26 de novembro de 2022


Jornalista é preso antes de protesto em Caracas


11/05/2017


Polícia venezuelana prende o jornalista Sergio Contreras durante protesto em Caracas. Foto: Reprodução Internet

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) condenou nesta quarta-feira (10) a prisão de Sergio Contreras, diretor de redes sociais do jornal “El Nuevo País” e da revista “Zeta”, ambos venezuelanos, e expressou sua preocupação com a continuidade da repressão aos protestos contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

O jornal O Globo publicou que Sergio Contreras foi detido antes do início das manifestações convocadas pela Mesa de Unidade Democrática (MUD) até o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ). O repórter também é dirigente político do partido Vontade Popular (VP) e professor da Universidade Católica Andrés Bello.

Em entrevista ao jornal espanhol “ABC”, o vice-presidente do jornal e da revista que Contreras trabalha, Francisco Poleo, contou que o jornalista foi rodeado por seis policiais e detido. Líderes políticos que tentaram ajudá-lo foram dispersados com gás lacrimogêneo e o paradeiro do repórter ainda é desconhecido. O deputado venezuelano Luis Florido, presidente da Comissão Exterior da Assembleia Nacional, relatou no seu Twitter que Contreras também foi agredido e atacado com gás de pimenta.

De acordo com o Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa, desde o início dos protestos na Venezuela 119 jornalistas já foram agredidos. A SIP já havia condenado a Venezuela pela agressão a repórteres durante as manifestações. Um dos casos de agressão que mais chamou atenção foi o de Elyangélica González, correspondente da rádio colombiana Caracol, que foi agredida por uma dezena de militares quando cobria uma manifestação estudantil. Ela foi jogada no chão, chutada e arrastada pelos cabelos.

Roberto Rock, presidente da Comissão de Liberdade de Imprensa e Informação e diretor do jornal mexicano “La Silla Rota”, também condenou a contínua perseguição à imprensa e aos cidadãos venezuelanos que exercem seu direito de se expressar através dos protestos. Rock adicionou que é responsabilidade das autoridades informar sobre o paradeiro de Contreras e as acusações contra ele.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012