2 de julho de 2022


Dicas se despede com carnaval, Macunaíma  e São Jorge


22/04/2022


Por Vera Perfeito, diretora de Cultura e Lazer da ABI

A última coluna Dicas exalta São Jorge, carnaval e Cine Macunaíma

Eu me despeço dia 29 de abril da Diretoria de Cultura da ABI, após quase dois anos, com um viva a São Jorge, o Santo Guerreiro, comemorado amanhã. Vamos precisar muito de sua ajuda neste ano eleitoral para mudar o rumo do Brasil tão açoitado pela ignorância, violência e falta de decoro de seu mandatário.  A coluna ameniza o ambiente com Dicas de Carnaval como blocos, shows e escolas de samba, além de exposições, filmes, séries, livros, músicas, shows e peças teatrais. Divirtam-se em casa ou na rua (vá mascarado!). E até uma próxima oportunidade. EVOÉ!

NA ABI

TERÇA-FEIRA

10h – O Cineclube Macunaíma exibe hoje, a partir das 10h e até segunda-feira, o filme Rock Brasília – Era de Ouro (2011), de Vladimir Carvalho com Renato Russo, Dinho Ouro Preto, Dado Villa Lobos, Marcelo Bonfá e Caetano Veloso, entre outros. Com imagens de arquivo, filmadas pelo diretor desde o final dos anos 1980, o documentário encerra uma trilogia sobre a construção cultural e ideológica da capital federal. Traz as bandas de Brasília – Legião Urbana, Capital Inicial e Plebe Rude – que fizeram a trajetória clássica do herói: vencer empecilhos e ir atrás de um grande desafio que era a conquista de um lugar na cultura nacional. Eles fazem parte da primeira geração de filhos de intelectuais, diplomatas e políticos que começou a surgir nos anos 1980. Às 19h30, haverá debate com o cineasta Silvio Tendler, mediação do jornalista Rodrigo Fonseca  e convidados. Assista ao filme e ao debate pelo canal da ABI no YouTube. Link: bit.ly/3uZn84f.

CARNAVAL

(Transmissão pela TV Globo )DESFILE DAS ESCOLAS DE SAMBA / CARNAVAL 2022: cada escola pode desfilar entre 60 e 70 minutos. Depois disso perde 10 pontos.

HOJE – 22/4

22h – Imperatriz Leopoldinenense:  Carnavalesca: Rosa Magalhães; Mestre de Bateria: Lolo; Rainha de Bateria: Iza; Mestre-Sala e Porta-Bandeira: Thiaguinho Mendonça e Rafaela Theodoro; Comissão de Frente: Thiago Soares. ENREDO: uma homenagem ao carnavalesco Arlindo Rodrigues e ao presidente Luizinho Drummond, que o contratou. Essa dupla conquistou, em 1980, o primeiro título de Ramos, com “O quê que a Bahia tem?”.Em “Meninos eu vivi… Onde canta o sabiá, Onde cantam Dalva & Lamartine”, a Imperatriz lembrará esse e outros grandes enredos de Arlindo — que passou por Salgueiro, Vila e Mocidade. Lamartine Babo, Dalva de Oliveira e Xica da Silva foram alguns dos temas desenvolvidos na Avenida. E o desfile da verde e branca de Ramos também mostrará o trabalho de Arlindo em outras artes, como a televisão e o teatro. Autor do samba-enredo: Gabriel Melo/Intérpretes: Arthur Franco e Bruno Ribas /Letra:Vem me encantar!/ Volta pro seu lugar!/Seu manto é meu bem-querer!/E lá do alto o Pai Maior mandou dizer/Quem viveu pra te amar, seguirá com você/Eu ainda era menino/ À luz de um nobre destino/ O dom de tocar corações/E você era menina, suspirando poesias/Entre versos e estações/Quando a mão do grande professor/Nosso caminho em ouro enfeitou/Fui da ribalta à Avenida/Você tão linda foi cenário de amor (lá, lá, lá, lá, lá, lauê)/Fiz da orquestra da foliaO manequim das fantasias/Que João noutro tempo rasgou/Pega na saia rendada… pra ver o que eu vi!/Espelho da raça encarnada… Xica e Zumbi!//E descobrir novos Brasis na identidade/Canta, Salgueiro, ô, salve a Mocidade!/Lembro que o Imperador/Me levou pra ser rei em sua Assíria/Amanheceu e nós dois/Fomos uma só voz no altar da Bahia/Brilhei…/ neste palco iluminado/Dancei… Sabiá cantou meu apogeu/Numa derradeira serenata/Sonhei com Dalva e fui morar com Deus/Seu samba nascendo no morro/Ecoa do povo e ressoa no céu/Desperto em seus braços de novo/No mais belo traço da flor no papel/Se a saudade é certeza/
Um dia a tristeza será cicatriz/Eterna seja! Amada Imperatriz!

Entre 23h e 23h10 – Mangueira: carnavalesco: Leandro Vieira; Mestre de Bateria: Wesley; Rainha de Bateria: Evelyn Bastos; Mestre-Sala e Porta-Bandeira: Matheus Olivério e Squel Jorgea; Comissão de Frente: Rodrigo Negri e Priscila Motta. ENREDO: “Angenor, José & Laurindo” são os nomes por trás de uma tríade de ícones mangueirenses: o cantor e compositor Cartola, o intérprete Jamelão e o mestre-sala Delegado.Autores: Moacyr Luz, Bruno Souza, Leandro Almeida e Pedro Terra; Intérprete: Marquinho Art’Samba. LETRA: Só sei que Mangueira/É um céu estrelado/Não é brincadeira/Sou apaixonado/A Estação Primeira/Relembra o passado/Valei-me, Cartola, Jamelão e Delegado/Mangueira… teu cenário é poesia/Liberdade e autonomia/Que o negro conquistou (ô, ô, ô)/Mangueira… a alvorada anuncia/O legado, a dinastia/A sabedoria se chama Angenor/Esse solo sagrado o Samba ecoou/Tem cantor, mestre-sala e compositor/Lustrando sapato, vendendo jornal/Chapéu de pedreiro no mesmo quintal/Três iluminados Reis do Carnaval/As rosas não falam, mas são de Mangueira/Eu vi Seu Laurindo beijando a bandeira/José Clementino na flor da idade/O sol colorindo a minha saudade/É verde e rosa a inspiração/A devoção por toda nossa raiz/Quem traz a cor dessa nação/Sabe que o morro é um país/A voz do meu terreiro imortaliza o Samba/E quem guardou com amor o nosso pavilhão/Tem aos seus pés a nossa gratidão

Entre 0h e 0h20 – Salgueiro: vermelha e branca. Enredo “Resistência”, retratando lugares importantes do Rio de Janeiro que ficaram marcados como pontos da cultura negra na cidade.“Praça 11, Saúde, Gamboa, Santo Cristo… essa área aqui que é da Cidade Nova, tudo isso aqui era chamado de Pequena África”; Carnavalesco: Alex de Souz; Diretor de Carnaval: Alexandre Couto; Mestres de Bateria: Guilherme e Gustavo; Rainha de Bateria: Viviane Araújo; Mestre-Sala e Porta-Bandeira: Sidcley Santos e Marcella Alves; Comissão de Frente: Patrick Carvalho; autores do samba-enredo: Demá Chagas, Pedrinho Da Flor, Leonardo Gallo, Zeca Do Cavaco, Joana Rocha, Gladiador, Renato Galante; Intérpretes: Emerson Dias e Quinho do Salgueiro. Letra do samba-enredo: Salgueiro… Salgueiro…/O amor que bate no peito da gente/
Sabiá me ensinou: sou diferente/Um dia meu irmão de cor/Chorou por uma falsa liberdade/Kaô Cabecilê, sou de Xangô/Punho erguido pela igualdade/Hoje cativeiro é favela/De herdeiros sentinelas/Da bala que marca feito chibata/Vermelho na pele dos meus heróis/Lutaram por nós contra a mordaça/Ê, mãe preta, mãe baiana/Desce o morro pra fazer história/Me formei na Academia/Bacharel em harmonia/Eis aqui o meu quilombo, escola/Ê, Galanga, ê… Rei Zumbi, Obá/Preta aqui virou Rainha Xica/Sou a voz que vem do gueto/Resistência no tambor/Pilão de preto velho eu sou/No Rio batuqueiro/
Macumba o ano inteiro/Não nego meu valor, axé/Gingado de malandro/Kizomba e capoeira/Caxambu e jongo, fé na rezadeira/Tempero de Iaiá, não tenho mais, sinhô/E nunca mais, sinhá/Sambo pra resistir/Semba meus ancestrais/Samba pelos carnavais/Torrão amado o lugar onde eu nasci/O povo me chama assim.

Entre 1 e 1h30 São Clemente: Carnavalesco: Tiago Martins; Diretor de Carnaval: Thiago Gomes; Diretor de Harmonia: Marquinho São Clemente; Mestre de Bateria: Caliquinho; Rainha de Bateria: Raphaela Gomes; Mestre-Sala e Porta-Bandeira: Vínicius Pessanha e Jack Pessanha; Comissão de Frente: Júnior Scapin; enredo: A escola de Botafogo vai homenagear Paulo Gustavo, o humorista de tipos inesquecíveis, como Dona Hermínia.O enredo “Minha vida é uma peça” conta a vida do niteroiense, desde a infância e juventude em Icaraí, de onde ele partiu para empreender sua intensa e vitoriosa carreira artística.O desfile imaginará como Paulo chegou ao Céu e listará sucessos nas telas e nos palcos; Autores do samba-enredo: Cláudio Filé, James Bernardes, Arlindinho Cruz, Braguinha, Colaço, Marcus Lopes, Caio Tinguinha, Danilo Gustavinho, Kaike Vinícius e Igor Leal; Intérpretes: Leozinho Nunes e Maninho. Letra do samba-enredo: São clementes aqueles que amam/
Que cuidam, que sentem/Mostrando a cara da nossa gente/Rir é resistir, seguir em frente/Paulo Gustavo pra sempre!/ O céu me sorriu/A irreverência me chamou, eu vou/Imortal a nossa relação/A bênção lhe dou/Num gesto de amor/Pra você vestir preto e amarelo e sorrir/Atuar com Otelo e Derci/Pra plateia vibrar, gargalhar, delirar/Na próxima cena, no primeiro plano/Nem só Marcelina, nem só Juliano/Milhões de herdeiros/Anunciando a mãe de todo brasileiro/Dona Hermínia mandou avisar que pode/Brincar na Avenida e dizer no pé/Mulher com mulher, tudo bem/Homem com homem, também/O negócio é amar alguém/“Dethales”, o amor venceu/O sentimento mais fiel/Semente que gerou Romeu/Semente que gerou Gael/Exemplo de atitude/Pra uma nova geração/
Corrente de amizade/Sempre em alta tensão/Vai que cola” esse meu despedaçado coração/Ah, coração/Sou eu a primeira plateia/Divina “idea”, dei luz ao seu brilho/A nossa vida é uma peça/Graças a você, meu filho.

Entre 2h e 2h40 – Viradouro: Carnavalescos: Marcus Ferreira e Tarcísio Zanon; Diretor de Carnaval: Alex Fab e Dudu Falcão; Mestre de Bateria: Ciça; Rainha de Bateria: Erika Januza; Mestre-Sala e Porta-Bandeira: Julinho e Rute; Comissão de Frente: Alex Neoral e Márcio Jahú; enredo: Em “Não há tristeza que possa suportar tanta alegria”, a Vermelha e Branca do Barreto vai mostrar como foi o carnaval de 1919, depois de uma pausa por causa da pandemia de gripe espanhola.

Um dos cenários que viram passar o que ficou conhecido como o maior carnaval de todos os tempos foi a região do Arco do Telles e o casario do início do século 20, no Centro.A escola também fará “um paralelo sentimental” entre a gripe espanhola e a Covid; samba-enredo: Autores: Felipe Filósofo, Fabio Borges, Ademir Ribeiro, Devid Gonçalves, Lucas Marques e Porkinho; Intérprete: Zé Paulo Sierra. Letra:Carnaval, te amo, na vida és tudo pra mim/Assinado: um Pierrot Apaixonado/Que além do infinito o amor se renove/Rio de Janeiro, 5 de março de 1919/

Amor, escrevi esta carta sincera/Virei noites à sua espera/Por te querer quase enlouqueci/Pintei o rosto de saudade e andei por aí/Segui seu olhar numa luz tão linda/Conduziu meu corpo, ainda/O coração é passageiro do talvez/Alegoria ironizando a lucidez/Senti lirismo, estado de graça/Eu fico assim quando você passa/A Avenida ganha cor, perfuma o desejo/Sozinho te ouço se ao longe te vejo/Te procurei nos compassos e pude/Aos pés da cruz agradecer à saúde/Choram cordas da nostalgia/Pra eternidade, uma samba nascia/Não perdi a fé, preciso te rever/Fui ao terreiro, clamei: Obaluaê!/Se afastou o mal que nos separou/Já posso sonhar nas bênçãos do tambor/Amanheceu! Num instante já/Os raios de sol foram testemunhar/O desembarque do afeto vindouro/Acordes virão da Viradouro/Tirei a máscara no clima envolvente/Encostei os lábios suavemente/E te beijei na alegria sem fim/Carnaval, te amo, na vida és tudo pra mim

Entre 3h e 3h50 – Beija- Flor : Carnavalesco: Alexandre Louzada; Diretor de Carnaval: Dudu Azevedo; Mestres de Bateria: Rodney e Plínio; Rainha de Bateria: Raíssa de Oliveira; Mestre-Sala e Porta-Bandeira: Claudinho e Selminha Sorrizo; Comissão de Frente: Marcelo Misailidis; enredo: Em “Empretecer o pensamento é ouvir da voz da Beija-Flor”, a escola luta para que a história de personagens negros, como Selminha Sorriso, Claudinho, Neguinho da Beija-flor Pinah, Laíla, gente da própria escola, não seja esquecida.O enredo, segundo o carnavalesco Alexandre Louzada, é a proposta de um retorno às origens da civilização para que as pessoas possam ter noção da origem brilhante que o povo preto teve. E que foi apagada pela colonização europeia; samba-enredo: Autores: J. Velloso, Léo do Piso, Beto Nega, Júlio Assis, Manolo e Diego Rosa; Intérprete: Neguinho da Beija-Flor/ Letra: Mocambo de crioulo: Sou eu! Sou eu!/Tenho a raça que a mordaça não calou/Ergui o meu castelo dos pilares de Cabana/Dinastia Beija-Flor!/ A nobreza da corte é de ébano/Tem o mesmo sangue que o seu/Ergue o punho, exige igualdade/Traz de volta o que a história escondeu/Foi-se o açoite, a chibata sucumbiu/Mas você não reconhece/O que o negro construiu/Foi-se o açoite, a chibata sucumbiu/
E o meu povo ainda chora/Pelas balas de fuzil/Quem é sempre revistado/É refém da acusação/O racismo mascarado pela falsa abolição/Por um novo nascimento, um levante/Um compromisso/Retirando o pensamento/Da entrada de serviço/Versos para cruz, Conceição no altar/Canindé, Jesus, ô, Clara!!/Nossa gente preta tem feitiço na palavra/Do Brasil acorrentado, ao Brasil que não se cala/Versos para cruz, Conceição no altar/Canindé, Jesus, Ô, Clara!!/Nossa gente preta tem feitiço na palavra/Sou o Brasil que não se cala!!/Meu Pai Ogum ao lado de Xangô/A espada e a lei por onde a fé luziu/Sob a tradição Nagô/
O grêmio do gueto resistiu/Nada menos que respeito/Não me venha sufocar/Quantas dores, quantas vidas/Nós teremos que pagar?/Cada corpo um orixá! Cada pele um atabaque/Arte negra em contra-ataque/Canta Beija-Flor! Meu lugar de fala/Chega de aceitar o argumento/Sem senhor e nem senzala, vive um povo soberano/
De sangue azul nilopolitano.

