6 de julho de 2022


Carnaval tem Casabloco, Cordão do Boitatá e rock


15/04/2022


Por Vera Perfeito, diretora de Cultura e Lazer da ABI

Folia 2022: vá mascarado para os desfiles no sambódromo e blocos em locais fechados

Em fato inédito provocado pela pandemia, a Semana Santa e o pré-carnaval 2022 se misturam nesta semana, mas as máscaras da pandemia ainda não caíram. Customize a sua que ficará bem carnavalesca. Hoje e amanhã, teremos várias festas carnavalescas, com o Cordão do Boitatá e Mart’inália, grátis, em Niterói, e o Casabloco com Roberta Sá, Moacyr Luz e Elba Ramalho, de hoje a domingo. A partir de quarta-feira, as escolas de samba da série Ouro (grupo de acesso) iniciam os desfiles no sambódromo e as 12 do Grupo Especial se apresentam na sexta e no sábado próximo. Os blocos, porém, já se preparam para festejar em ambientes particulares, voltando a acontecer também os bailes em hotéis e clubes durante os festejos de Momo. Só esperamos que essa nova cepa da Ômicron não se espalhe pelo mundo, provocando nova pandemia. Por isso, vá às festas mascarados e leve certificado de vacina. Amanhã, os 100 anos de D. Ivone Lara serão comemorados em 11 rodas de sambas nos festejos do Dia da Mulher Sambista na Fundição. Em Dicas, a nova série Sissi sobre a imperatriz da Áustria chama atenção e também Sentença com Camila Morgado. O filme “Animais fantásticos: os segredos de Dumblemdore” tem no elenco Maria Fernanda Cândido contracenando com Jude Law. Há ainda informação sobre explante, a técnica para retirar silicone dos seios que vêm causando problemas de saúde. Em Dicas você encontra informações sobre livros, o filme do Cineclube Macunaíma Vou rifar meu coração tem entrevistas com cantores da música brega, inclusive Lindomar Castilho que foi preso após assassinar a ex-mulher.hows, além de desfiles, blocos, peças teatrais, exposições… Evoé!
NA ABI
TERÇA-FEIRA
10hCineclube Macunaíma exibe hoje, a partir das 10h e até segunda-feira, Vou rifar meu coração, de Ana Rieper. É um documentário brasileiro de 2012 e que aborda o universo da música brega, entrevistando artistas como Agnaldo Timóteo, Wando, Amado Batista, Lindomar Castilho, Nelson Ned, Walter de Afogados e Rodrigo Mell, além de fãs do gênero que falam sobre momentos de suas vidas em que se identificaram com as canções dos ídolos. Lindomar Castilho, autor da música Eu Vou Rifar Meu Coração, só aceitou ser entrevistado com a condição de que a diretora não fizesse perguntas sobre o assassinato de sua ex-mulher, em 1981, pelo qual foi condenado a sete anos de prisão. Às 19h30, haverá debate com o cineasta Silvio Tendler e convidados.O mediador é o jornalista Rodrigo Fonseca. Assista ao filme e ao debate pelo canal da ABI no YouTube. Link: bit.ly/3uZn84f.
A partir de hoje – venda de ingressos para show de Caetano Veloso, dia 30 de abril, no Imperator. Ingressos populares: R$15 (inteira) e R$7,50 (meia). Vendas Sympla.
SEMANA SANTA
Aquele tradicional almoço da Sexta-feira Santa sem carne ou o do Domingo de Páscoa pode ficar melhor se ninguém tiver que ir para a cozinha. Este ano o Pessach judaico também cai na 6ª feira. Veja aqui sugestões:
Bar Urca – o tradicional restaurante oferece quatro tipos de bacalhau, entre eles o clássico À Portuguesa que serve bem até três pessoas e quatro se não foram comilões. Aceitam encomenda para a Sexta-Feira Santa e Páscoa pelo whatsApp 21 – 96432-4382. R$320.
Gajos D’Ouro – clássico português, o restaurante tem o bacalhau como estrela o ano inteiro. São várias as receitas para serem degustadas na casa de Ipanema ou pedidas no delivery, como o Bacalhau com todos (R$205), com grão-de-bico, brócolis, ovo cozido, cenoura e cebola. Encomenda: 21 – 99386-1763.
Talho Capixaba – para o domingo de Páscoa, o Talho tem uma boa pedida: pernil de cordeiro, com batatas e cebolas (R$430). TYel: 21 – 2512-8760.
Confeitaria Kurt – a confeitaria dividiu as prateleiras da loja do Leblon já que este ano o Pessach cai no mesmo 15 de abril que a Sexta-Feira Santa e está com criações para as duas celebrações. Entre os destaques está a torta Hexagonal, de musse de chocolate com amêndoas (R$195). Pedidos: 21 – 2294-0599.
Mil Frutas – a sorveteria oferece a sobre mês do almoço.  Em colaboração com as irmãs Paula e Juliana Saboya, a boleira Carola Troigros criou uma versão gelada do bolo amanteigado de cenoura com calda de brigadeiro de dar grito. O nome é Cenourou e o pote de 490ml custa R$60. Pedidos (21) 98442-8106.
Ovos de Páscoa – a Santo Favo está com uma coleção de ovos e kits de seus pa~es de mel. A caixinha com nove sai a R$67, na embalagem de Páscoa. Caramelo salgado e maracujá sãi garantia de sucesso: TEl (21) 96764-3537.
TELEVISÃO
MULTISHOW
TVZ : Gloria Groove fará sua estreia como apresentadora ao vivo no programa na segunda-feira. Ela comandará o TVZ que terá atrações como as cantoras Luísa Sonza, Iza e Priscilla Alcântara, entre outros.
Lollapaloza: o festival foi palco de protestos contra Bolsonaro, o festival, transmitido pelo Multishow e Bis, teve sua exibição reclassificada de não recomendada para menores de 10 anos para 12. O Ministério da Justiça alega “presença de drogas conteúdo sexual e linguagem imprópria”.
SÉRIES
HBOCurb your enthusiasm: a série satiriza a vida de seu personagem central e enfrenta as mudanças de pensamento sobre racismo, gordofobia, deboche com deficiência física e outros assuntos delicados de um jeito pesado . Na quarta temporada exibida em 2004  o episódio “The surrogate” chega a parecer agressivo e desagradável. A trama gira em torno de uma mãe de aluguel, de racismo e palavras que eram parte do vocabulário corrente ee passam a ser entendidas como preconceituosas. O programa pratica a ironia crítica e está do lado correto. Mas o roteiro pesa. Bom programa.
HBO MAX A comissária de bordo:a primeira temporada está na HBO e a segunda estreia  este mês. Inscrita no  Emmy 2021 como  comédia, a série teve nove indicações. Inclusive a de melhor atriz para Kaley Cuoco.  Tem ação, drama e mistério. A protagonista, a aeromoça Cassie Bowden ( Kaley), tem cenas de sexo no banheiro do avião, mas as sequências não são explícitas. Cassie é competente no trabalho, mas caótica na vida pessoal até porque enfrenta problemas com o álcool. Bebe tanto quando está de folga que acorda de ressaca em lugares improváveis – como no banco duro de um vagão de metrô sem se lembrar do que aconteceu na véspera. No primeiro epis[ódio, ela embarca para a TAilÂncia. Nas primeiras horas de voo, flerta com um passageiro, Alex (Michiel Huisman). Eles marcam um encontro em Bangkok, Ao acordar em um quarto de hotel no dia seguinte, ela tem uma surpresa terrível: o rapaz está morto e ensanguentado na cama ao seu lado. Ela não se recorda de quase nada. A tragédia faz disparar o enredo. A série é uma distração.
APPLE TV+
Rugido A partir de hoje. Baseada no livro homônimo de Cecelia Aherm (autora do best-seller Clube PS, Eu te amo), a série apresenta, com toques de realismo mágico e sarcasmo, oito histórias que refletem dilemas de mulheres. Uma delas com fotografias (Nicole Kidman), outra vive numa prateleira como um objeto, há ainda a que desvenda a própria morte…
We Crashed – Traduzido do inglês WeCrashed é uma minissérie de televisão de drama americano baseada no podcast WeCrashed: The Rise and Fall of WeWork de Wondery. A série é estrelada por Jared Leto e Anne Hathaway. Os temas centrais da minissérie são a ganância corporativa e as “bolhas” financeiras que marcaram, nos últimos anos, o surgimento de incontáveis “start-ups”. Ao contar a história da WeWork, uma provedora de áreas de trabalho compartilhadas fundada em 2010 em Nova York e que logo se tornou uma das empresas que mais cresciam nos Estados Unidos, a minissérie faz também o perfil de um dos personagens corporativos mais polêmicos e interessantes dos últimos anos, o israelense Adam Neumann, interpretado por Jared Leto.Quem assiste a “We Crashed” sem nunca ter visto uma entrevista de Neumann pode achar a interpretação de Leto um tanto forçada e caricata, mas, acreditem, Neumann é aquilo ali mesmo, uma excêntrica mistura de chefão corporativo com astro do rock, com direito a um ego do tamanho da Terra. Aliás, a Terra ficou pequena, já que Neumann anunciou que planeja abrir filiais da WeWork em Marte, depois de ser empossado como presidente dos Estados Unidos.
The shrink nest door É uma minissérie de drama psicológico estadunidense dirigido por Michael Showalter. Acompanha a complicada relação entre um terapeuta e seu paciente de longa data. Baseada no podcast de mesmo nome do jornalista Joe Nocera, a produção tem no elenco nomes como Will Ferrell, Paul Rudd, Kathryn Hahn e Casey Wilson.
Pachinko é uma série de televisão dramática americana criada por Soo Hugh baseada no romance de mesmo nome do autor e jornalista de Manhattan Min Jin Lee. A série é dirigida por Kogonada e Justin Chon e estrelada por Youn Yuh-jung, Lee Min-ho, Kim Min-ha e Jin Ha. A história de Pachinko é ampla e abrange quatro gerações de uma família coreana que se muda para o Japão no início do século XX. O enredo gira em torno de Sunja, uma adolescente de 16 anos nascida em uma família de origem humilde, que ajuda a mãe a gerenciar uma pensão.Um dia, a jovem conhece Hansu, um homem misterioso com cerca de 30 anos, envolvido com negócios ilegais na Coreia e no Japão. Logo, se apaixona e acaba engravidando. Ao descobrir que Hansu é casado e tem três filhas, Sunja o renega como pai e se casa com Baek Isak, um pastor tuberculoso que chega doente à pensão e é cuidado por ela e a mãe.
PRIME VIDEOSentença: Camila Morgado é a protagonista da nova série original brasileira desta plataforma. A atriz é Heloísa, uma renomada advogada criminalista que defende que todos têm direito à defesa, por pior que tenha sido o ato cometido. Apesar da experiência na carreira, quando a assassina de um crime que choca o país pede para que Heloísa a represente, a advogada se vê em meio a uma armadilha que envolve o líder da maior ficção criminosa do Brasil e pessoas que o querem morto. Enquanto se arrisca no Âmbito profissional, Heloísa precisa ainda lidar com um trauma de infância, até então esquecido, que pode revelar um doloroso segredo familiar. Na busca não só pelos fatos que envolvem sua nova cliente, mas também pelos mistérios dos crimes de sua própria família, a advogada precisa decidir se ultrapassa o limite que separa direito de defesa de execução de um crime imperdoável. A produção tem seis episódios.
NETFLIX
No xadrez: A comédia estreou na terça-feira e se apresenta em estilo documental, com uma equipe filmando a rotina de uma penitenciária feminina. A história foca na interação entre as presidiárias enquanto ensaiam um musical ao longo de seis semanas. A roteirista e criadora Catherine Tate interpreta várias personagens.
Anatomia de um escândalo: A série antológica do romance homônimo de David E. Kelley é um suspense psicológico ambientado nos escritórios parlamentares de Westminster, em Londres. James e Sophie Whitehouse vivem numa trajetória de sucesso amoroso que parece não ter limites até que um escândalo vem à tona.
