30 de setembro de 2022


Macunaíma, fotos de artistas e futebol nas Dicas de hoje


27/08/2021


Por Vera Perfeito, diretora de Cultura e Lazer da ABI

A exibição do filme de Joaquim Pedro de Andrade Macunaíma, o “herói sem nenhum caráter” e nome de nosso cineclube que completou um ano de volta às telas em agosto, é a dica da semana. Um misto da raça brasileira, Macunaíma foi protagonizado pelos grandes atores Grande Otelo (preto) e Paulo José (branco), ambos falecidos. Tem ainda o ABI Esporte, Encontros da ABI com a Cultura extra e Rumos do Jornalismo. Tudo no canal da ABI do YouTube. Leia a dica do jornalista Gilberto Pauletti: História do Brasil Contemporâneo. De Carlos Fico que conta como foi o Brasil no período do suicídio de Getúlio Vargas até os dias atuais, chegando ao governo Lula.

Veja festivais de filmes, feira de livros, indicação de livros, música, podcasts, shows, lives e peças teatrais. Aqui em Dicas.

E a Delta está fazendo vítimas mesmo já vacinadas aqui no Rio.  Não se aglomere, use máscara e álcool gel! Boa semana.

Na ABI

Segunda-feira

19h30 – no ABI Esporte: o tema de hoje Caiu na área é pênalti, futebol e política. Para discutir os dois assuntos o apresentador Marcos Gomes reúne os jornalistas Cid Benjamin, vice-presidente da ABI, Caco Schmitt, Carlos Monforte, Antônio Lima Jr e Carlos Sérgio. Em destaque o Brasileirão, a Copa do Brasil e a Libertadores da América. Na política, destaque para a lembrança dos 50 anos da Cadeia da Legalidade, liderada por Leonel Brizola e que garantiu a posse de João Goulart, após a renúncia do presidente Jânio Quadros, além das manifestações previstas para o 7 de setembro. No canal da Associação Brasileira de Imprensa do YouTube.

Terça-feira

19h30 – Cineclube Macunaíma exibe hoje o filme Macunaíma(1969), de Joaquim Pedro de Andrade, que estará à disposição do público das 10hs até às 22hs. Do debate, à noite, participam os cineastas Silvio Tendler e Alice Andrade, o diretor de fotografia Affonso Beato, a atriz Ítala Nandi e o jornalista Ricardo Cota como mediador. O longa (1h50) é sobre as aventuras de Macunaíma, o anti-herói preguiçoso e sem caráter. Ele nasce negro no sertão, mas vira branco, vai para a cidade com os irmãos e se envolve com prostitutas, guerrilheiras e enfrenta todo tipo de gente em sua jornada. Do livro de Mário de Andrade. A narração é de Tite de Lemos e música composta por Heitor Villa-lobos, Jards Macalé, Sílvio Caldas, Orestes Barbosa e Antonio Maria. No elenco, estão Paulo José(Macunaíma branco e filho de Macunaíma), Grande Otelo (Macunaíma preto, filho de Macunaíma), Dina Sfat (Ci) e Jardel Filho (Venceslau Pietra Pietra), entre outros. Pelo canal da Associação Brasileira de Imprensa do YouTube.

Quarta-feira:

19h30Claquete Musical. Quase 100 cantores foram clicados pela fotógrafa baiana Thereza Eugênia, nas décadas de 1979 e 1980, em shows e na intimidade. Entre eles Caetano Veloso, Maria Bethânia, Gal Costa, Gilberto Gil, Chico Buarque, Ney Matogrosso, Raul Seixas, Gonzagão e Gonzaguinha, Nana Caymmi, Simone e Rita Lee, entre outros, além de seu grande amigo Guilherme Araújo. Thereza será entrevistada hoje por Vera Perfeito, diretora de Cultura da ABI, e Zezé Sack, da Comissão de Cultura e convidados.  Serão exibidas também algumas fotos do livro Portraits, recém lançado.

Quinta-feira:

19h30 –  Rumos do Jornalismo com apresentação de Andrea Penna, diretora de Jornalismo. Pelo canal da ABI do YouTube.

TELEVISÃO

HOJE 14 hsTV Estadão – Legislação: qual o cenário para 2022?

Moderador: Daniel Bramatti. Palestrante: Diego de Lima Gualda, diretor jurídico do Twitter para a América Latina e Canadá.

Especialistas: Aline Osorio (secretária-geral do TSE, diretora do programa de combate às fake news) e Caff Sousa (ITS Rio)

O que está no cenário para as regras de campanha nas redes em 2022? Haverá atualização? O que já deveria ser alterado ou incluído? As normas seguirão as mesmas para impulsionamento de postagens e boca de urna eletrônica, por exemplo? O painel também vai entrar na discussão sobre uma possível alteração no Marco Civil da Internet, para dificultar que as redes apaguem conteúdo ou cancelem contas que disseminem desinformação e discurso de ódio.

 

TV GLOBO  

23h25 – de segunda a sexta-feira -Verdades Secretas – a novela voltou a ser exibida pela emissora. A primeira apresentação foi em 2015.

3as feiras – 21h20 – The masked singer Brasil: com Ivete Sangalo como apresentadora o programa está bombando. Tem 21 pontos de audiência na TV. O reality fala com jovens, com adultos e com as classes A, B e C. Tem entretenimento e alegria. O mistério sobre a identidade dos participantes funciona como um carburador.

 

FESTIVAIS

*A *Cinema Urbana* – 3ª Mostra Internacional de Cinema de Arquitetura – acontecendo no @ccbbbrasilia e, a partir de 30 de agosto, online, na plataforma @innsaei.tv. A curadoria de filmes vem inspirada no tema _Aprendendo com as cidades_, como um convite generoso, partindo de Brasília, para inspirar a reflexão sobre as cidades. Na Mostra, os filmes vão apresentar os desafios enfrentados por arquitetos, urbanistas, cidadãos de vários países como China, Hong Kong, Alemanha, França, Portugal, Dinamarca e Reino Unido, para viver e transformar seus espaços.