AMANHÃ – 23/4

22h – Paraíso do Tuiuti: Carnavalesco: Paulo Barros; Diretor de Carnaval: André Gonçalves; Diretor de Harmonia: Luiz Carlos Amâncio e Fernando Honorato; Mestre de Bateria: Marcão; Rainha de Bateria: Thay Magalhães; Princesa de Bateria: Mayara Lima; Mestre-Sala e Porta-Bandeira: Raphael Rodrigues e Dandara Ventapane; Comissão de Frente: Claudia Mota; enredo: um enredo sobre as histórias de luta, sabedoria e resistência negra: “Ka ríba tí ÿe — Que nossos caminhos se abram”. Paulo Barros, carnavalesco da escola, destaca que o enredo vai exaltar a contribuição de grandes figuras negras para a humanidade e uma ode ao futuro da negritude.

A gente passa por Obama, a gente passa por Mandela e a gente passa por Catherine Johnson, que foi uma das responsáveis por colocar o homem em órbita da Terra. A gente pegou esses personagens e linkou aos santos do candomblé”, destacou Paulo.O enredo da Tuiuti é uma ode ao futuro da negritude e falará da importância de quebrar barreiras e estereótipos. Samba-enredo: Autores: Moacyr Luz, Cláudio Russo, Aníbal, Píer, Júlio Alves e Alessandro Falcão; Intérpretes: Celsinho Mody e Carlos Júnior; letra: Ogunhiê! Okê arô!/ Laroyê! Meu pai, kaô/ Tem sangue nobre de Mandela e de Zumbi/- Nas veias do povo preto do meu Tuiuti/ Olodumarê mandou/Oxalá me conduzir pelo céu da liberdade/Me falou Orunmilá/Vai, meu filho, semear pelo mundo a humanidade/
Nos caminhos de Exu/Me perdendo encontrei nua e crua essa verdade/Que a raiz do preconceito/Nasce do olhar estreito da cruel desigualdade/Sou alabê gungunando o tambor/Trago cantos de dor, de guerra e de paz/Pra ver secar todo pranto nagô/E gritar por direitos iguais/Meu sangue negro que escorre no jornal/
Inundou um oceano até a Pedra do Sal/Eh! Dandara!/A espada e a palavra, eh!/Não vai ser escrava!/Hei de ver noutras negras minas/Um baobá malê que nasceu do chão/Pra vencer a opressão com a força da melanina/Negro é cultura e saber/Ka Ríba Tí Yê, caminhos de sol/Onde Mercedes, Estelas/Por becos e vielas/Se fazem farol/Pra iluminar Alafins/E morrer só de rir feito mil Benjamins/E cantar! Cantar! Cantar…/A beleza retinta que veio de lá/E cantar! Cantar! Cantar…/Pra saudar o meu Orixá

Entre 23 e 23h10 – Portela: Carnavalescos: Renato Lage e Márcia Lage; Direção de Carnaval: Claudinho Portela, Júnior Escafura e Higor Machado; Mestre de Bateria: Nilo Sérgio; Rainha de Bateria: Bianca Monteiro; Mestre-Sala e Porta-Bandeira: Marlon Lamar e Lucinha Nobre; Comissão de Frente: Leo Senna e Kelly Siqueira.Enredo: Em “Igi Osè – Baobá”, a Portela vai contar a história do baobá, árvore de origem africana que seria um portal misterioso de contato entre o mundo sagrado e o humano.

O baobá é a árvore que está relacionada a sobrevivência, sabedoria, ancestralidade e resistência; samba-enredo: Autores: Wanderley Monteiro, Vinicius Ferreira, Rafael Gigante, Bira, Edmar Jr, Paulo Borges & André do Posto 7; Intérprete: Gilsinho. Letra: Azul e “banto”, Aguerê e Alujá/Pra poeira levantar, de crioula é meu tambor/Iluayê na ginga do meu lugar/Portela é baobá no congá do meu amor/Prepara o terreiro,/separa a mucua/Apaoká baixou no xirê/Em nosso celeiro a gente cultua/Do mesmo preceito e saber/Raiz imponente da “primeira semente”/Nós temos muito em comum/O elo sagrado de Ayê e Orun/Casa pra se respeitar: meu baobá!/ Obatalá, Colofé/Tem batucada no Ar/Pra minha gente de fé, Ayeraye/Nessa mironga tem mão de Ofá/Põe aluá no coité e dandá/Saluba, mamãe! Fiz do meu samba curimba/Mata a minha sede de axé/Faz do meu Igi Osè moringa/Quem tenta acorrentar um sentimento/“Esquece” que ser livre é fundamento/Matiz suburbano, herança de preto/Coragem no medo!/Meu povo é resistência/Feito um “nó na madeira” do cajado de Oxalá/Força africana vem nos orgulhar.

Entre 0h e 0h20 – Mocidade de Padre Miguel: Carnavalesco: Fábio Ricardo; Diretor de Carnaval: Marquinho Marino; Mestre de Bateria: Dudu; Rainha de Bateria: Giovana Angélica; Mestre-Sala e Porta-Bandeira: Diogo Jesus e Bruna Santos; Comissão de Frente: Jorge Teixeira e Saulo Finelon. Enredo: em “Batuque ao Caçador”, a Mocidade vai exaltar o orixá Oxóssi.Ao mesmo tempo, vai render homenagens a figuras importantes de sua própria história. Samba-enredo: Autores: Carlinhos Brown, Diego Nicolau, Richard Valença, Orlando Ambrosio, Gigi da Estiva, Nattan Lopes, J. J. Santos e Cabeça do Ajax; Intérprete: Wander Pires. Letra: Okê Arô, Ofá da mira certeira/Dono da mata, Okê, Okê, Mutalambô/Seu ajeum, já preparei na quinta-feira/No fundamento, a batida incorporou/Samborê, pemba, folha de jurema/Há proteção de Ogboju Odé/Pai Oxalá lhe deu seu diadema/Quem rege meu ori governa minha fé/Nos idilês a ancestralidade/O Alaketu no Egbê da Mocidade/ Oxóssi é caçador de uma flecha só/Herdeiro de Iemanjá, irmão de Ogum/Aquele que na cobra dá um nó/
Aquele apaixonado por Oxum/
Ibualama o mar atravessou/No Gantois, virou São Jorge guardião/Um rio inteiro em teu nome, meu senhor/

Quem é de Oxóssi é de São Sebastião/Ô, Juremê, ô, Juremá/Caboclo lá da jurema é cacique nesse conga/Ô, Juremê, ô, Juremá/Mandiga de Tia Chica fez a caixa guerrear/Inverteu meu tambor/De Dudu e de Coé, foi Quirino, foi Miquimba/De Jorjão, o agueré/Fez do aguidavi, baqueta da nossa gente/Pra evocar nesse terreirotoda alma independente/Arerê, Arerê, Komorodé/Komorodé, Arolé, Komorodé/Arerê, Arerê, Komorodé/Todo Ogã da Mocidade é cria de Mestre André.

Entre 1h e 1h30 –  Unidos da Tijuca: Carnavalesco: Jack Vasconcelos; Diretor de Carnaval: Fernando Costa; Mestre de Bateria: Casagrande; Rainha de Bateria: Lexa; Mestre-Sala e Porta-Bandeira: Phelipe Lemos e Denadir Garcia; Comissão de Frente: Sérgio Lobato. Enredo: A Unidos da Tijuca leva para o carnaval o enredo “Waranã – A reexistência vermelha”, sobre ciclos, descendências e resistência.O enredo é uma manifestação pela autonomia dos povos da floresta e destaca que eles são os donos da terra. Samba-enredo: Autores: Anderson Benson, Eduardo Medrado e Kleber Rodrigues. Intérpretes: Wantuir e Wic Tavares; letra:Erê, essa mata é sua… É sua/Erê, vem provar doce mel… Doce mel/Waranã da Tijuca/Vem brincar no Borel/Alto céu/De Tupana e Yurupari/Duas forças que vão fluir/A energia de Monã/Que equilibra o bem e o mal/Um lugar onde as pedras podiam falar/Onde irmãos desfrutavam/A beleza singular/Anhyã, bela e habilidosa/Mas a cobra ardilosa usa a flor pra lhe tocar/E nasce Kahu’ê, o curumim/De olhos alegres… sempre assim/Presença tão breve/A ingenuidade sucumbe à maldade/Renasce Kahu’ê, o curimim/Seus olhos alegres não têm fim/Pois o bem é maior, vai reexistir/Vida ligeira, passageira/Plantada no solo da pura emoção/De pele vermelha, os frutos de uma nação/Vida inocente, vira semente/E ao som de uma ave a cantar/Floresce imponente o povo do guaraná/E se a cobiça e o fogo chegarem na aldeia/Deixa a força Mawé ressurgir/E sorrir quando o sol reluzir/Nesse dia eles vão temer/E o amor vai vencer.

Entre 2h e 2h40 – Grande Rio: Carnavalescos: Leonardo Bora e Gabriel Haddad;Diretor de Carnaval: Thiago Monteiro; Mestre de Bateria: Fabrício Machado (Fafá); Rainha de Bateria: Paolla Oliveira; Mestre-Sala e Porta-Bandeira: Daniel Werneck e Taciana Couto; Comissão de Frente: Hélio Bejani e Beth Bejani. Enredo: o enredo “Fala, Majeté! As sete chaves de Exu” vem desmistificar o orixá, visto no mundo ocidental pelo lado ruim. Os carnavalescos Leonardo Bora e Gabriel Haddad querem mostrar que Exu é caminho, sabedoria, prosperidade. Exu é livramento.A Grande Rio vai falar da energia dos Exus que vem da África e chega no Brasil e se transforma em diversas energias. Das trocas de mercado, das artes contemporâneas. Essa energia está na música, na vida cotidiana. Samba-enredo: autores: Gustavo Clarão, Arlindinho Cruz, Jr. Fragga, Claudio Mattos, Thiago Meiners e Igor Leal;intérprete: Evandro Mallandro. Letra: Boa noite, moça, boa noite, moço…/Aqui na terra é o nosso templo de fé/“Fala, Majeté!”/Faísca da cabaça de Igbá/Na gira… Bombogira, aluvaiá!/Num mar de dendê…caboclo, andarilho, mensageiro/Das mãos que riscam pemba no terreiro/Renasce Palmares, Zumbi Agbá!/Exu! O Ifá nas entrelinhas dos Odus preceitos, fundamentos, Olobé/Prepara o padê pro meu axé/Exu Caveira,Sete Saias, Catacumba/É no toque da macumba, saravá, alafiá!/Seu Zé, malandro da encruzilhada/Padilha da saia rodada… ê Mojubá!/SouCapa Preta, Tiriri, sou Tranca Rua/Amei o sol, amei a lua, Marabô, Alafiá!/Eu sou do carteado e da quebrada/Sou do fogo e gargalhada… ê Mojubá!/Ô, luar, ô, luar… catiço reinando na segunda-feira/Ô, luar… dobra o surdo de terceira/Pra saudar os guardiões da favela/Eu sou da Lira e meu bloco ésentinela/Laroyê, laroyê, laroyê!/É poesia na escola e no sertão/A voz do povo, profeta das ruas/Tantas estamiras desse chão/Laroyê, laroyê, laroyê!/As sete chaves vêm abrir meu caminhar/À meia-noite ou no sol do alvorecer… Pra confirmar:/Adakê Exu, Exu, ê, Odará!/Ê bará ô, Elegbará!/Lá na encruza, a esperança acendeu/Firmei o ponto, Grande Rio sou eu!/Adakê Exu, Exu, ê, Odará!/Ê bará ô, Elegbará!/Lá na encruza, onde a flor nasceu raiz/Eu levo fé nesse povo que diz:/Boa noite, moça, boa noite, moço…

Entre 3h e 3h50 – Vila Isabel: enredo: “Canta, canta minha gente! A Vila é de Martinho!”, sobre o compositor Martinho da Vila.Carnavalesco: Edson Pereira; Comissão de Carnaval: Moisés Carvalho, Marcelinho Emoção e Edson Pereira; Mestre de Bateria: Macaco Branco; Rainha de Bateria: Sabrina Sato; Mestre-Sala e Porta-Bandeira: Marcinho Siqueira e Cristiane Caldas; Comissão de Frente: Márcio Moura. Samba-enredo: autores – Evandro Bocão, André Diniz, Dudu Nobre, Professor Wladimir, Wanderson Pinguin, Marcelo Valença, Leno Dias e Mauro Speranza; intérprete: Tinga. Letra: Partideiro, partideiro, ó/Nossa Vila Isabel brilha mais do que o sol/Canta, negro rei, deixa a tristreza pra lá/Canta forte, minha Vila, a vida vai melhorar!/Ferreira, chega aí/Abre logo uma gelada, vem curtir/A Avenida engalanada/ Nossa gente emocionada vai reluzir/Os sonhos de Iaiá/Suas glórias e cirandas resgatar/Não acaba quarta-feira a saideira/Nem o meu laiaraiá/Raízes da roça para os pretos forros/Tanto talento não guarda segredo/O dono do palco, o Zumbi lá do morro/Pela 28, chinelo de dedo/Se a paz em Angola lhe pede socorro/Filho de Teresa encara sem medo/Seguiu escola do Pai Arraia/Reforma agrária e na festa do arraiá/Em cada verso, mais uma obra-prima/Ousar, mudar e fazer sem rima/Seguiu escola do Pai Arraia/Reforma agrária e na festa do arraiá/Em cada verso, mais uma obra-prima/Só você pra fazer sem rima/Profeta, poeta, mestre dos mestres/África em prece, o griô, a referência/O senhor da sapiência, escritor da consciência/E a cadência de andar, de viver e sambar/Tão bom cantarolar porque o mundo renasceu/Me abraçar com esse povo todo seu/Eu vou junto da família/Do Pinduca à alegria pra brindar/Modéstia à parte, o Martinho é da Vila.