Seinfeld – é uma série leve e centra a atenção no cotidiano de quatro amigos. Um deles, Jerry Seinfeld (Larry David) é um profissional de stand up. Outro George Costanza (Jason Alexander) foi inspirado em Larry David. A graça vem de situações prosaicas e nota-se uma evolução de tratamentop de temas hoje vetados. O racismo, a gordofobia, o deboche com deficiência física e outros assuntos delicados estão ali.  Mas, aos poucos, a forma como vão sendo abordados vai mudando.
GLOBOPLAYSissi: A série alemã de seis episódios em torno de Elizabeth da Baviera (Sissi) estreou ontem e retrata a jovem duquesa que se tornou imperatriz da Áustria após se casar com o imperador Franz Joseph I. A história, que já foi retratada no cinema em trilogia nos anos 1950, traz desta vez, uma visão mais política e sensual do jovem casal.
FILMES
YouTube
Baú de Dona IvoneEm 2021, Bruno Castro, parceiro de D. Ivone Lara em cerca de 50 músicas, produziu em 2021 o CD “Baú da Dona Ivone” com Maria Bethânia, Caetano Veloso e outros. Em 2021, ele conviudou artistas para ampliar o repertório em quatro faixas em 2021. Veja em vídeos no YOuTube.  A página “Baú de Dona Ivone” no  Instagram tem 34 mil seguidores e produziu documentário homônimo que está no BOX BRASIL PLAY (canal de TV e site).
Explante  O documentário da psicanalista, socióloga e colunista da Revista Fórum, a carioca Ingrid Gerolimich, de 39 anos, foi lançado em Portugal e está no YouTube. E é sobre a própria experiência da diretora de sofrer diversos sintomas no corpo pelo simples fato de utilizar o silicone no peito. Por isso, Ingrid resolveu fazer o explante e mais do que isso, através desse documentário, ela decidiu mergulhar fundo em questões importantes que afetam a vida de muitas mulheres, trazendo à tona as consequências de introduzir no corpo próteses nos seios. A cirurgia estética de implante de mama ainda é a mais realizada no mundo:1,8 milhão por ano, de acordo com a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética. O Brasil lidera o ranking, seguido pelos EUA. Mas, as operações para a retirada da prótese aumentaram 49,5% entre 2015 e 2019. Usuárias da prótese se queixam de problemas de enxaqueca, visão, dores no corpo e nas mamas. Fato pouco divulgado é que entre 1992 e 2006, a FDA (uma espécie de Anvisa dos EUA) proibiu implante de silicone para fins estéticos e, hoje, estão de novo sob escrutínio e as próteses vêm com avisos sobre riscos de vazamentos e de um tipo de câncer específico associado ao implante, o BIA-ALCL.
Nos cinemas
O PACTO A ação concentra-se no período de 1948 a 1955, quando a escritora dinamarquesa Isak Dinesen (pseudônimo pelo casamento da baronesa Karen Blixen) se aproximou de um jovem e promissor poeta, Thorkild Bjornvig (1918-2004), e o convidou e o convidou a escrever sua biografia. Diante da recusa, propôs a ele um acordo de confiança mútua e o tornou seu protegido, hospedando-o por uma fase, e o apresentou ao seu círculo burguês e intelectual. O roteiro é baseado em “Pacto”, livro em que Bjornvig relembra sua amizade com Blixen Bir e também em “Benedicte”, biografia de uma amiga da escritora que foi amante de Bjornvig (Simon Bennebjerg)
Vagarosamente, a história se alimenta de ao menos dois eixos: o das relações entre um homem inseguro (Simon Bennebjerg) e três mulheres.
MEDIDA PROVISÓRIA – O incômodo provocado pelo primeiro longa-metragem dirigido por Lázaro Ramos está justamente em imaginar um país em que determinadas ideias hoje restritas a grupos extremistas passem a ser aceitas. No caso, ideias racistas em um Brasil distópico – e, considerando o que a gente vê das favelas cariocas até as salas de reunião de Brasília, nem tão distópico assim. A ação se desenvolve a partir da aprovação de uma lei que obriga “cidadãos com traços e características que lembrem mesmo que de longe ascendência africana” a migrarem para a África. E não há direito de escolha. Se não quiserem viajar, a polícia resolve.  Cria-se um Ministério da Devolução, a fim de reparar a injustiça de séculos atrás, quando negros foram retirados da África para o Brasil. Surgem os quilombos, batizados de “Afro bunkers”, com negros resistindo e se escondendo da nova diáspora.  Seu Jorge e Alfred Enoch estão no elenco, interpretando primos que tentam alertar o mundo para a medida; Taís Araújo vive uma médica, que se esconde em um Afro bunker: e Adriana Esteves é uma funcionária do governo racista. Redes Kinoplex, Cinemark, UCI, Espaço Itaú, Estação e outras. Emicida também está no filme com 77 atores.
O TRAIDOR – indicado à Palma de Ouro em Cannes, o longa dirigido e escrito por Marco Bellochio conta a história de um dos maiores mafiosos italianos da década de 1980, Tommaso Buscetta (Peirfrancesco Favino), que foge da Itália para o Brasil, onde começa a se envolver com o tráfico de drogas.  Capturado e extraditado, ele se torna testemunha contra a máfia italiana, a Cosa Nostra. Em mais uma atuação em produções internacionais, a brasileira Maria Fernanda Cândido interpreta Maria Cristina de Almeida Guimarães, mulher de Tommaso Buscetta.
VITALINA VARELA – vencedor do Leopardo de Ouro no Festival de Locarno, o drama do cineasta português Pedro Costa (“Ossos”, “No quarto de Vanda” e “Juventude em marcha”)  traz para primeiro plano a realidade dos africanos radicados em Lisboa. O enredo segue Vitalina Varela (vivida pela atriz homônima), uma senhora cabo-verdiana que, ao chegar a Portugal após uma espera de mais de 25 anos, é informada da morte do marido. Perdida e sozinha, ela começa a seguir traços deixados pelo morto e descobre sobre sua vida secretga e ilegal.
FESTIVAL
CINEMATECA DO MAM
Para homenagear o fundador da locadora Polytheama, Julio Cesar de Miranda, começa em abril na Cinemateca do MAM uma grande mostra, com sessões online e presenciais, de seus filmes favoritos. A locadora Polytheama, em Copacabana, foi um dos tesouros cinematográficos do Rio de Janeiro. Nos anos 1980 e 1990, ela foi essencial na formação de cineastas, críticos, pesquisadores, professores e apaixonados por cinema, e é citada no filme “Separações”, de Domingos de Oliveira. Hernani Heffner, gerente da Cinemateca, fala sobre o homenageado: “Júlio Cesar de Miranda encarnou como poucos a condição de cinéfilo na cena carioca. Foi o mais entusiasmado, vibrante, ativo e mobilizador agente cultural pró-cinema que conheci, não só porque manteve a chama histórica da cinefilia – o amor incondicional a todo o cinema, sem distinções, ainda que com acerbas e apaixonadas discussões – mas porque soube adaptá-la como ninguém aos novos tempos de home-movies (VHS, DVD), canais a cabo e streamings. Julio conseguiu: passar o amor que ele tinha pelo cinema para todos a sua volta”. Na mostra online (até 30 de abril), estão filmes dos diretores Carlos Diegues, Joaquim Pedro de Andrade, Ruy Guerra, Julio Bressane, Eryk Rocha, Silvio Tendler, entre outros. Nas sessões presenciais estão produções de Alain Resnais, Federico Fellini, Jia Zhangke, John Ford. Todas as exibições são gratuitas. Completam o evento três debates no YouTube e Facebook do MAM Rio.
PROGRAMAÇÃO
CINEMATECA ONLINE
Programação gratuita em www.vimeo.com/channels/cinematecadomam
SEX 15 ABR: Campo de jogo de Eryk Rocha. Brasil, 2014. Documentário. 71’; SÁB 16 – DOM 17 ABR – Dormente de Joel Pizzini. Brasil, 2005. Experimental. 15’. Classificação indicativa 12 anos + Olho nu de Joel Pizzini. Brasil, 2012. Documentário. 101; TER 19 – QUI 21 ABRRien que les heures de Alberto Cavalcanti. França, 1925. Com Blanche Bernis, Nina Chouvalowa, Philippe HÉriat, Clifford Mclaglen Experimental. Silencioso. 45’; SEX 22 – DOM 24 ABRSeparações de Domingos Oliveira. Brasil, 2003. Com Domingos Oliveira e Priscilla Rosenbaum. 117’;  SEG 25 – QUA 27 ABR- Nas asas da Pan AM de Silvio Tendler. Brasil, 2020. Documentário. 110’; QUI 28 – SÁB 30 ABRCrônica de um industrial de Luiz Rosemberg Filho. Brasil, 1978. Com Renato Coutinho, Ana Maria Miranda, Wilson Grey, Kátia Grumberg. 87’.
PROGRAMAÇÃO PRESENCIAL NO AUDITÓRIO COSME ALVES NETTO: Ingressos gratuitos em www.mam.rio/ingressos.
SEX 29 ABR . 18h30 –  Plataforma (Zhantai) de Jia Zhangke. Hong Kong, China, Japão e França, 2000,  Com Hongwei Wang, Zhao Tao, e Jilgdong Liang. 154’. Legendas em português. Exibição em MP4(h264), 14 anos;  SÁB 30 ABR . 15h- Rastros de ódio (The Searchers) de John Ford. Estados Unidos, 1956. Com John Wayne, Jeffrey Hunter, Vera Miles, Ward Bond e Natalie Wood. 119’. Legendas em português. Exibição em MP4(h264). Classificação indicativa 12 anos;
SÁB 30 ABR . 17h – Roma de Fellini (Roma) de Federico Fellini. Itália e França, 1971. Com Peter Gonzales Falcon, Fiona Florence e Marne Maitland. 119’. Legendas em português. Exibição em MP4(h264), classificação indicativa 12 anos; DOM 1 MAIO . 15hO ano passado em Marienbad (L’Année dernière à Marienbad) de Alain Resnais. França e Itália, 1960. Com Giorgio Albertazzi, Delphine Seyrig, Sacha Pitoëff. 93. Legendas em português. Exibição em MP4(h264). Classificação indicativa 12 anos; DOM 1 MAIO – 17h – Por que você não vai brincar no inferno (Jigoku de naze warui) de Sion Sono. Japão, 2013. Com Shinichi Tsutsumi, Jun Kunimura, Fumi Nikaidô. Legendas em português. Exibição em MP4(h264). Classificação indicativa 16 anos.
DEBATES: (Youtube e Facebook do MAM Rio): SEX 15 ABR . . Mesa 1. Com a participação de Carlos Alberto Mattos, José Carlos Monteiro, Joel Pizzini, Silvio Tendler, Elmar Pereira de Mello e Eryk Rocha. Mediação de Hernani Heffner;  SEG 18 ABR . 20h – Mesa 2. Com a participação de Othon Bastos (a confirmar), Paula Gaitán, Bia Lessa (a confirmar), Adriana Cursino e Marcelo Janot. Mediação de Carlos Alberto Mattos;  QUA 20 ABR . 20h Mesa 3. Com a participação de João Luiz Vieira, Claudia Dottori, Wanda Ribeiro, Mariza Gualano e Patricia Rebello. Mediação de Ruy Gardnier. Informações: cinemateca@mam.rio
Filmes do Oscar que podem ser vistos na TV:
PRIME VIDEO Melhor filme: Melhor ator coadjuvante: Troy Kotsur; Melhor roteiro adaptado:“No ritmo do coração”.
 NETFLIX Melhor diretor: Jane Campion, “”Ataque dos cães”.
HBO MAXMelhor  melhor ator: Will Smith, “King Richard: Criando campeãs”; melhor fotografia, melhor montagem, melhor design de produção, melhor som, melhores efeitos especiais, melhor trilha sonora original: “Duna”.
DISNEY+Melhor animação: “Encanto”; melhor figurino :”Cruella”.
GOOGLE PLAY – “No Time to Die”, Billie Eilish e Finneas O’Connell (“007 – Sem tempo para morrer”) –melhor canção original.
TELECINE PLUS e nos cinemas – melhor documentário:”Summer of Soul”.