Mostras, debates, exibições e shows ao ar livre estão na programação. Acesse em www.cinemaurbana.com e confirme sua presença: https://fb.me/e/1k4AJAbza

*A 6ª Mostra de Cinema Feminista, que acontece até 3 de setembro, contém uma produção diversificada de filmes que envolvem múltiplos temas que os feminismos e o cinema podem abarcar como maternidade, paternidade, infância e adolescência, questões de gênero e raciais, violências, personagens históricas, memória, territórios, afetividades, corpos, trabalhos, lutas, entre outras temáticas. Online e gratuita, a mostra será exibida na plataforma da Cardume.tv.br através de link exclusivo.

A programação do evento também conta com debates que serão transmitidos sempre às 19h no YouTube da Cardume. São eles: “Direções Trans e Travesti em Destaque”, dia 20 de agosto; “Direções de Fotografia Negras”, dia 28 de agosto; “Direções Indígenas”, dia 31 de agosto; e “Imagens de si”, dia 1º de setembro. Cada filme ficará disponível para o público por três dias. A programação completa e o link para acessar os filmes está no Linktree na bio do Instagram da @coletivamalva.

Entre a gama de filmes nacionais que serão apresentados, destacam-se os curtas-metragens Sem Asas, Alfazema, Rã, Rosário, Mãe não chora, Baile, Como ficamos da mesma altura, Rebu, Uma noite sem lua, Perifericu, Angela, Carne. Entre os longas-metragens brasileiros estão A mulher da luz própria, Imo, Torre das Donzelas, Yãmiyhex: as mulheres-espírito. Já entre as produções internacionais e em coprodução brasileira chamam a atenção os filmes Entre nós, um segredo, Hoje e não amanhã; Longe de nós, Faça seu próprio filme pornô, e Ari e eu. site HTTPS://COLETIVOZANZA.COM/NOS/.A Mostra de Cinema Feminista se propõe a ser um espaço de fruição e fomento ao audiovisual realizado por mulheres cis e trans, pessoas não binárias e homens trans, culminando, também, em espaço de debate e construção de pautas feministas em voga ressaltadas pelos próprios filmes em cartaz. Exibição dos filmes: plataforma da Cardume.tv.br, por link exclusivo. Exibição dos debates: YouTube da Cardume. Todas as informações estão no Instagram @coletivamalva. Plataforma de exibição: Cardume Curtas.  https://coletivozanza.com/nos/

*A 10ª Mostra Ecofalante de Cinema – até 14 de setembro, evento ocorre de forma online, gratuita e acessível para todo o Brasil em www.ecofalante.org.br. Os filmes são disponibilizados no site do evento [www.ecofalante.org.br] e também nas plataformas parceiras Belas Artes à La Carte e Spcine Play.O Panorama Internacional Contemporâneo reúne produções inéditas e com carreira em festivais como Berlim, Sundance, Roterdã, Locarno, IDFA-Amsterdã. Competição Latino-Americana é disputada por 30 títulos, representando sete países da região.

A programação é organizada nas seções Panorama Internacional Contemporâneo, Competição Latino-Americana, Programa Especial – Territórios Urbanos: Segregação, Violência  e Resistência, Especial Energia Nuclear – 35 Anos de Chernobyl, 10 Anos de Fukushima, e Concurso Curta Ecofalante.

* O 32º Curta Kinoforum é um dos maiores eventos de curta-metragem do mundo e está com filmes disponíveis gratuitamente para votação no Tamanduá e Porta Curtas até DOMINGO! Na Mostra Competitiva Brasil, são 13 títulos representando todas as regiões do país e apresentando uma pluralidade de gêneros cinematográficos, incluindo obras de ficção, experimentais, documentários e animações.

*Festival Internacional de Curta-metragens de São Paulo – teve início ontem .“Céu de agosto” curta da cineasta brasileira Jasmin Tenucci ganhou menção especial do júri do Festival de Cannes e poderá ser visto nesse festival acima. Em agosto de 2019, os dias viraram noite com o  céu de São Paulo com fumaça e nuvens cinzentas, resultado de uma combinação entre queimadas do Norte e no Centro-Oeste e movimentos de massas de ar, pintando o céu de forma apocalíptica. A cineasta reproduziu esse cenário e sentimento angustiantes no curta-metragem. Filmado em 2020 (jan/fev, antes da pandemia) conta a história de Lúcia (atriz potiguar Badu Moraes), um enfermeira que vive a ansiedade da chegada do primeiro filho em meio ao cenário caótico que se desenha. Mãe solteira, ela começa a frequentar uma igreja evangélica, atraída por uma fiel e elo senso de comunidade do espaço religioso. Ver programação no site.

*De hoje a 16 de setembro – 16ª edição da Mostra Mundo Árabe de Cinema – com SETE FILMES INÉDITOS PARA O BRASIL . O evento – já tradicional no calendário cultural de São Paulo – ocorre virtualmente neste ano. Os filme serão transmitidos pelo site oficial da mostra (ver programação)e pela plataforma Sesc Digital. Haverá também painéis, reunindo diretores e especialistas para debater as produções. O evento traz neste ano sete filmes inéditos no Brasil: Caos – Áustria, Síria, Líbano, Qatar / 2018, aclamado documentário de Sarah Fattahi sobre três mulheres sírias deslocadas devido à cruenta guerra civil que assola o país desde 2011; Chave de Fenda – Palestina, Qatar e Eua/ 2018 – Thriller psicológico de Bassam Jarbawi sobre a reintegração de palestinos à sociedade após suas detenções em prisões israelenses; Os Espantalhos – Tunísia, Marrocos, Luxemburgo / 2019 – mais uma produção sobre a reabilitação social de prisioneiros. Nouri Bouzid conta a história de mulheres detidas na Tunísia; Nós somos de lá /Líbano, França/ 2020 – documentário de Wissam Tanios sobre dois irmãos fugindo da guerra na Síria. Vão para a Alemanha e a Suécia, onde eles começam do zero; Bagdá Vive em Mim/ Suiça, Alemanha. Reino Unido/ 2019 – Longa  de ficção de Samir Jamaleddine sobre a integração de migrantes iraquianos em Londres e seu contato com os valores sociais locais; A 200 metros/ Palestina, Jordânia, Qatar, Suécia, Itália/ 2020 – Filme de Ameen Nayfeh sobre a luta de um pai desesperado para cruzar o muro que divide a Cisjordânoia e Israel – apenas 200 metros; In Memoriam / Brasil, Argentina, Síria/ 2021 – Curta de Otávio Cury de tom auto-biográfico sobre a busca de um descendente de sírios por suas raízes na terra de antepassados.

