Jornalismo que toma partido


14/03/2006


Giannotti, escritor

Há 12 anos, um pequeno grupo de jornalistas, artistas gráficos, sociólogos e professores de História e de Política, tendo à frente o escritor Vito Giannotti, criou o Núcleo Piratininga de Comunicação (NPC), que pretendia contribuir com uma melhor comunicação dos trabalhadores. Sua crença: todo jornalismo é ideológico, não somente o sindical.
— Não há nada mais ideologizado e, conseqüentemente, editorializado, do que a Veja. Esta revista é um panfleto da direita conservadora do País, pois defende sua visão de mundo, escondendo fatos e criminalizando os movimentos sociais ao gosto de sua ideologia — diz Giannotti.

Já a imprensa sindical, segundo ele, é porta-voz dos assalariados, desempregados e excluídos:
— Esse é o lado da esquerda, que não pode repetir o comportamento da direita. O jornalismo sindical deve dizer claramente qual é a sua posição, mas fazer isso com fatos, dados, entrevistas. Do contrário, cairá no discurso vazio, no panfleto.

         Carlos Vasconcellos

No Sindicato dos Bancários, Carlos Vasconcellos não foge ao debate sobre o grau ideológico da mídia sindical. Além do equilíbrio e da credibilidade do noticiário dos veículos, o jornalista preocupa-se com a intervenção política e afirma:
— Hoje, o grande problema neste mercado é que geralmente os profissionais são escolhidos por indicação partidária. Sou um caso raro na imprensa sindical: trabalho para uma entidade dirigida pela articulação do PT e não sou petista. Aliás, sou incompreendido por minhas convicções ideológicas. Alguns petistas do sindicato torcem o nariz para mim e já disseram publicamente que não aceitam o fato de o editor-chefe não ser um membro do partido. 

 O próprio Vasconcellos destaca o que considera uma contradição em sua situação profissional:
— Fui contratado por meio de uma seleção feita por uma empresa renomada de Recursos Humanos, mas ainda assim as pessoas sentem-se incomodadas devido às minhas convicções políticas antagônicas e à crítica que faço ao governo Lula. Acho que é o velho ranço stalinista. Às vezes a esquerda brasileira parece sofrer da “síndrome da teoria conspiratória” e ainda se sente desconfortável diante das diferenças, especialmente de quem não abre mão de sua singularidade e suas convicções. 

Rosa Leal, da Sinttel

Viés econômico

Atuando nesse segmento desde 1988 — quando foi editar a Folha Bancária, de São Paulo, primeiro jornal sindical diário, com circulação de 100 mil exemplares/dia —, Rosa Leal está hoje no Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Telecomunicações do Rio de Janeiro (Sinttel) e concorda com seus colegas do NPC e do Jornal dos Bancários: a principal característica do jornalismo sindical é ser partidário.
— Afinal, ele toma partido de um lado, no caso, o dos trabalhadores. É um jornalismo especializado, tem um forte viés econômico, e é preciso entender como funciona a atividade à qual a categoria profissional está ligada. Como as reivindicações e demandas são, em sua maioria, econômicas, o jornalista tem que entender de economia e legislação trabalhista e se manter atualizado nos temas. E como a mídia sindical também tem forte carga política, é preciso entender o funcionamento do Estado e a atividade político-partidária.

Nesse contexto, segundo Rosa, o Jornal do Sinttel, lançado há 18 anos, é uma ferramenta importante nas relações entre patrões e funcionários das empresas de telecomunicação:
— Ele funciona como um poderoso instrumento de pressão e é o principal porta-voz das reivindicações dos trabalhadores. Há um certo temor nas empresas sobre a cobertura das negociações nas campanhas salariais, por exemplo.

Tudo isso é feito sem que as regras do jornalismo sejam quebradas, ela garante. Por isso, quando se sentem atingidas, as empresas podem exercer seu direito de resposta:
— Não estabelecemos qualquer tipo de censura. Trabalhadores, sindicalizados ou não, também podem escrever para criticar a ação da direção do sindicato. Só não publicamos ofensas a ninguém. Já aconteceu algumas vezes e o resultado sempre foi desastroso.

O Jornal do Sinttel tem um formato que Rosa Leal chama de “tablóide encorpado”, duas páginas e uma tiragem fixa semanal de 12 mil exemplares:
— Em dezembro do ano passado, promovemos uma exposição para comemorar a edição nº 1.000, uma marca histórica em se tratando de jornalismo sindical. Poucos sindicatos conseguiram manter um veículo por 18 anos consecutivos, ainda mais que hoje seja o site a maior fonte de informação para o trabalhador.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012