Suíça apela contra liberdade de Assange


14/12/2010


O fundador do WikiLeaks, jornalista Julian Assange, foi autorizado pela justiça britânica, na tarde desta terça-feira, 14, a responder o processo em liberdade, sob o pagamento de fiança no valor de 200 mil libras(R$ 540 mil reais). Contudo, a Suécia apelou da decisão, o que manterá o jornalista sob custódia por pelo menos 48 horas. O advogado de Assange, Geoffrey Robertson, informou que artistas e personalidades fizeram doações para o pagamento da fiança.
 
De acordo com o Juiz Howard Riddle, do Tribunal de Westminster, quando estiver solto, Assange deverá usar um rastreador eletrônico, permanecer em um endereço registrado, se reportar à polícia todas as noites e respeitar dois turnos de toque de recolher de quatro horas a cada dia.
 
Com a libertação condicional, Julian Assange voltará a depor na corte do Reino Unido em 11 de janeiro de 2011.  
 
Responsável pelo vazamento de milhares de documentos confidenciais de diplomacia norte-americana que causaram escândalo internacional, Assange foi preso no último dia 7, em Londres, acusado de crimes sexuais na Suécia.
 
A TV australiana Network Seven pediu a Christine Assange, mãe do jornalista, que fizesse uma pergunta sobre o caso ao filho, durante visita a ele na prisão. Em resposta, Assange acusou as empresas que suspenderam o pagamento de doações ao WikiLeaks de estarem ligadas ao Governo dos Estados Unidos:
—Sabemos agora que Visa, Mastercard, PayPal e outras são instrumentos da política externa dos EUA. Não é algo que sabíamos antes. Estou pedindo ao mundo para que proteja meu trabalho e minha equipe desses ataques ilegais e imorais. Este processo aumentou minha convicção de que as informações são verdadeiras e corretas.
 
Nesta segunda-feira, dia 13, o Presidente Luis Inácio Lula da Silva voltou a defender Julian Assange e o direito à liberdade de expressão. Lula já havia se manifestado em favor do jornalista na quinta-feira, dia 9.  
—Vamos fazer um protesto contra aqueles que censuraram o WikiLeaks. Uma manifestação porque a liberdade de imprensa não tem meia cara. É total e absoluta. Não pode desnudar só um lado. Tem de desnudar tudo.
 
O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, classificou como “deploráveis” o vazamento do WikiLeaks. A declaração teria sido feita por Obama no último dia 11, em conversas telefônicas com o Primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, e com o Presidente mexicano, Felipe Calderón, de acordo com a Casa Branca.
 
Neste mesmo dia, manifestantes protestaram contra a prisão de Assange em diversas parte do mundo. No Brasil, dezenas de pessoas se concentraram em frente ao Consulado Geral Britânico, em Pinheiros, Zona Oeste de São Paulo, para exigir a libertação do jornalista. O movimento foi organizado principalmente pela internet, em redes sociais como Facebook e Twitter. Cartazes com a foto do fundador do Wikileaks e a mensagem “Libertem Assange” foram afixados no portão do consulado.
 

*Com informações de O Globo.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012