortes suspeitas, diamantes roubados e a máfia.

Fachada (DBA, R$ 59,90) – Elisabeth Sanxay Holding. Lançado em 1947, o thriller feminista faz o retrato de uma geração na qual as mulheres eram vistas apenas como responsáveis por construir lares perfeitos.A escritora revela nesta obra, adaptada duas vezes para o cinema, as muitas camadas de violência, misoginia, racismo e hipocrisia vigentes na sociedade americana dos anos 1940.

Uma tristeza infinita e uma nova edição de “F” ( Companhia das Letras, R$64,90) –  Antônio Xerxenevsky. Em seu quarto romance o gaúcho radicado em São Paulo de 37 anos reflete sobre saúde mental e religião e diz que “o que se opõe à Ciência não é a fé, mas o fundamentalismo”.  Nicolas, o protagonista do romance, é um psiquiatra hipocondríaco que passou a Segunda Guerra Mundial em Vichy, capital da França colaboracionista. Após a derrota do nazismo, acompanhado da mulher Anna, ele segue para um sanatório suíço e se esforça para curar a esquizofrênicos, neuróticos e melancólicos usando o método psicanalítico. Quase todos os pacientes são traumatizados de guerra: uma ex-secretária dos cientistasque desenvolveram a bomba atômica, um soldado, o funcionário de uma seguradora que apoiou o Terceiro Reich. Da interação de Nicolas com seus pacientes partem as principais linhas de força:  psicanálise versus osantidepressivos, a culpa dos que silenciaram diante do fascismo, os limites da ciência, a luta entre a fé e a razão.  “F” é o segundo romance do autor que o escreveu aos 30 anos quando chamava atenção com seu livros divertidos, cheios de referências pop (do cinema à literatura e à música) que buscavam reinventar gêneros como o western, o fantástico e o thriller. Em 2012, ele apareceu na listas dos “12 melhores escritores brasileiros” feita pela revista Granta.

A culinária caipira da Paulistânia (Fósforo, R$84,90) –  Carlos Alberto Dória e Marcelo Corrêa Bastos. Dória, pesquisador da alimentação e gastronomia, e o chef Marcelo traçam neste estudo a história da culinária caipira que vai de São Paulo a Goiás, de MG ao Paraná, destacando a importância dos ingredientes brasileiros e práticas agrícolas tradicionais. No livro, há 270 receitas.

Sobre cabeça, corpo e carnaval (Ventania, R$56) – Paulo Sales. São crônicas, contos e delírios, nos quais o autor pernambucano aborda histórias que versam principalmente sobre a vida no Nordeste do Brasil, inspiradas em grande parte pelas lembranças da infância vivida na fazenda do avô paterno na Paraíba. As narrativas, que vêm sendo escritas desde a década de 90, ganharam ilustrações criadas por Fernando Vilela.

Genética neoliberal: uma crítica antropológica da psicologia evolucionista (Ubu, R$59,90) da antropóloga americana Susan McKinnon. A autora argumenta no livro que o psicólogo e linguista canadense Steven Pinker e cia nos livros que escreveram transferiram para os genes qualidades geralmente associadas ao pensamento, como consciência e criatividade, na psicologia evolutiva, que destaca, nas nossas escolhas (amorosas, profissionais, etc), o papel atribuído aos nossos genes e seu objetivo: replicar-se. E nossos genes pensariam como investidores frios, preocupados apenas com resultados. Para Susan, essas teses não passam de uma “ciência malfeita”, carente de evidências e que naturaliza o que ela qualifica como “valores neoliberais”. A psicologia evolucionista propaga concepções sobre gênero, sexualidade e relações de parentesco que seriam universais, mas que são contestadas pela antropologia.

PODCAST

 ‘A República das Milícias’ – estreia hoje no Globoplay. É o primeiro original do canal baseado em um livro e a versão em áudio da obra do jornalista Bruno Paes Manso retrata em detalhes como funcionam as milícias no Rio de Janeiro. O projeto marca a primeira parceria da Globo com a Rádio Novelo e pode ser ouvido no Globoplay e na Deezer. Serão oito episódios, publicados semanalmente, às sextas-feiras. Os episódios trazem ainda a perspectiva de policiais sobre as milícias. Bruno destaca ainda a presença de personagens que aparecem no documentário ‘Notícias de uma Guerra Particular’, de João Moreira Salles e Kátia Lund. “É legal ouvir os relatos deles 20 anos depois”. Além de apresentar o podcast, Bruno Paes Manso é responsável pelos roteiros ao lado de Vitor Hugo Brandalise e Aurélio de Aragão. A direção é de Paula Scarpin. Além de ter o conteúdo publicado no livro, o podcast traz conteúdos inéditos que reforçam o formato narrativo, ao mesclar elementos e histórias sobre o Rio de Janeiro – como o funk, Bossa Nova e o hip hop.O primeiro episódio embarca em uma viagem de trem por bairros periféricos do Rio de Janeiro dominados pela milícia. Bruno apresenta entrevistas de funcionários do serviço ferroviário que detalham a influência desses grupos criminosos na rotina da cidade. Jornalista, Bruno Paes Manso é doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo e pesquisador do Núcleo de Estudos da Violência da USP. Ele é autor de ‘A Guerra: a ascensão do PCC e o mundo do crime no Brasil’, em coautoria com Camila Nunes Dias.