FILMES

Now Não há mal algum: filme iraniano. O cineasta iraniano Mohammad Rasoulof traz quatro histórias de homens obrigados a executar pena de morte em nome do Estado. Todo país que aplica a pena de morte precisa de pessoas para serem os executores. No Irã, quatro homens são colocados diante de uma escolha impensável, mas, ao mesmo tempo, simples. Não importa a decisão que eles tomem, ela irá transformar de maneira corrosiva, direta ou indiretamente, eles mesmos, seus relacionamentos e a vida de cada um. As quatro histórias são variações de temas cruciais ao redor de questões morais e da pena de morte, e que questionam até que ponto a liberdade individual pode ser expressa sob um regime tirânico e suas ameaças aparentemente incontornáveis.Vencedor do Urso de Ouro do festival de Berlim 2020 e do Prêmio do Júri Ecumênico no Festival.

SÉRIES

HBOThe White Lotus (O lotus branco):  ótima série. Drama com suspense e crítica social. Os seis capítulos estão disponíveis.

Canal Music Box Brasil Acorda amor é o título da série de música de protesto, um conceito associado aos festivais dos anos 1960 (sobretudo) e 1970 e o desafio a que se propõe essas série é mostrar que essa história começou antes e prossegue nos dias atuais. O projeto do diretor Jodele Larcher irá ao ar a partir de hoje (toda sexta-feira), às 22h30, neste canal. Também hoje, os 13 episódios, de meia hora cada, estarão disponíveis na plataforma Box Brazil Play. O primeiro capítulo tem como destaque um pouco conhecido disco de 1956, Aviso aos navegantes, em que o compositor Alberto Ribeiro – parcerias com João de Barro, o Braguinha – enfileirava canções de temática social. Mas antes tem os sambas de Noel Rosa (João Ninguém, 1935) e Wilson Batista  (Pedreiro Waldemar, 1949). O título Acorda amor é o mesmo do samba que Chico Buarque lançou em 1974, usando os pseudônimos de Julinho da Adelaide e Leonel Paiva para fugir da censura. O episódio 4 é o dos festivais _ e Chico é um dos protagonistas ao lado de Geraldo Vandré e outros – . Boa parte dos capítulos seguintes retrata personagens e sons do século XXI. O rap é o sétimo episódio, o rock o oitavo e punk o 9. Neles aparecem a banda punk só de mulheres Charlotte matou um cara, o grupo hardcore Sapataria, o tri heavy metal Black Pantera e as poetas/performers do Slam das Minas. Há também letristas falando como Ronaldo Bastos e Geraldo Carneiro. São 70 entrevistados. De artistas negros aparecem Elza Soares e Gilberto Gil a Larissa Luz e Marina Iris, passando por Chico César, MV Bil e BNegão. A gravação foi em 2019.

Amazon Prime VideoModern Love: o terceito episódio da segunda temporada se passa em um estágio da crise sanitária pouco retratado: as semanas iniciais.  Naquele momento, ninguém poderia imaginar que mais de um ano depois a vida não teria voltado ao normal. Não se usavam máscaras, o lockdown era uma abstração e a vacina, um sonho. Quando o episódio “Dois estranhos no trem” começa, Kit Harrington ( o Jon Snow de “Game of Thrones”) e Lucy Boynton (“The Politician”) se veem pela primeira vez. Estão caminho entre Galway e Dublin, na Irlanda. É março de 2020. Ambos vão para casa (ela, para a da mãe; ele, para a do irmão) por duas semanas. Têm certeza de que, depois de alguns dias, trabalho e estudo retormarao seus cursos. Os dois, ao fim da viagem, estão apaixonados. Marcam encontro para duas semanas, mas não contavam com o lockdown e ninguém pode ultrapassar dois quilômetros de suas casas. Um não tem o contato do outro. A sensação de separação se radicaliza. Eles ´podem se perder para sempre. O capítulo fala da falta de tecnologia pode causar.

Apple TV+See: começa a segunda temporada série protagonizada por Jason Momoa. O astro de “Aquaman” interpreta Baba Voss, o pai das duas únicas crianças que têm o poder de visão numa sociedade em que todos ficaram cegos. Nesse novos oito episódios, Baba tentará proteger a família da guerra e das lutas políticas entre o Reino de PAya e a República de Trivantian. Seus esforços serão ainda mais dificultados com a chegada de seu irmão, Edo Voss ( Dave Baustita de “Guardiões da Galáxia”), um general de Trivantian que pretende tirar de Baba tudo o que ele mais ama. O elecnco e a produção da série contam com pessoas cegas e de baixa visão, o que levou a obra a receber prêmios pela iniciativa de inclusão de deficientes nas artes. Haverá a terceira temporada.

Netflix

Desaparecido para sempre (Disparu à jamais)– lançada pela Netflix, recentemente, foi adaptada do livro homônimo de Harlan Coben (saiu aqui pela editora arqueiro) . É uma trama cheia de viradas com técnicas de roteiro da tv americana. Ambientada em Nice, na Riviera francesa, mas nas áreas pobres da cidade, o que é um espetáculo extra para o espectador. Mesmo quem já fez turismo local e não conhece esses lugares. O protagonista, Guillaume (Finnegan Oldfield), atua como assistente social e o enredo começa em 2010, com uma cena sangrenta. Um homem armado invade a casa do protagonista e mata sua ex-namorada, Sonia (Garance Marillier), e seu irmão, Fred (Vicolas Duvauchelle). A ação se transfere para os dias de hoje. Guillaume mora mora em outro lugar, na companhia da namorada, Judith (Nailia Harzoune). Ele pede a moça em casamento. Ela se comporta de forma estranha e escorregadia e sai para trabalhar. E nunca mais volta. Ele então começa uma investigação para descobrir o paradeiro dela e as razões do sumiço. Elas podem estar relacionadas ao passado trágico. Vale ver pela Nice pouco conhecida no  cinema e tv, além de ótimas atuações.

