O talento de atrair público para o cinema através da arte


Por Edir Lima

03/08/2016


Fernando Pimenta (D) com o cineasta Neville D'Almeida durante exposição no RJ

Fernando Pimenta (D) ao lado do cineasta Neville D’Almeida durante exposição no RJ

Quem frequentou as salas de cinema nas décadas de 70,80 e 90 provavelmente teve a oportunidade de ver o trabalho de Fernando Pimenta, divulgando os filmes com cartazes criativos e que chamavam a atenção do público, nas portas dos cinemas. A associação desse trabalho com agências de publicidade foi importante para o desenvolvimento das estratégias de marketing, divulgação e comercialização de filmes.

O designer gráfico Fernando Pimenta figura entre os criadores de cartazes para cinema, com uma produção significativa, com mais de duzentos trabalhos, onde o desenho, muito antes da entrada no mercado de softwares de ilustração, eram executados à mão livre e que exigia do artista um grande conhecimento sobre desenho e ilustração.

O Designer Gráfico Fernando Pimenta, 66 anos, carioca, estudou na Escola Nacional de Belas Artes (ENBA), iniciando a carreira nos anos 60. Trabalhou em diversas áreas: na arquitetura, desenhando perspectivas e plantas; em editoras, como ilustrador de livros; e para agências de publicidade, na área de criação para projetos gráficos.

Em 1979, sua carreira tomaria outros rumos ao ser nomeado como diretor de criação da Embrafilme. Em seguida, criou duas empresas de comunicação: Boa Ideia e Cinema Brasil. Teve várias publicações: Brasil Designers (1987), O Cartaz do Brasil (1987), Signs of the Times (1995), Uma Aventura na Amazônia (1995), O Cartazista de Cinema (2001) Ensaios da marca Coca-Cola (2002), Pão de Açúcar, a Marca no Rio (2004).

Fernando Pimenta ganhou vários prêmios nacionais e internacionais e participou de várias exposições dentro e fora do país. Alguns de seus trabalhos ganharam fama, tanto pela qualidade da obra, como pela importância que determinados filmes possuem para a história do cinema no país: Bye bye Brasil (1980), Ele o boto (1986), Rei do Rio (1984), Tieta (1996), Rock estrela (1985), A Noiva da cidade (1978), Pra frente Brasil (1981), Pixote (1980), Os sete gatinhos (1977), Aguenta coração (1983), Amor estranho amor (1982), Engraçadinha (1981), Bonitinha mas ordinária (1980), Beijo na boca (1982), Sexo frágil (1987), Eu sei que vou te amar (1984), Chico rei (1985), Aguia na cabeça (1983), O Homem da capa preta (1985), Memórias do medo (1979), Câncer (1977), O Homem que virou suco (1989), O último vôo do condor (1982), Tensão no Rio (1982), Jardim de Alah (1988), Revolver de brinquedo (1978), A hora da estrela (1985), O quatrilho (1995), Dias melhores virão (1989), Asa branca (1981), A marvada carne (1985), Vida de menina (2004), Vagas para moças de fino trato (1991), Os bons tempos voltaram (1985), Um trem para as estrelas (1987), Romance da empregada (1987), Leila Diniz (1987).cartazes_brasileiros_ohtake_f_0071

Para quem quiser conhecer mais, os cartazes do Pimenta estão todos reunidos no livro “O Cinema Brasileiro em Cartaz”.

“Tem uns 30% que são bacanas, uns 10% são geniais e o resto é um perrengue, mas coloco todos, é a obra de um ser parte da cultura brasileira”, diz Pimenta.

Hoje, além de projetos que visam a Lei Rouanet, organização de eventos e trabalhos como designer, Fernando Pimenta possui uma loja virtual (www.pincelfino.com) , onde vende camisas com sua arte estampada.

Camisas do site www.pincelfino.com

Camisas do site www.pincelfino.com

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012