DESFILE DAS CAMPEÃS – dia 30/4 – Sábado

21:30- 6ª colocada;22h20 – 5ª colocada; 23h25 – 4ª colocada; 0h30 – 3ª colocada; 1h35- 2ª colocada; 2h40- campeã.

DESFILE DAS ESCOLAS DE SAMBA MIRINS – DOMING0_, a partir das 16h.  Serão 14 escolas, desfilando em 30 minutos cada uma/ Transmissão pelo G1

BAILES

BLOCOS

Apesar de não estar previsto desfile de blocos no Carnaval 2022 no Rio, sempre se dá um jeitinho e já circula até calendário. Vale conferir:

Agenda dos blocos de carnaVrau 2022 

*#AgendaCarnaval*

HOJE – 22.04

8h – A BandaOnde: ?; 8h – Flor do Reggae – Praça Marechal Âncora, Centro; 9hDocinhos Carinhosos –Praça Marechal Âncora, Centro; 15h30Nova Bad; 16h – Pyranhas do Nilo e Bunytus de Corpo – Rivalzinho, Rua Álvaro Alvim, 33/37, Centro; 18hCarnaval Uptown – Batuke do Batom;
Onde: Shopping Uptown, Av. Ayrton Senna, 5.500, Anil; 19hSuper Bacana – Banca do André, Rua Pedro Lessa, S/N, Cinelândia; 20hCasa Bloco – Sidney Magal, Bangalafumenga, Fogo & Paixão e Charanga Talismã – Clube Monte Líbano, Av. Borges de Medeiros, 701, Lagoa – R$100; 20hSiderais -Onde: ?;
0h – Bloco da Funk´in Rua do Mercado, Praça XV.

AMANHÃ (23.04):

8hA Bandaonde? ; 8h – Flor do Reggae – Praça Marechal Âncora, Centro; 9h Docinhos Carinhosos- Praça Marechal Âncora, Centro;
9h – Bloco Celeste/ Bloco Secreto (local não divulgado); 11h – Escravos da Mauá – em frente Museu MAR; 11h – Pantanal Gostoso Demais (local não divulgado); 14hBiquinis OgodoCurvelo (Santa Teresa); 14hInconfidentes (cortejo aberto) Praça Tiradentes; 14hBlonk (local não divulgado); 15h30 – Nova Bad – Onde?; 16hPlanta na Mente (local não divulgado); 16hPyranhas do Nilo e Bunytus de CorpoRivalzinho, Rua Álvaro Alvim, 33/37, Centro; 18h Carnaval Uptown – Batuke de Batom– Shopping Uptown – Av. Ayrton Senna 5500 – Anil; 19hSuper Bacana – Banca do André, Rua Pedro Lessa, S/N, Cinelândia; 20h–  Casa Bloco – Sidney Magal, Bangalafumenga, Fogo & Paixão e Charanga Talismã – Clube Monte Líbano, Av. Borges de Medeiros, 701, Lagoa –  R$ 100; 20hSiderais – Onde?; Hora? – Bloco das TubasOnde?; 0h – Bloco da Funk’in – Rua do Mercado, Praça XV.
Sertanejo Folia com Thiago Silva e Alexandre – Shopping Boulevard RJ- R. Barão de São Francisco, 236 – Vila Isabel- – terraço – 6º piso. Para inaugurar os eventos em nosso terraço com grande estilo, esse é o evento especial de Carnaval! Gratuito. Para garantir sua vaga na folia, baixe o app Shopping Boulevard RJ, que a partir do dia 14/04 os ingressos começarão a ser disponibilizados na aba Clube Desconteria. Rio Open Air  – Edição de Carnaval

9h30 Mini-seres do Mar – Praça Odilo Costa Filho – Santa Teresa; Bloco Carrossel de emoções – Shopping Boulevard RJR. Barão de São Francisco, 236 – Vila Isabel- terraço – 6º piso. Para inaugurar os eventos em nosso terraço com grande estilo, esse é o evento especial de Carnaval! Gratuito. Para garantir sua vaga na folia, baixe o app Shopping Boulevard RJ, que a partir do dia 14/04 os ingressos começarão a ser disponibilizados na aba Clube Desconteria. Rio Open Air – Edição de Carnaval; 9h – Bloco CelesteSanta Teresa; 10h Marimbondo Não Respeita -Cinelândia, Centro; 11h – Cortejo de Apresentação do Espetáculo A Saga de JorgePraça Mauá; 12h Feijoada Salve São Jorge Bloco Te Vejo Por Dentro… Sou da Radiologia & Banda da Amizade – Maloka Casa Coletiva, Rua Dídimo, 90, Centro – R$ 30;14hBiquinis Ogodo – Largo do Curvelo, Santa Teresa;14h Inconfidentes (Cortejo Aberto) –  Praça Tiradentes, Centro; 15hBloco da Funk´in – Rua do Mercado, Praça XV; 15h – Expulsos da Cozinha – Armazém do Campo, Rua do Resende, esquina com a Mem de Sá;16h Me Toca Que Eu Sou MúsicoShopping Nova América, Av. Pastor Martin Luther King Junior, 126 – Del Castilho; 16hBaile da Ouvidor – Livraria Folha Seca, Rua do Ouvidor, 37, Centro;16h – Planta na Mente – Lapa;17h – Carnaval Uptown – Fogo & Paixão – Shopping Uptown, Av. Ayrton Senna, 5.500, Anil; 19h30 – Shopping Boulevard – Bloco Carrossel de Emoções – Shopping Boulevard, Rua Barão de São Francisco, 236, Vila Isabel; 20h – Casa Bloco – Baby do Brasil, Johnny Hooker, Cortejo Afro, Agytoê, Bloco 442 – Clube Monte Líbano, Av. Borges de Medeiros, 701, Lagoa – R$100; 20hBloco do Ferri Mirante do Valongo, Ladeira Pedro Antonio, 53, Saúde;

Domingo (24.04)

8h – Besame – Largo do Guimarães, Santa Teresa; 8h – Boi Tolo – Largo do Boitolo, Centro; 9hSinfônica AmbulantesNas barcas, ao encontro do Boi Tolo;
9h – Boitatá – Praça XV;12h – Canáriosdo ReinoCais do Valongo;14h Nova América – Céu na TerraShopping Nova América, Av. Pastor Martin Luther King Junior, 126 – Del Castilho; 12h – Piratas Ordinários – Pedra do Sal, R. Argemiro Bulcão, Saúde; 14h Dinossauros NacionaisPedra do Sal, R. Argemiro Bulcão, Saúde; 15h – Bloco da Funk´inRua do Mercado, Praça XV;16h – Carnaval Uptown – Batuke do BatomShopping Uptown, Av. Ayrton Senna, 5.500, Anil;16h – 1º grande Baile Voador (Cordão do Prata Preta, Bloco 442 e Orquestra Voadora)Pérola, Rua Pedro Alves, 319, Santo Cristo – A partir de R$ 10;17h – Traz a CaçambaPedra do Sal, R. Argemiro Bulcão, Saúde;18h – Casa Bloco – Diogo Nogueira, Velha Guarda da Portela, Cacique de Ramos, Leci Brandão  – Clube Monte Líbano, Av. Borges de Medeiros, 701, Lagoa – R$100;19h30 – Shopping Boulevard – Cordão do Bola Preta – Shopping Boulevard, Rua Barão de São Francisco, 236, Vila Isabel; –16h 1º grande Baile Voador (Cordão do Prata Preta e o Bloco 442 com Orquestra Voadora) – no Pérola (Santo Cristo); –15hBaile Tolo(local e horário não divulgado, mas costuma ser em frente ao prédio do Palácio Tiradentes, próximo à Praça XV); 15h Cordão da Bola Preta com Bateria da Vila Isabel – Shopping Boulevard RJ- R. Barão de São Francisco, 236 – Vila Isabel- terraço – 6º piso. Para inaugurar os eventos em nosso terraço com grande estilo, esse é o evento especial de Carnaval! Gratuito. Para garantir sua vaga na folia, baixe o app Shopping Boulevard RJ, que a partir do dia 14/04 os ingressos começarão a ser disponibilizados na aba Clube Desconteria. Rio Open Air  – Edição de Carnaval

RIO SCENARIUM (Rua do Lavradio,20)

Hoje 20hCarnaval com a Bateria da Vila Isabel. R$ 45. Pela Sympla.

Amanhã

12h Samba e Feijoada com Adilson da Vila. R$75. Pela Sympla.

20hCarnaval com a Bateria da Mangueira. R$45. Via Sympla.

Domingo

12h Samba e Feijoada com a Bateria da Beija-Flor e Nando do Cavaco. R$75. Via Sympla.

TERREIRÃO DO SAMBA

HOJE19h – DJ; 20h – Tempero Carioca, Zé Luiz do Império, Matriarcas do Samba e Tia Surica; 22h10 – Banda do Terreirão; 22h40 – Luiz Camilo; 23h10 – Bruno Maia; 23h20 – Zeca do Trambone; 23h30 – Carlos Dafé; 0h – Agita Samba; 1h – DJ; 1h30 – Diogo Nogueira; 3h30 – Pique Novo

AMANHÃ 19h – DJ
20h – Bruno Gama, Mauro Diniz, Juliana Diniz, João Diniz, Marquinho Sathã e Velha Guarda do Império Serrano; 23h30 – Delcio Luiz; 0h – Jorge Aragão; 2h – DJ; 3h – Vou pro Sereno

30/04 –19h – DJ; 20h – Terreiro de Criolo, Didu Nogueira, Pedrinho da Flor e Amanda Amado; 23hPaulinho da Viola e Beatriz Rabelo; 0h30 – DJ; 1h– Lecy Brandão; 2h30 – DJ; 3h30 – Péricles; 5h – DJ

A partir das 19h no Terreirão do Samba – R. Benedito Hipólito, 66, no Centro.  Ingressos: Inteira – R$20/ Meia –R$10

CASABLOCO

Casa Bloco 2022 promove encontros carnavalescos no  Clube Monte Líbano, na Lagoa.

A terceira edição do evento tem show, oficinas, feira de moda e empreendedorismo, desfile e blocos do RJ, MG, BA, PE e PA. Bate-bolas serão homenageados, este ano. Não vai ter desfile de blocos de rua, no Rio, mas a terceira edição do CasaBloco está de volta e é de encontros de manifestações carnavalescas do país, no Clube Monte Líbano, na LAgoa. Haverá atrações como Jorge Aragão, Baby do Brasil, Elba Ramalho e Sidney Magal, encontros, oficinas, feira de moda e de empreendedorismo, desfiles, ações sociais e geração de renda para os profissionais de carnaval. Sem falar da apresentação de blocos do Rio, Bahia, Pernambuco, Minas Gerais e Pará. Programação: HOJE – Dia 22: Sexta Brega: Foyer Cinema – CCBB (Avenida Primeiro de Março, 66): oficinas gratuitas (mediante inscrição: 30 vagas)- Make para Carnaval com Amanda Britto – das 9h30 às 11h30, Customização de Camisetas com Carmem Shirley – das 12h às 14h; Casa Bloco – Clube Monte Líbano (Av. Borges de Medeiros 701): oficina gratuita- Samba no pé com os irmãos Bandeira – das 13h30 às 14h30.A partir das 18h – Feira “A rua é nossa!”:18h – DJ Tata Ogan, 19h – Charanga Talismã, 21h – Dona Onete feat. Bangalafumenga, 23h – Sidney Magal, 1h – Fogo & Paixão; Amanhã Dia 23: Salve Jorge: Casa Bloco – Casa França-Brasil (Rua Visconde de Itaboraí, 78): oficina gratuita (mediante inscrição: 50 vagas), Percussão com o Bloco Cortejo Afro – das 13h30 às 14h30, a partir das 18h – Feira “A rua é nossa!”, 18h – Festa Odara Ôdesce: DJs Lala K & Allana Marques, 20h – Agytoê, 21h30 – Cortejo Afro, 23h – Baby do Brasil, 0h30 – Johnny Hooker, 2h30 – Bloco 442; Dia 24: Domingo de CarnavalA partir das 16h – Feira “A rua é nossa!”, 16h – DJ Cris Panttoja, 18h15 – Samba Queixinho, 19h30 – Velha Guarda da Portela, 21h – Diogo Nogueira, 23h – Cacique de Ramos convida Leci Brandão. Ingressos:http://casabloco.com/ingressos/Inscrições: https://casabloco.com/oficinas/Valores: 1° lote (Inteira – R$ 100 e meia R$ 50) e 2º lote (Inteira – R$ 120 e meia – R$ 60). R$240, passaporte para seis dias.

TELEVISÃO

TV Globo – transmissão do desfile das escolas de samba do Grupo Especial hoje e amanhã, a partir das 22h (ver aqui em Dicas a programação do desfile na seção CARNAVAL)

GLOBOPLAY

Conversa com Bial: vale ver no programa a conversa de Pedro Bial que foi a Minas Gerais entrevistar o escritor, ambientalista e líder Ailton Krenak. Ele recebeu o jornalista perto de sua aldeia, numa ilha do Rio Doce. Eles falaram do desastre de Mariana, em 2015, sobre as ameaças aos povos indígenas e também sobre política e livros.