Ninguém tá olhando – a série ganhou o troféu Emmy Internacional de 2020 de melhor comédia. Tem uma temporada e oito episódios de 19 a 30 minutos. Uli, o novato anjo da guarda do Sistema Angelus, fica inconformado com a arbitrariedade das ordens que recebe diariamente. Ele, então, se rebela depois de fazer descobertas chocantes sobre a vida e as forças que governam o mundo. Uli é cheio de personalidade. Ele Questiona conceitos complexos como a relatividade do bem e do mal. A série usa um humor ácido para subverter ideias pré-concebidas.

Gloob Bugados: grande sucesso infantil. Nuno Leal Maia aparecer como o mago Bar6tholomeu na terceira temporada. Estreia segnda-feira.

Post Mortem: o universo de produções sobre vampiros ganha reforço com esta série norueguesa sobre a história da Live Hallangen, que ressuscita na mesa de necropsia. Sedenta por sangue numa cidade que não mais ninguém (e que está  atrapalhando a funerária do irmão), ela vê a chance de ajudar os negócios da família.

A Saída: é uma produção polonesa de suspense e focada em Júlia, a única sobrevivente de um acidente que matou toda a sua família. Internada numa clínica de tratamento para cuidar da amnésia, ela faz amizades com outros pacientes que passaram por traumas semelhantes e descobre que o lugar não é bem o que parece.

Globoplay:

O tempo e o vento – a minissérie da obra de Érico Veríssimo de 1985, adaptada para a Globo por Doc Comparato e Regina Braga chegou ao Globoplay. É linda e tem grande elenco. Os 26 capítulos tiveram a direção de núcleo de Paulo José e Tarcísio Meira vivia o Capitão Rodrigo Cambará. Os dois faleceram recentemente. A produção entrou no catálogo do Globoplay  e merece toda a sua atenção. Como explica Paulo José no prólogo de de poucos minutos que antecede ao primeiro episódio, ela fez parte de um projeto da emissora de transformar grandes clássicos em minisséries. Também foi assim com Tenda dos Milagres (Jorge Amado) e Grande Sertão Veredas ( Guimarães Rosa) que chegaram ao streaming, popularizando a literatura pela televisão. Na nova minissérie podemos matar as saudades de Lélia Abramo, Armando Bógus, José Lewgoy, Lutero Luiz, entre outros. A fala de Paulo José leva a uma reflexão do Brasil de hoje. Ele menciona a morte (então recente) de Tancredo Neves e diz: “o momento é de retomada democrática (…). Achamos que a melhor forma de homenageá-lo é ajudar o seu país a caminhar com confiança e otimismo”.

Baseada em Walker: Chuck Norris: Homem da lei (em inglês “Walker, Texas Ranger”), sucesso dos anos 1990. A série ganhou nova versão , agora estrelado por Jared Padalecki. O policial protagonista vive entre a culpa por não ter conseguido salvar a mulher de um assassinato, o trabalho contra o crime e a insatisfação dos filhos.

Prime VideoEm fuga de um lar (não tão) doce lar: a série mistura a linguagem das típicas sitcoms dos anos 1950 com a dos dramas mais atuais para contar a história da dona de casa Allison. Interpretada por Annie Murphy (Shitt’s Creek), a protagonista de divide entre o compromisso de atender às demandas do marido e a necessidade de fugir do  lar opressor.

LAZER

Trilha Transcarioca sem visitantes enfrenta mais queimadas e desmatamento. A pandemia afastou usuários que ajudam a preservar Mata Atlântica na Floresta da Tijuca, no Parque Pedra Branca e outras sete unidades de conservação. A Transcarioca, maior trilha urbana de longo percurso do país, mobiliza milhares de visitantes de diversas partes do mundo, atravessando a cidade do Rio de Janeiro desde a Barra de Guaratiba, na Zona Oeste, até o Morro Pão de Açúcar, na Zona Sul, em um percurso de cerca de 180 quilômetros. O Movimento Trilha Transcarioca reúne mais de dez mil voluntários que contribuem com a manutenção dos trechos e a preservação da área de Mata Atlântica ao redor da trilha e atividades de reflorestamento de plantas nativas do bioma. Entretanto, com a redução do número de visitantes e voluntários, causada pela pandemia da Covid-19, aumentaram os casos de queimadas, desmatamento e ocupações ilegais dentro das unidades de conservação. A queda do número de visitantes durante a pandemia está diretamente relacionada com o aumento dos registros de focos de incêndio na Mata Atlântica carioca. Nesse período de pandemia, a situação piorou, justamente porque não tinham caminhantes e turistas no parque. A fiscalização foi muito prejudicada, porque o frequentador é o olheiro.

O Parque Estadual da Pedra Branca e o Parque Nacional da Tijuca, que, juntos, representam 16 dos seus 25 trechos. A Transcarioca também passa pelo Parque Natural Municipal de Grumari, Parque Natural Municipal da Cidade, Parque Natural Municipal da Catacumba, Parque Natural Municipal Fonte da Saudade, Parque Natural Municipal Jose Guilerme Merquior, Parque Natural Municipal Paisagem Carioca e pelo Monumento Natural dos Morros do Pão de Açúcar e da Urca. Mesmo com a colaboração dos fiscais desses nove parques ecológicos, a quantidade de funcionários não é o suficiente para a gestão dos seus 180 quilômetros. Sem os voluntários, cresceram os números de queimadas e desmatamentos, principalmente nos parques maiores.

