Restos mortais de Jango são recebidos com honras militares em Brasília


Por Cláudia Souza*

14/11/2013


Urna com restos mortais de Jango chega a Brasília (Foto: Guilherme Mazui / Agencia RBS)

Urna com restos mortais de Jango chega a Brasília
(Foto: Guilherme Mazui / Agencia RBS)

A urna com os restos mortais do ex-presidente João Goulart chegou à base aérea de Brasília por volta das 11h45min desta quinta-feira, 14. Com honras de chefe de Estado, o esquife de Jango foi recepcionado pela presidente Dilma Rousseff, pela viúva Maria Thereza Goulart, pelos ex-presidentes Luis Inácio Lula da Silva, José Sarney e Fernando Collor, além de ministros de Estado, comandantes das Forças Armadas e outras autoridades.

O corpo do ex-presidente foi transportado em um Airbus 51 da Força Aérea Brasileira (FAB), da cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, após a finalização dos trabalhos de exumação realizados entre as 7h30 da manhã desta quarta-feira, 13, às 2h45min, desta quinta, 14, no Cemitério Jardim da Paz, em São Borja(RS), onde está localizado o jazigo da família Goulart.

Da base aérea de Brasília, a urna seguiu escoltada por batedores para o Instituto Nacional de Criminalística (INC) da Polícia Federal, onde serão realizados exames antropológicos e de DNA. Os peritos também vão coletar amostras que serão enviadas a laboratórios no exterior, responsáveis pelos exames toxicológicos. O objetivo é esclarecer a causa da morte de Jango. Existe a suspeita de que o ex-presidente tenha sido morto por envenenamento, em 1976, durante o exílio na Argentina, oficialmente, vítima de um ataque cardíaco.

Muito emocionada, Maria Teresa Goulart, defendeu os trabalhos de investigação:

— Jango merecia ter a causa da morte investigada. Ele não teve esse momento de fazer uma autópsia. Eu acho que poderia ter feito até, mas ninguém foi capaz de fazer. Acho que é um ato de coragem esse reconhecimento, também pelo presidente que ele foi.

Presente à cerimônia, a ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, destacou a importância da apuração da morte de João Goulart:

— Esse momento tem uma grande relevância para o Brasil. A presidente Dilma determinou que esse resgate histórico significasse a valorização da democracia. Estamos fazendo justiça, recuperando a nossa própria história e fazendo uma homenagem a um presidente constitucionalmente estabelecido e que foi deposto em uma circunstância de golpe.

Operação Condor

Deposto durante o golpe militar de 1964, Jango morreu em 6 de dezembro de 1976, em sua fazenda, em Mercedes, na Argentina. Cardiopata, ele teria sofrido um infarto, mas uma autópsia nunca foi realizada. Nos últimos anos, surgiram evidências de que o ex-presidente pode ter sido mais uma vítima da Operação Condor, a aliança entre as ditaduras do Cone Sul para eliminar opositores além das fronteiras nacionais.

Em 2006, o ex-espião uruguaio Mario Neira Barreiro, que estava preso por crimes comuns, e cumpria pena em uma penitenciária de Charqueadas, no Rio Grande do Sul,  disse ao filho de Jango, João Vicente Goulart, que espionava Jango e que teria participado de um complô para trocar os remédios do ex-presidente por uma substância mortal.

Em 2007, a família de Jango solicitou ao Ministério Público Federal (MPF) a reabertura das investigações. O pedido de exumação foi aceito em maio deste ano pela Comissão Nacional da Verdade (CNV).

*Com informações do Portal Terra, G1, Zero Hora

 

 

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012