Fantástico – a entrevista de Martinho da Vila e Zeca Pagodinho  no programa de domingo. Martinho da Vila, 84 anos, que será o enredo da Vila Isabel deste ano, lançou esta semana “Contos sensuais e algo mais”, pela editora Patuá. No livro, ele diz que o saudoso fundador da Banda de Ipanema, Albino Pinheiro, preferia se relacionar com negras. E também que o cartunista Jaguar namorou uma empregada negra e assumiu a relação. Zeca Pagodinho conta no programa que cresceu ouvindo Martinho.

SÉRIES

NETFLIXBoneca Russa: depois de três anos, a série de sucesso – indicada a 13 prêmios Emmy e vencedora de três – está de volta com a segunda temporada. Nos novos episódios, Nadja e o amigo Alan são enviados para explorar seus passados  através de um portal do tempo no metro de Nova York. Parte da série acontece em 1982.

HBO MAX The flight attendant: a primeira temporada da série baseada no romance homônimo de Chris Bohjalian seguiu a comissária de bordo alcoólatra Cassie Bowden (Kaley Cuoco) no centro de uma investigação de assassinato. Já a aguardada segunda temporada tem mistério, mas foca mais na sobriedade de Cassie e não em seus dotes de espiã.

PARAMOUNT+ The First Lady: o foco é em três primeiras damas dos EUA: Michelle Obama, interpretada por Viola Davis; Michelle Pfeiffer vive Betty Ford e Gillian Anderson encarna Eleanor Roosevelt.  Além de seus casamentos famosos, a trama retrata a origem das personagens, suas fragilidades e características mais fortes. Voltando ao passado, mostra a infância, juventude e intimidade dessas três mulheres com seus maridos. Além do elenco de estrelas, a produção se destaca por escoçher três décadas distintas, vindas de contextos sociopolíticos diferentes. Betty, mulher de Gerald Ford (president de 1974 a 1977), defeendia abertamente a iogualdadde de gênero, os direitos dos homossexuais e a legalização do aborto e da maconha. JáMichelle Obama, casada com Barack Obama (presidente entre 2009 e 2017) se dedicou a implementar dietas mais saudáveis nas escolas do país e lutou a favor da educação de meninas a nível global.

GLOBOPLAY Leonardo da Vinci: a produção entra no multiverso das obras famosas do artistas vivido por Aidan Turner. Explora histórias por trás delass e a trama vai contando, aos poucos, segredos e dramas que cercavam este multifacetado mestre do Renascimento. Além de Turner, Freddie Hughmore (The good doctor) atua na série.

STAR+ WU-TANG: An American Saga: ambientada em Nova York nos anos 90, a produção conta a história do grupo de rap Wu-Tang Clan. Além da formação em si, o contexto de seu surgimentop tem importância para o desenrolar dos acontecimentos: tudo acontece durante o auge do consumo de crack e cocaína nos EUA. A série foi criada pelo líder do grupo, Robert Diggs, o RZA.

APPLE TV+Slow horses: na nova série da plataforma, “slow horses” equivale a pangaré, um cavalo em que ninguém apostaria como vencedor de uma corrida. É também um trocadilho interno no MI5 (Serviço de Inteligência Britânico). Ele serve a apelidar os agentes lotados no Slough House.O lugar é uma espécie de ddegredo. Ele recebe aqueles profissionais que derraparam em serviço. Alguns deles, por inépcia. Outros, por pequenas infrações que não justificariam uma expulsão. Uma boa Aventura de eespionagem. A produção é estrelada por Gary Oldman que vive Jack Lamb, o chefe da Slough House. O lugar é um pulgueiro. No escritório deles, localizado no alto de uma escada que range, velhos arquivos se empilham. Eles dividem o espaço com migalhas de comida velha  e cinzeiros cheios de gimbas. A luz é baixa e Lamb encarna um líder da banda desajustados. Fuma muito, cochila no trabalho e é um rabugento militante. Sofre de um desânimo crônico. Até que um rapaz é sequestrado por um grupo de extrema direita. Hassan Ahmed (Antonio Askeel) é descendente de paquistaneses e é da Terceira geração a nascer na Inglaterra. Os raptores prometem decapitá-lo diante das câmeras. O crime mobiliza o MI5 e, por razões que não diremos pois seria spoiler, acaba alcançando o Slough House. Lamb desperta e mostra a energia de um principiante,  o brilho de um agente de primeira linha. Atua ao lado de Diana Taverner (Kristin Scott Thomas) para descobrir o cativeiro.  Há bastante externas em Londres. Há três episódios disponíveis na plataforma. Os inéditos entram toda sexta-feira.

A&ESecrets of Playboy: série documental sobre a vida de Hugh Hefner, fundador da Playboy nos anos 1950, que enxerga o império dele  pelo filtro crítico da era MeToo e Stefan Tetenbaum, que foi mordomo de Hefner entre 1970 e início dos anos 1980, aparece no documentário e ele também assina um livro que acabou de sair  “The dark secrets of Palayboy. No HBO Max, o próprio Hefner faz uma participação no episódio “The smoking jacket”, da série “Curb your enthusiasm”.

FACEBOOK WATCHED – Jada Pinkett Smith lançou esta semana o primeiro episódio de seu talk show, “Red Table Talk”, após o incidente envolvendo seu marido, o ator Will Smith, e o humorista Chris Rock na cerimônia da 94a edição do Oscar, no mês passado. O ator foi banido da premiação por dez anos, embora possa concorrer,  após dar um tapa em Rock porque o comediante fez uma piada com a falta de cabelos de Jada, portadora de alopecia, doença que provoca calvície. O talk show voltou à quinta temporada, com Jada À mesa com sua filha, Willow Smith; dua mãe, Adrienne Banfield-Norris; e sua convidada, a cantora Janelle Monáe. A atriz ainda não falou publicamente sobre a questão e o programa abre com a seguinte mensagem: “Considerando tudo o que aconteceu nas últimas semanas, a família Smith tem se concentrado na cura profunda”.

GLOBOPLAY

Chegou o carnaval: documentário que estreou no canal na segunda-feira, Chegou o carnaval . Dirigido por Daniel Botelho, João Mariano, Pedro Umberto e Sandro Arieta, o filme fala sobre o hiato de dois anos sem desfiles, e sobre como as escolas se tornaram pontos de apoio em suas comunidades durante a pandemia. A maioria dos trabalhadores envolvidos com o carnival passou dificuldades, pois não tiveram apoio. O doc traz depoimentos de quem conhece o assunto como o historiador Luiz Antônio Simas e o comentarista Milton Cunha, e de geente das escolas como a porta-bandeira Selminha Sorriso. Ela manteve seu projeto social na Beija-Flor onde ensina sobre a Avenida para criançass. Emu ma das cenass, Casagrande, mestre de bateria da Unidos da Tijuca, dirige seu táxi pelas ruas do Centro e conta como se vira fora da folia.

Desalma – na quinta-feira chega no canal a segunda temporada da série, agora com a participação de Fábio Assunção que encarna um sujeiro immortal. No drama sobrenatural criado e escrito por Ana Paula Maia e com direção artística de Carlos Manga Jr., o personagem Traian Troader é um bruxo de origem romena que atravessou alguns ´seculos – transmutando-se emu ma figura animalesca -, e que agora busca Haia (Cassia Kiss) para um acerto de contas. É alguém que soffere o processo erosive de 300 anos ou mais e que perde as referências, caindo numa espécie de niilismo. Ele vive uma morte em vida e é expreesão do estado de desalma

PRIME VIDEO DA AMAZON

Wolf like me: a série mistura romance com drama e já é uma das mais vistas no ranking da plataforma. São seis episódios de meia hora e a trama é ambientada em Adelaide, na Austrália, concentrando- se em três personagens. Gary ( Josh Gad) é um viúvo que cria sozinho a filha de 11 anos, Emma (Ariel Donoghue). A menina é pré-adolescente e não se abre com o pai, além de tratá-lo com a agressividade típica da idade. Ela sofree de crises de ansiedade e ele se desdobra para protegê-la. Um dia, a caminho da escola, eles sofrem um acidente. O carro que os acerta é conduzido por Mary (Isla Fisher), uma psicóloga que, como Gary, veio dos EUA. Esse encontro mudará a vida do trio. É uma daquelas histórias comoventes com alguma densidade. As personagens sçao figiras coreretas, mas emocionalmente complicadas. A segunda temporada já foi anunciada.

Sentença: Heloísa (Camila Morgado) é uma advogada idealista que acredita que qualquer pessoa tem direito a defesa, não importando a gravidade do crime cometido. Mas seus valores são desafiados quando ela se torna a advogada de uma mulher que teria cometido um crime bárbaro. Pedro Caetano é um ex-policial e gay e deixou a corporação porque sofreu inúmeros episódios de homofobia. Encontrou no Direito uma forma de lutar pelas minorias. Ele trabalha com Heloísa (personagem de Camila). A trama abre em Paraisópolis (comunidade paulistana, próxima ao Morumbi), ao som de um funk. Drones mostram uma moça dançando numa laje. A cena é interrompida por um crime violento que vai determinar o desenrolar de parte do enredo. Heloísa, casada com Pedro (Fernando Alves Pinto), vem deuma família rica e sofre com uma tragédia envolvendo sua mãe e o sistema prisional. Ela tem um filho adotivo (Vicyor Hugo Martins). Drama, ação e suspense. A história fala de feminismo, racismo, crítica ao sistema judiciário. Boa série.

FILMES

YOUTUBE

 Bumbum paticumbum prugurundum – 40 anos exaltando gente bamba – documentário lançado esta semana, foi realizado pelo Arquivo Geral da Cidade,  dirigido pelo cantor, compositor e jornalista Pedro Paulo Malta e conta histórias curiosas sobre o samba histórico da Império Serrano (de Beto Sem Braço e Aluísio Machado), de 1982, último ano em que ganhou o concurso depois de nove campeonatos. A escola – uma das favoritas este ano para voltar ao Grupo Especial- foi várias vezes rebaixada para o grupo de acesso onde desfilou na madrugada desta sexta-feira. A escola da Serrinha – cujo último campeonato vitorioso foi com o enredo “Bum bum praticumbum prugurundum” e desfilou neste carnaval 2022 na madrugada de ontem no Sambódromo no Grupo de Acesso, com a esperança de retornar ao Grupo Especial em 2023 já que seu enredo deste ano é “Mangangá”, assinado por Leandro Vieira, o carnavalesco da Mangueira, uma homenagem a Manoel Henrique Pereira, o Besouro Mangangá, um capoeirista baiano que entrou para a nossa história e que, segundo a lenda, tinha o corpo fechado e protegido pelos orixás. Quando ele estava numa emboscada, numa enrascada, onde ele não conseguia se salvar, ele se transformava num inseto preto e saia voando. Carcaça preta, dura, resistente, como canta o samba da Império.

Nos cinemas

Flee: nenhum lugar para chamar de larAmin é um homem eternamente em fuga. Afegão, teve que sair de seu país junto com a família pelo avanço dos Talibãs. Homossexual, foi escondendo das pessoas próximas sua identidade para evitar rejeições. Refugiado em Moscou, lidou com a corrupção policial para não ser enviado de volta. Enfim aceito na Dinamarca, m entoiiu sobre sua história porque aprendeu ao longo da vida que mentir era a única saída possível para um refugiado afegão gay. Foi apenas ao dar entrevista a um filme que Amin encontrou seu espaço e aceitou quem é. Além, de todas as qualidades técnicas, o filme ajuda seu protagonista a terminar uma etapa de vida. O diretor dinamarquês Jonas Poher Rasmunsen entrevista o amigo Amin (o nome foi trocado para preservar sua identidade) e reproduz suas histórias. Redes Espaço Itaú, UCI, Cinesystem, Cinemark e Estação.

CINEMATECA DO MAM

Para homenagear o fundador da locadora Polytheama, Julio Cesar de Miranda, começa em abril na Cinemateca do MAM uma grande mostra, com sessões online e presenciais, de seus filmes favoritos. A locadora Polytheama, em Copacabana, foi um dos tesouros cinematográficos do Rio de Janeiro. Nos anos 1980 e 1990, ela foi essencial na formação de cineastas, críticos, pesquisadores, professores e apaixonados por cinema, e é citada no filme “Separações”, de Domingos de Oliveira. Hernani Heffner, gerente da Cinemateca, fala sobre o homenageado: “Júlio Cesar de Miranda encarnou como poucos a condição de cinéfilo na cena carioca. Foi o mais entusiasmado, vibrante, ativo e mobilizador agente cultural pró-cinema que conheci, não só porque manteve a chama histórica da cinefilia – o amor incondicional a todo o cinema, sem distinções, ainda que com acerbas e apaixonadas discussões – mas porque soube adaptá-la como ninguém aos novos tempos de home-movies (VHS, DVD), canais a cabo e streamings. Julio conseguiu: passar o amor que ele tinha pelo cinema para todos a sua volta”. Na mostra online (até 30 de abril), estão filmes dos diretores Carlos Diegues, Joaquim Pedro de Andrade, Ruy Guerra, Julio Bressane, Eryk Rocha, Silvio Tendler, entre outros. Nas sessões presenciais estão produções de Alain Resnais, Federico Fellini, Jia Zhangke, John Ford. Todas as exibições são gratuitas. Completam o evento três debates no YouTube e Facebook do MAM Rio.

PROGRAMAÇÃO

CINEMATECA ONLINE
Programação gratuita em www.vimeo.com/channels/cinematecadomam

SEX 22 – DOM 24 ABRSeparações de Domingos Oliveira. Brasil, 2003. Com Domingos Oliveira e Priscilla Rosenbaum. 117’;  SEG 25 – QUA 27 ABR- Nas asas da Pan AM de Silvio Tendler. Brasil, 2020. Documentário. 110’; QUI 28 – SÁB 30 ABRCrônica de um industrial de Luiz Rosemberg Filho. Brasil, 1978. Com Renato Coutinho, Ana Maria Miranda, Wilson Grey, Kátia Grumberg. 87’.