FEIRA DE LIVROS

Programação da FLIM 2021 Online : 27 a 29 de agosto

Sexta-feira – 27/08/2021

19h20 – Abertura (Vídeo);19h30 – Enredos e sambas: A cadeia produtiva do Carnaval (Live): Bate-papo com músicos e estudiosos da folia carnavalesca sobre as relações entre a festa e a economia do interior fluminense. Mediação: Rafael Barbosa; 20h30 – Saudades D´Ocê (Vídeo): Performance teatral do Grupo Harmonia.

Sábado 28/08/2021

10hs – lançamento do documentário da jornalista e cantora Tania Malheiros, Clube de Poesias. YouTube da FLIM.

10h – Na pandemia, o Carnaval vira dever de casa (Vídeos): apresentações das escolas de ensino infantil e fundamental; Memória das Marchinhas – Escola Agulha dos Leais; Carnaval do Sossego – Escola Prof. América de Freitas; Bloco do Cemad – Escola Cemad; Baile à Fantasia – Ciep Graciano Cariello Filho; Bloco Unidos de Triunfo – Esc. Corrégio de Castro e Creche Prof. InahJacy; Baile de Máscaras – Creche Prof. Luiz AntonioR.Carvalho; Festa em Manoel de Moraes – Creche M. de Moraes e Esc. Hélio deS. Martins; Folia em Barra Linda – Escola Gentil Carolina e Escola Vereador Vilmar Cascabulho; De Outros Carnavais – Escola Geraldo Lima Garcia; Bloco Unidos do Osório – Escola Osório Bersot; Carnaval no Brinco – Escola Sebastião Borges Barreto

10h – Em tudo que vejo… Arte! (Vídeo): Exposição de Altair Reigoto Boechat: figuras em areia e tinta sobre telha; 10h – Você escreveu o livro. E agora? (Live) – Bate-papo sobre publicação de livros, com dicas para autores. Participação: Valeria Martins, agente literária e Amanda Lobosco, editora.Mediação: Rick da Cunha; 10h – Zuzu Angel: A estilista que enfrentou a opressão (Vídeo) – palestra de David Massena, com lançamento de seu livro “Zuzu, uma fábula cordelizada; 10h – Contos Grisalhos (Vídeo) – lançamento do livro de Catherine Beltrã; 10h – Clube de Poesias (Vídeo) – documentário sobre a professora que através da poesia estimulou e recuperou alunos. Direção de Tania Malheiro; 11h – As mulheres da Casa da Bouça da roupa estendida (Vídeo) – lançamento do livro de Adela Figueroa Panisse (Galícia, Espanha; 14h – Desigualdade na escola. Como superar? (Live) – debate com as educadoras Selma Nardacci, Cecília Pinheiro e Marcia Lobosco, e a cantora e jornalista Tania Malheiros. Mediação: Marcia Lobosco; 16h – Livros à solta: O papel inovador das bibliotecas comunitárias (Live) – bate-papo sobre a crescente importância das bibliotecas comunitárias que se espalham pelo país. Participantes: Janete Borges, da BomBomler (Belém do Pará); Jonas Banhos, da Barca das Letras (Brasília – DF) eVerônica Marcílio, da Favelivro(Rio de Janeiro – RJ). Mediação:Marisa Maia de Mello (Bom Jardim – RJ; 17h – Pandemias, carnavais e outros enredos (Live) – bate-papo com o escritor Ruy Castro, autor do livro “Metrópole à Beira-Mar”, sobre a cultura do Rio de Janeiro nos anos 1920 – uma década que também começou com pandemia. Participação: SilviaSouza. Apresentação: Eurídice Hespanho; 20h – Sarau: Da minha janela (Live) – encontro com os autores de antologia em verso e prosa sobre o sentimento de ver o mundo a partir de nossas janelas. Apresentação: Rick da Cunha;

Domingo 29/08/2021

10h – Biblioterapia: A leitura como apoio psicológico (Live) – a psicóloga biblioterapeuta Cris Seixas fala dos benefícios da leitura para o tratamento de problemas emocionais. Apresentação: Eurídice Hespanhol; 10h – Madalena Surpreendente (Vídeo) – exposição de fotos e estórias de Santa Maria Madalena. Participação: Nestor Lopes, Robson Nunes, Romildo Guerrante e Marcos Bechar; 10h – Ensino “empacotado”: Um problema da educação em Angola (Vídeo) – palestra do pedagogo Constantino Sakawa, de Benguela (Angola); 10h – A Revolução da Longevidade (Vídeo) – lançamento do livro de Valeria Martins sobre a sabedoria necessária para vivermos com prazer a vida cada vez mais longa que nos aguarda;10h – Abelhas.com (Vídeo) – lançamento do livro de Bia Fernandes sobre o fascinante mundo das abelhas e sua importância para a vida na Terra; 10h – Juntas & Diversas: Crônicas (Vídeo)-lançamento da antologia de crônicas e bate-papo com as autoras sobre a vivência da pandemia pelo viés feminino; 11h – Histórias do Meio do Mundo (Vídeo) – a escritora e bordadeira Julianne Veiga, de Goiás, lança volume de contos calcado no universo das mulheres de sua terra; 14h – Autoritarismo e conteudismo na educação: O que precisamos saber (Live) – palestra do educador Marcelo Freixo Lima sobre a nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e o papel de pais e professores na superação das velhas práticas de ensino. Apresentação: Joselito Chagas, coordenador da Secretaria Estadual de Educação na Região Serrana; 15h – Paixão pela Palavra (Vídeo) – documentário sobre o poeta brasileiro Manoel de Barros. Direção de Claudio Savaget; 17h – Da Cor ao Preto & Branco (Vídeo) – craques da fotografia discutem e mostram suas opções pela cor ou o preto & branco. Participação: Lena Trindade, Rogerio Reis, Marco Antonio Cavalcanti, Simone Marinho, AndréArruda, Romildo Guerrante  e Marcus Veras. Dir.: Marcus Veras; 19h – Estação Poesia (Vídeo) – sarau da Casa da Cultura de Santa Maria Madalena; 20h – Show (Vídeo) – apresentação da banda Flor de Aruanda: uma síntese de MPB, rock e soul music, com Renata Lira (voz), Alexandre Lira (baixo), Marcos Azevedo (bateria) e Marvin Foster (guitarra); 21h – Encerramento (Vídeo). Programação no site.