W/Cast – é a segunda temporada do podcast de Washington Olivetto. Desta vez, a atração terá uma versão audiovisual e será exibida também pelo YouTube. Serão 17 episódios gravados na sala do apartamento carioca de Olivetto, tendo ao fundo o mar de Ipanema como cenário. O publicitário conversará com “amigos de todas as áreas” com quem fez trabalhos ou viveu “momentos inesquecíveis” como Gilberto Gil, Boni, Raí, Nelson Motta, Lulu Santos, Pedro Bial e Jorge Ben Jor, entre outros. Estreia quarta-feira (29/9).

Nós – Todo mundo tem aquela música que desperta memórias, de um beijo, de um show, de uma loucura, de um abraço, de um amor não correspondido (ou super correspondido) ou de um encontro. É a partir dessas histórias que Sarah Oliveira e Roberta Martinelli pensaram no Nóspodcast original do Spotify que traz 24 episódios com relatos emocionantes e inspiradores de relações afetivas conectadas pela música. Semanalmente, sempre às segundas, você poderá mergulhar nessa sonoridade acolhedora.

Torna viagem – Pedro Paulo Rangel estreia nesse podcast no domingo, uma coprodução do Brasil com Portugal sobre a música dos dois países. O primeiro episódio tratará do fado. As Rádios MEC FM e Antena 2, de Lisboa, vão transmitir.

LAZER

JOGO DO VINHO – A que velocidade voa uma rolha de champanhe? Quantas vezes o vinho é mencionado no Velho Testamento? Qual foi a primeira safra do clássico Barca Velha? Lançado originalmente como um jogo de tabuleiro, o Jogo do Vinho foi uma das criações mais geniais do jornalista Celio Alzer. Agora, ganhou uma versão para cartas com 300 perguntas divididas em seis categorias: tintos, brancos, espumantes, gastronomia, personalidades e variedades. No meio do caminho, porém, surgem surpresas como “degustação às cegas” ou “o vinho não combinou com o prato”. Um jogo inédito, repleto de curiosidades e informações, não só para divertir e presentear, mas também para quem deseja descobrir um pouco mais sobre o fascinante mundo do vinho. O Jogo do Vinho está disponível para venda no site www.ojogodovinho.com.br (R$49,90).

VIAGENS

Se você não tem medo de entrar em um avião correndo risco de pegar a Covid 19, olhe aqui os países onde você pode entrar 14 dias depois de vacinado com a 2ª dose , exceto se sua vacina for a Coronavac ainda não aceita por alguns países ricos (dizem que isso é guerra de laboratórios,): Alemanha, Anguilla, Bélgica, Canadá, EUA, França, República Tcheca, Suiça, Catar. Vacinado com todas as vacinas: Argentina, Espanha, Holanda, Islândia, Peru e Uruguai. Aceita todas as vacinas e com teste PCR: Armênia, Bahamas, Costa Rica, Egito, Jordânia, Líbano, Marrocos, Panamá, República Dominicana e Tunísia. Abertos, sem exigência de vacina, bastando teste PCR: África do Sul, Aruba, Bolívia, Colômbia, Curaçao, Equador, Etiópia, México, Maldivas, Portugal, Nicarágua, Quênia, Tanzânia e Emirados Árabe Unidos.

E já que Portugal está aberto para todos os povos, quem quiser visitar o país, aqui estão dicas das regiões dos melhores vinhos (embora com o euro nas alturas seja meio proibitivo viajar para o exterior): PORTO E NORTE–  esta região abriga quatro sub-regiões viticultoras – Vinhos Verde, Trás-os-Montes, Douro e Tábora Varosa. A mais conhecida é Douro, que tem Porto e Vila Nova de Gaia como suas principais cidades que produzem o vinho do Porto. Mais ao norte, a região de Vinhos Verdes, com vinhos de uvas brancas, acrescenta praias e montanhas ao cenário. Um programa diferente por lá é Avaleda Escape Garden, o primeiro jogo de fuga ao ar livre, na Quinta da Avaleda, onde os visitantes aprendem sobre o vinho local enquanto tentam solucionar um mistério,

Em Trás-os-Montes, o turista encontra processos de produção de seus vinhos que remontam aos tempos dos romanos, cidades medievais e até uma língua própria: o mirandês. Já em Távora-Varosa, a tradição vem em forma de borbulhas, com os primeiros vinhos espumantes produzidos no  país. Seus pioneiros foram os monges de Cister, no século XII e deixaram mosteiros valorizados por seuuu estilo arquitetônico.