NOS CINEMAS
Animais fantásticos: os segredos de Dumblemdore: a trama que estreou na quarta-feira nos cinemas dirigida por David Yates se concentra na relação de amor entre o professor Alvo Dumblemdore (Judy Law) e o poderoso bruxo das trevas Gellert Grindelwald (Mads Mikkelsen). Apesar de apaixonado, Dumblemdore precisa reunir uma equipe de bruxos para impedir que Grindelwald assuma o controle do mundo da bruxaria e declare guerra aos trouxas humanos naturalmente incapazes de fazer magia. A atriz global Maria Fernanda Cândida, morando em Paris desde 2017, aparece em um terceiro ato bem interessante. Maria Fernanda também está em “O  traidor” (de Marco Bellochio) que estreou ontem nas salas.
PALESTRAS
Em celebração ao centenário Semana de Arte Moderna de 1922, a Academia Brasileira de Letras promove às quintas-feiras até 28 de abril, o ciclo gratuito de palestras “Brasil Moderno”, às 17h30, no Teatro R. Magalhães Jr, na sede da ABL, com transmissão pelo site e pelo canal YouTube da instituição e coordenada pelo poeta Geraldo Carneiro e o advogado e educador Joaquim Falcão. Dia 28/4, acontece a última palestra com o músico e ensaísta José Miguel Wisnik, com a palestra “Mario e Oswald – É tudo para hoje”. Semanalmente, o site da ABL disponibilizará um link de inscrição para os interessados em assistir às palestras presencialmente.
LAZER
CIRCUITO HISTÓRICO DOS MIRANTES NO PÃO DE ACÚCAR –  A novidade é que o mais antigo teleférico em operação do mundo conta com o recém-lançado Circuito Histórico dos Mirantes, elaborado em parceria com o Instituto Histórico e Artístico Nacional (Iphan). As instituições deram nomes em homenagem a marcos da História do Parque Bondinho, do Rio e do Brasil. Um deles é o Mirante dos Navegadores, no Morro da Urca, do qual é possível ver por onde os navios dos pioneiros chegaram às terras cariocas. O circuito conta ao todo com 14 mirantes distribuídos pelo complexo, que, todos os anos, recebe cerca de 1,6 milhão de visitantes. Em cada ponto há placas informativas, e conteúdos complementares serão disponibilizados em breve. Todas as informações estarão disponíveis em português, inglês, espanhol e em braile para todos os visitantes que acessarem o parque, e o conteúdo complementar poderá ser acessado em formato de audioguia, por meio de QRcodes. O Parque Bondinho do Pão de Açúcar também oferece três visitas guiadas. O Tour Histórico é um passeio pela História e por curiosidades do Rio de Janeiro, além de apresentar detalhes e desafios relacionados à construção do teleférico. No Tour Bastidores, o visitante tem acesso aos bastidores de toda a estrutura do parque e conhece seu maquinário. Já no Tour Ecológico, aprende sobre a relevância da fauna e da flora locais para o ecossistema, além de conhecer os projetos de conservação ambiental e iniciativas sustentáveis desenvolvidos pelo Parque Bondinho do Pão de Açúcar. Os passeios são bilíngues (português/inglês), com uma hora de duração. São 14 mirantes: 1- Despertar; 2- Santuário Marinho; 3- dos Pioneiros; 4- dos Navegadores; 5- Fortaleza de São João: 6 – Guardião da Pedra; 7 – das Mulheres; 8 – da Biodiversidade; 9 – Bossa Nova; 10 – dos Escaladores; 11- Parque Bondinho do Pão de Açúcar; 12 – dos 400; 13 – do Gigante; 14 – Fortaleza de Santa Cruz. Cada mirante, uma homenagem. O das Mulheres, por exemplo, homenageia personagens femininas notáveis que fizeram história do Parque do Bondinho do Pão de Açúcar e do Rio. Uma delas é a montanhista inglesa Henrietta Carstairs que, em 1817, aos 39 anos, tornou-se a primeira a escalar o Pão de Açúcar. O Mirante do Gigante, por sua vez, destaca que o relevo montanhoso é associado desde os tempos imemoriais a um gigante adormecido. A figura de ce4ca de 20 quilômetros de extensão tem a sua cabeça na Pedra da Gávea, o tronco no Maciço da Tijuca e os pés no Morro do Pão de Açúcar. Relatos dizem que o compositor Osório Duque Estrada, fã do poeta Gonçalves Dias, teria se inspirado nesses contornos para compor o Hino Nacional. Para representar o Brasil, esta paisagem teria originado o trecho: “Gigante pela própria natureza”. A escultura de coração no Morro da Urca é um dos pontos disputados por cariocas e turistas que querem registrar o Pão de Açúcar ao fundo e bem no meio da escultura.
Histórias do Pão de Açúcar é que não faltam. Uma delas é que o parque foi cenário do filme “007 contra o foguete da morte”, 1979. Numa das cenas emblemáticas do longa, o agente secreto britânico James Bond (interpretado na época pelo ator Roger Moore) derrota seu famoso inimigo Dentes de Aço. Em uma das sequências mais eletrizantes, Bond se equilibra, a mais de 500 metros de altura, nos cabos de aço do teleférico do parque. Em seus 110 anos de funcionamento, o complexo já recebeu aproximadamente 50 milhões de visitantes. A lista de personalidades e famosos que estiveram, no cartão-postal é enorme: Albert Eisntein, Bob Marley, John Kennedy, Tina Turner, Robert de Niro, Natalie Portman e Malala. O trecho inicial liga a Praia Vermelha ao Morro da Urca, numa extensão de 528 metros, a 227 metros de altura. Outros 750 metros separam o Morro da Urca do Pão de Açúcar, o ponto mais alto com 396 metros acima do nível do mar. A história do local como um cartão-postal começou em 27 de outubro de 1912, quando Augusto Ferreira Ramos inseriu o Rio de Janeiro no roteiro das grandes atrações turísticas mundiais. O segundo trecho entrou em funcionamento em 18 de janeiro de 1913. Em 2008, foram instaladas novas cabines no Parque Bondinho Pão de Açúcar, fabricadas na Suiça, com decoração interna e painel de controle mais modernos, pintura externa diferenciada e, principalmente, estrutura com melhorias dentro das normas atuais de segurança e fabricação estabelecidas pela Comunidade Internacional. As polias originais do telefértico de 1972, foram trocadas no ano passado e pesam dez toneladas.
Cadeg promove Festival Mesa Santa : para festejar a Páscoa, o festival acontece até 17 de abril com 21 promoções em 19 restaurantes e lojas. A moqueca de siri catado, do restaurante Santa Catarina, é um dos pratos em promoção do Festival Mesa Santa, do Cadeg. Num ano em que a Páscoa – em 17 de abril – vai acontecer antes do carnaval – os desfiles das escolas de samba começam no dia 20 – o Cadeg anuncia a volta do Festival Mesa Santa no formato normal, ou melhor, presencial. Os restaurantes e lojas da central de abastecimento, em Benfica, na Zona Norte do Rio, oferecem uma série de pratos e produtos com desconto especial. Depois de dois anos realizado somente no formato delivery, o Cadeg celebra a volta do público com 21 ofertas em 19 lojas e restaurantes. O Festival Mesa Santa vai ser realizado até 17de abril. O restaurante Cucina Penna preparou o prato Delícias do Mar, com bacalhau, lagostim e camarões para o Festiva Mesa Santa. O festival reúne promoções de vinhos, chocolates, azeite e pratos com bacalhau, muito consumido na Semana Santa, caranguejo, outros tipos de peixes e frutos do mar. Além da gastronomia, o Cadeg preparou uma programação especial com a tradicional Feira de Antiguidades, que acontecerá aos domingos, das 10h às 16h, e a Exposição de carros antigos do grupo AGMH Antigomobilistas, que vai encerrar o festival, no dia 17 de abril, das 10h às 16h.
ILHA DO FERRO – é uma ilha que não é ilha, mas um pequeno povoado no sertão de Alagoas, localizada na cidade de Pão de Açúcar (olha ele aí de novo!), a 235km de Maceió, às margens do Rio São Francisco. Do centro de Pão de Açúcar até a Ilha do Ferro são 15km de estrada de chão, margeada por mandacarus, xiquexiques, macambiras e catingueiras. Mas também é possível chegar de barco, no caminho do Velho Chico (um dos destaques, aliás, é a corrida de canoas ornamentais que acontece por já de tempos em tempos. Ilha do Ferro é um lugar onde as pessoas se encantam e se extasiam com esculturas coloridas, gaiolas elaboradas, bonecas de pano, bordados magníficos e platibandas características do casario local. O local é desconhecido até por alagoanos e é considerado joia rara por amantes da cultura popular. As esculturas locais podem ser vistas em galerias, exposições, coleções particulares e projetos de arquitetos. Algumas peças já foram expostas ao lado de obras dos Irmãos Campanha e decoram as lojas da Farm mundo afora. Os ateliês são nas próprias casas dos artesãos e é só chegar. A infraestrutura ainda é frágil e, além da mercearia Sandes e do Salão (bar brechó de André Dantas), há apenas três locais onde servem almoço e café da manhã: Pousada da Vana, Restaurante da Telma e o Refeitório da Bia.  Para pernoitar só duas pousadas: da Vana e Redário e algumas casas preparadas para receber turistas que são batizados pelos seus donos: Casa Abílio e Hostel Tubarana, Casa da Estrelinha e Toca do Frei, Casa Jaque, Casa do Ateliê Boca do Vento, Casa Lua e Estrela e Casa Zabilinha (que dizem ter sido parada de Lampião na região). No caso de refeições e hospedagens é preciso reservar com antecedência. PROGRAMAS: Além das visitas aos ateliês, um programa é o encontro com o Velho Chico. Nadar nas suas águas ou passear nas embarcações e  visitar outras comunidades ribeirinhas é uma experiência inesquecível. Num dos acessos ao rio, é possível visitar uma cooperativa de bordadeiras, a Art-Ilha. Ali as mulheres fazem o bordado Boa Noite, nome de uma flor nativa e técnica quase extinta. As bordadeiras desfiam o tecido fazem desenhos com agulhas e linhas, geralmente com temas florais. Elas estão na cooperativa ou sentadas sozinhas nas calçadas na frente de suas casas, segurando o bastidor e com a agulha em movimento no corte de linho. Dos 500 moradores da cidade, ao menos 100 são artesãos e, entre eles, Aberaldo, Petrônio, Yang, Vieira, Vanvan (esculturas com versão masculina de sereia que o povo diz que é nego d’água, uma lenda das águas do Rio São Francisco), Faguinho, Zé Crente (coveiro), Leno, Valmir, Dedé, Morena, Jailton, Genauro, Eraldo e Wandinho. Esses artesãos montam pássaros com cabeça humana, bailarinos em forma de galhos, pessoas com raízes nos pés, lagartos de sete pernas e por aí vai. As esculturas e a maioria do mobiliário local é feito com madeiras mortas e as carcaças de barcos que descem nas enxurradas de Opará.
 
 podem ser vistos na TV
 
Vencedores dRIME               
NETFLIX – Uma mul
PÁSCOA
Ovo de colher: Quem quiser encomendar, a Fábrica de Bolo Vó Alzira (Rua Gustavo Sampaio, 621, loja A, Leme. Tel: 3529-5959) lançou cinco sabores de ovo de colher (R$42,90 cada). Os recheios são:musse de leite Ninho, musse de maracujá, musse de limão, chocolate com brigadeiro e brigadeiro com bolo de cenoura. Encomendas até o dia 10; Brigadeiro de Tâmaras: A LEVe Brigaderia Natural (@leve.brigaderia) lançou um kit Páscoa com oito brigadeiros de tâmara, um minibrigadeiro de tâmara cremoso e dois potinhos de cobertura: coco e castanha de caju (R$89), tel:97291-6144; Brownie em Foco: a Dosonhos tem feito sucesso com o ovo de brownie Banofee (R$75), recheado com doce de leite artesanal e bananas assadas. Por cima, cobertura de chantilly de leite Ninho com uj toque de canela. Para os não tão chocólatras, a pedida é p bolo de cenoura fofo sobre uma camada de brownie e com ganache na cobertura (R$100). Taxa de entrega de R$15 para Zona Sul. Encomendas: 99965-7790 oi iFood.