LIVROS

Eleanor Marx: uma vida ( Expressão Popular): uma biografia da historiadora Rachel Holmes. Recém-lançado, é um livro de 500 páginas sobre a filha do autor de “O Capital”, Eleanor Marx. Tussy, como era conhecida, tinha luz própria. Nascida em 16 de janeiro de 1855, em Londres, era a filha caçula de Karl e Jenny Marx. Dos sete filhos do casal, apenas três chegaram à idade adulta: Jenny (apelidada de Jennychen), Laura e Eleanor. A autora descreve Eleanor como uma das grandes heroínas da história britânica. Uma oradora bruilhante, a caçula dos Marx queria ser atriz e ajudou a popularizar a obra de Ibsen, além de traduzir “Madame Bovary”. Lutou pela melhoria das condições de trabalho nas fábricas, pela expansão de direito ao voto, pela universalização da educação e pela proibição do trabalho infantil. Sua maior contribuição foi usar as teorias do pai para  pensar a “questão da mulher”, sendo a pioneira do feminismo marxista. Em seu livro “A questão da mulher”, de 1886, insistiu  que não haveria revolução nenhuma sem luta pela emancipação feminina. Eleanor era , junto com a mãe e Engels, capaz de decifrar a caligrafia do pai e foi sua primeira biógrafa que não chegou a terminar quando  Elgels, em seu leito de morte, revelou que o amigo era o pai de Freddy, filho de Helene Demith, fiel governanta da família Marx. Engels assumiu a paternidade do rapaz, mas o excluiu de seu testamento. Ela se suicidou aos 43 anos, ingerindo ácido. As especulações são sobre a traição de seu companheiro com outra mulher, a decepção com o pai que não s=assumiu um filho ou  o gracado em combater o nacionalismo que crescia no movimento operário em detrimento da solidariedade internacional.

Serei sempre teu abrigo (Biblioteca Azil, R$54,90): Valter Hugo Mãe. Neste conto, um neto observa atentamente a existência dos avós e tudo o que há de terno, amoroso e sábio entre eles. Ele pensa “ um dia, entendi que os velhos são nosso heróis. Passaram por muito, ganharam e perderam tanta coisa, Perderam pessoas. Persistem sobretudo para cuidar de nós, os mais novos, e nos assistirem. Observam-nos”.

As ondas (Autêntica, R$ 69,80) – Virginia Woolf. O romance acompanha a vida de seis personagens, da infância à velhice, sem estabelecer especificamente o tempo e o local das narrativas, e sua linguagem elíptica é considerada um desafio para os leitores. O tradutor da obra, Thomaz Tadeu, diz que escolheria este romance como o melhor e o mais sofisticado de Virginia.

Por que você voltava todo verão? (Elefante, R$40) – da escritora argentina Belén López Peiró toda a barbaridade da violência sexual é jogada na cara do leitor. No livro está a história de um abuso real narrado de forma ríspida, direta, crua e rápida: o livro pode ser lido em uma hora, ainda que precis de mais tempo para ser digerido. Peiró conta como um tio, em cuja casa passava os verões, a submeteu à violência sexual entre os 13 e 16 anos, ao mesmo tempo em que narra como foi o processo judicial que moveu contra ele aos 22. Cada capítulo traz diferentes membros de sua família: a mãe que se sente culpada, a prima que não acredita no que ela diz, a tia que até acredita, mas não vai tomar atitude. Em poucas páginas, a autora consegue abarcar o sofrimento pelos quais mulheres que sofrem violência sexual passam ao denunciar os estupradores. A autora escreve sobre a confusão mental que é ser violada por uma figura de afeto e vuidado, o descrédito de parte dos familiares, a provação que é reviver momentos tão dolorosos na delegacia e no tribunal, o despreparo das instituições na hora de amparar as vítimas. Uma pesquisa do IBGE apontou que 8,9% das brasileiras já sofreram violência sexual.

Dica do jornalista Gilberto Pauletti  – História do Brasil Contemporâneo é uma obra de leitura obrigatória, principalmente para estudantes. É um dos melhores trabalhos sobre o assunto, do historiador Carlos Fico, professor da UFRJ e pesquisador do CNPq. Fico conta como foi o Brasil no período do suicídio de Getúlio Vargas até os dias atuais, chegando ao governo Lula.

Golpes, contragolpes, renúncias, campanhas eleitorais e ditaduras são apresentados com riqueza de detalhes, além de citar um vasto número de personagens que se destacaram na vida brasileira. Fico tem a preocupação de não deixar nenhum deles sem um perfil que ajuda o leitor a conhecer esses personagens e entender sua importância.

Outro dado importante deste livro é o papel dos militares e suas repetidas intervenções na vida política do Brasil ao longo de décadas.  E mostram que esse comportamento se estende até hoje. Portanto, nenhuma surpresa com a presença de generais, coronéis, e até oficiais de baixo escalão ocupando espaços em empresas estatais, instituições financeiras e autarquias. No atual governo essa presença é maior ainda liderada por um capitão do exército reformado.

Fico mostra também a importância da criação do que se chamou comunidade de informações, uma enorme rede de militares – também contou com a participação de civis – que monitoravam a vida profissional e até pessoal dessa gente investigada. Cada órgão do governo tinha um representante, ou mais – cuja sigla era SNI Serviço Nacional de Informações, que regularmente produziam relatórios sobre o comportamento dos investigados que poderiam comprometer a carreira de um profissional não alinhado com as posições políticas do governo. A vida cultural também faz parte da narrativa de Fico não esquecendo da repressão que chegou até artistas, estudantes, músicos, sindicalistas, exilados, assassinados ou torturados.

Editado pela Contexto, o livro brinda o leitor – em suas 158 páginas – com uma cronologia que ajuda na leitura desse belo trabalho.

