Google News pode deixar
a União Europeia


23/01/2019


O Google reiterou a possibilidade de deixar de operar o serviço de notícias na Europa por causa de possíveis mudanças na legislação de direitos autorais. A empresa disse à Bloomberg que a saída completa do Google News pode ser adotada caso a União Europeia aprove a Diretiva de Direitos Autorais. Pela nova lei, o Google e outras plataformas, como Facebook e Apple, teriam de pagar direitos para mostrar qualquer coisa além de um pequeno trecho de uma história em seus serviços de pesquisa ou qualquer outro recurso.

Contudo, Jennifer Bernal, gerente de políticas da empresa para a Europa, Oriente Médio e África, essa é apenas uma das possibilidades. Acredita-se que uma das opções possíveis seria a publicação apenas dos títulos das matérias.

 

O Google afirma não ganhar dinheiro com o serviço de notícias. Sendo assim, deixar de operá-lo na Europa não seria uma opção complicada.

 

Jennifer, porém, declarou que a possibilidade seria adotada “relutantemente” e levando em consideração as regras.

 

O assunto tem gerado debates. O pagamento de direitos autorais pode significar uma fonte extra de renda para produtores de conteúdo. Porém, caso o serviço deixe de operar pode haver uma redução na exposição de alguns sites, já que citação no serviço de notícias da plataforma acaba atraindo mais visitantes às páginas online.

 

No início desta semana, o Google foi multado em US$ 57 milhões pela Comissão Nacional de Informações e Liberdade (CNIL) da França. A multa, a maior já aplicada desde a criação da legislação, em maio de 2018, foi determinada porque o órgão considerou que a empresa não tinha “consentimento válido na publicidade personalidade”. Além disso, também foi acusada de “falta de transparência e informação incorreta”.

Fonte: Portal Imprensa

 

RECESSO DE CARNAVAL

    Não haverá expediente administrativo na ABI no período de 1 a 10 de março de 2019, retornando às atividades no dia 11 de março de 2019.

   Os serviços essenciais funcionarão cumprindo escalas.

Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 2019.