PROGRAMAÇÃO PRESENCIAL NO AUDITÓRIO COSME ALVES NETTO: Ingressos gratuitos em www.mam.rio/ingressos.

SEX 29 ABR . 18h30 –  Plataforma (Zhantai) de Jia Zhangke. Hong Kong, China, Japão e França, 2000,  Com Hongwei Wang, Zhao Tao, e Jilgdong Liang. 154’. Legendas em português. Exibição em MP4(h264), 14 anos;  SÁB 30 ABR . 15h- Rastros de ódio (The Searchers) de John Ford. Estados Unidos, 1956. Com John Wayne, Jeffrey Hunter, Vera Miles, Ward Bond e Natalie Wood. 119’. Legendas em português. Exibição em MP4(h264). Classificação indicativa 12 anos;

SÁB 30 ABR . 17h – Roma de Fellini (Roma) de Federico Fellini. Itália e França, 1971. Com Peter Gonzales Falcon, Fiona Florence e Marne Maitland. 119’. Legendas em português. Exibição em MP4(h264), classificação indicativa 12 anos; DOM 1 MAIO . 15hO ano passado em Marienbad (L’Année dernière à Marienbad) de Alain Resnais. França e Itália, 1960. Com Giorgio Albertazzi, Delphine Seyrig, Sacha Pitoëff. 93. Legendas em português. Exibição em MP4(h264). Classificação indicativa 12 anos; DOM 1 MAIO – 17h – Por que você não vai brincar no inferno (Jigoku de naze warui) de Sion Sono. Japão, 2013. Com Shinichi Tsutsumi, Jun Kunimura, Fumi Nikaidô. Legendas em português. Exibição em MP4(h264). Classificação indicativa 16 anos.

Filmes do Oscar que podem ser vistos na TV:

PRIME VIDEO Melhor filme: Melhor ator coadjuvante: Troy Kotsur; Melhor roteiro adaptado:“No ritmo do coração”.

 NETFLIX Melhor diretor: Jane Campion, “”Ataque dos cães”.

HBO MAXMelhor  melhor ator: Will Smith, “King Richard: Criando campeãs”; melhor fotografia, melhor montagem, melhor design de produção, melhor som, melhores efeitos especiais, melhor trilha sonora original: “Duna”.

DISNEY+Melhor animação: “Encanto”; melhor figurino :”Cruella”.

GOOGLE PLAY – “No Time to Die”, Billie Eilish e Finneas O’Connell (“007 – Sem tempo para morrer”) –melhor canção original.

TELECINE PLUS e nos cinemas – melhor documentário:”Summer of Soul”.

NOS CINEMAS

O Traidor com sequências filmadas no Rio de Janeiro, o filme sobre o mafioso Tommaso Buscetta que, preso no Brasil depois de fugir da Itália, fez acordo de delação, mas se recusa a aceitar o rótulo de delator de seus companheiros de crime. O thriller dirigido pelo veterano Marco Bellochio traça um retrato humano do criminoso italiano, dono de uma ficha corrida que inclui assassinatos, tráfico de drogas e fugas da Justiça de seu país. Buscetta (Pierfrancesco Favino) fugiu para o Brasil nos anos 1970, onde conheceu sua terceira mulher, a advogada Cristina (Maria Fernanda Cândido). Capturado e extraditado, enfrentada um longo julgamento na Itália e o filme também explora a relação do criminoso com o juiz Giovanni Falcone (Fausto Russo Alesi), com quem firmara um acordo de delação. Buscetta morreu em Miami.

PALESTRAS

Em celebração ao centenário Semana de Arte Moderna de 1922, a Academia Brasileira de Letras promove às quintas-feiras até 28 de abril, o ciclo gratuito de palestras “Brasil Moderno”, às 17h30, no Teatro R. Magalhães Jr, na sede da ABL, com transmissão pelo site e pelo canal YouTube da instituição e coordenada pelo poeta Geraldo Carneiro e o advogado e educador Joaquim Falcão. Dia 28/4, acontece a última palestra com o músico e ensaísta José Miguel Wisnik, com a palestra “Mario e Oswald – É tudo para hoje”. Semanalmente, o site da ABL disponibilizará um link de inscrição para os interessados em assistir às palestras presencialmente.

LIVROS 

PRÊMIO JABUTI

A filósofa Sueli Carneiro, uma das principais teóricas do feminismo negro no Brasil, será a personalidade literária no ano da 64ª edição do Prêmio Jabuti. É a primeira vez que uma autoria de não ficção será homenageada pelo Jabuti, que é concedido pela Câmara Brasileira do Livro (CBL). A entrega do prêmio volta a ocorrer presencialmente em novembro, e a festa será transmitida on-line. A CBL anunciou mudança em duas categorias: “Biografia, Documentário e Reportagem” foi renomeada “Biografia e Reportagem”, e “Ciências Humanas” passa a considerar também obras de crítica literária. O Jabuti tem quatro eixos (Literatura, Não Ficção, Produção Editorial e Inovação) e 20n categorias. Os vencedores das categorias dos eixos Literatura e Não Ficção concorrem ao Livro do Ano cujo  prêmio é de R$100 mil. As inscrições do Prêmio Jabuti se estendem até 18h do dia 26 de maio. Para homenagear o Centenário da Semana de Arte Moderna de 1922 foram convidados cinco grafiteiros, de todas as regiões do país, para repaginar a identidade visual do prêmio. São eles: o amazonense Raí, a cearense Tereza de Quinta, o mato-grossense Rafael Jonnier, o paulista Ciro Schumman e o gaúcho Marcelo Pax.

A infância do Brasil (Nemo, R$69,80) – José Aguiar. O Brasil não para amadores e também não é um lugar fácil para crianças. Este é o mote da história em quadrinhos do livro deste autor que traça paralelos entre várias épocas a partir de momentos pontuais na vida de crianças. Indo da colonização até o presente, a HQ instiga a uma reflexão sobre o que foi superado e o que insiste em permanecer errado em nossa sociedade. O autor é colaborador diário do Segundo Caderno de O Globo com a tirinha “Nada com alguma coisa”. Obra finalista do Prêmio Jabuti e vencedora dos prêmios Le Blac, Minuano e Homix, o título de 20178 ganha agora pela Nemo uma nova edição ampliada com prefácio da historiadora Mary Del Priore e um rico conteúdo extra. Além de acrescentar contexto histórico ao gibi, as páginas mostram um pouco da extensa pesquisa e do processo criativo de Aguiar que combina um traço preciso com a variedade de tons em seus painéis. Os relatos se estendem por toda a História do Brasil desde 1600, quando a posse de menores indígenas era disputada entre colonizadores e jesuítas, passando pela época da escravidão, em que crianças negras eram objetos pessoais dos donos de seus pais, até o século XX, quando descendentes dessas populações se tornam meninos de rua.

O inventário do azul (Alfaguara, R$69,90) – João Anzanello Carrascoza.  Com capítulos curtos que se confundem com crônicas e poesias, romance alterna passado e presente e remete a Fernando Pessoa. O protagonista sem nome revela-se, esmagado por suas dores, simbolizadas pela cor azul quando diz: “Porque o azul do céu não nos protege de dor alguma. Porque o azul do céu nos esmaga com sua arrogante imensidão”. A pandemia é talvez a única relação da trama com o contexto social.

Elogio à solidão (Gryphus, R$54,90) – Stephen Batchelor. Escrito ao longo de cinco anos, o livro aborda a solidão como um modo de vida. Para o autor, o tema é complexo demais para se limitar a uma única definição – como o lado sombrio de ficar só, que é recorrentemente falado. Passar temporadas em lugares remotos, apreciar ou trabalhar com arte, praticar meditação e treinar a mente para se manter aberta e questionadora são tópicos abordados pelo autor, estudioso do budismo.

A corrida para salvar os Románov (Objetiva, R&94,90) – a partir de uma pesquisa sobre diferentes planos para resgatar a família imperial russa de execução após a vitória comunista na Revolução de 1917, a historiadora revela tramas secretas, rivalidades e traições nos bastidores da política europeia. Russos leais ao czar Nicolau II, outras nações e parentes da família real estão entre os personagens das intrincadas tentativas de salvar os Romanov.

Contos sensuais e algo mais (Patuá, R$45) – Martinho da Vila. O primeiro livro de contos do cantor e compositor, que já publicou ensaios, romance e crônicas, traz histórias de amor, separação e traições, além de relatos autobiográficos, lembranças de artistas com quem o autor conviveu e observações críticas sobre a realidade.

Sabor: minha vida através da comida (Intrínseca, R$69,90) – Stanley Tucci. Usando o humor como um ingrediente constante, o ator e diretor americano rememora histórias que têm a comida como ponto em comum e vão de um jantar com Marcello Mastroianni a uma aventura gastronômica com Meryl Streep na França, passando pela cena gay nova-iorquina nos anos 1980 e até pelo problema de saúde que descobriu, em 2017, quando sua relação com a mesa ficou ameaçada.

Vidas rebeldes, belos experimentos (Floresta, R$89,90) – SaidiyaHartman. O lado pop da escritora fez com que aparecesse em clipe de Jay-Z. Ela se interessa pela política que não se organiza ao redor de líderes carismáticos e por saberes subjugados. Isso ela retrata em livro a partir de jovens que viveram entre 1890 e 1935. Com base em arquivos de reformatórios, transcrições de julgamentos, relatórios de assistentes sociais, registro de cobradores de aluguel e fotografias, a autora reconstitui a vida de mulheres jovens nos guetos negros de Nova York e da Filadélfia entre 1890 e 1935. A pensadora as chama de “pensadoras radicais “ e “modernistas sexuais”. Elas recusaram a existência subalternizada a que estavam destinadas ao perseguir o próprio prazer e experimentar o amor livre, as relações homossexuais e a maternidade solo. No ano passado, a Fósforo editou “O fim da supremacia branca” da autora e a Bazar do Tempo publicou “Perder a mãe”, investigação original sobre consequências do comércio de pessoas escravizadas. A autora comenta que que a atitude das personagens deste livro ecoa nos protestos recentes contra o racismo e a violência policial.

Motivos e razões para matar e morrer (Companhia das Letras, R$74,90) – Reginaldo Prandi é professor da USP e filho de Oxaguiã e autor de vários títulos sobre as religiões afro-brasileiras como “Herdeiras do axé” e “Segredos guardados”. Ele evoca neste livro a ambiência da metade do século XX para, em meio a conflitos familiares, intrigas religiosas e amores juvenis, tratar do avanço da tecnologia, do risco de perder as raízes e, ao mesmo tempo, da importância de mudar. No final da década de 1950, uma cidadezinha do interior do Brasil é surpreendida por uma série de assassinatos, suicídios e mortes suspeitas. Até então, o sossegado município enfrentara apenas crimes perpetrados por ladrões de galinhas.vA solução de casos de mortes tão diversos quanto os artigos vendidos nos dois armazéns de secos e molhados da cidade vai depender das relações pessoais, das fofocas e da curiosidade sobre a vida alheia, que dão sabor e sentido ao dia a dia dos moradores.cReginaldo Prandi evoca toda a ambiência da metade do século XX para, em meio a conflitos familiares, intrigas religiosas e amores juvenis, tratar do avanço da tecnologia, do risco que se corre de perder as raízes e, ao mesmo tempo, da importância de mudar.

GASTRONOMIA

Há novos sabores na cidade:

Casa do Saulo – com sabores amazônicos, o restaurante às margens do Rio Tapajós foi inaugurado no Rio, no Museu do Amanhã. A cozinha tocada por Saulo Jennings conta com ingredientes amazônicos produzidos por comunidades rurais de Santarém. O Mix Tapajônico (R$45,90) é uma tábua de petiscos com dadinho de tapioca e geleia apimentada de cupuaçu, bolinho de piracuí com maionese de pirarucu defumada e isca de peixe com geleia de açaí e bacon. Como belisco ta,mbém tem linguiça de pirarucu com jambu (R$49,90), que deixa a língua formigando devido ao efeito da erva típica. Como pratos individuais  há opções como o Paraíso Verde (pirarucu com bacon, melaço de tucuoi e homus de feijão-santarém, R$75,90) e a Feijoqueca (pirarucu e camarão rosa no molho de moqueca com cumaru, feijão-santarém, banana-da-terra e crispy de jambu, R$89,90). Museu do Amanhã. Praça Mauá 1, Centro – 3812-1800. Terça a domingo, do meio-dia às 18h.

The View – a vista para o mar faz juz ao nome do restaurante no 30º andar do Hotel Nacional, em São Conrado. O italiano Samuele Oliva (ex-Terraço Itália e ex-Casa Camolese) comanda a cozinha com pratos que fundem a culinária espanhola, árabe, portuguesa, brasileira, francesa, italiana e mediterrânea. Opções para pratos principais: risoto de frutos do mar com sorbet de alcachofra (R$83), o espaguete com camarões ao perfume de limão (R$78) e o miolo de chorizo grelhado com batatas ao murro, aspargos, crocante de bacomn e espuma de menta (R$119). Hotel Nacional. Avenida Niemeyer 769, São Conrado – 96855-1818. Segunda a quinta-feira, das 17h à meia-noite. Sábado e domingo, do meio-dia às 16h e das 20h à meia-noite.

Bottega Gastrobar – Rua Visconde de Caravelas 121 – Botafogo – 99644-0701. Terça à quinta-feira, das 11h30 às 16h e das 18h à meia-noite. Sexta e sábado, das 11h30 à1h. Domingo, das 11h30 à meia-noite. O restaurante que ocupa um endereço na Rua Paissandu, no Flamengo, também agora também marca presença em Botafogo. A filial, inaugurada na semana passada, está instalada numa cassa de dois andares e varanda. O cardápio da chefe Sol Mass é de cozinha mediterrânea como peixe grelhado com espuma de inhame (R$52,90) e filé de frango crocante com risoto de limão siciliano (R$48,90). Na carta de drinques, criações como Sardenha (gim, toque de azeite trufado, vermute tinto, Aperol, calda de mirtilo e manjericão roxo, R$36)

Casa Tua – Av. Érico Veríssimo 190, Barra – 3030-0010. Terça à quinta-feira do meio-dia Às 15h e das 19h à 0h30. Sexta-feira, do meio-dia. Às 16h e das 19h à 1h30. Sábado, do meio-dia à 1h30. Domingo do meio-dia às 17h. Oferece clássicos italianos e criações autorais. Tortelli recheado com carne de vitelo braseado e molho de cogumelos (R$94) e o lombo de cordeiro em crosta de cogumelos ao molho de vinho tinto, com risoto de ervass (R$182). Casa Tua Forneria – abre ainda este mês no mesmo imóvel, com pizzas e sanduíches.

