9 de dezembro de 2022


México tem manifesto contra violência a jornalistas


25/05/2017


Manifesto assinado por 49 meios de comunicação foi intitulado ‘Basta Já’. Foto: Reprodução

A violência contra jornalistas no México está tornando-se uma preocupação mundial. A ponto de um grupo de 39 veículos de comunicação de vários países assinarem um manifesto pedindo o fim da violência contra jornalistas nesse país.

O Globo publicou que o documento denuncia uma ofensiva que já custou a vida de pelo menos cinco jornalistas apenas neste ano, enquanto outro profissional da imprensa está desaparecido desde a semana passada. O texto, intitulado “Basta Já”, pede que o governo mexicano garanta o direito à informação e a segurança dos comunicadores.

“Como profissionais da informação, denunciamos a ofensiva assassina que sofreram membros da nossa comunidade no exercício da sua tarefa de investigar e difundir atividades da criminalidade, incluindo crimes de drogas no México”, diz o pronunciamento, assinado, sobretudo, por jornais de língua hispânica.

O documento diz que os veículos se comprometem a realizar encontros para tomar decisões em acordo frente às ameaças e os ataques sofridos por jornalistas.

“Hoje no México a impunidade, a corrupção e, em especial, o crime organizado, colocaram em risco um trabalho fundamental à sociedade”, diz o texto.

O documento foi assinado por jornais mexicanos, como “El Universal”, “La Jornada”, “Milenio” e “Reforma”, além de televisões como a “TV Azteca” e rádios como “Fórmula” e “Radio Centro”.

Além do GLOBO, fazem parte da iniciativa as publicações estrangeiras “El País”, da Espanha; “El Tiempo”, da Colômbia; “El Nacional”, da Venezuela; “El Comercio”, do Peru; “El Mercurio”, do Chile e “La Prensa Gráfica”, de El Salvador.

Os últimos comunicadores assassinados no México foram Javier Valdez, Cecilio Pineda, Ricardo Monlui, Miroslava Breach e Maximino Rodríguez. Todas as mortes aconteceram neste ano.

Enquanto isso, o jornalista Salvador Adame, dono de uma televisão de Michoacán, foi sequestrado por homens armados. O seu paradeiro não é conhecido até agora. E Filiberto Álvarez, que fazia um programa de rádio sobre poesia no estado de Morelos, foi assassinado em abril. Ainda não está claro se o crime esteve vinculado ao seu trabalho na imprensa ou não.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012