 

Golpes, contragolpes, renúncias, campanhas eleitorais e ditaduras são apresentados com riqueza de detalhes, além de citar um vasto número de personagens que se destacaram na vida brasileira. Fico tem a preocupação de não deixar nenhum deles sem um perfil que ajuda o leitor a conhecer esses personagens e entender sua importância.

Outro dado importante deste livro é o papel dos militares e suas repetidas intervenções na vida política do Brasil ao longo de décadas.  E mostram que esse comportamento se estende até hoje. Portanto, nenhuma surpresa com a presença de generais, coronéis, e até oficiais de baixo escalão ocupando espaços em empresas estatais, instituições financeiras e autarquias. No atual governo essa presença é maior ainda liderada por um capitão do exército reformado.

Fico mostra também a importância da criação do que se chamou comunidade de informações, uma enorme rede de militares – também contou com a participação de civis – que monitoravam a vida profissional e até pessoal dessa gente investigada. Cada órgão do governo tinha um representante, ou mais – cuja sigla era SNI Serviço Nacional de Informações, que regularmente produziam relatórios sobre o comportamento dos investigados que poderiam comprometer a carreira de um profissional não alinhado com as posições políticas do governo. A vida cultural também faz parte da narrativa de Fico não esquecendo da repressão que chegou até artistas, estudantes, músicos, sindicalistas, exilados, assassinados ou torturados.

Editado pela Contexto, o livro brinda o leitor – em suas 158 páginas – com uma cronologia que ajuda na leitura desse belo trabalho.

 Precisamos falar sobre estupro (Globo Livros) – da escritora americana Roxane Gay que é um dos nomes mais importantes do feminismo dos EUA. Ela reúne 30 relatos, todos escritos na primeira pessoa (apenas dois escritos por homens), por quem, como ela, convive com as reminiscências de uma violência sexual. Roxane foi vítima, aos 12 anos, de um estupro coletivo em um bosque de sua vizinhança, levada a uma cabana por um adolescente por quem estava apaixonada e que, acompanhado de outros colegas, segurou-a pelos punhos e a violentou. Hoje, aos 46 anos, Gay é professora da Universidade de Yale e colunista do NYT.Além do trabalho acadêmico e da escrita ficcional, se dedica a pensar sobre gênero e sexualidade, raça, política e entretenimento, quase sempre mesclando memória e crítica cultural, como fez nos best-sellers “Má feminista em que expões de maneira afiada o seu ativismo e “Fome”, autobiografia em que revela, com impressionante sinceridade, como desenvolveu uma compulsão alimentar para se esconder dos olhares alheios.

Hello, Brasil! E outros ensaios (Fósforo, R$ 69, 90) – Contardo Calligaris. Nova edição da obra de 1991, do escritor, psicanalista e dramaturgo, morto, em março, vítima de um câncer, aos 72 anos. O livro ainda pe visto como uma das interpretações mais precisas e reveladoras da cultura nacional e ganhou prefácio i nédito da historiadora Lilia Schwarcz. Além do texto revisto pelo autor em 2017, a obra traz também um caderno de imagens.

O dono do morro – do repórter investigativo inglês Misha Glenny. O livro fez um impressionante retrato da guerra às drogas no Rio ao contar a história real de Antônio Farncisco Lopes, o Nem, líder do tráfico na Rocinha.  Lançado em 2015, o livro agora vai virar uma série de ficção em três temporadas, com roteiro de Glenny. Nemesis mostrará como Nem passu de um entregador de baixa renda ao rei da maior favela do Brasil e criminoso mais procurado do país. O objetivo da série será fugir do sensacionalismo do tráfico, mostrando suas entranhas e bastidores, mostrando, através de uma jornalista inglesa que mora na Rocinha e sente os bastidores e as entranhas doi tráfico e os interesses políticos e econômicos que vão além do combate às drogas.

A extinção das abelhas (Companhia das LetrSerei sempreas, R$ 69,90) –  Natalia Borges Polesso. A narradora do livro, Regina, diz que “ o fim do mundo já acontecia fazia tempo bem na nossa vizinhança. E assistíamos a ele como se fosse ficção, como se não fosse problema nosso”.  Desde o início deste inquietante romance , o pacto com o leitor se estabelece: de imediato, ele nos enteda na teia em que haverá família, amor e o colapso de uma ordem como até então conhecíamos. O familiar e o estranho se entrecruzam de forma permanente. O livro s passa em pós-pandemia e no Brasil um apresentador de Tv foi eleito presidente, após impeachment do anterior. A autora explora relações homoafetivas e o feminino se multiplica  nessa investigação sobre o amor, o erotismo e as formas de sobrevida em um planeta em frangalhos. Há caçada a pessoas lésbicas e trans.

O Debate – está saindo pela Cobogó o livro de uma peça ambientada em um futuro próximo: outubro de 2022, quando acontece o último debate entre Lula e Bolsonaro no segundo turno das eleições. Guel Arraes e Jorge Furtado escreveram juntos a obra. Vai dar o que falar.

O Brasil de dentro (Bei)– Elain Eiger. A escritora mostra as fachadas de casas do Sertão com cerâmicas e azulejos e um festival de cores exuberantes.

PODCAST

Mano a mano – Karol Conká é a convidada de Mano Brown no episódio de estreia de Mano a Mano, podcast do Spotify em que o rapper entrevistará personalidades de vários segmentos. Estreou ontem.

Papo de política – o programa é exibido muito tarde na Globonews e quem não viu só pode ouvir o podcast depois. Fica a dica.

6hs, diariamenteAo ponto: podcast  que fala dos assuntos diários que chama a atenção do Brasil e do mundo no site do Globo e nas principais plataformas de áudio. Fala de economia, política, tecnologia, esportes ou cultura.