LAZER
PENÍNSULA DE MARAÚ não precisa ir ao Caribe para se esticar ao sol em águas límpidas e azuis. Na Península de Maraú, de um lado estão as piscinas naturais da Praia de Taipu de Fora, voltada para o oceano. Do outro, banhada pela Baía de Camamu, as águas quentes e transparentes que cercam dezenas de ilhas cobertas de coqueiros. E um pôr do sol único. Por tudo isso, a Península ganhou o apelido de “Caribe baiano”.  Entre Ilhéus e Salvador, Maraú se tornou o local de desejo de todos os tipos de viajantes. Agora, há até um voo direto de Salvador para Barra Grande da Abaeté Linhas Aéreas com nove lugares, o principal povoado da península. Esse destino na Costa do Dendê é o queridinho dos viajantes no momento.
A parte voltada para a Baía de Camamu – a terceira maior do Brasil, atrás apenas da Guanabara e da de Todos os Santos – também oferece ótimas opções para banhos. De lá, partem os passeios de lança ou escuna por diversas ilhas, de todos os tamanhos. Há as povoadas, como a Grande e do Campinho, e as desertas, como a do Goiozinho e a da Pedra Furada. Na do Sapinho, cercada por mangues, a parada obrigatória se deve pelos restaurantes que ali funcionam, servindo moquecas, peixadas e lagostas, abundantes na região. Mas não se pode perder o espetáculo do pôr do sol.
LIVROS 
PRÊMIO JABUTI
A filósofa Sueli Carneiro, uma das principais teóricas do feminismo negro no Brasil, será a personalidade literária no ano da 64ª edição do Prêmio Jabuti. É a primeira vez que uma autoria de não ficção será homenageada pelo Jabuti, que é concedido pela Câmara Brasileira do Livro (CBL). A entrega do prêmio volta a ocorrer presencialmente em novembro, e a festa será transmitida on-line. A CBL anunciou mudança em duas categorias: “Biografia, Documentário e Reportagem” foi renomeada “Biografia e Reportagem”, e “Ciências Humanas” passa a considerar também obras de crítica literária. O Jabuti tem quatro eixos (Literatura, Não Ficção, Produção Editorial e Inovação) e 20n categorias. Os vencedores das categorias dos eixos Literatura e Não Ficção concorrem ao Livro do Ano cujo  prêmio é de R$100 mil. As inscrições do Prêmio Jabuti se estendem até 18h do dia 26 de maio. Para  homenagear o Centenário da Semana de Arte Moderna de 1922 foram convidados cinco grafiteiros, de todas as regiões do país, para repaginar a identidade visual do prêmio. São eles: o amazonense Raí, a cearense Tereza de Quinta, o mato-grossense Rafael Jonnier, o paulista Ciro Schumman e o gaúcho Marcelo Pax.
Histórias contadas em tecidos – O carnaval negro baiano (Instituto Oiá Produções) – Alberto Pitta. A metáfora valiosa do escritor para sua vida é de Mãe Stella de Oxóssi: “Meça o pano três vezes, pois só poderá cortá-lo uma vez”. Alberto faz trabalhos de pesquisa e criações artísticas e lançará seu livro no próximo mês. As mais conhecidas são os tecidos que há 40 anos compõem figurinos de blocos afro do carnaval soteropolitano como Filhos de Gandhy, Olodum (antes dos abadás) e o próprio Cortejo cujo desfile é definido por Regina Casé “como um museu de arte contemporânea ambulante”. Repletas de símbolos, ferramentas, indumentárias e adereços dos orixás, as estampas de Pitta estão entranhadas por sua vivência em terreiros. O baiano de 61 anos é fundador do bloco Cortejo Afro e já tem um segundo projeto que conta com Gilberto Gil que assina o texto de apresentação do seu livro. Pitta, compôs junto com Ithamar Tropicália o sucesso “Alegria Geral” (aquela que fala que o Olodum pirou de vez), ilustrou 23 canções para a edição comemorativa do livro “Gilberto Gil – Todas as letras”, de Carlos Rennó, por conta dos 80 anos de vida do artista, que serão celebrados em junho. Ele tem um projeto que ajuda a ensinar serigrafia no Instituto Oyá de Arte e Educação. No livro, há casos engraçados como o da fantasia em que o bloco Filhos de Gandhy comemorava 70 anos. Pitta tascou amarelo ouro no figurino que por décadas era azul e branco. Quando a turma reclamou, ele correu para uma ajuda com Gil que lhe disse não haver problema. Como o artista não mexeu nos turbantes brancos, Gilber5to Gil lhe garantiu que o Gandhy visto de cima continuaria o tapete branco. E ainda gravou um vídeo para acalmar os ânimos.
Cuidado (Editora Labrador, R$ 36,90) – Natalia Grimberg. Reinaldo é um homem comum, na faixa dos 40 anos, que vê sua vida totalmente transformada quando percebe que pode ter tudo o que deseja. Passado o susto do primeiro desejo, as coisas boas começam a chegar e Rei, como o próprio apelido sugere, vira um monarca de si mesmo. Tudo vai bem até que ele conhece Fernanda. O encontro desses dois vai despertar o que eles têm de melhor e de mais doloroso, pois Fernanda é a única mulher que não sucumbe às vontades de Reinaldo. O poder que veio como um dom para Rei passa a lhe causar tremores e a sensação de que algo ruim sempre pode acontecer. Embora ele seja capaz de pedir o que quer, não é capaz de controlar as consequências do que desejou. Assim como não pode controlar o amor de Fernanda. Cuidado. Cuidado com o que você transforma. Cuidado com seu dom. Cuidado com o que o outro quer. E, principalmente, cuidado com os próprios desejos. A autora é também diretora artística de “Cara e coragem”. Este é seu primeiro romance, lançado esta semana. Ela é escritora e diretora artística de teatro e televisão. Iniciou na Globo em 1998, como autora e assistente de direção. Em 2002, migrou para área de direção em dramaturgia, onde permanece até hoje. Dirigiu doze novelas e três minisséries. Ganhadora do IEmmy Awards por Verdades Secretas, como diretora geral; e indicada em duas categorias no IEmmy Awards Kids por Malhação – Vidas Brasileiras, como diretora artística.Fora da tv, é proprietária da companhia teatral ArteGrimberg, fundada há 25 anos, por onde já passaram mais de 5 mil alunos. Escreveu mais de trinta peças infantis e juvenis. No cinema, roteirizou dois filmes para Renato Aragão.
História(s) do cinema( Círculo de poemas, R$79,90) – Jean-Luc Godard. Versão literária de série de filmes do mestre da nouvelle vague evoca textura poética e destaca teses do diretor, como rompimento na história do Audiovisual. É uma reflexão sobre o esgotamento da imagem e do impacto dela sobre a cultura no século XX. O cinema costura, desacelera, sobrepõe e deforma imagens roubadas de velhos longas, enquanto sua voz rouca, destruída pelos charutos, as ressignifica narrando um texto completo de ironia, poesia e citações bicadas de livro. A série de filmes que dá título ao livro é um dos mais perfeitos exemplos da bricolagem godardiana. Godard, segundo o amigo do cineasta suíço, o também cineasta Luc Moullet, explica as citações de trechos de livros que aparecem nos filmes de Godard. É que ele raramente lê um livro inteiro. O mestre da Nouvelle Vague, que desde os anos 1950 vem revolucionando o cinema, folheia as páginas e vai catando trechos, às vezes ao acaso. A publicação chega ao Brasil sem os fotogramas incluídos na ediçãofrancesa, que faziam a ligação direta com o filme  em um linguagem fotorromanesca
O coração é o último a morrer (Rocco, R$ 59,90) – Margaret Atwood. No novo romance da autora de “O conto de Aia”, o projeto Positron parece um sonho realizado de Stan e Charmaine depois de tanto tempo sem ter onde viver e à mercê de criminosos. Mas uma espiral de segredos e chantagens abala a satisfação que o casal pensava ter encontrado em Consilience, onde os que são corretos são aprisionados e os que não obedecem à lei vagam em liberdade.
Planícies (Autêntica, R$57,90) –  Federico Falco. Num cenário de província, no interior da Argentina, em contraste com a vida na metrópole, o protagonista e narrador, após o fim da relação com o namorado, busca isolamento num lugar onde o tempo é quase palpável e propício para se cultivar a memória. As reflexões desse personagem costuram perdas, luto e os processos da escrita e dos cuidados com uma horta, recorrendo à infância e amadurecimento.
Edgar Morin, homem de muitos séculos (Sesc São Paulo, R$73) – Elimar Pinheiro do Nascimento. Devidido em três partes, o livro traz textos de personalidades como Marina Silva, Paula Stroh, Jsoé Eli da Veiga e Carlos Eduardo Maldonado sobre o pensador francês que completará 101 anos em julho. O canal Sesc São Paulo do YouTube transmitiu o lançamento virtual, ontem, com a participação do próprio Morin, além dos organizadores da obra.
Diderot e arte de pensar livremente (Todavia, R$84,90) – Andrew Curran. O título da biografia escrita pelo professor de Humanidades no departamento de francês da Universidade de Wesleyan (EUA) não poderia ser mais preciso porque revela o maior atributo de seu biografado: a capacidade de passear por todas as disciplinas, pensando cada uma delas por meio de uma apropriação eficiente do método cético, com o destemor de examinar as ideias sem se deixar afetar por dogmas e verdades absolutas. Diderot foi pioneiro na democratização do acesso ao conhecimento em larga escala ao publicar os 17 primeiros volumes da “Enciclopédia”, com seus 74 mil artigos (ele escreveu mais de sete mil) e 23 mil referências cruzadas (os primeiros hiperlinks da história), uma obra que, além de ser um colossal repositório de ideias, mudou a forma de pensar de sua época. O livro propõe uma retomada do Iluminismo, com foco nos dois eixos centrais do movimento do século XVIII: a liberdade de expressão e o ceticismo. Diderot (1713-1784) é moderno: fala de Deus (ou a falta dele), do significado do amor e sexo, da metodologia científica, dos abusos sexuais no clero, dos direitos dos indígenas, dos abusos do colonialismo e do horror da escravidão. Ele viveu na época da monarquia e sonhou com poder da democracia.
Conte comigo – Flamengo e Democracia (Editora Ludopédia) – Helcio Herbert Neto. No livro, Luyara Franco, filha de Marielle, revela que o time a conecta à mãe. A vereadora foi morta durante uuma partida do clube, em 2018. Na obra, Luyara lembra que pediu a Marielle interceder a favor do time na Libertadores de 2019. O resultado foi o título. Luyara leva a bandeira da mãe ao estádio e frisa que é uma felicidade estar lá, acreditando que a mãe está sempre com ela. A obra está em pré-venda no site da editora.
Quando deixamos de entender o mundo (Todavia, R$59,90) – Benjamin Labatut. O escritor chileno perdeu o Internacional Book Prize com esse livro para o francês David Diop, autor de “Irmão de alma” (Editora Nós, R$58). Indicado por Barack Obama, já publicado em mais de 20 idiomas e recém editado no Brasil pela Todavia, o livro perfila cientistas que perderam a razão (Karl Schwarzschild, Erwin Schrödinger, Werner Heisenberger e outros) e transformou Labatut no mais novo fenômeno editorial da América Latina. A loucura é um tema recorrente em sua obra e acredita que nunca entendemos o mundo. Apenas as histórias que contamos sobre a realidade. O escritor não tem expectativas também em relação ao governo chileno embora tenha votado em Boric e diz que se é verdade que a América Latina está de olho no Chile  talvez seja melhor olhar para a Lua “já que ela é chilena: um advogado de nome Jenaro Gajardo Vera registrou-a em seu nome em um cartório de Talca, em 1954, por 42 pesos.
EXPOSIÇÕES
SÃO PAULO
Beyond Van Goghuma mostra interativa sobre o pintor pós-impressionista que vendeu apenas um quadro em vida, foi inaugurada no topo do MorumbiShopping, em São Paulo e vendeu 40 mil ingressos antecipados – com preços que variam de R$70 a R$110.  Beyon Van Gogh não é uma exposição: não há pinturas originais do artista, mas uma série de exibições ao longo de pouco mais de 30 minutos sobre a prede e o chão da área expositiva de 2 mil m2. Em uma antessala os visitantes acostumam os olhos com o show de luzes. No show, 40 projetores a laser exibem elementos de 300 obras do pintor holandês desde o início da carreira como “O comedor de batatas (1885) até o afamado “Os girassóis” (1888). Há dois pontos altos: a exibição de “Amendoeira em flor” (1890) quando brotam peças que se movimentam como se bailassem ao vento e a reprodução de “A noite estrelada” (1889), momento em que a sala é escurecida e ganha tons azuis e amarelos, até a formação da pintura. Em julho, a mostra segue para Brasília.