CENTRO DE PORTUGAL: entre Lisboa e Porto estão as sub-regiões vinícultoras da Bairrada (cinhecida por seu leitão e também pelo espumante). E suas vinhas foram reconhecidas, em 1137, pelo primeiro rei de Portugal, Dom Afonso Henriques. Viseu é o ponto central do Dao, cujos vinhos aromáticos combinam muito bem com cabrito assado e o queijo da Serra da Estrela, ali ao lado.  Tem também as estações termais de Alcalache e Carvalhal. Subindo a serra, está a região da Beira Interior, a mais montanhosa do país, na fronteira com a Espanha.

LISBOA: ao redor da capital, há três sub-regiões produtoras (Tejo, Península de Stúbal e Lisboa) com possibilidade de bate-volta e uma diversidade de cenários. As praias do litoral, a norte e a sul, combinam com os vinhos frescos, leves e frutados produzidos quase de frente para o Atlântico, cidades históricas como Óbidos e Sintra pedem vinhos mais aveludados, como o de Colares, na Serra de Sintra onde há um passeio charmoso a bordo de um “electrico”, com direito a prova de vinhos na Adega Regional de Colares. Outro maravilhoso passeio:  Cruzeiro Enoturístico nlo Estuário do Sado, saindo da cidade de Tróia, com observação de golfinhos e degustação de vinhos da Península de Setúbal.

ALENTEJO: ao lado do Dourp, é a região português mais identificada com a cultura do vinho. Com pouco densidade populacional e extensa, tem vastas paisagens de campos e colinas, slapid=cadas pelas herdades, vinícolas com grandes áreas produtivas. As propriedades oferecem as melhores experiências rurais do país: piqueniques entre parreiras, cavalgas junto ao litoral, passeios de charrete pelas fazendas, observação de estrelas (Reserva Dark Sky Alqueva) e colheita de uva na vindima, em setembro. NA vinícula João Portugal Ramos, em Extremoz, é possível brincar de enólogo e criar seu próprio vinho. Fica ao lado de Évora e Beja.

ALGARVE: os árabes já produziam vinho no extremo sul do país, região novata na vinicultura nacional. Suas bodegas são modernas e descontraídas. O vinho branco da região vai bem com peixes frescos ou arroz de lingueirão, tradicional prato da região feito com molusco. Deve-se visitar  a Adega Cooperativa do Algarve, em Lagoa.

AÇORES: cultivadas em canteiros quadrados escavados no solo vulcânico, as vinhas da Ilha do Pico, uma das nove deste arquipélago, são consideradas Patrimônio da Humanidade pela Unesco. A trabsformação que o homem promoveu pela natureza resultou em vinhos com a uva verdelho. Visite ainda a Ilha Terceira e Graciosa, ricas em belezas naturais.

MADEIRA: quem gostava de passar por lá era a Imperatriz Sissi, Isabel da Baviera, Vem do século XIX a fama de destino aristocrático, algo que se reflete no requinte de suas vinícolas. Licoroso e feito para ocasiões especiais, o vinho da Madeira é a estrela do arquipélago, que dedia À bebida uma grande festa em agosto.

BALÉ

20 hs CURA – novo espetáculo com 13 bailarinos da Companhia de Dança Deborah Colker  e  trilha original de Carlinhos Brown, contando com dramaturgia do Rabino Nilton Bonder, e que será exibido amanhãpela Globoplay, ao vivo, diretamente da Cidade das Artes, com sinal aberto e gratuito para todo o Brasil. O espetáculo trata sobre as mutações, os erros, as deficiências, que fazem parte da natureza e precisam ser incorporadas, compreendidas e respeitadas. Além disso, nos mostra como a sociedade necessita dessas raridades para evoluir, quebrar padrões e aumentar a tolerância. Curar a ignorância e a discriminação. Apresentação única. https://www.ciadeborahcolker.com.br/. A partir de 6 de outubro, a montagem ganha temporada presencial, na Cidade das Artes, na Barra, seguindo depois para São Paulo. A direção de arte e cenografia é de Gringo CArdia. Cura passei pelo mundo da fé e da ciência, em todas as suas pluralidades, para compor uma narrativa sobre os aspectos abrangentes evocados pelo substantivo. A voz da coreógrafa aparece em um dos números e os bailarinos cantam em cena, algo inédito. O espetáculo é em homenagem ao neto de Deborah, Theo, 12 anos, que nasceu com uma doença incurável – epidermólise bolhosa – que provoca bolhas na pele ao menor contato.

