Justiça de SP contraracismo na rede


03/06/2011


A Justiça Federal de São Paulo aceitou a denúncia, por crime de racismo, contra a estudante de direito Mayara Petruso. A universitária insultou nordestinos no Twitter, ao postar “nordestisto (sic) não é gente. Faça um favor a SP: mate um nordestino afogado!”, no dia 31 de outubro de 2010. A denúncia foi oferecida pela Procuradoria da República de São Paulo.A estudante postou o comentário após o resultado do segundo turno das eleições para Presidente da República, que levou Dilma Rousseff (PT) ao cargo. A mensagem de Mayara foi criticada por milhares de internautas, que levaram o assunto ao Trending Topics do microblog.A pena para o crime de racismo vai de três meses a um ano de prisão mais multa. Como o crime foi cometido por meio de um veículo de comunicação, pode ser elevada para até cinco anos de cadeia.
Segundo o MPF, Mayara confirmou em depoimento que é a autora dos comentários. O  orgão confirmou ainda a materialidade de uma mensagem publicada também no Twitter por Natália Campello, residente em Recife (PE): “O sudeste é um lixo, façam um favor ao Nordeste, mate um paulista de bala 🙂 vão se f… paulistas filhos da p…”
 
Segundo o MPF, as duas mensagens são igualmente racistas. No entanto, as autoridaedes ainda não conseguiram identificar Natalia corretamente, e sabem apenas que ela mora no Recife.
 
A ação contra Mayara resultou da manifestação feita na época por várias pessoas e entidades de classe, entre elas a OAB de Pernambuco. No dia 5 de novembro de 2010, a seccional da Ordem apresentou uma notícia-crime contra Mayara ao Ministério Público de São Paulo.
 
O Presidente da OAB-PE, Henrique Mariano, afirmou que como todos os elementos comprovarem a prática de crime pela internauta, a entidade tomou a iniciativa de promover a ação penal.
 
Ele afirmou ainda que a estudante praticou ao mesmo tempo, os crimes de racismo e de incitação pública à pratica delituosa, e citou como exemplo outra recente manifestação de uma usuária do Twitter, também de cunho racista, após a realização do jogo Ceará x Flamengo, quando o time cearense saiu vencedor. “Isso não pode crescer. Enquanto não houver uma punição exemplar, esses crimes continuarão sendo cometidos”, afirmou.
 
*Com informações do Último Segundo.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012