“Adriana Varejão: suturas, fissuras, ruínas”: a artista plástica, apaixonada por Mário de Andrade, se espantou com uma coincidência ao ler o recém-lançado “O modernismo como movimento cultural”, de André Botelho e Maurício Hoelz. Em sua primeira viagem a Ouro Preto, em 1919, Mário proferiu a conferência “A arte religiosa no Brasil” na Igreja Matriz de Santa Efigênia que foi a primeira igreja que a Adriana visitou em périplo pelas cidades históricas mineiras, em 1986. Lá, ela teve uma “epifania”. Desde então a a arte barroca que ajudou os modernistas a descobrir o Brasil influencia o trabalho da carioca. A exposição está na Pinacoteca de São Paulo, a partir de amanhã, com 60 trabalhos em sete salas e no octógono central do museu. Produzidas entre 1985 e 2022, as obras representam as principais séries da artista, como “Terra incógnita”, “Saunas e banhos” e “Azulejões”, além de duas recém-saídas do ateliê: “Moedor” e “Ruína 22”.
Marc Chagall (1887–1985)– na exposição “Marc Chagall: sonho de amor” serão exibidas 186 obras do pintor russo naturalizado francês que viveu 98 anos e enfrentou duas guerras mundiais, a pandemia da gripe espanhola e êxodos causados por perseguições políticas e religiosas. Ele fugiu da Rússia para Paris e depois emigrou para os EUA fugindo do nazismo. Dividida em quatro seções, a mostra – que depois passará por Brasília, Belo Horizonte e São Paulo – abrange os principais temas de sua produção, como as memórias da infância na Vitebsk natal, a religião e espiritualidade, a relação com a escrita, e as célebres representações do amor, com os casais que parecem flutuar no espaço. A exposição traz obras de coleções de várias partes do mundo (“O vendedor de gado” do Masp; “O violinista apaixonado” (1967) e “Cidade cinzenta” (1964), da Coleção Nemirovsky, em comodato com a Pinacoteca do Estado de São Paulo. CCBB – Rua Primeiro de Março 66- Centro (3808-2020). De 4ª a sábado, das 9 às 21h. Dom, de 9h às 20h. Até 6 de junho. Grátis.
RIO DE JANEIRO
Van Gogh e seus Contemporâneos – desde quarta-feira o  projeto ocupa a Casa França-Brasil, com projeções de 360º e uma hora de duração. A mostra multimídia, é Van Gogh e seus Contemporâneos – Exposição Imersiva. A exposição oferece aos visitantes uma experiência sensorial pela a obra e a vida do pintor holandês, um dos principais nomes da arte do século 19. Além disso, a exibição contará com um acervo digital com projeções em 360° e trilha sonora original, permitindo viver dentro das pinturas de Van Gogh. Com uma narrativa de 60 minutos, o conteúdo envolve o público a partir da trajetória humana e artística do pintor, além de promover um passeio pelas criações de outros grandes nomes que se relacionam com sua obra, como Cézanne, Gauguin, Toulouse-Lautrec, Soutine Modigliani. Na entrada da exposição, o público acessa um espaço onde estará reproduzido o quarto de Van Gogh, retratado em um de seus mais famosos quadros, “Quarto em Arles”. Os visitantes terão a oportunidade de aprofundar-se na história melancólica do artista, textos explicativos e uma linha do tempo da vida de Van Gogh foi gerada e contada através de suas pinturas. Dentro dos ambientes, o público irá imergir em imagens de grandes dimensões, formadas por múltiplos projetores através de um sistema que adapta as telas ao espaço expositivo e garante a sensação de estar dentro das telas do pintor, um dos mais famosos e queridos do mundo. De acordo com Luiza Mello, diretora geral da empresa que desenvolveu a tecnologia digital Matrix Dimension para o projeto, Automática, o plano da exposição é uma democratização da arte, para todos os tipos de público, oferecendo o espaço a quem desejar visitar e apreciar as obras do pintor holandês e outros. Até 5 de junho de 2022; de terça a domingo, das 10h às 18h na Casa França-Brasil – Rua Visconde de Itaboraí 78, Centro, Rio de Janeiro. Ingressos: terças e quartas: entrada gratuita. Quinta a domingo, R$ 20 (inteira), R$ 10 (meia) e gratuidades previstas em lei. Site:eventim.com.br/vangogh. A partir de domingo (dia 10/4), começará a venda ingressos para novos horários da exposição que segue até 5 de junho. Os 38 mil ingressos disponibilizados inicialmente estão esgotados.
Monet à beira-d’água – para estar frente a frente com algumas das obras mais conhecidas do Claude Monet (1840- 1926), maior nome do impressionismo, é preciso visitar museus europeus. A proposta deste espetáculo que acontece, amanhã, no Boulevard Olímpico, na Gamboa, é colocar o espectador praticamente dentro das séries célebres como  as pinturas da estação Saint –Lazare (1877) e suas inconfundíveis Ninfeias (1895-1926). A mostra, que usa 40 projetores em uma tenda de 2mil m2 e 15 m de altura, construída especialmente para o evento, cria uma narrativa animada entre 285 obras de Monet, num circuito de pouco mais de uma hora, o que faz dela a maior em duração entre as exposições multimídias do artista francês pelo mundo.  Realizado em parceria com o MAR – que também exibirá conteúdos relacionados no térreo e no quarto andar. Rua Venezuela 194, Boulevard Olímpico, Gamboa. Ter e qua (12h às 17h30); qui a dom (10 Às 17h30). Abertura amanhã. Até 12/6. R$40 de ter a qui; e R$70 de sex a dom. pelo www.ingressorapido.com ou na bilheteria do MAR. Duração 65 minutos. Livre.
Movimento Armorial 50 anos – CCBB. Foi aberta quarta-feira a mostra comemorativa dos 50 anos (atrasada devido à pandemia) da iniciativa dramaturgo, poeta, ensaísta e artista visual Ariano Suassuna (1927-2014), em 1970, o Movimento Armorial propôs o cruzamento entre o erudito e a cultura popular a partir de uma produção genuinamente brasileira, que abarcasse diferentes práticas, como a música, o teatro, a dança, a literatura e as artes visuais. É uma síntese das 140 obras com nomes como Francisco Brennand, Gilvan Samico, Miguel dos Santos, J. Borges, Fernando Lopes da Paz e o próprio Suassuna (que foi Secretário de Educação de PE na década de 1979). Com curadoria de Denise Mattar e consultoria do artista visual Manuel Dantas Suassuna (filho de Ariano) e de Carlos Newton Júnior, professor da Universidade Federal de Pernambuco, a exposição inclui peças do acervo da UFPE que saíram de Pernambuco pela primeira vez. Terá também uma programação musical e seminários entre 31 de maio e 13 de junhop (quando Suassuna completaria 95 anos), com curadoria do músico e maestro Antônio Madureira, integrante do Quinteto Armorial. O figurino do longa “A Compadecida” (1969), primeira adaptação para o cinema de “Auto da Compadecida” (1955) de Suassuna, criado por Brennand, também será recriado. A mostra é dividida em quatro seções, incluindo duas fases do movimento, uma dedicada à vida e obra de Suassuna e outra voltada às referências que definiram a estética armorial. Nesta última se destaca o universo de cordel, uma das maiores influências do dramaturgo. CCBB – Rua Primeiro de Março 66, Centro (3808-2020). De quarta à sábado, das 9h às 21h. Domingo, das 9h às 20h. Até 6 de junho. Grátis, mediante agendamento pelo site Eventim. Livre.
 “Sonhos de Fellini” – a exposição com a coleção de fotos, cartazes dos filmes e desenhos que Fellini fazia sobre seus sonhos mostra o outro lado do cineasta italiano. Esses desenhos depois se tornavam caricaturas e eram muitas vezes aproveitados para criação dos personagens de seus filmes posteriormente. A Exposição acontecerá no espaço anexo do cinema chamado de Estação/Cavideo. Ficará em cartaz até 25 de julho. Funcionará todos os dias da semana das 14h às 21h de forma gratuita. Com curadoria de Cavi Borges e Fabricio Duque. A exposição está dividida em seis partes: “Fellini com Giulietta Massina”; “Filmes de Fellini”, “Desenhos de Fellini”, “Fellini sendo Fellini”, “Fellini na Cahiers du Cinéma” e “Desenhos Pornográficos de Fellini”. “Sonhos de Fellini”, que comemora o centenário do realizador acontecido em 2020 (e postergada por causa da pandemia), busca trazer a sensação, visto que os desenhos de Federico podem (e devem) ser interpretados como prenúncios criativos de seus filmes.
Terra em tempos: fotografias do Brasil – mostra de fotografias e, entre os autores estão Sebastião Salgado, Claudia Andujar, Marc Ferrez e Pierre Verger. São 270 imagens de 120 artistas que participam da mostra, no Museu de Arte Moderna (MAM – Aterro do Flamengo – 3883-5600) com 270 imagens produzidas entre 1860 até os dias de hoje. Da seleção, 206 fotos vêm da coleção de Joaquim Paiva, e as demais de outros acervos da instituição: do conjunto do próprio museu e da Coleção Chateaubriand. Quinta e sexta-feira, das 13h às 18h. Sábado, domingo e feriados, das 10h às 18h. R$20. Até 17 de julho.
A casa é sua: migração e hos(ti)pitalidade fora do lugar: na Praça Quinze, local de entrada e saída de estrangeiros do Tio ao longo da História, o Paço Imperial abriga essa exposição  com 42 obras de artistas de diferentes lugares, como Líbano, Alemanha, Palestina, Espanha e Reino Unido, incluindo brasileiros, como Laura Lima, Arjan Martins e o coletivo Opavivará. São pinturas, esculturas, vídeos, fotos e um site-specific que versam sobre questões como a relação hóspede-anfitrião e a crise migratória. Quarta a domingo, das 122h às 17h. Grátis. Até 26 de junho.
Zeitgeisttermo alemão que significa “espírito da época” ou “o sinal dos tempos” e é o nome da exposição individual do pintor carioca Gonçalo Ivo, em cartaz no Paço Imperial. Filho do poeta e imortal Ledo Ivo (1924- 2012) traz obras de uma temporada de completo isolamento nos meses em que participou de uma residência artística na área rural de Bethany, Connecticut (EUA).  Além das obras criadas nos EUA, a mostra reúne trabalhos realizados nos últimos quatro anos. Série como “Cosmogenia” e “Inventários dass pedrass soloitárias” são elementos há muito presente na obra de Gonçalo. Paço Imperial. \praça Quinze  48 – Centro – 2215-2093. Ter a dom, das 12h Às 18h. Grátis. Livre.
PODCAST
TOCA BRASIL desde terça-feira está nas plataformas o podcast do Itaú Cultural com a vida e a obra de D. Ivone Lara em um dos episódios. 
GLOBOPLAY e platadormas de áudio Altamira novo podcast de Projetos Humanos. Fala sobre o caso que ficou conhecido como o dos meninos emasculados de Altamira, no Pará. Oito garotos da região foram castrados e depois assassinados entre 1989 e 1993. Outros cinco desapareceram, e quatro sobreviveram à emasculação. Os crimes, que envolvem alienígenas, satanismo e condenações muitas vezes questionadas são o tema de “Altamira”, do jornalista Ivan Mizanzuk, disponível no Globopay e em plataformas de áudio, e que ganhará uma adaptação para a TV. O projeto anterior foi “O caso Evandro”, acontecido em Guaratuba, no  interior do Paraná, em 1992, quando um menino de seis anos desapareceu e tinha Valentina de Andrade entre as suspeitas pelo sequestro e que também estava na história dos meninos emasculados, a milhares de quilômetros de distância.