MÚSICA

Aldir Blanc inédito –  O álbum Aldir Blanc inédito com interpretações de Maria Bethânia, Chico Buarque, João Bosco, Joyce, Ana de Hollanda e outros, tem lançamento previsto para o final deste mês pela gravadora Biscoito Fino.  Bosco finalizou duas músicas após a morte do amigo: Acalento, em parceria com Moacyr Luz e cantada por Ana de Hollanda, e Agora eu sou diretoria, gravada por ele. João Bosco, 75 anos (a mesma idade de Aldir), conta que foi juntando trechos de diferentes letras que ele fez para campanha publicitária de uma cerveja que não foi adiante e virou um samba de uma alegria própria da energia de trabalhos deles como “Incompatibilidade de gênios”, “De frente para o crime”, “Bala com bala” e “Linha de passe”. A música fala sobre bar e futebol e avisa que “nós ainda estamos aqui correndo atrás da bola, ele agora é diretoria. E a mensagem dele está aí mais forte do que nunca”. Bosco e Aldir fizeram mais de 150 músicas juntos em mais de 50 anosBosco tem de carreira . Nas plataformas também já estão a canção Pro dia nascer Aldir, de Rodrigo Lessa e Manu da Cuíca, na voz de Thais Motta (Aldir considerava Manu a melhor letrista das novas gerações). E também foi lançado o álbum Como canções e epidemias, do cantor Augusto Martins e do pianista Paulo Malaguti Pauleira, como parte das comemorações do aniversário de 75 anos de Aldir. Tendo como título um verso de Caça à raposa (Aldir e João Bosco), o álbum de voz e piano, com 14 faixas, foi concebido antes da morte de Aldir. Augusto encontrou uma versão sua e de Pauleira, de 2005, de Altos e baixos (melodia de Sueli Costa) e fez o projeto.

Caetano VelosoAnjos tronchos é o single que Caetano Veloso lançou nas plataformas digitais e faz parte do álbum Meu coco que ele lançará no último trimestres deste ano. A letra da música fala de alguma coisa fora da ordem mundial, tanto em 1991 como em 2021. Em um mundo cibernético, parte da ruína se origina no Vale do Silício, reduto norte-americano de empresas universais de tecnologia que, com o uso de algoritmos, manipulam povos como gados em redes sociais. E é dessa desordem que trata Anjos tronchos versa sobre a desordem de mundo tecnológico em que “palhaços líderes brotam macabros, munidos de controles totais”.

Áurea Martins e João Seniseduas gerações se completam em total harmonia no lançamento do álbum Quase 50. O repertório conta com clássicos da música brasileira e do jazz, como Tom Jobim, João Donato e Dorival Caymmi. No álbum estão as músicas Água de beber (Tom Jobim), Sinhá (Chico Buarque e João Bosco), Tocando em frente (Almir Sater e Paula Fernandes), Sucedeu assim (Tom Jobim), A Rã (Caetano Veloso), Gesto Final (Johnny Alf e Cauby Peixoto), No Rancho Fundo (Lamartine Babo e Ary Barroso), Obsession (Sky Ferreira), Just friends (João Senise e Áurea Martins), Eu sei que vou te amar (Tom Jobim e Vinicius de Morais), Bodas de Ouro (Dino Franco e Mouraí), A vizinha do lado(Dorival Caymmi) e Alma no olhar (João Senise e Áurea Martins). Disponível em Spotify, Deezer e YouTube Music.

Letras de Bob Dylan chega às livrarias em novembro pela Companhia das Letras o segundo volume das letras de Bob Dylan. Com quase mil páginas e bilíngue, o livro começa com “Blood on the tracks”, de 1975, e encerra com “Rough and rowdy ways”, lançado em junho de 2020, em plena pandemia, abrangendo 18 discos e 196 músicas do prêmio Nobel de Literatura de 2016. A tradução das letras é, novamente, de Caetano W. Galindo. O primeiro livro foi lançado em 2017 e incluiu toda sua produção entre 1961 e 1974.

 Lil Nas X – o cantor negro americano, 22 anos, gay, dá um show de interpretação em “Old town road” que está em seu álbum Montero (seu real sobrenome), lançado digitalmente na semana passada. Com essa música, gravada quase amadoramente, liderou as paradas  dos EUA por 19 semanas. Nascido no conservado Sul dos Estados Unidos. O principal single do álbum de estreia já veio afrontando: “Montero (Call me by your name)” traz um clipe em que a luxúria é ilustrada por um filme absurdo de autoaceitação sexual, no qual o cantor desce de pole dance até o inferno. No disco, ele traz convidados que compartilham jornadas parecidas como Miley Cirus, Doja CAt e Megan Thee Stallion. São15 faixas de “Montero”, em que ele resume quem é.