MÚSICA

Paulinho  Boca de Cantor lançou Além da Boca com músicas que retratam nosso tempo, após jejum de dez anos. O destaque do álbum é o samba Ah, Eugênio, parceria de Zeca Baleiro e Zélia Duncan. Fala de um cara viciado em celular: “ Eugênio, conheço seu gênio/Seu remédio pe contrilado/ Cuidado, seu passado pode ir parar no Face/ E essa sua pose, já viu, vai pro space/ Larga esse iPhone, meu filho, apaga essa selfie”. Ele diz que tem amigos que deixaram de lado a amizade por causa dessa tecnologia louca. Ficam só no celular, tirando selfie o tempo todo – lamenta Boca, que também canta a correria da vida atual em Ligeiro demais. O disco também traz participação de jovens como Tim Bernardes e Biel Basile da banda O terno (em “Ligeiro demais”), entre outros. Betão, filho de Boca, foi a ponte em direção à juventude e também e um grande aglutinador no meio musical. Ele assina a produção do álbum.

Gottscha – a cantora gravou um novo EPcom músicas que marcaram sua vida e fez um dueto para lá de especial com Miguel Falabella, seu amigo de longa data. aOs dois gravaram versão do clássico “Don’t go breaking my heart”. Está disponível nas plataformas digitais.

Marina Sena – aos 24 anos, a cantora mineira, estreia em disco solo, “De primeira” que virou assunto nas redes sociais desde que foi lançado nas plataformas de streaming na semana passada. Está causando impacto  e é um disco raro de artista emergente a causar tamanho impacto nos últimos meses e desponta como um dos grandes lançamentos do ano. S dez faixas do álbum já acumularam até ontem 4,4 milhões de reproduções no spotify. Os clipes dos primeiros “singles”, “Me toca” w “Voltei pra mim”, beiram o um milhão de plays. O álbum soa como uma grande festa pop de verão “Seu olhar” é um funk com o danceball jamaicano; “Tamborim”, um samba da Lapa; “Amiúde”,  uma neo MPB com sintetizadores; o reggae e o axé surgem como frases em outras faixas. Mariana quer ser pop. Quer ser o Brasil para o  mundo ver e ouvir.

SHOWS/LIVES

HOJE

De hoje a domingoLive Festa do Peão de Barretos, com o tema “Barretos ontem, agora e pra sempre”. Dentre a programação os destaques são os shows de Wesley Safadão e César Menotti & Fabiano. Na agenda do evento você confere todas as datas e atividades previstas para as lives. O evento será transmitido gratuitamente por meio do canal da Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos no Youtube

19h |  Canal: Youtube e Instagram. A série #EmCasaComSesc lançada em 2020, continua em 2021.  A programação é sempre diversificada, com espetáculos ao ao vivo na internet, rodas de conversas e muito mais.
São shows,  apresentações de teatro e dança, além espetáculos para crianças e famílias, sempre mesclando artistas e companhias consagrados no cenário brasileiro, com novos talentos. As transmissões acontecem de terça a domingo, às 19h, exceto a apresentação para crianças, aos sábados, que ocorre às 15h.

 

SÁBADO

14h — live Feijokê da Vevetaque contará com a presença da cantora Ivete Sangalo mais convidados super especiais. Entre os participantes estarão a Banda Eva, o ator Ary Fontoura, além do atleta olímpico Douglas Souza para um karaokê especial, acompanhados de uma feijoada, receita especial da Ivete.
Entre os participantes estarão a Banda Eva, o ator Ary Fontoura, além do atleta olímpico Douglas Souza para um karaokê especial, acompanhados de uma feijoada, receita especial da IveteOs fãs poderão assistir a live no perfil da Ivete no Instagram, com a chance de participar e interagir, além de cantar muitos de seus sucessos favoritos.

19hsIntegral das Sonatas de Beethoven para violoncelo e piano com Jed Barahal e Christina Margotto.Presencial e on line pelo YouTube da Sala Cecília Meireles e TV Alerj. R$20.

Para compra pela internet: https://bileto.sympla.com.br/event/68211/d/102987

Programa: Ludwig van Beethoven (1770-1827):12 Variações, WoO 45 sobre um tema do oratório “Judas Macabeus”, de Händel; Sonata para violoncelo e piano em Fá maior, op. 5, nº 1:I – Adagio sostenut; II – Allegro; III – Allegro vivace. 12 Variações, op. 66 sobre o tema “Ein Mädchen oder Weibchen” da ópera  “A Flauta Mágica”, de Mozart. Sonata para violoncelo e piano em Lá maior, op. 69: I – Allegro, ma non tanto;II – e III.

21hs às 23h30live da banda Nenhum de Nós.O show ao vivo será um aquecimento para as comemorações dos 35 anos do grupo a serem  completados em outubro deste ano. No repertório do grupo. Na apresentação, hits como “Paz e Amor”, “Você Vai Lembrar de Mim”,  “Julho de 83” e da plataforma Cubo Play e os ingressos já estão a venda a partir de R$ 20.

DOMINGO

13 hs – 80 homenagens áureas: todos os domingos nesse horário, a cantora Áurea Martins reúne vários cantores que homenageiam  um nome do cenário musical. Serão 80 shows virtuais em homenagem as 80 anos de Áurea que não pode ser comemorado no ano passado, por causa da pandemia. Transmitida através do seu canal no YouTube. As lives ficam disponíveis no canal.

Endereço: https://www.youtube.com/channel/UCj70JFrxgQka3_5qGqZLX1A

17h Série Música de câmara – Presencial: Integral para violoncelo e piano de Beethoven com Jed Barahal, violoncelo e Christina Margotto, piano. Obra de Ludwig van Beethoven (1770-1827) – 7 Variações, WoO 46 sobre o tema do dueto “Bei Männern welche Liebe fühlen” da ópera “A Flauta Mágica”, de Mozart.Sonata para violoncelo e piano em Sol maior, op. 5, nº 2: I – Adagio sostenuto ed espressiv; II – Allegro molto più tosto prest; e III – Rondo. Allegro. Sonata para violoncelo e piano em Dó maior, op. 102, nº 1: I – Andante – Allegro vivace; II – Adagio – Allegro vivace. Sonata para violoncelo e piano em ré maior, op. 102, nº 2: I – Allegro con bri; II – Adagio con molto sentimento d’affetto; III – Allegro

Ingressos: R$20.

14hSabão:

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012