Vice-presidente a ABI, Paulo Jeronimo



pagePaulo Jeronimo de Sousa, o Pagê, natural de Mococa, interior de São Paulo, é um profissional singular (ou plural…): ele reúne numa só pessoa múltiplos profissionais de comunicação. Ao longo de suas várias décadas de carreira, pontificou, sempre com talento e proficiência, em numerosas vertentes do vasto universo da mídia. É um típico jornalista de redação: já foi repórter, copy-desk, colunista e editor, tendo atuado em Economia, Cidade, Internacional e Política, em newsletters e em jornais como os “Diários Associados” e “O Globo”. Em novembro de 1964, recém-chegado ao Rio, publicou sua primeira matéria na imprensa carioca, no Correio da Manhã, que estampou a manchete “FAB metralha helicóptero da Marinha”. Todo o texto foi publicado na 1ª página. O Presidente na época, Castelo Branco, demitiu no mesmo dia o ministro da Aeronáutica, que se tornou o único ministro militar derrubado pela imprensa durante os 21 anos da ditadura.

Além de jornal, fez revista e televisão. Mas, ao mesmo tempo, é um dos mais experientes assessores de imprensa do País: para mencionar apenas algumas de suas atividades nesta seara, foi assessor de comunicação nos Ministérios do Interior e de  Minas e Energia, no Banerj, no BNH (na gestão que, nos anos 60, lançou, pela primeira vez no Brasil, o financiamento público e de longo prazo para habitação popular), na Prefeitura do Rio de Janeiro, no Governo do Estado do Rio por três vezes e no BNDES.

Neste último, trabalhou por 27 anos e lá se aposentou. Ainda no BNDES, comandou, no início dos anos 90, os trabalhos de divulgação e de comunicação do Programa Nacional de Desestatização, que ganhou na ocasião os mais expressivos prêmios do setor (até no exterior), entre eles a Medalha de Ouro do Prêmio Colunistas pela melhor campanha institucional do País. Foi também assessor de imprensa de três governadores do Estado do Rio de Janeiro: Negrão de Lima nos anos 60, Moreira Franco nos anos 80 (durante 5 meses) e Marcello Alencar nos 90.

Quando decidiu dedicar-se ao mundo da publicidade, nos anos 70, em São Paulo, dirigiu com brilho, entre outras, a agência Sistema, com a qual ganhou o Prêmio Colunistas de Propaganda também na categoria campanha institucional.

Foi diretor de Assistência Social da ABI – Associação Brasileira de Imprensa – de 2005 a 2010 e conselheiro de 2004 a 2013.

Em 2015 foi eleito Vice-Presidente da ABI na chapa Vladimir Herzog, liderada por Domingos Meirelles.

Em 2016 foi reeleito pela mesma chapa, junto com Domingos Meirelles, para o mandato até 2019. Também preside a Comissão de Liberdade de Imprensa e Direitos Humanos da Instituição.

Hoje, aos setenta e tantos anos, Pagê continua no batente, com a vitalidade e a garra de sempre, agora especializado também no ofício de consultor de comunicação – e é mais que nunca, disputado por empresas, instituições, entidades privadas e políticas, embora aposentado. (José Gorayeb – maio de 2016).

“Os artigos do site não refletem, necessariamente, a opinião da Diretoria da ABI”