Earth, Wind&Fire – com 90 milhões de discos vendidos, o grupo inicia agora uma nova ornada com “You want my love”, primeiro single nas plataformas de um álbum com participações especiais que ainda está sendo produzido e não tem data para lançamento.  Há oito anos sem lançar discos, eles voltam assessorados pelo produtor Babyface ( do r&b dos anos 1990) e um novo vocalista (Lucky Daye, 35 anos) numa música que é uma nova versão de “Can’t hide love”, um dos primeiros hits do grupo  no disco “Gratitude”, de 1975. Earth, Wind&Fire está composto pelos cantores Phillip Bailey e Lucky Daye, o percussionista Ralph Johnson, 70 anos, e o baixista Verdine White. Eles se apresentaram no Maracanãzinho, em 1980 depois que homenagearam o Brasil, em 1977, com o hot “Brazilian rhyme”.

Diane Warren – compositora americana de sucessos pop nos anos 1990, como “Um-break my heart” (Toni Braxton), “Because you loved me (Céline Dion) e “I don’t wanna miss a thing” (Aerosmith), não estava satisfeita com os nove sucesos que compôs sozinha e que chegaram ao recorde de número 1 da parada americana. Então compôs com Ringo Starr e Paul McCartney cantou em uma parte dela (“Here’s to the nights” que Ringo lançou em single e depois no EP em “Zoom in”). Diane acabou de lançar o álbum “The Cave Sessions, Vol.1”, em que vários artistas interpretam suas canções, entre eles, o guitarrista Carlos Santana, Céline Dion, John Legend, John Batiste (da trilha de animação “Soul”) e o astro porto-riquenho Luis Fonsi, do “Despacito” e que foi precedido pelo single “She’s fire”, com Santana e o rapper G-Eazy. As canções de Diana sguem por diversos gêneros, do pop, rock, hip hop ao r&b, country e música latina. E ela adora as músicas de Tom Jobim.

Rita Lee e Roberto de Carvalho – o casal lança na segunda-feira nas plataformas a inédita “Change”, parceria com o produtor de música eletrônica Gui Boartto. A música tem letra em inglês e refrão em francês. Segundo o filho João Lee, os pais d=sentiram um “turbilhão criativo” que os levou ao estúdio pós o projeto de de releituras “Classic remix”, capitaneado por ele. Eles também já desenvolvem um projeto de filme, um documentário e pensam numa série.

LAZER

De quarta a domingoBAFO DA PRAINHA: aos pés do Morro da Conceição, no Centro do Rio, um novo point cultural e gastronômico surgiu. Rodeado de casarões antigos de fachadas coloridas, o Largo de São Francisco da Prainha enche ao cair da noite, com mesinhas espalhadas pela praça e apresentações musicais gratuitas que acontecem na sacada do antigo sobrado onde funciona o Bafo da Prainha. O local foi inaugurado em março e vários cantores e DJs já passaram por lá. As mesas são ao ar livre com distanciamento e para circular é necessário usar máscara. Fora a música, o carro-chefe do local é o churrasquinho feito no tambor de latão. O cardápio é uma homenagem à comida de rua do subúrbio carioca, com nomes divertidos como sacaralho (pão com maionese de alho-poró), galeto suingue (defumado no bafo), e várzea da Prainha (opção vegana). Só vá depois da 3ª dose. É mais seguro. No domingo, a cantora ELIZA ADOR sobre ao palco.

SHOWS/LIVES

HOJE

21hs – Blue Note SP apresenta: Lives pela Arte com Marcel Powell: o violonista, filho de Baden Powell, faz solo misturando épocas. Canal do Blue Note do YouTube. INGRESSO CONSCIENTE:https://bileto.sympla.com.br/event/68939

SÁBADO

19hs – A Sala Cecília Meireles apresenta hoje, dentro da série Festival da Música Brasileira na Belle Époque Carioca, Grupo de Sopros e Percussão da Orquestra Sinfônica da UFRJ, sob a regência do maestro Marcelo Jardim. No repertório, gêneros musicais como o tango cateretê, polca, polca maxixe, marcha, valsa e choro, num arco que vai de Henrique Alves de Mesquita (1830-1906) até Pixinguinha (1897-1973).Sala Cecília Meireles segue o Protocolo de Segurança Sanitária elaborado pela FUNARJ, ratificado pela Secretaria Especial da Covid-19 do Estado do RJ e adotado pelo Governo do Rio de Janeiro, via decreto. Ingressos 40,00. Link para compra pela internet:

https://bileto.sympla.com.br/event/68716/d/106772

Sopros  e Percussão da Orquestra Sinfônica da UFRJ- Marcelo Jardim, regenteEverson Moraes, oficleide e arranjos; Ana Carolina, flauta; Juliana Bravim e Leandro Finotti, oboés; Mário Costa e Gabriel Peter, clarinetas; Igor Carvalho e Thiago Tavares, clarones; Paulo Andrade e Mauro Ávila, fagotes; Gilieder Josadaque e Mateus Lisboa, trompas

Pedro Moita e Tiago Calderano, percussão.