Papagaio falante – a apresentadora Xuxa Meneghel abriu suas intimidades em um episódio desse podcast, comandado por Sérgio Mallandro. Ela revelou que pediu a Ayrton Senna para usar capacete na hora do sexo e que um ex pediu que ela cantasse “Quem quer pão” enquanto eles transavam. Falou também sobre seu ex Pelé, afirmando que ele tem dupla personalidade porque só fala na terceira pessoa.: “o Edson isso, o Edson aquilo. Eu me apaixonei pelo Pelé que não era o ídolo”.
MÚSICA
6º FESTIVAL ROCK THE MOUNTAIN
Caetano Veloso, Gal Costa, Alceu Valença e Djavan, além de artistas como Criolo, Baiana System, Mariana Sena e Djonga, estão entre as mais de 100 atrações do evento que acontece neste fim de semana e no próximo no Parque de Exposição de Itaipava. Os ingressos para este final de semana estão esgotados mas as atrações serão as mesmas na próxima semana no festival que acontece em quatro dias. É em uma área verde de 20 mil metros quadrados e espera-se um público de 20 mil pessoas para a programação que dura o dia inteiro. Tem ainda tirolesa, voo de balão, roda-gigante, instalações de arte praça de alimentação vegetariana. Amanhã e no próximo sábado (23/4), os destaques do Palco Floresta serão Caetano  Veloso, Djavan, Jaloo, MC Tha e Black Alien, enquanto Luedji Luna, MAjur e Tropkillaz agitam o Palco Estrela e Potiguara Bardo e Mateus Carrilho tocam noi palco Mangolab. Nos domingos ( 17 e 24/4), o som fica por conta de Gal Costa, Silva, Criolo, Teresa Cristina, Marina Lima e Baiana System no Palco Floresta, além de Alceu Valença, Marina Sena e Djonga no Palco Estrela. Compra de ingressos no  site da Viagogo. R$308 a $386.
ANITTA – já está nas plataformas “Versions of me”´, o quinto álbum de estúdio da cantora que há poucos dias fez história como o primeiro nome do Brasil a liderar o Top 50 mundial do Spotify quanto o do Billboard Global 200. A música com a qual conseguiu o feito – “Envolver” – é uma dass que fazem parte do novo disco. Atração hoje e na próxima sexta-feira do Festival  Coachella, na Califórnia, a cantora carioca de 29 anos, fã de Mariah Carey, admite ter conseguido fazer o seu “Butterfly” (de 1997, “o álbum em que Mariah se realizou”). O novo disco é pop contemporâneo , no qual une funk carioca, trap, regaetton e bossa nova, com participações de astros internacionais como Khalid, Cardi, Ty Dolla Sign, Afro B, Saweetie e Myke Towers. Segundo Anitta, “Verions of me” é um mergiulho em suas várias facetas pessoais e artísticas. O sexo é tema básico no disco como balanços buliçosos com “I’d rather have sex”, “Gata”, “Que rabão” e “Me gusta”. O álbum tb traz mais munições latinas em “Gimme your number” onde ela cita a música “La bamba”, sucesso do roqueiro Richie Valens (1941-1959) revivido nos anos 1980, pelo grupo Los Lobos, em filme sobre sua vida.
Dona Ivone Lara – chegou essa semana às plataformas digitais  a versão de João Cavalcanti para “Nasci para sonhar e cantar”, single de um álbum – a ser lançado até julho – formado apenas por músicas de Dona Ivone (e seus parceiros, sobretudo Delcio Carvalho). A novidade é a formação que acompanha Cavalcanti: sanfona (do diretor musical Marcelo Caldi), piano, violino e violoncelo. Esses lançamentos são em homenagem ao centenário de D. Ivone que se completou na quarta-feira, mas que desde o ano passado vem sendo comemorado porque descobriu-se que sua certidão de nascimento foi adulterada em um ano a mais para que a cantora e compositora pudesse ir à escola. Amanhã, haverá um show na Fundição Progresso em homenagem ao Dia da Mulher Sambista – celebrado em 13 de abril por causa de D. Ivone. Ela morreu em, 16 de abril de2018, aos 96 anos.
CARNAVAL
CASABLOCO
Casa Bloco 2022 promove seis dias de encontros carnavalescos no Cluvbe Monte Libano, na Lagoa. Começa hoje com a lavagem da calçada pelo bloco Filhos de Gandhi
A terceira edição do evento tem show, oficinas, feira de moda e empreendedorismo, desfile e blocos do RJ, MG, BA, PE e PA. Bate-bolas serão homenageados, este ano. Não vai ter desfile de blocos de rua, no Rio, mas a Casa Bloco está de volta. A terceira edição do festival de encontros de manifestações carnavalescas do país, que começa no dia 16 de abril. Serão 33 atrações, como Jorge Aragão, Baby do Brasil, Elba Ramalho e Sidney Magal, encontros, oficinas, feira de moda e de empreendedorismo, desfiles, ações sociais e geração de renda para os profissionais de carnaval. Sem falar da apresentação de blocos do Rio, Bahia, Pernambuco, Minas Gerais e Pará. Programação: HOJE – Dia 16: Baile de Aleluia: A partir das 18h – Feira “A RUA é nossa!”- 18h – DJ MAM, 19h – Filhos de Gandhi/RJ(participação), 20h30 – Quizomba, 22h – Roberta Sá, 0h – Orquestra Imperial convida Priscila Tossan & DJ Marlboro; AmanhãDia 17: Samba de PáscoaA partir das 16h – Feira “A RUA é nossa!”,16h – DJ Doni,18h – Simpatia É Quase Amor, 19h45 – Samba de Vinil com Marcelo Serrado & Édio Nunes, 21h – Moacyr Luz & Samba do Trabalhador com Moyseis Marques, 22h45 – Jorge Aragão; Dia 21: InconfidênciaFoyer Cinema – CCBB (Avenida Primeiro de Março, 66): oficinas gratuitas (mediante inscrição: 30 vagas)- Adereço de Cabeça com Amanda Britto – das 9h30 às 11h30, Estandartes com Junior Alves – das 12h às 14h, Brincos Carnavalescos com Clebson Prates – das 14h30 às 16h30.Casa Bloco – Casa França-Brasil (Rua Visconde de Itaboraí, 78): oficina gratuita (mediante inscrição: 50 vagas)Perna de Pau com Bloco da Terreirada – das 12h às 13h, a partir das 18h – Feira “A RUA é nossa!”, 18h – TropiCals, 18h30 – Gabriel Gabriel, 20h – Bloco da Terreirada, 21h30 – Almério & Martins, 23h Elba Ramalho, 1h – Mariana Aydar; Dia 22: Sexta Brega: Foyer Cinema – CCBB (Avenida Primeiro de Março, 66): oficinas gratuitas (mediante inscrição: 30 vagas)- Make para Carnaval com Amanda Britto – das 9h30 às 11h30, Customização de Camisetas com Carmem Shirley – das 12h às 14h; Casa Bloco – Casa França-Brasil (Rua Visconde de Itaboraí, 78): oficina gratuita- Samba no pé com os irmãos Bandeira – das 13h30 às 14h30.A partir das 18h – Feira “A rua é nossa!”:18h – DJ Tata Ogan, 19h – Charanga Talismã, 21h – Dona Onete feat. Bangalafumenga, 23h – Sidney Magal, 1h – Fogo & Paixão; Dia 23: Salve Jorge: Casa Bloco – Casa França-Brasil (Rua Visconde de Itaboraí, 78): oficina gratuita (mediante inscrição: 50 vagas), Percussão com o Bloco Cortejo Afro – das 13h30 às 14h30, a partir das 18h – Feira “A rua é nossa!”, 18h – Festa Odara Ôdesce: DJs Lala K & Allana Marques, 20h – Agytoê, 21h30 – Cortejo Afro, 23h – Baby do Brasil, 0h30 – Johnny Hooker, 2h30 – Bloco 442; Dia 24: Domingo de CarnavalA partir das 16h – Feira “A rua é nossa!”, 16h – DJ Cris Panttoja, 18h15 – Samba Queixinho, 19h30 – Velha Guarda da Portela, 21h – Diogo Nogueira, 23h – Cacique de Ramos convida Leci Brandão. Ingressos: http://casabloco.com/ingressos/Inscrições:https://casabloco.com/oficinas/Valores: 1° lote (Inteira – R$ 100 e meia R$ 50) e 2º lote (Inteira – R$ 120 e meia – R$ 60). R$240, passaporte para seis dias.
SEMANA SAMBA – A Prefeitura de Niterói, traz, em sua primeira edição, a “Semana Samba”, uma série de shows que celebra o ritmo musical carioca na cidade. Os espetáculos ocupam o palco em dois dias, sábado (16) e domingo (17), na Praça do Rádio Amador, em São Francisco. Nomes de grande destaque do samba raiz já estão escalados, dentre esses, Mart’náliaToninho GeraesMoyses MarquesBoitatá e muitos outros. O evento será gratuitoProgramação:SÁBADO 16/04: 16h -17h: DJ Nicole; 17h – 18h30: Show Candongueiro (participação especial Alana Moraes e Chico Alves); 18h30 – 19h10: Dj Nicole;
19h15 – 20h45: Samba Social Clube (participação especial Inácio Rios e Mariana Braga);20h45 – 21h20: Dj Nicole;21h30 – 23h: Show Boitatá com Moyseis Marques. DOMINGO 17/04: 16h – 17h: DJ Guilherme Mello; 17h – 18h30: Banda de Abertura – Terreiro da Vovó (Part. Especial Didu Nogueira e Marquinho Diniz);18h30 – 19h10: DJ Guilherme Melo 19h15 – 20h45 Toninho Geraes; 20h45 – 21h20: DJ Guilherme Melo; 21h30 – 23h: Show principal Mart’nália
FEIRA DAS YABÁS No Domingo de Páscoa tem Cordão do Boitatá na Feira das Yabás, em Madureira.
Das 14h30 às 15h – – tem concentração do cordão para realizar o cortejo na própria feira.
17h10 – show do Cordão do Boitatá no palco da Feira dos Yabás. Praça Paulo da Portela –  Oswaldo Cruz.
BLOCOS
SÁBADO (16 de abril)
9h – O Cordão da Bola Preta anima o carnaval do Centro de Convivência Padre Miguel. Garanta já o seu ingresso no link da bio! Rua Francisco Real, 365 – Padre Miguel
QUINTA- FEIRA – FERIADO (21 de abril) – início do CARNAVAL 2022
15h –- Bloco da FUNK IN –gratuito – Arco do Teles – Praça Quinze de Novembro, 34 A – Centro   –
16hCasaBloco com Elba RamalhoCasa França-Brasil – R. Visc.de Itaboraí, 78 – Centro
17h show de PériclesBloco Areia e Furacão 2000Faro Beach Club – Av. Niemeyer, 101 – São Conrado
19h30Bloco Mulheres de Chico – “Baile do Mascarados” Teatro Rival Refit – Rua Álvaro Alvim, 33 – Cinelândia
.DESFILE DAS ESCOLAS DE SAMBA
Quarta- feira – dia 20 de abril
Grupo de acesso:
20 de abril (quarta):
22h30 – Em cima da HoraEm Cima da Hora reedita clássico de 1984, que fala do trem 33 que saía de Japeri em direção à Central
Carnavalesco vai destacar personagens, como camelôs e artistas e contar um pouco da história dos passageiros. Marco Antônio Falleiro diz que enredo continua atual, que pouca coisa mudou de 84 para cá. O samba que foi Estandarte de Ouro e que fala sobre a vida de quem pega o trem. “33 – Destino D. Pedro II”, esse é o título do enredo que a azul que a azul e branco de Cavalcante, Zona Norte do Rio, vai levar para a Sapucaí. O número 33 era o do trem que saía de Japeri e que levava os passageiros até a antiga estação D. Pedro II, a atual Central do Brasil.O carnavalesco Marco Antônio Falleiro fala da responsabilidade de entrar na avenida com um samba já consagrado.
23h15 – Cubango Acadêmicos do Cubango vai fazer uma homenagem à atriz Chica Xavier, no carnaval de 2022, na Sapucaí. É um enredo para emocionar. A escola de Niterói, Região Metropolitana do Rio, vai contar a história da atriz em vários momentos da dramaturgia. Chica fez vários papéis no teatro e na TV participou de mais de 50 novelas.