Bistrogo – ocupa o local onde funcionou o Empório Santa Fé, ao lado do antigo edifício da Manchete – Praia do Flamengo 2- Flamengo -99343-4442. Segunda e terça-feira, do meio-dia Às 17h. Quarta-feira a domingo, do meio-dia a 1h. O chef Jimmy McManis (conhecido como Jimmy Ogro) dedica o restaurante à carne suína. Ceviche de mignon suíno assaddo com batata chips (R$42), moqueca de porco com farofa e arroz (R$54) e o “porca u vin” (R$54), com purê de batata e alho assado. A casa, que também serve hambúrgueres=, massas e risotos, ocupa o local onde funcionou o Empório Santa Fé, ao lado do antigo Edifício Manchete.

Porco amigo bar – Rua Conde de Bernadotte 26, Leblon – 3012-1621. Terça-feira a sábado, do meio-dia à 1h30. Domingo, do meio-dia às 22h. O bar de sucesso em Botafogo abriu sua primeira filial no Leblon. Aperitivos criativos estão no menu como a coxinha de leitçao com creme de queijo defumado (R$9,50), a empada de bobó de porco com queijo cremoso (R$9,50) e o bolinho de arroiz com linguiça suína, queijo meia cura e aioli de alho assado (R$9,50). Opções generosas: bochechas lusitanas com legumes grelhados (R$56) e a costela de porco preto com farofa, vinagrete, batatas e legumes assados (R$89).

Tio Ruy – Av. Olegário Maciel 231, Barra- 97679-1067. Domingo a terça-feira, do meio-dia à meia-noite. Quarta, do meio-dia à 1h. Quinta, do meio-dia às 2h. Sexta e sábado, do meio-dia às 3h.Com bares na Gávea (Planetário) e na Barra (UpTown), a cervejaria completa cinco anos com novo endereço, com mesas na calçada que já virou ppoint na Olegário Maciel. Às terça, são servidos chopes artesanais em dobro – os copos custam a partir de R$8,50 (ou R$4,25 na promoção). Em conta pata comer: palitos de queijo coalho com mel (R$26) e as tábuas com linguiça, carne e frango, com farofa e molho à campanha (R$96). No almoço de segunda À sexta-feira, pratos executivos a partir de R$25,90.

Bibilab – Rua Santa Clara 33, Copacabana. Diariamente, das 8h30 à meia-noite. É um laboratório gastronômico da Bibi Sucos. Em teste, sanduíches como o Crok Fish (R$45,90), com peixe xrox=cante, aioli, legumes acidulados e couve frita, eo Choripan (R$34,90), com linguiça de pernil, salsa de tomate, picles de cebola roxa e aioli.

EXPOSIÇÕES

SÃO PAULO

Beyond Van Goghuma mostra interativa sobre o pintor pós-impressionista que vendeu apenas um quadro em vida, foi inaugurada no topo do MorumbiShopping, em São Paulo e vendeu 40 mil ingressos antecipados – com preços que variam de R$70 a R$110.  Beyon Van Gogh não é uma exposição: não há pinturas originais do artista, mas uma série de exibições ao longo de pouco mais de 30 minutos sobre a prede e o chão da área expositiva de 2 mil m2. Em uma antessala os visitantes acostumam os olhos com o show de luzes. No show, 40 projetores a laser exibem elementos de 300 obras do pintor holandês desde o início da carreira como “O comedor de batatas (1885) até o afamado “Os girassóis” (1888). Há dois pontos altos: a exibição de “Amendoeira em flor” (1890) quando brotam peças que se movimentam como se bailassem ao vento e a reprodução de “A noite estrelada” (1889), momento em que a sala é escurecida e ganha tons azuis e amarelos, até a formação da pintura. Em julho, a mostra segue para Brasília.

“Adriana Varejão: suturas, fissuras, ruínas”: a artista plástica, apaixonada por Mário de Andrade, se espantou com uma coincidência ao ler o recém-lançado “O modernismo como movimento cultural”, de André Botelho e Maurício Hoelz. Em sua primeira viagem a Ouro Preto, em 1919, Mário proferiu a conferência “A arte religiosa no Brasil” na Igreja Matriz de Santa Efigênia que foi a primeira igreja que a Adriana visitou em périplo pelas cidades históricas mineiras, em 1986. Lá, ela teve uma “epifania”. Desde então a a arte barroca que ajudou os modernistas a descobrir o Brasil influencia o trabalho da carioca. A exposição está na Pinacoteca de São Paulo, a partir de amanhã, com 60 trabalhos em sete salas e no octógono central do museu. Produzidas entre 1985 e 2022, as obras representam as principais séries da artista, como “Terra incógnita”, “Saunas e banhos” e “Azulejões”, além de duas recém-saídas do ateliê: “Moedor” e “Ruína 22”.

Marc Chagall (1887–1985)– na exposição “Marc Chagall: sonho de amor” serão exibidas 186 obras do pintor russo naturalizado francês que viveu 98 anos e enfrentou duas guerras mundiais, a pandemia da gripe espanhola e êxodos causados por perseguições políticas e religiosas. Ele fugiu da Rússia para Paris e depois emigrou para os EUA fugindo do nazismo. Dividida em quatro seções, a mostra – que depois passará por Brasília, Belo Horizonte e São Paulo – abrange os principais temas de sua produção, como as memórias da infância na Vitebsk natal, a religião e espiritualidade, a relação com a escrita, e as célebres representações do amor, com os casais que parecem flutuar no espaço. A exposição traz obras de coleções de várias partes do mundo (“O vendedor de gado” do Masp; “O violinista apaixonado” (1967) e “Cidade cinzenta” (1964), da Coleção Nemirovsky, em comodato com a Pinacoteca do Estado de São Paulo. CCBB – Rua Primeiro de Março 66- Centro (3808-2020). De 4ª a sábado, das 9 às 21h. Dom, de 9h às 20h. Até 6 de junho. Grátis.

RIO DE JANEIRO

Van Gogh e seus Contemporâneos – desde quarta-feira o  projeto ocupa a Casa França-Brasil, com projeções de 360º e uma hora de duração. A mostra multimídia, é Van Gogh e seus Contemporâneos – Exposição Imersiva. A exposição oferece aos visitantes uma experiência sensorial pela a obra e a vida do pintor holandês, um dos principais nomes da arte do século 19. Além disso, a exibição contará com um acervo digital com projeções em 360° e trilha sonora original, permitindo viver dentro das pinturas de Van Gogh. Com uma narrativa de 60 minutos, o conteúdo envolve o público a partir da trajetória humana e artística do pintor, além de promover um passeio pelas criações de outros grandes nomes que se relacionam com sua obra, como Cézanne, Gauguin, Toulouse-Lautrec, Soutine Modigliani. Na entrada da exposição, o público acessa um espaço onde estará reproduzido o quarto de Van Gogh, retratado em um de seus mais famosos quadros, “Quarto em Arles”. Os visitantes terão a oportunidade de aprofundar-se na história melancólica do artista, textos explicativos e uma linha do tempo da vida de Van Gogh foi gerada e contada através de suas pinturas. Dentro dos ambientes, o público irá imergir em imagens de grandes dimensões, formadas por múltiplos projetores através de um sistema que adapta as telas ao espaço expositivo e garante a sensação de estar dentro das telas do pintor, um dos mais famosos e queridos do mundo. De acordo com Luiza Mello, diretora geral da empresa que desenvolveu a tecnologia digital Matrix Dimension para o projeto, Automática, o plano da exposição é uma democratização da arte, para todos os tipos de público, oferecendo o espaço a quem desejar visitar e apreciar as obras do pintor holandês e outros. Até 5 de junho de 2022; de terça a domingo, das 10h às 18h na Casa França-Brasil – Rua Visconde de Itaboraí 78, Centro, Rio de Janeiro. Ingressos: terças e quartas: entrada gratuita. Quinta a domingo, R$ 20 (inteira), R$ 10 (meia) e gratuidades previstas em lei. Site:eventim.com.br/vangogh. A partir de domingo (dia 10/4), começará a venda ingressos para novos horários da exposição que segue até 5 de junho. Os 38 mil ingressos disponibilizados inicialmente estão esgotados.

Monet à beira-d’água – para estar frente a frente com algumas das obras mais conhecidas do Claude Monet (1840- 1926), maior nome do impressionismo, é preciso visitar museus europeus. A proposta deste espetáculo que acontece, amanhã, no Boulevard Olímpico, na Gamboa, é colocar o espectador praticamente dentro das séries célebres como  as pinturas da estação Saint –Lazare(1877) e suas inconfundíveis Ninfeias (1895-1926). A mostra, que usa 40 projetores em uma tenda de 2mil m2 e 15 m de altura, construída especialmente para o evento, cria uma narrativa animada entre 285 obras de Monet, num circuito de pouco mais de uma hora, o que faz dela a maior em duração entre as exposições multimídias do artista francês pelo mundo.  Realizado em parceria com o MAR – que também exibirá conteúdos relacionados no térreo e no quarto andar. Rua Venezuela 194, Boulevard Olímpico, Gamboa. Ter e qua (12h às 17h30); qui a dom (10 Às 17h30). Abertura amanhã. Até 12/6. R$40 de ter a qui; e R$70 de sex a dom. pelo www.ingressorapido.com ou na bilheteria do MAR. Duração 65 minutos. Livre.

Movimento Armorial 50 anos – CCBB. Foi aberta quarta-feira a mostra comemorativa dos 50 anos (atrasada devido à pandemia) da iniciativa dramaturgo, poeta, ensaísta e artista visual Ariano Suassuna (1927-2014), em 1970, o Movimento Armorial propôs o cruzamento entre o erudito e a cultura popular a partir de uma produção genuinamente brasileira, que abarcasse diferentes práticas, como a música, o teatro, a dança, a literatura e as artes visuais. É uma síntese das 140 obras com nomes como Francisco Brennand, Gilvan Samico, Miguel dos Santos, J. Borges, Fernando Lopes da Paz e o próprio Suassuna (que foi Secretário de Educação de PE na década de 1979). Com curadoria de Denise Mattar e consultoria do artista visual Manuel Dantas Suassuna (filho de Ariano) e de Carlos Newton Júnior, professor da Universidade Federal de Pernambuco, a exposição inclui peças do acervo da UFPE que saíram de Pernambuco pela primeira vez. Terá também uma programação musical e seminários entre 31 de maio e 13 de junhop (quando Suassuna completaria 95 anos), com curadoria do músico e maestro Antônio Madureira, integrante do Quinteto Armorial. O figurino do longa “A Compadecida” (1969), primeira adaptação para o cinema de “Auto da Compadecida” (1955) de Suassuna, criado por Brennand, também será recriado. A mostra é dividida em quatro seções, incluindo duas fases do movimento, uma dedicada à vida e obra de Suassuna e outra voltada às referências que definiram a estética armorial. Nesta última se destaca o universo de cordel, uma das maiores influências do dramaturgo. CCBB – Rua Primeiro de Março 66, Centro (3808-2020). De quarta à sábado, das 9h às 21h. Domingo, das 9h às 20h. Até 6 de junho. Grátis, mediante agendamento pelo site Eventim. Livre.

 “Sonhos de Fellini” – a exposição com a coleção de fotos, cartazes dos filmes e desenhos que Fellini fazia sobre seus sonhosmostra o outro lado do cineasta italiano. Esses desenhos depois se tornavam caricaturas e eram muitas vezes aproveitados para criação dos personagens de seus filmes posteriormente. A Exposição acontecerá no espaço anexo do cinema chamado de Estação/Cavideo. Ficará em cartaz até 25 de julho. Funcionará todos os dias da semana das 14h às 21h de forma gratuita. Com curadoria de Cavi Borges e Fabricio Duque. A exposição está dividida em seis partes: “Fellini com Giulietta Massina”; “Filmes de Fellini”, “Desenhos de Fellini”, “Fellini sendo Fellini”, “Fellini na Cahiers du Cinéma” e “Desenhos Pornográficos de Fellini”. “Sonhos de Fellini”, que comemora o centenário do realizador acontecido em 2020 (e postergada por causa da pandemia), busca trazer a sensação, visto que os desenhos de Federico podem (e devem) ser interpretados como prenúncios criativos de seus filmes.

Terra em tempos: fotografias do Brasil – mostra de fotografias e, entre os autores estão Sebastião Salgado, Claudia Andujar, Marc Ferrez e Pierre Verger. São 270 imagens de 120 artistas que participam da mostra, no Museu de Arte Moderna (MAM – Aterro do Flamengo – 3883-5600) com 270 imagens produzidas entre 1860 até os dias de hoje. Da seleção, 206 fotos vêm da coleção de Joaquim Paiva, e as demais de outros acervos da instituição: do conjunto do próprio museu e da Coleção Chateaubriand. Quinta e sexta-feira, das 13h às 18h. Sábado, domingo e feriados, das 10h às 18h. R$20. Até 17 de julho.

A casa é sua: migração e hos(ti)pitalidade fora do lugar: na Praça Quinze, local de entrada e saída de estrangeiros do Tio ao longo da História, o Paço Imperial abriga essa exposição  com 42 obras de artistas de diferentes lugares, como Líbano, Alemanha, Palestina, Espanha e Reino Unido, incluindo brasileiros, como Laura Lima, Arjan Martins e o coletivo Opavivará. São pinturas, esculturas, vídeos, fotos e um site-specific que versam sobre questões como a relação hóspede-anfitrião e a crise migratória. Quarta a domingo, das 122h às 17h. Grátis. Até 26 de junho.