PROGRAMA:Henrique Alves de Mesquita (1830-1906) – Quebra-quebra, minha gente! (Tango catereté); Antônio Callado (1848-1880)

Puladora (polca); Viriato Figueira da Silva (1851-1883) – Polca em Dó, nº 2; Alexandre Levy (1864-1892) – Tango Brasileiro; Patápio Silva (1880-1907) – Zinha, op. 8 (polca); Francisco Braga (1868-1945) – Tymburibá (polca maxixe); Chiquinha Gonzaga (1847-1935) – Água de Vintém (polca); Ernesto Nazareth (1863-1934) – Saudades e Saudades (marcha); Anacleto de Medeiros (1866-1907) – O Conde de Santo Agostinho (marcha), (Arranjo: Marcelo Jardim); Ernesto Nazareth (1863-1934) – Turuna (tango brasileiro); Irineu de Almeida (1863-1914) – Suíte Batina:I- Qualquer cousa (polca, II – A Noiva do Sargento (valsa),III – Aí, Morcego (tango carnavalesco);Anacleto de Medeiros (1866-1907) – Yara (Scotisch); Pixinguinha (1897-1973) – 1 x 0 (choro).

DOMINGO

13 hs – 80 homenagens áureas: todos os domingos nesse horário, a cantora Áurea Martins reúne vários cantores que homenageiam  um nome do cenário musical. Serão 80 shows virtuais em homenagem as 80 anos de Áurea que não pode ser comemorado no ano passado, por causa da pandemia. Transmitida através do seu canal no YouTube. As lives ficam disponíveis no canal.

Endereço: https://www.youtube.com/channel/UCj70JFrxgQka3_5qGqZLX1A

TEATRO

DIARIAMENTE

19hs Cravo: Criação, direção e interpretação: Alice Poppe e Laura Samy.O espetáculo de teatro-dança parte de influências que vão da fotografia a clássicos da sétima arte, no encontro entre as bailarinas e moradoras da Zona Sul Laura Samy e Alice Poppe.  Gratuito, com transmissão diária no canal do Sesc-RJ no YouTube. Até domingo

‘FESTU — Festival de Teatro Universitário’- Em sua segunda edição virtual, o evento transmite remotamente espetáculos, sempre gratuitamente. Criado pelo produtor cultural Miguel Colker e pelo diretor Felipe Cabral, o FESTU terá um júri liderado pelos atores Babu Santana e Malu Galli e que irão escolher o melhor esquete dos 20 grupos universitários que estão concorrendo a patrocínios de 30 e 15 mil reais para montar os próprios espetáculos em 2022. Diariamente, com espetáculos transmitidos no YouTube — veja a programação. Até 30 de setembro.

SEXTA-FEIRA

Festival de Teatro VirtualA primeira edição do evento promovido pela Fundação Nacional de Artes (Funarte) exibe 25 espetáculos on-line de todas as regiões do país. Sex: “Gibi”, da Lamira Artes Cênicas.

18hs ‘Pão e circo’:Texto: Leonardo Bruno e Pedro Monteiro. Direção: Isaac Bernat. Com Gabriela Estevão, Henrique Eduardo, Osvaldo Mil e Pedro Monteiro.Edu é um goleiro carioca, nascido e criado em Madureira. Um embate familiar muda o rumo de sua vida. Sex a dom, a partir das 18h — o espetáculo fica disponível por 24 horas. R$ 20, por meio do Sympla. 35 minutos. Livre. Até 3 de outubro.

18h30 – Festival de Teatro Virtual: a primeira edição do evento promovido pela Fundação Nacional de Artes (Funarte) exibe 25 espetáculos on-line de todas as regiões do país. Sex: “A cripta de Poe”, com a Companhia Nova de Teatro. Sex: “Suele, Nara, Ian“, com texto de Luísa Arraes.  Qui e sex, às 18h30. Gratuito, com transmissão pelo YouTube. Livre. Até 28 de outubro. A progamação é alterada semanalmente.