1h – Unidos da Ponte Santa Dulce dos pobres – o anjo bom da Bahia é enredo da escola de São João de Meriti sobre a irmã Dulce.
0h45 – Porto da PedraA Unidos do Porto da Pedra, escola de São Gonçalo, na Região Metropolitana, vai homenagear Mãe Stella de Oxóssi, no carnaval de 2022, na Sapucaí. Escritora e yalorixá, ela lutou pelo respeito ao candomblé.Segundo a tradição, os orixás escolhem seus filhos, suas cabeças, seus oris. E regidos pelo amor eles cuidam deles. Oxóssi, o caçador de uma flecha só cora a filha que ganhou o mundo: mulher, negra, candomblecista, Mãe Stella de Oxóssi foi a mensageira dos ensinamentos de fé, que a escola vai apresentar na Sapucaí.A carnavalesca Annik Salmon conta que esse é o primeiro enredo afro da Porto da Pedra. E contar a história de Mãe Stella surgiu naturalmente.
1h30 – União da IlhaA União da Ilha traz para o sambódromo o enredo ‘O vendedor de orações”. O título é o tema que será desenvolvido pelos carnavalescos Severo Luzardo e Cahê Rodrigues. O mundo parou, tanta coisa mudou, e cada um de nós teve que olhar para o seu interior. É tempo de reconstruir e transformar. O silêncio é prece, e prece é oração. É a forma pura e divina de nos conectar com o universo para ouvir e compreender.
Romaria de fé, amor e esperança. Nestes tempos difíceis e estranhos, é hora de juntar as mãos e, com humildade no coração, agradecer. O brasileiro é um povo de fé! E a União da Ilha traz no seu pavilhão, o manto poderoso de Nossa Senhora Aparecida, a padroeira. A Mãe do Ouro, a Mãe Negra do Brasil!
2h15 – Unidos de Bangu –leva para a Sapucaí mistura da história do bairro com a de Castor de Andrade. Escola vai homenagear o mecenas que investiu no desenvolvimento do bairro, do time de futebol e na escola de samba. Ex-jogadores do Bangu, como Ado, vão desfilar. No enredo “Deu Castor na cabeça”, o carnavalesco Marcus Paulo vai começar contando a história do bairro, desde a época que ele ainda tinha aspectos rurais. Foi a partir dos investimentos feitos pela família de Castor de Andrade, que o bairro foi crescendo e se desenvolvendo.
3h – Sossego – o enredo é “Visões Xamânicas”. Uma saga épica imaginada entre o presente e o futuro. A humanidade se encontra exatamente onde grandes profecias xamânicas disseram que chegaríamos: no colapso do planeta provocado por um sistema de ambição e consumo. A falta de percepção da relação entre nossas escolhas éticas e a ação do tempo sobre nossas vidas como coletividade nos trouxe a dilemas pelos quais a natureza nos obrigou a enxergar o tempo como dele deve ser.
Quinta-feira de Carnaval – dia 21 de abril
22h30Lins Imperial – A Lins Imperial, escola da Série Ouro do carnaval carioca, vai levar para a Sapucaí um enredo sobre Antônio Carlos Bernardes Gomes, Carlinhos do Morro da Cachoeirinha, ou simplesmente Mussum, como ficou conhecido e conquistou o Brasil e o mundo. Nascido na comunidade, a escola vai homenagear seu filho ilustre.
23h15 – Inocentes de Belford Roxo – O enredo é a Meia-Noite Dos Tambores Silenciosos   que conta a história dos tambores silenciosos, tradição do carnaval pernambucano. Festa em louvação aos orixás é realizada há 50 anos, acontece nas segundas-feiras de carnaval. A Noite dos Tambores Silenciosos celebra a ancestralidade negra.
1h Estácio de Sá – a escola leva para a Sapucaí uma releitura do enredo de 1995, “Uma vez Flamengo “. A escola está atualmente na Série A (principal divisão de acesso), após o rebaixamento em 2020.A agremiação vai tentar voltar à elite com um enredo de forte apelo popular, que originalmente empolgou menos do que o esperado: a Estácio ficou em 7º lugar e sequer voltou para o desfile das campeãs – traduzindo para o futebol, ficou “fora da Libertadores”.Na ocasião, o enredo comemorava o centenário do Flamengo, de amarga lembrança para os rubro-negros: o time passou o ano sem títulos e ficou marcado pelas piadas com o “melhor ataque do mundo”, formado pelo trio Romário (que acabara de ganhar a Copa do Mundo), Sávio (cria da Gávea) e Edmundo, numa insólita contratação, posto que era ídolo do Vasco. Não deu certo, e os rivais apelidaram o centenário de “centenada”. Originalmente, o enredo foi batizado “Um vez Flamengo…”, e o desfile foi assinado pelo carnavalesco Mário Borriello. Agora ele volta como “Cobra-coral, Papagaio Vintém, #VestirRubroNegro não tem pra ninguém”, e será desenvolvido pela dupla Wagner Gonçalves e Mauro Leite.
0h45Santa Cruz – O enredo da escola homenagem o ator Milton Gonçalves com o tema: Axé Milton Gonçalves! No Catupé da Santa Cruz.
1h30Unidos de Padre Miguel – Com o enredo “Iroko-É tempo de xirê”, desenvolvido pelo carnavalesco Edson Pereira, a Unidos de Padre Miguel será a quinta escola a desfilar na segunda noite de desfiles da Série Ouro. A julgar pelo desempenho apresentado no ensaio técnico, o Boi vermelho da zona oeste tem tudo para rasgar a Sapucaí na quinta-feira, com ótimo desempenho de seus quesitos de chão.
2h15 – Vigário GeralEnredo: Pequena África: da Escravidão ao Pertencimento – Camadas de Memórias entre o Mar e o Morro. “O Rio de Janeiro, como a exemplo da maioria das grandes metrópoles, desenvolveu-se a partir do porto. Porta de entrada da cidade, a Zona Portuária desempenhou um papel importante na história da construção da identidade do povo carioca sendo ponto de encontro de diferentes culturas. O porto do Rio de Janeiro localizava-se no Largo do Paço, atual Praça XV, e era por lá que saiam as riquezas das minas e entravam os produtos da metrópole e a carga humana vinda da África. Esse passa a ser o ponto de partida de nossa viagem à Pequena África” 
3h – Império da Tijuca Samba de Quilombo: a Resistência pela Raiz é o enredo da escola. O Império da Tijuca apresenta para o carnaval de 2021 o enredo “Samba de Quilombo: a resistência pela raiz”, um tributo ao Grêmio Recreativo de Arte Negra e Escola de Samba Quilombo. Agremiação fundada em 8 de dezembro de 1975, na cidade do Rio de Janeiro, dia de Nossa Senhora da Conceição, padroeira da escola e da agremiação do Morro da Formiga, sendo Oxum nas religiões de matriz africana, de acordo com o sincretismo religioso.
O Quilombo representa um movimento de sambistas negros, idealizado pelo cantor e compositor Antônio Candeia Filho, o Candeia, com participação de importantes compositores do cenário nacional do samba como fundadores, entre eles Paulinho da Viola, Nei Lopes, Wilson Moreira e Darcy do Jongo, além de integrantes como Martinho da Vila, Luiz Carlos da Vila, Dona Ivone Lara, Clementina de Jesus, Elton Medeiros, entre tantos outros baluartes das escolas de samba do Rio de Janeiro. A agremiação foi fundada em meio a um contexto de insatisfação latente por parte de compositores de diversas escolas de samba, em especial do GRES Portela, com os rumos dos desfiles carnavalescos e do direcionamento das escolas. Candeia questionava o processo, definido por ele, como “embranquecimento” do samba, com a presença cada vez maior e mais influente de cenógrafos, artistas plásticos e acadêmicos, em geral de pele branca, não oriundos das comunidades em que as agremiações se encontravam.
3h45Império Serrano – Império vai contar a história de Besouro Mangangá e será a última escola da Série Ouro – antigo grupo de acesso -, a desfilar levando para a avenida o enredo “Mangangá”, que conta a história de Besouro Mangangá, um capoeirista baiano que liderou a resistência do povo negro no período pós-abolicionista no início do século 20. O enredo é do carnavalesco Leandro Vieira, que também assina o enredo da Mangueira no grupo especial, e que vai contar a história dessa espécie de super-herói baiano.Besouro também já inspirou músicas, como “Lapinha”, de Paulo César Pinheiro e Baden Powell, e “Besouro Mangangá”, de Pinheiro e João Nogueira. No cinema sua vida foi retratada em “Besouro”, de João Daniel Tikhomiroff, e na literatura, aparece em um capítulo de “Mar Morto”, de Jorge Amado. Quitéria Chagas, a eterna musa da verde e branca de Madureira, virá à frente da escola.E tem um belo samba com refrão que vai pegar.
SHOWS
HOJE
Tem início hoje a venda de ingressos para assistir ao show de Caetano Veloso no Imperator no dia 30 de abril, às 21 hs. Ingressos: R$15 (inteira) e R$7,50 (meia). Via Sympla.
17h Ginga Quiosque – do mesmo dono do Bafo da Prainha e Casa Porto, na Saúde o novo quiosque agita, diariamente, o calçadão do Leme com apresentações musicais de fim de tarde. Os artistas ficam na parte coberta e o público se espalha, inclusive pela areia e pelas redes amarradas aos coqueiros. Na Praia do Leme, em frente ao restaurante La Fiorentina. Diariamente das 9h às 23h. Roda: sextas-feiras, 17h. Sempre uma atração diferente. Couvert: R$7.
 17h às 21h Armazém do Senado o tradicional botequim de 1907, Patrimônio Cultural da Cidade é pequeno para a turma que toda sexta e sábado vai conferir concorridas rodas de samba e os frequentadores acabam ocupando a rua e bares ao lado como o Labuta. Av. Gomes Freire, 256 – Centro. Grátis.
20h –  até 17/4CIA DE BALLET DALAL ACHCAR EM ”TAL VEZ” no Teatro Riachuelo –“Tal Vez”: coreografia especialmente criada para a Cia de Ballet Dalal Achcar por Alex Neoral. Um encontro marcado por duas gerações distintas que se complementam, com a proposta de trazer à tona memórias afetivas, interpretadas por 18 bailarinos. Com figurinos de João Pimenta (Romeu & Julieta ao som de Marisa Monte), cenário de Natalia Lana (A Cor Púrpura), ambos premiadíssimos, e canções inspiradas em trilhas de filmes de cineastas como o espanhol Pedro Almodóvar, o italiano Ettore Scola e o americano Woody Allen, o espetáculo acontecerá em 8 apresentações, entre 8 e 17 de abril, com sessão extra dia 20/04, no Teatro Riachuelo Rio.”TAL VEZ” jogo de palavras que brinca com ”talvez” e ”aquela”, dá nome à produção com coreografias baseadas em encontros marcados que geram desencontros e mostram como esses momentos da vida podem resultar em novas experiências. Além do conceito, as cenas serão compostas também pelo movimento de desconstrução dos figurinos em camadas ao longo do espetáculo.70 minutos. Quinta, Sexta e Sábado às 20h00, Domingo às 17h00.– Rua do Passeio , 40, Rio de Janeiro – Rio de Janeiro. Ingressos entre R$ 10,00 e R$ 60,00. Pague em até 12 vezes . Lembre-se das medidas de prevenção ao COVID-19.
 20hHistórias do Porchat: um dos mais conhecidos nomes do humor nacional, estreia hoje no Reserva Cultural, em Niterói, um show de stan-up sobre situações inusitadas que viveu durante viagens. Começa com uma massagem que deu errado na Índia, até um hipopótamo que partiu para cima dele na África e uma dor de barriga no Nepal. Av. Visconde do Rio Branco, 880 – São Domingos, Niterói. Sexta e sábado, às 20h. Domingo, às 19.R$80 (sexta) e R$100 (sab e dom). 14 anos. Até 1º de maio.
