Grupo aponta alternativas no setor audiovisual


29/06/2016


DSC01153

Grupo Reinventar, dos JornalistasRJ

O painel “Oportunidades em TV e Cinema: um novo roteiro na carreira de quem busca se Reinventar”, a 11ª edição do grupo Reinverntar, dos Jornalistas/RJ, realizado nessa quarta-feira (29/06), no auditório da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no Centro do Rio, reuniu mais de cem profissionais de mídia que buscam novas oportunidades no jornalismo.

Altamir Tojal, membro da Comissão de Direitos Humanos da ABI, e mediador do encontro, falou sobre a importância de a entidade estar apoiando a inciativa, que disponibiliza ferramentas para o profissional lidar com as transformações: “A ABI tem a missão de receber essa ação do Jornalistas/RJ. É uma atitude muito positiva nesse momento difícil da profissão, agravado pela grave crise econômica. Estamos sendo diretamente afetados pelas mudanças tecnológicas”.

Lais Mendes Pimentel, que trabalhou durante 25 anos em redações de TV, rádio e internet, contou como fez a transição do jornalismo para a dramaturgia e como a profissão a ajudou a se reinventar dentro do novo nicho. “Aos 42 anos queria continuar escrevendo, mas fugir do estresse das redações. Nosso olhar de jornalista é um acervo inestimável para a atividade. Como o trabalho de roteirista é muito solitário, quase eremita, eu estou sempre fazendo cursos para manter meu networking e estou sempre no Facebook. Acionar os amigos e fazer nossa rede é fundamental, e essa área é carente de profissionais”.

Leonardo Dourado, um dos sócios da Telenews, migrou para a produção independente ainda na década de 90, e atua como roteirista, diretor, produtor executivo em projetos de conteúdo para televisão e mídias digitais, além de realizar filmes corporativos, marketing político e social. Ele é um dos fundadores da ABPI-TV, Associação Brasileira de Produtores Independentes de Televisão.

DSC01151

Altamir Tojal, Leonardo Dourado, Flávia Oliveira, Lais Pimentel, Pajê e Malu Fernandes

Dourado destacou a importância de estar preparado para os novos desafios como aprender a lidar com a burocracia e a estar com um bom projeto conciso e claro para apresentar ao cliente, já que a área está em expansão: “Temos que ser muito objetivos no momento de oferecer nossa ideia aos produtores, e para isso, o “backgroud” de jornalista é sempre um aliado, também por contra do domínio da Língua Portuguesa”.

Outra dica, segundo Dourado, é estar bastante antenado e observar os eventos do audiovisual, como uma ponte de entrar no nicho e manter-se atualizado: “Além da capacitação para a formatação de projetos, receita mínima para entrar no mercado, o brilho nos olhos do autor no ato da apresentação é fundamental”, sugeriu.

Entusiasta do projeto Reinventar, Flávia Oliveira acredita em um novo mercado de trabalho em que o emprego formal está acabando: “Confesso que nunca pensei em ser uma empreendedora, não é uma vocação. Mas quando sai do jornal O Globo no ano passado decidi que não queria mais emprego. O negócio do jornalismo está em crise e a profissão de jornalista não. Há sempre um fato ocorrendo neste exato momento em algum lugar, e isso é conteúdo, seja em qualquer plataforma. As empresas de comunicação não estão á frente do que está acontecendo na produção e distribuição de conteúdo. A profissão é fértil se olharmos dos diferentes aspectos e pontos de vista”.

Flávia, que trabalhou no O Globo durante 20 anos, apontou diversos aspectos na vida, além do profissional, para quem deseja se reinventar e promoveu uma reflexão sobre aspectos pessoais que influenciam diretamente no desempenho profissional. Segundo a jornalista, as pessoas devem buscar alternativas de trabalho mas também ajuda em um tripé: “Família, espiritualidade e fé, já que não podemos lidar com todas as dificuldades no isolamento. E o Reinventar é um espaço onde podemos nos unir e partilhar nossas experiências, dificuldades e superação”.

Atualmente Flávia é comentarista do “TV Mulher 2016”, no “Canal Viva”. escreve artigos mensais no Blog PayPal e é colaboradora dos sites “Euplanejo360”, da seguradora Mongeral Aegon, e “Projeto#Colabora”, participa como palestrante em seminários, e está aberta e atenta a novos desafios. Flávia apresentou uma lista de dez mandamentos para os jornalistas que querem empreender, que ela vem aprendendo “na marra”, como cuidar da saúde, já que pessoa jurídica não tem licença, capacidade de gerir seu tempo e administrar o dinheiro, foram alguns dos pontos de destaque.

O próximo encontro será no dia 13 de julho, com o tema como ganhar dinheiro com blogs.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012