19hs Virá’–  Texto e direção: Giordano Castro. Com Bruno Parmera, Erivaldo Oliveira, Giordano Castro, Lucas Torres, Mário Sergio Cabral.O novo espetáculo sensorial do grupo Magiluth acontece por meio de uma chamada telefônica. No enredo, um grupo de pessoas espera por algo que não se sabe o que, mas mesmo assim, é algo aguardado com muito desejo e alegria. Sex e sáb, às 19h. Gratuito, com inscrições pelo site do Sesc SP.

21 hsPessoas perfeitas‘: Texto: Ivan Cabral e Rodolfo García Vázquez. Direção: Rodolfo García Vázquez. Com Os Satyros. Medalha é uma jovem mística que busca experiências espirituais. Ela sai do interior para morar no centro de São Paulo, fugindo da solidão após a morte dos pais. Sex e sáb, às 21h. Dom, às 20h. Gratuito, por meio do Sympla. 90 minutos. Até 10 de outubro.

21hs ‘Pessoas perfeitas’ Texto: Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez. Direção: Rodolfo García Vázquez. Com Os Satyros.Medalha é uma jovem mística que busca experiências espirituais. Ela sai do interior para morar no centro de São Paulo, fugindo da solidão após a morte dos pais. Sex e sáb, às 21h. Dom, às 20h. Gratuito, por meio do Sympla. 90 minutos. Até 10 de outubro.

SÁBADO

15h – ‘Que os mortos enterrem seus mortos‘- Texto: Samir Yazbek. Direção: Marcelo Lazzaratto. Com Helena Ranaldi e Maria Fernanda Cândido.Ao tentar recomeçar a sua vida no Líbano, terra de seus antepassados, uma mulher recebe a visita de sua mãe já morta, insistindo para que ela retorne ao Brasil. Gratuito, por meio do site do Itaú Cultural. 120 minutos. 14 anos.

18 hs – Pão e circo: a peça fará temporada  virtual pela plataforma Sympla, a partir de hoje. Com direção de Isaac Bernat, parte de um momento decisivo da carreira de um goleiro carioca para refletir sobre uma epidemia social silenciosa: o abandono paterno. Idealizado pelo ator Pedro Monteiro, autor e protagonista da peça, o texto é inspirado em milhões de brasileiros que crescem sem o afeto do pai e busca refletir sobre as consequências provocadas por essa ausência.  Até 3 de outubro. Sextas, sábados e domingos, a partir das 18h. O vídeo ficará disponível por 24 horas. Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). Vendas pelo Sympla (www.sympla.com.br/pao-e-circo__1288660). 35 minutos.

18hs ‘Cabaret Dada’: Texto: Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez. Direção: Rodolfo García Vázquez. Com Os Satyros. O espetáculo parte do estudo do Dadaísmo, movimento vanguardista do início do século XX. Sáb e dom, às 18h. Dom, às 21h. Gratuito, com transmissão no Sympla. 70 minutos. Até 31 de outubro.

19h ‘Gays, modos de amar’. Texto: Flávio Braga. Direção: Gláucia Rodrigues. Com Rafael Canedo. Através do humor, a peça procura refletir sobre questões do universo gay — os preconceitos enfrentados, a busca do amor e do prazer, a auto-aceitação. A peça pode ser vista, a partir de sábado, às 19h, em qualquer horário. Gratuito, no YouTube. 40 minutos. Até 31 de outubro.

20hs ‘Parece loucura mas há método — A dois’: -Texto: Paulo de Moraes e Jopa Moraes. Direção: Paulo de Moraes. Com Bruno Lourenço, Charles Fricks, Isabel Pacheco, Jopa Moraes, Kelzy Ecard, Liliana de Castro, Ricardo Martins, Patrícia Selonk, Simone Mazzer e Vilma Melo.Continuação do primeiro projeto on-line da Armazém Companhia de Teatro, a peça apresenta quatro duplas de personagens shakespearianas que se enfrentam num jogo de possibilidades dramáticas. Sáb e dom, às 20h. A partir de R$ 10, com transmissão por meio do Sympla. 70 minutos..Até domingo

20h ‘Na sala com Clarice’ – Texto: Clarice Lispector. Concepção e atuação: Odilon Esteves. O monólogo apresenta textos da escritora Clarice Lispector a partir de escolhas feitas pelo público por meio de enquete. R$ 50, com ingressos via Sympla. 90 minutos. Até 2 de outubro.

21h Pousada Refúgio – com Daniel Dottori, Glaucia Libertini, Leonardo Cortez, Maurício de Barros e Tatiana Thomé. O texto deste espetáculo é de Leonardo Cortez e a direção de Pedro Granato. Ao vivo e online . Os ingressos podem ser acessados gratuitamente na plataforma Vivo Valoriza ou no perfil @Vivo.Cultura, no Instagram. Os convites ficam disponíveis para resgate a partir da segunda-feira anterior ao espetáculo.