SÁBADO
18h/2h – 4º Dia da Mulher Sambista – Fundição Progresso. Celebrando o centenário de Dona Ivone Lara com grupos e rodas de samba compostas por mulheres. O evento terá atrações como Samba Que Elas Querem, Moça Prosa, Muxima Muato, Pra Elas, Sambe Como Uma Mulher, e de várias sambistas como Marina Iris, Ana Costa, Nilze Carvalho e Marcelle Motta. Haverá dez rodas de samba com apenas mulheres. Grátis.
19h Mart’nália e Jorge Aragão – no Festival Music Pra Todos. Local: Praça da Apoteose de Duque de Caxias/Av. Brasil – Vila São Luís. Rio.
21h Maria Bethânia –   show comemorativo do documentário Fevereiros. Bethânia canta 40 músicas. Espaço das Américas (Rua Tagipuru, 795 – Barra Funda), em São Paulo (SP). A partir de R$90+ taxas.
QUARTA-FEIRA
18hConcerto no Espaço Guiomar Novaes abre a Série Sala Contemporânea.  A Sala Cecília Meirelesapresenta, no Espaço Guiomar Novaes, abrindo a série Sala Contemporânea, o Iroko Trio, formado por Carla Rincón (violino), Elodie Bouny (violão) e Marcelo Caldi (acordeom). Ingressos a R$ 20,00 na bilheteria ou no site da Sala: http://salaceciliameireles.rj.gov.br/
 Iroko Trio nasceu para transitar um caminho único na ampla geografia musical da América Latina. Ao convergir estilos entre obras autorais, comissionadas ou emblemáticas do repertório clássico latino-americano, o trio cria espaço para peças ora imponentes, como Danzón Nº 2, de Arturo Márquez, ora intimistas, como Memória e Fado, de Egberto Gismonti. Iroko Trio, composto por três instrumentistas com brilhantes carreiras individuais com trajetórias cosmopolitas que se conectam e contrapõe com maestria a concepção erudita às formas populares. Iroko Trio: Carla Rincón, violino; Elodie Bouny, violão; Marcelo Caldi, acordeom; Ricardo Moyano (1961). Programa: Bumba, Ricardo Moyano; Xote gringo – Marcelo Caldi (1980); Elodie Bouny – Milonga turca; Augustín Barrios (1885-1944)- Las Abejas (arranjo: Elodie Bouny); Egberto Gismonti (1947) – Memória e Fado (arranjo: Elodie Bouny); Sergio Valdeos (1969) – Andariego; Heitor Villa-Lobos (1887-1959) – Bachianas nº 4 (1º movimento) (arranjo: Marcelo Caldi); Luis Laguna (1926-1984) – Criollísima (arranjo: Elodie Bouny); Carlos Aguirre (1965) – Milonga Gris (arranjo: Marcelo Caldi); Arturo Marquéz (1950) – Danzón nº 2 (arranjo: Elodie Bouny).
QUINTA-FEIRA
20h BAILE DO SEXTETO SUCUPIRA – toda quarta-feira tem forró e jazz cigano tropical na Fundição Progresso (Rua dos Arcos 24 –Lapa). Ingressos: de R$10 a R$40 no site da Fundição.
TEATRO
HOJE
Procura-se o homem da minha vida, marido, já tive – Baseada no best-seller da escritora argentina Daniela Di Segni, a peça fala sobre os encontros e, principalmente, desencontros amorosos de mulheres que já passaram por, ao menos, um casamento. O livro vendeu mais de 200 mil cópias em todo o mundo e foi adaptado para teatro na Argentina, Chile, Uruguai, México, Portugal e , EUA, Porto Rico, República Dominicana  sempre com grande êxito. A versão brasileira é assinada por Claudia Valli, que trouxe as questões do livro atualizadas aos dias de hoje, pois as mulheres mudaram muito… e para melhor! A história se desdobra a partir de um divertido papo, regado a muito vinho, entre três amigas que refletem sobre suas vidas, indo do sonho com a entidade “homem ideal” à descoberta do prazer de encontrar a si mesmas. Com Grace Gianoukas, Leona Cavalli, Totia Meirelles e Maurício Machado. Sextas e sábados, 20h. Teatro das Artes, no Shopping da Gávea. 12 anos. Até 8 de maio.
Turmalina 18-50Está de volta aos palcos até 8 de maio, o espetáculo em homenagem o cinquentenário de morte do principal líder da Revolta da Chibata (1910), João Cândido. Em cartaz às sextas e aos sábados, às 20h; e aos domingos, às 19h, no Teatro Laura Alvim (Av. Vieira Souto), em Ipanema. R$30, a inteira.
Alegria de naúfragos – é o mais recente trabalho da companhia Ser Tão Teatro que faz temporada até 1º de maio no Teatro Municipal de Ipanema (Rua Prudente de Morais 824). A peça aborda questões atuais a partir do livro “Uma história enfadonha”, escrito há mais de um século e meio por Anton Tchekov. Às sextas e sábados, às 20h; domingos, às 19h. R$40 (Sympla). 12 anos.
Intimidade indecentedepois de uma turnê por Portugal, Marcos Caruso e Eliane Giardini estreiam no Rio a peça de Leilah Asumpção. O espetáculo segue a separação de um casal sessentão desgastado pela mesmice da rotina, que segue se reencontrando, e ainda reconhecendo um no outro o seu maior cúmplice. Os dois não usam maquiagem nem trocam figurinos e vão dos 60 aos 90 diante do público. Teatro dos Quatro – Shopping da Gávea, Rua Marquês de São Vicente 52. Gávea. Quinta a sábado, 21h. Dom, às 19h. R$90 (qui) e R$100 (sex a dom) na bilheteria ou via Sympla. Até 29 de maio.
Misery – Mel Lisboa e Marcelo Airoldi estrela a adaptação para o palco do romance de Stephen King que inspirou o filme “Louca obsessão” (1990) de Rob Reiner que rendeu o Oscar a Kathy Bates. Na trama, um escritor famoso sofre um acidente numa área remota e é socorrido por Anne, uma enfermeira que mora na região e o leva para sua casa. Ela é fá de seus livros e o que começa em um convívio agradável acaba se tornando um jogo de dominação e ameaças. Teatro Frijan Sesi – Av. Graça Aranha, 1, Centro – 1563-4163. Sex, 19h; sáb. e dom, 18h. R$40 nma bilheteria opu via Sympla. 14 anos. Até 5 de junho.
A vida não é justa – dez anos depois de seu lançamento, o livro escrito pela juíza Andréa Pachá narrando casos peculiares, observados ao longo de 15 anos de trabalho nas varas de família, ganha montagem para o teatro com dramaturgia de Delson Antunes e direção de Tonico Pereira. Das 35 histórias que compõem o livro, oito foram selecionados para virar esquetes encenados por um elenco liderado por Léa Garcia (aos 89 anos) e Emiliano Queiroz. Teatro Mezanino, Sesc Copacacabana – Rua Domingos Ferreira, 160 – 2547-0156. Qui a dom, Às 20h. Sessão extra dia 13/4. R$30. 14 anos. Até 24 de abril.
O Pior de mim após três temporadas on-line, o monólogo escrito e interpretado por Maitê Proença, com direção de Rodrigo Portella, estreia hoje no Teatro Prudential, na Glória. Em cena, a atriz revisita histórias pessoais, como o assassinato da mãe e o suicídio do pai, para refletir sobre temas como vulnerabilidade, liberdade, machismo, preconceito e juventude. Maitê lançará livro com textos que deram origem à peça. Sessões às 20h (sexta-feira e sábado) e 19h (domingo). R$80 (Sympla ou bilheteria). Até 17 de abril.
Quando eu for mãe, quero amar desse jeito – Vera Fischer é dona Dulce Carmona, uma septuagenária que recebe a notícia de que seu único filho vai se casar com uma mulher que ela não conhece. A comédia mostra a luta de uma mãe obcecada para dar ao filho um futuro digno de sua classe social. A mãe aristocrática entra numa guerra com a noiva do filho para manter a imagem da família. Direção: Tadeu Aguiar. Elenco: Vera Fischer, Larissa Maciel e Mouhamed Harfouch. Até 17 de abril. Sexta e Sábado, às 20h e domingo, às 19h.TEATRO CLARA NUNES – Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 53 – Loja 370. Ingressos entre R$ 35,00 e R$ 90,00 no sympla, link: https://bileto.sympla.com.br/event/71786/d/128707
TERÇA-FEIRA
Natureza Morta-  Rita Clemente vive uma mulher que mata o marido e é surpreendida pela presença do próprio pintor Edvard Munch, autor da tela “A assassina”. A peça trata dos anseios de mulheres que já não são tão jovens e que tiveram os seus sonhos subjugados, o espetáculo transpassa as relações afetivas e o arrefecimento da paixão entre um casal para trazer à tona questões da vida de uma mulher em processo de enfrentamento de seus sonhos e desejos. De terça a domingo, às 18h, no Sesc Copacabana. R$30 (inteira). Rua Domingos Ferreira, 160.
MUSICAIS
Quem disse que Hollywood já era? – Recém-saídos da crise econômica gerada pela pandemia, dois atores Cisco Emery e Lúcio Moreira resolvem mambembar por cidades do interior do Brasil com um show da drag Perolita La Blanca. O objetivo é ganhar dinheiro para formarem uma companhia para produzirem espetáculos em que possam retornar aos palcos, além de virem a interpretar personagens mais substanciais, mais criativos do que as pequenas participações que lhes são oferecidas. Quase tudo, porém, não sai como o esperado e, nessa turnê eles enfrentam preconceitos, falta de dinheiro, problemas com a polícia, motoqueiros fascistas, conservadores homofóbicos e um sério abalo no relacionamento entre ambos. Criação e atuação: Cisco Emery e Lúcio Moreira (drag Perolita, La Blanca). Coreografia: Paloma Chediak. Até 1º de maio– Sextas, sábados e domingos, às 20 horas; ingressos entre R$ 20,00 e R$ 40,00 no sympla,link: https://bileto.sympla.com.br/event/72307/d/131879.Teatro Cândido Mendes – Rua Joana Angélica, 63 Ipanema. 16 anos.
Barnum – Rei dos shows: Teatro Casa Grande- Av. Afrânio de Melo Franco 290- Leblon. Sexta: 20h30/ Sab-17h e 20h30/ Dom -16h e 19h30. R$120 (balcão setor 2), R$180 (plateia setor 1) e R$200 (plateia VIP). Até 1º de maio. Livre.100 minutos. A versão de Cláudio Botelho tem acrobacias e malabarismos circenses. O musical conta a história do showman Phineas Taylor Barnum, idealizador da maior companhia de circo itinerante do século XIX. Murilo Rosa interpreta o papel-título, vivido por Hugh Jackman no cinema e protagoniza uma cena em que anda na corda bamba. Com Sabrina Korgut, Giulia NAdruz e Diva Menner.
Naked Boys Singing: Teatro Claro Rio: Rua Siqueira CamCazuzapos 143, 2º piso, Copacabana. Sex e sáb, 20h. Dom, 19h. R$90 (balcão) e R$120 (frisa e plateia). 80 minutos. Até 24 de abril. Dez atores nus em cena cantando, dançando e celebrando a vida ao som de músicas tocadas ao vivo no piano conduzem a peça, que já teve montagens em mais de 20 países e, depois de duas temporadas em São Paulo, estreia no Rio. A peça fez sucesso off-Broadway nova-iorquino, virando um ícone da cena gay. Divido em 14 quadros, o musical vai do cômico ao nonsense e aborda temas como masturbação, HIV, ereção involuntária, padronização do corpo e circuncisão. Direção de Rodrigo Alfer.
SÃO PAULO
Donna Summer Musical – no auditório do Ibirapuera. O espetáculo reestreia em São Paulo sob a sombra de 18 meses de interrupção e de perdas no elenco causada pela Covid 19. A montagem anuncia, agora, seis sessões semanais e contando com as atrizes Jennifer Nascimento, Karin Hils e Amanda Souza, que deram vida à rainha da disco music Donna Summer (1948-2012) em três passagens diferentes de sua vida, desde seu início de carreira até sua saída de cena vítima de um câncer, passando pelo sucesso pop e a consagração disco.O espetáculo cumpre sessões de sexta-feira a domingo, às 16h e às 21h (sextas); 17h e 20h (sábado); 16h e 19h (domingo). Os ingressos custam de R$ 50,00 (meia) a R$ 240,00 (inteira)

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012