Zeitgeisttermo alemão que significa “espírito da época” ou “o sinal dos tempos” e é o nome da exposição individual do pintor carioca Gonçalo Ivo, em cartaz no Paço Imperial. Filho do poeta e imortal Ledo Ivo (1924- 2012) traz obras de uma temporada de completo isolamento nos meses em que participou de uma residência artística na área rural de Bethany, Connecticut (EUA).  Além das obras criadas nos EUA, a mostra reúne trabalhos realizados nos últimos quatro anos. Série como “Cosmogenia” e “Inventários dass pedrass soloitárias” são elementos há muito presente na obra de Gonçalo. Paço Imperial. \praça Quinze  48 – Centro – 2215-2093. Ter a dom, das 12h Às 18h. Grátis. Livre.

Mostra 100 anos de robôs “BU” – no Oi Futuro Flamengo. Destaca o papel das máquinas autônomas ao longo da história das artes, da indústria e do imaginário social e com diversas obras interativas. A experiência multimídia “BU!” que mistura teatro (a peça teatral também está no OI – ver seção TEATRO), dança, artes visuais, música e tecnologia, aborda com humor temas como liberdade e prazer sexual, a objetificação do corpo feminino e o arquétipo da “mulher perfeita” com múltiplas funcionalidades e beleza quase industrial. OI – Rua Dois de Dezembro 63 – Flamengo. Instalação e “100 anos de robôs” – quarta e quinta-feira, das 11h àss 20h; livre. Até 19 de junho.

MÚSICA

6º FESTIVAL ROCK THE MOUNTAIN

Caetano Veloso, Gal Costa, Alceu Valença e Djavan, além de artistas como Criolo, Baiana System, Mariana Sena e Djonga, estão entre as mais de 100 atrações do evento que acontece neste fim de semana no Parque de Exposição de Itaipava. O festival que acontece em quatro dias fica em uma área verde de 20 mil metros quadrados e espera-se um público de 20 mil pessoas para a programação que dura o dia inteiro. Tem ainda tirolesa, voo de balão, roda-gigante, instalações de arte praça de alimentação vegetariana. Amanhã (23/4), os destaques do Palco Floresta serão Caetano  Veloso, Djavan, Jaloo, MC Tha e Black Alien, enquanto Luedji Luna, MAjur e Tropkillaz agitam o Palco Estrela e Potiguara Bardo e Mateus Carrilho e tocam no palco Mangolab. No domingo (24/4), o som fica por conta de Gal Costa, Silva, Criolo, Teresa Cristina, Marina Lima e Baiana System no Palco Floresta, além de Alceu Valença, Marina Sena e Djonga no Palco Estrela. Compra de ingressos no  site da Viagogo. R$308 a $386.

Margareth MenezesMaga  é o apelido que a cantora baiana, 59 anos, 35 anos de carreira, ganhou dos fãs. Ela acaba de lançar nas plataformas a música “Terra Afefé” com Carlinhos Brown,  canção que também estará em seu novo disco, previsto para o segundo semestre e produzido em parceria com Russo Passapusso. Turnê, biografia escrita por Djamila Ribeiro e filme, dirigido por Joelma Oliveira Gonzaga vão celebrar a trajetória de Margareth, reconhecida entre as 100 personalidades negras mais influentes no mundo pela Mipad 100 ( instituição chancelada pelo ONU) e indicada pela quarta vez ao Grammy. A cantora é famosa por hits como “Faraó” e “Elegibô”.

Jorge Drexler – no show de seu mais novo álbum, “Tinta y tempo”, lançado hoje no streaming e também data do início da sua turnê em Girona, na Espanha, o cantor e compositor uruguaio Jorge Drexler incluiu “Vento sardo” – parceria com Marisa Monte, também gravado pela cantora e compositora em seu mais recente álbum “Portas” (2021). A canção foi composta com Marisa em um barco na Sardenha.

CARNAVAL

CASABLOCO

Casa Bloco 2022 promove encontros carnavalescos no  Clube Monte Líbano, na Lagoa.

A terceira edição do evento tem show, oficinas, feira de moda e empreendedorismo, desfile e blocos do RJ, MG, BA, PE e PA. Bate-bolas serão homenageados, este ano. Não vai ter desfile de blocos de rua, no Rio, mas a terceira edição do CasaBloco está de volta e é de encontros de manifestações carnavalescas do país, no Clube Monte Líbano, na LAgoa. Haverá atrações como Jorge Aragão, Baby do Brasil, Elba Ramalho e Sidney Magal, encontros, oficinas, feira de moda e de empreendedorismo, desfiles, ações sociais e geração de renda para os profissionais de carnaval. Sem falar da apresentação de blocos do Rio, Bahia, Pernambuco, Minas Gerais e Pará. Programação: HOJE – Dia 22:Sexta Brega: Foyer Cinema – CCBB (Avenida Primeiro de Março, 66): oficinas gratuitas (mediante inscrição: 30 vagas)- Make para Carnaval com Amanda Britto – das 9h30 às 11h30, Customização de Camisetas com Carmem Shirley – das 12h às 14h; Casa Bloco – Clube Monte Líbano (Av. Borges de Medeiros 701): oficina gratuita- Samba no pé com os irmãos Bandeira – das 13h30 às 14h30.A partir das 18h – Feira “A rua é nossa!”:18h – DJ Tata Ogan, 19h – Charanga Talismã, 21h – Dona Onete feat. Bangalafumenga, 23h – Sidney Magal, 1h – Fogo & Paixão; Amanhã Dia 23: Salve Jorge: Casa Bloco – Casa França-Brasil (Rua Visconde de Itaboraí, 78): oficina gratuita (mediante inscrição: 50 vagas), Percussão com o Bloco Cortejo Afro – das 13h30 às 14h30, a partir das 18h – Feira “A rua é nossa!”, 18h – Festa Odara Ôdesce: DJs Lala K & Allana Marques, 20h – Agytoê, 21h30 – Cortejo Afro, 23h – Baby do Brasil, 0h30 – Johnny Hooker, 2h30 – Bloco 442; Dia 24: Domingo de CarnavalA partir das 16h – Feira “A rua é nossa!”, 16h – DJ Cris Panttoja, 18h15 – Samba Queixinho, 19h30 – Velha Guarda da Portela, 21h – Diogo Nogueira, 23h – Cacique de Ramos convida Leci Brandão. Ingressos:http://casabloco.com/ingressos/Inscrições: https://casabloco.com/oficinas/Valores: 1° lote (Inteira – R$ 100 e meia R$ 50) e 2º lote (Inteira – R$ 120 e meia – R$ 60). R$240, passaporte para seis dias.

0h30 MONOBLOCO –  o grupo se apresenta com bateria completa na Fundição Progresso. Acompanha também o DJ Iuri, que abre e fecha o evento.  vamos começar as comemorações dos 20 anos do Monobloco na Fundição Progresso com a energia lá em cima, que beleza! Pra celebrar esse ano tão especial, teremos novidades e, claro, muita música boa! Partiuuuu? Monobloco 2.0, muito mais que Carnaval! Abertura da casa: 22h. Banda de abertura 23h. Monobloco : 0h30 Fundição Progresso – Rua dos Arcos, 24 – Lapa/ Abertura dos portões: 22h/ Classificação etária: 18 anos. A partir de R$100.

SHOWS

HOJE

Estão à venda os ingressos populares para assistir ao show de Caetano Veloso no Imperator no dia 30 de abril, às 21 hs. Ingressos: R$15 (inteira) e R$7,50 (meia). Via Sympla.

17h Ginga Quiosque – do mesmo dono do Bafo da Prainha e Casa Porto, na Saúde o novo quiosque agita, diariamente, o calçadão do Leme com apresentações musicais de fim de tarde. Os artistas ficam na parte coberta e o público se espalha, inclusive pela areia e pelas redes amarradas aos coqueiros. Na Praia do Leme, em frente ao restaurante La Fiorentina. Diariamente das 9h às 23h. Roda: sextas-feiras, 17h. Sempre uma atração diferente. Couvert: R$7.

 17h às 21h Armazém do Senado o tradicional botequim de 1907, Patrimônio Cultural da Cidade é pequeno para a turma que toda sexta e sábado vai conferir concorridas rodas de samba e os frequentadores acabam ocupando a rua e bares ao lado como o Labuta. Av. Gomes Freire, 256 – Centro. Grátis.

Lia de Itamaracá – Em sua 55ª edição, o programa Ocupação Itaú Cultural homenageia Lia de Itamaracá, artista célebre da história de Pernambuco conhecida como a maior cirandeira do país. A mostra é composta por fotos, figurinos, documentos e vídeos, também disponíveis em formato virtual por meio do site itaucultural.org.br/ocupacao. Já foram contemplados em edições anteriores, artistas como Cartola, Alceu Valença e Chiquinha Gonzaga. A cirandeira pernambucana Lia de Itamaracá é a protagonista da 55ª Ocupação Itaú Cultural, montada no espaço localizado no número 149 da Avenida Paulista, um dos principais cartões postais de São Paulo. A visita gratuita pode ser realizada de terça a sábado, das 11h às 20h, e domingo e feriados, 11h às 19h. Para quem não puder conferir presencialmente, conteúdos exclusivos também serão encontrados no site da Ocupação e no canal do Itaú Cultural no YouTube. A curadoria é da jornalista Michelle de Assumpção, autora do livro “Lia de Itamaracá: Nas Rodas da Cultura Popular” (Cepe), e da cantora Alessandra Leão. A mostra é dividida em três eixos: O Eixo Sal, que aborda o território em que Lia vive, agregando imagens, fotografias, audiovisuais, telas e detalhes da decoração da casa da cirandeira, que revelam este seu universo simbólico; Eixo Som versa sobre a musicalidade da artista: o gênero musical, sua subida aos palcos e a luta pela gravação de discos. Essa parte mostra festejos em torno da ciranda e uma playlist criada por Alessandra Leão, apresentando diversos mestre da ciranda, como Baracho.O Eixo Sol, sobre a própria Lia, é o núcleo é o centro da exposição, sendo composto por uma série de audiovisuais com cerca de 40 horas de imagens inéditas de sua vida, feitas pela cineasta brasileira Karen Akerman. A diretora cobriu turnês internacionais e acontecimentos importantes, como o seu cotidiano, o trabalho na escola, em casa, o aniversário de 60 anos, entre outros. Além do espaço expositivo, a cirandeira realiza duas séries de shows nos últimos fins de semana de abril. Nas quatro primeiras apresentações, de 21 a 24 de abril, ela apresenta o espetáculo “Ciranda de Ritmos” (2010), uma mistura de ritmos pernambucanos, como coco de roda e maracatu, em que a estrela recebe a cantora Daúde. Já entre os dias 28 de abril a 1º de maio, Lia apresenta o show intitulado “Ciranda sem fim” (2019), que vai além de uma brincante ciranda. Ela se joga entre sons, boleros e cumbias. A cirandeira recebe Alessandra Leão (28 e 29 de abril), Novíssimo Edgar (30 de abril), Iara Rennó (1º de maio) e DJ Dolores, que participa de todas as noites. SERVIÇO:Ocupação Lia de Itamaracá. Até 11 de julho: terça a sábado, das 11h às 20h. Domingo e feriados, das 11h às 19h. SHOWSHoje e amanhã 20h e domingo, 19h com duração de 90 minutos. Presencial na Sala Itaú Cultural. Onde: Itaú Cultural (Av. Paulista, 149, São Paulo). Entrada gratuita. Os espetáculos das sextas-feiras serão transmitidos ao vivo no canal do Itaú Cultural no YouTibe.

18h Sad Club Fest a nostalgia do pop rock emo está de volta com CPM 22, Detonautas, Darwin, Dibob e Canto Cego na primeira edição do “Sad Club Fest”. O evento de hoje tem ainda uma pequena rampa de skate, com atividades e estande de tatuagem. Rua Sacadura Cabral 154, Saúde. R$80.

19h Ecos de uma eracom a cantora Lucinha Gimenez&Banda. Os ritmos serão jazz, bossa nova e música da MPB. Cariocando, Rua Silveira Martins, 139, próximo ao metrô Catete. Reservas pelo telefone 021 99707 8495.

22h Festa Alento depois de animar a noite do Rio por dez anos com o “Bailinho”, o DJ Rodrigo Penna está de volta com a festa “Alento”, no Clube Manouche., com direito a área ao ar livre da Casa CAmolese.Além dele e Helen Sacho, sobe ao palco hoje DJ Marky, nome central do drum’n’bass brasileiro. Música pop, carnaval e correio do amor para o pessoal da pista. A festa acontece ainda em 6 e 20 de maio. Rua Jardim Botânico 983. R$160.

23h às 5h  – Látex Festival – Festa Fetiche Evento presencial em Rock Experience. A Látex Festival é uma festa temática com a pegada BDSM que tem como objetivo trazer um mix de música, arte, diversão. Na Festa Látex, além de conhecer pessoas, você tem a total liberdade para descobrir e realizar seus desejos.

Dose Dupla de drinks a noite toda. Atrações: Tequileira, Gogoboy, Dominatrix, Cena de Shibari, Espaço Fetiche, Stand de Produtos, Flash Tattoo, DJs tocando a noite toda.Obs: atrações surpresa no dia! Lembre-se das medidas de prevenção ao COVID-19.

R$ 50,00 (+ R$ 5,00 taxa) Antecipado – Homem – R$50 (+ R$5 de taxa e até 12 de R$5,69; antecipado – Mulher:R$ 20,00 (+ R$ 2,50 taxa)em até 4x R$6,12.Antecipado TRANS/CD:R$ 20,00 (+ R$ 2,50 taxa) em até 4x R$ 6,12. Local: Rua do Riachuelo, 20 – Lapa – Rio de Janeiro. Instagram: @latexfesta / WhatsApp: 21 97624-7034.

 22hAna Cañas – canções eternizadas a partir de composições e da voz de Belchior serão lembradas por Ana Cañas no Circo Voador, na Lapa. A cantora se apresenta na casa de shows com o repertório de seu novo disco, inteiramente dedicado À memória do “rapaz latino-americano” que marcou história na música brasileira. Assinante de O Globo paga metade do ingresso. R$103 a R$268. Tem meia entrada.

SÁBADO

21h Chá da Alice: Gloria Groove  toma conta da festa , na Fundição Progresso, com show da turnê “Lady Leste”, com hits como “Vermeçho”, “Bonekinha” e “Arrasta”. Durante a noite, DJs embalam a casa com pop e eletrônica em duas pistass simultâneas. Rua dos Arcos 24, Lapa. R$120.

