16 de agosto de 2022


Renan incluirá EBC como órgão que disseminou fake News em relatório da CPI


28/09/2021


Por Carla Araujo, publicado no portal UOL.

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) vai incluir a EBC (Empresa Brasil de Comunicação) em seu relatório final da CPI da Pandemia na parte de “desinformação institucional”, segundo apurou a coluna. O senador dirá que o órgão público disseminou notícias falsas sobre a pandemia. Para sustentar sua versão, o senador usa como base um relatório feito pela Frente em Defesa da Comunicação Pública e da EBC que aponta que a “Empresa Brasil de Comunicação está sendo usada pelo atual governo federal para disseminar e reforçar narrativas negacionistas e governistas sobre a pandemia, que certamente prejudicaram o combate ao vírus da covid-19”.

O relatório, o qual a coluna teve acesso, traz uma série de reportagens da imprensa brasileira sobre o tema. Segundo o relatório, a Lei da criação da EBC (nº 11.652/2008) vem sendo desrespeitada e o governo usa os veículos públicos para proselitismo político e promoção pessoal.

Uma das reportagens, veiculada pelo UOL, mostrou que um repórter da Rádio Nacional, que pertence à EBC, foi afastado da cobertura do Ministério da Saúde depois de ter questionado a pasta sobre a nomeação de militares sem formação médica. “Os veículos públicos da EBC deveriam, neste momento, cumprir sua missão de levar informação de qualidade à população, além de combater fake news, para promover a saúde e preservar vidas. Fica evidente o uso do aparato público de comunicação pelo governo do presidente Jair Bolsonaro para difusão de fake news e desinformação sobre a gravíssima situação da Covid-19 em nosso país”, diz um trecho do documento.

As entidades representativas dos trabalhadores e a Frente em Defesa da EBC e da Comunicação Pública, formada por dezenas de entidades da sociedade civil, acadêmicas, jornalistas e pesquisadores, têm produzido relatórios, dossiês e denúncias sobre o desvirtuamento dos veículos públicos da empresa para divulgar ações e programas do governo federal. “Por lei e em respeito à Constituição Federal, nenhum governo pode usar a EBC para promoção própria. A autonomia em relação ao governo Federal, assim como a vedação ao proselitismo, estão claramente expressos no texto legal”.

Procurada para comentar o teor do relatório e como se posiciona diante da inclusão da empresa no relatório da CPI da Pandemia, a EBC mas ainda não se manifestou.

Veja em: https://economia.uol.com.br/colunas/carla-araujo/2021/09/27/renan-incluira-ebc-como-orgao-que-disseminou-fake-news-em-relatorio-da-cpi.htm

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012