21hs – Teatro Com Bolso – À procura de uma dignidade: com Sandra Pêra e direção de Ana Beatriz Nogueira, baseado em conto de Clarice Lispector. Conta a história de uma mulher, moradora do Leblon e frequentadora de eventos culturais, que sai para uma palestra e vai parar, por engano no estádio do Maracanã e, onde passa um longo tempo perdida entre os corredores escuros. O texto traz remas como sexualidade na terceira idade e a procura pela própria identidade.  Aos sábados e domingos, com o preço popular de R$10, com ingressos disponíveis na plataforma Sympla, assim como a exibição até domingo. Gravado na casa da diretora.

DOMINGO

18hPousada Refúgio – com Daniel Dottori, Glaucia Libertini, Leonardo Cortez, Maurício de Barros e Tatiana Thomé. O texto deste espetáculo é de Leonardo Cortez e a direção de Pedro Granato. Ao vivo e online.Os ingressos podem ser acessados gratuitamente na plataforma Vivo Valoriza ou no perfil @Vivo.Cultura, no Instagram. Os convites ficam disponíveis para resgate a partir da segunda-feira anterior ao espetáculo.

19h30 ‘Helena Blavatsky, a voz do silêncio’:Texto: Lucia Helena Galvão. Direção: Luiz Antônio Rocha. Com Beth Zalcman.No fim do século XIX, em Londres, a escritora Helena Blavatsky revisita suas memórias e seu conhecimento e se depara com o tema da mediunidade.  Ter, às 20h. A partir de R$ 30, por meio do Sympla. 60 minutos. Até 28 de setembro

20hsNoia‘- Texto: Maria Fernanda Gurgel. Direção: Jean Mendonça. Com Alexandre Contini, Renata Khatchadourian, Isley Clare, Juliana Búrigo e Pedro Roquete. Duarte, Odete, Helena e Fábio vivem suas paranoias no mundo caótico assolado pela pandemia da Covid-19. Encontram-se numa sala e expõem suas vivências atormentadas pela solidão do isolamento social.Dom e seg, às 20h. A partir de R$ 10, com ingressos no Sympla. 50 minutos. Até 30 de setembro.

TERÇA-FEIRA

20h – ‘Helena Blavatsky, a voz do silêncio’ – Texto: Lucia Helena Galvão. Direção: Luiz Antônio Rocha. Com Beth Zalcman. No fim do século XIX, em Londres, a escritora Helena Blavatsky revisita suas memórias e seu conhecimento e se depara com o tema da mediunidade. Saiba quem foi Helena Blavatsky, que inspira peças online. A partir de R$ 30, por meio do Sympla. 60 minutos. Até 28 de setembro.

QUARTA-FEIRA

21 hs ‘G.A.L.A.’ – Texto e direção: Gerald Thomas. Com Fabiana Gugli. Uma mulher num barco à beira do naufrágio, sozinha como a população do mundo em tempo de pandemia, briga com o autor-diretor dizendo que “Beckett não está mais lá” e que “chega de Beckett!”. O título faz referência a Gala, mulher de Salvador Dalí. Gratuito, com transmissão no YouTube. 45 minutos.

QUINTA-FEIRA

18h30 – Festival de Teatro Virtual: a primeira edição do evento promovido pela Fundação Nacional de Artes (Funarte) exibe 25 espetáculos on-line de todas as regiões do país. Sex: “A cripta de Poe”, com a Companhia Nova de Teatro. Qui: “Maria Firmina dos Reis, uma voz além do tempo“, do Núcleo Atmosfera de Dança-Teatro. Sex: “Suele, Nara, Ian“, com texto de Luísa Arraes.  Qui e sex, às 18h30. Gratuito, com transmissão pelo YouTube. Livre. Até 28 de outubro. A programação é alterada semanalmente.

20h30‘Parabéns Sr. Presidente, in concert’- Texto: Fernando Duarte e Rita Elmôr. Direção: Fernando Philbert. Com Claudia Ohana e Juliana Knust.A comédia biográfica transporta a plateia para o ano de 1962 ao contar a história de Marilyn Monroe e Maria Callas, dois dos maiores mitos da feminilidade do século XX. Gratuito, com transmissão pelo YouTube e pelo canal 500 da NET, na televisão. 75 minutos.

Festival de Teatro Virtual’ – A primeira edição do evento promovido pela Fundação Nacional de Artes (Funarte) exibe 25 espetáculos on-line de todas as regiões do país. Qui: “Vestido queimado“, do Soufflé De Bodó Company.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012