22h Mango Lab: Calorzão: BK, MC Carol, Furacão 2000 e Heavy Baile são algumas das atrações que agitam o palco a céu aberto da festa “Mango Lab:Calorzão, no Nau Cidades. O evento recebe nomes de do funk e hip hop, como Larinhx, Ebony, Luisa Viscardi, Ingrid Nepomuceno e os mineiros FBC e VHOOR. Rua Sacadura Cabral 154. R$50.

QUARTA-FEIRA

19h – A Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro abre a sua Temporada 2022, hoje, no Theatro Municipal, regida pelo maestro Tobias Volkmann, com participação especial de Alessandro Borgomanero (violino). No repertório, Abertura da Ópera Il Guarany (Carlos Gomes), Concerto para violino em mi menor, Opus. 64 (Felix Mendelssohn) e Capriccio Espagnol, Opus. 34 (Rimsky-Korsakov).Sobre o programa:Abertura da Ópera Il Guarany, de Carlos Gomes –  “Il Guarany” (cantado em italiano) estreou há exatos 146 anos no Teatro Lyrico Fluminense, no Rio de Janeiro, contando uma história de amor e o massacre dos índios Aimorés no Brasil Colônia. Desde 1935 esta abertura soa pelo país na vinheta do programa de rádio “A Voz do Brasil”.O Concerto para violino e orquestra, em Mi menorop64 é uma grande obra orquestral de Felix Mendelssohn e uma das mais interpretadas na história da música de concerto do século XIX. O romano Alessandro Borgomano é um destacado violinista, tendo atuado em grandes festivais europeus. Vive no Brasil desde 1997, onde cumpre destacado papel de professor de violino e regente titular de diversas orquestras.Capriccio espagnolOp. 34, é uma divertida suíte orquestral de cinco movimentos, baseada em melodias folclóricas espanholas, composta pelo compositor russo Nikolai Rimsky-Korsakov em 1887.

Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro (OSJRJ) é composta por 55 jovens com idades entre 15 e 26 anos e, em sua grande maioria, residentes de comunidades do Rio de Janeiro. Neste processo de aprendizagem, os alunos da Ação Social pela Música adquirem maior disciplina, concentração, capacidade de trabalho em equipe, respeito e paixão pela arte. E ganham autoestima e confiança para enfrentar os desafios da vida adulta, fundamentais para seu desenvolvimento profissional e pessoal. Acreditamos na manifestação artística musical como um instrumento de transformação social e de expressão para a redução das desigualdades sociais. Ingressos a R$20,00 e R$10,00, na bilheteria do Theatro Municipal.

TEATRO

HOJE

Procura-se o homem da minha vida, marido, já tive – Baseada no best-seller da escritora argentina Daniela Di Segni, a peça fala sobre os encontros e, principalmente, desencontros amorosos de mulheres que já passaram por, ao menos, um casamento. O livro vendeu mais de 200 mil cópias em todo o mundo e foi adaptado para teatro na Argentina, Chile, Uruguai, México, Portugal e , EUA, Porto Rico, República Dominicana  sempre com grande êxito. A versão brasileira é assinada por Claudia Valli, que trouxe as questões do livro atualizadas aos dias de hoje, pois as mulheres mudaram muito… e para melhor! A história se desdobra a partir de um divertido papo, regado a muito vinho, entre três amigas que refletem sobre suas vidas, indo do sonho com a entidade “homem ideal” à descoberta do prazer de encontrar a si mesmas. Com Grace Gianoukas, Leona Cavalli, Totia Meirelles e Maurício Machado. Sextas e sábados, 20h. Teatro das Artes, no Shopping da Gávea. 12 anos. Até 8 de maio.

Turmalina 18-50 – Está de volta aos palcos até 8 de maio, o espetáculo em homenagem o cinquentenário de morte do principal líder da Revolta da Chibata (1910), João Cândido. Em cartaz às sextas e aos sábados, às 20h; e aos domingos, às 19h, no Teatro Laura Alvim (Av. Vieira Souto), em Ipanema. R$30, a inteira.

Alegria de naúfragos – é o mais recente trabalho da companhia Ser Tão Teatro que faz temporada até 1º de maio no Teatro Municipal de Ipanema (Rua Prudente de Morais 824). A peça aborda questões atuais a partir do livro “Uma história enfadonha”, escrito há mais de um século e meio por Anton Tchekov. Às sextas e sábados, às 20h; domingos, às 19h. R$40 (Sympla). 12 anos.

Intimidade indecente – depois de uma turnê por Portugal, Marcos Caruso e Eliane Giardini estreiam no Rio a peça de Leilah Asumpção. O espetáculo segue a separação de um casal sessentão desgastado pela mesmice da rotina, que segue se reencontrando, e ainda reconhecendo um no outro o seu maior cúmplice. Os dois não usam maquiagem nem trocam figurinos e vão dos 60 aos 90 diante do público. Teatro dos Quatro – Shopping da Gávea, Rua Marquês de São Vicente 52. Gávea. Quinta a sábado, 21h. Dom, às 19h. R$90 (qui) e R$100 (sex a dom) na bilheteria ou via Sympla. Até 29 de maio.

Misery – Mel Lisboa e Marcelo Airoldi estrela a adaptação para o palco do romance de Stephen King que inspirou o filme “Louca obsessão” (1990) de Rob Reiner que rendeu o Oscar a Kathy Bates. Na trama, um escritor famoso sofre um acidente numa área remota e é socorrido por Anne, uma enfermeira que mora na região e o leva para sua casa. Ela é fá de seus livros e o que começa em um convívio agradável acaba se tornando um jogo de dominação e ameaças. Teatro Frijan Sesi – Av. Graça Aranha, 1, Centro – 1563-4163. Sex, 19h; sáb. e dom, 18h. R$40 nma bilheteria opu via Sympla. 14 anos. Até 5 de junho.

A vida não é justa – dez anos depois de seu lançamento, o livro escrito pela juíza Andréa Pachá narrando casos peculiares, observados ao longo de 15 anos de trabalho nas varas de família, ganha montagem para o teatro com dramaturgia de Delson Antunes e direção de Tonico Pereira. Das 35 histórias que compõem o livro, oito foram selecionados para virar esquetes encenados por um elenco liderado por Léa Garcia (aos 89 anos) e Emiliano Queiroz. Teatro Mezanino, Sesc Copacacabana – Rua Domingos Ferreira, 160 – 2547-0156. Qui a dom, Às 20h. Sessão extra dia 13/4. R$30. 14 anos. Até 24 de abril.

20hHistórias do Porchat: um dos mais conhecidos nomes do humor nacional, estreia hoje no Reserva Cultural, em Niterói, um show de stand-up sobre situações inusitadas que viveu durante viagens. Começa com uma massagem que deu errado na Índia, até um hipopótamo que partiu para cima dele na África e uma dor de barriga no Nepal. Av. Visconde do Rio Branco, 880 – São Domingos, Niterói. Sexta e sábado, às 20h. Domingo, às 19.R$80 (sexta) e R$100 (sab e dom). 14 anos. Até 1º de maio.88

TERÇA-FEIRA

Natureza Morta-  Rita Clemente vive uma mulher que mata o marido e é surpreendida pela presença do próprio pintor Edvard Munch, autor da tela “A assassina”. A peça trata dos anseios de mulheres que já não são tão jovens e que tiveram os seus sonhos subjugados, o espetáculo transpassa as relações afetivas e o arrefecimento da paixão entre um casal para trazer à tona questões da vida de uma mulher em processo de enfrentamento de seus sonhos e desejos. De terça a domingo, às 18h, no Sesc Copacabana. R$30 (inteira). Rua Domingos Ferreira, 160.

20h30 GRACE EM REVISTA – com GRACE GIANOUKAS e Direção GRACE GIANOUKAS. Para comemorar com os fãs, que a acompanham pelos palcos desde o início de sua carreira, e os mais jovens, que só a viram em cena pelas telas, a atriz criou o “Grace em Revista”. O espetáculo chega com os 21 anos de lançamento do Projeto Terça Insana e comemora os seus 40 anos de carreira. Sozinha em cena, a atriz revela o caminho que percorreu para transformar o palco da comédia num espaço de questionamento, de guerra ao preconceito, de respeito às minorias e transformação social. Em 70 minutos ela conta histórias vividas e revela o processo de criação que deu origem às suas criações icônicas. Entre elas: Aline Dorel, Santa Paciência, Advogada do Diabo, Adolescente Girassol, Preguiça, Mulher Limão e Cinderela que pedem passagem para brilhar entre as histórias. Teatro Petragold – Ingressos: R$ 70 | Meia R$ 35 Ingressos: https://teatropetragold.com.br/ Teatro Petragold – Sala Marília Pera Rua Conde de Bernadotte, 26. Até 3 de maio.

QUARTA-FEIRA

BU! – com criação e atuação de Vanessa Garcia e direção de Cesar Augusto, que se inspiraram em bonecas sexuais com inteligência artificial, o Oi Futuro apresenta o espetáculo de quarta a domingo, às 21h, montado  em uma instalação cênica e interativa. Todos os telões do prédio serão utilizados, proporcionando uma experiência multimídia e sensorial que mistyra teatro, dança, artes visuais, música, performance e tecnologia. A instalação permanecerá aberta de quarta a domingo, das 11h às 20h, até 19 de junho, disponibilizando TVs com fones, telões, projeções, realidade aumentada e QR Code. Os ingressos, gratuitos, serão liberados via plataforma Sympla.h n

MUSICAIS

Quem disse que Hollywood já era? – Recém-saídos da crise econômica gerada pela pandemia, dois atores Cisco Emery e Lúcio Moreira resolvem mambembar por cidades do interior do Brasil com um show da drag Perolita La Blanca. O objetivo é ganhar dinheiro para formarem uma companhia para produzirem espetáculos em que possam retornar aos palcos, além de virem a interpretar personagens mais substanciais, mais criativos do que as pequenas participações que lhes são oferecidas. Quase tudo, porém, não sai como o esperado e, nessa turnê eles enfrentam preconceitos, falta de dinheiro, problemas com a polícia, motoqueiros fascistas, conservadores homofóbicos e um sério abalo no relacionamento entre ambos. Criação e atuação: Cisco Emery e Lúcio Moreira (drag Perolita, La Blanca). Coreografia: Paloma Chediak. Até 1º de maio– Sextas, sábados e domingos, às 20 horas; ingressos entre R$ 20,00 e R$ 40,00 no sympla,link: https://bileto.sympla.com.br/event/72307/d/131879. Teatro Cândido Mendes – Rua Joana Angélica, 63 Ipanema. 16 anos.

Barnum – Rei dos shows: Teatro Casa Grande- Av. Afrânio de Melo Franco 290- Leblon. Sexta: 20h30/ Sab-17h e 20h30/ Dom -16h e 19h30. R$120 (balcão setor 2), R$180 (plateia setor 1) e R$200 (plateia VIP). Até 1º de maio. Livre.100 minutos. A versão de Cláudio Botelho tem acrobacias e malabarismos circenses. O musical conta a história do showman Phineas Taylor Barnum, idealizador da maior companhia de circo itinerante do século XIX. Murilo Rosa interpreta o papel-título, vivido por Hugh Jackman no cinema e protagoniza uma cena em que anda na corda bamba. Com Sabrina Korgut, Giulia NAdruz e Diva Menner.

Naked Boys Singing: Teatro Claro Rio: Rua Siqueira CamCazuzapos 143, 2º piso, Copacabana. Sex e sáb, 20h. Dom, 19h. R$90 (balcão) e R$120 (frisa e plateia). 80 minutosAté 24 de abril. Dez atores nus em cena cantando, dançando e celebrando a vida ao som de músicas tocadas ao vivo no piano conduzem a peça, que já teve montagens em mais de 20 países e, depois de duas temporadas em São Paulo, estreia no Rio. A peça fez sucesso off-Broadway nova-iorquino, virando um ícone da cena gay. Divido em 14 quadros, o musical vai do cômico ao nonsense e aborda temas como masturbação, HIV, ereção involuntária, padronização do corpo e circuncisão. Direção de Rodrigo Alfer.

SÃO PAULO

Donna Summer Musical – no auditório do Ibirapuera. O espetáculo reestreia em São Paulo sob a sombra de 18 meses de interrupção e de perdas no elenco causada pela Covid 19. A montagem anuncia, agora, seis sessões semanais e contando com as atrizes Jennifer Nascimento, Karin Hils e Amanda Souza, que deram vida à rainha da disco music Donna Summer (1948-2012) em três passagens diferentes de sua vida, desde seu início de carreira até sua saída de cena vítima de um câncer, passando pelo sucesso pop e a consagração disco.O espetáculo cumpre sessões de sexta-feira a domingo, às 16h e às 21h (sextas); 17h e 20h (sábado); 16h e 19h (domingo). Os ingressos custam de R$ 50,00 (meia) a R$ 240,00 (inteira)

6/5 – 50 anos do Estandarte de Ouro – 20h – com show de Teresa Cristina e a presença dos melhores do Carnaval. No Morro da Urca – Praia Vermelha. Criado em 1972. R$70 pista entrada inteira; R$50 – ingresso solidário (doação 1kg de alimento); Pista meia entrada – R$35. Ala das Baiana não é quesito do júri oficial do carnaval e, por isso, muitas delas encaram o Estandarte de Ouro como grande motivador já que tem prêmio. Estandartes distribuídos desde 1972: Mangueira 9; Salgueiro, 8; Beija-Flor, 5; Império Serrano, 4; Portela e Unidos da Tijuca, 4; Imperatriz, Mocidade e Vila Isabel, 3; União da Ilha, 2; Caprichoso, Estácio de Sá, Grande Rio e Viradouro. Prêmio de Comunicação com o Público:1. Império Serrano (em 1982 com Bum Bum Paticumbum Prugurudum), Mocidade (em 1983 com …..) e Imperatriz (1981 com   ). As escolas com mais estandartes (somando todos os quesitos): Mangueira (95), Salgueiro (86), Império Serranno (66), Beija-Flor (61), Portela (60), Imperatiz (58), Vila Issabel (56), Mocidade (52), Unidos da Tijuca (37), União da Ilha ( 33), GRamnde Rio (26), São Carlos/Estácio de Sá (25), São Clemente (15), Viradouro (13), Caprichosos (11).

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012