“Quando há um enfrentamento, tudo acontece muito rápido (…) O fotógrafo precisa registrar o momento” (Antonio Scorza)


10/02/2005


O repórter fotográfico Antonio Scorza explica bem a diferença entre texto e imagem numa cobertura de guerra: 

“Quando há um enfrentamento, tudo acontece muito rápido. Disparar uma arma dura apenas alguns segundos. O repórter pode esperar o desenrolar da situação, inclusive para obter maiores informações. O fotógrafo, por outro lado, precisa registrar o momento do disparo. Se ele se atrasar, tudo o que ele terá será a arma fumegante ou um tanque circulando”.

Antonio Scorza/AFP

Mujahedin exibe as botas de motorista morto em Abu Gharib (oeste de Bagdá), abril de 2004. 

Scorza foi o autor da foto exclusiva da AFP, capa em vários jornais do mundo, em que um mujahedin (combatente muçulmano) aparece segurando as botas de um motorista ocidental morto após ataque a um comboio de abastecimento de combustíveis na estrada entre Bagdá e Fallujah. Este dia, em que casualmente se encontrava na rota onde aconteceu o ataque, ele diz ter sido seu grande momento profissional e o mais arriscado da cobertura.

Para ele, o segredo de uma boa foto é a antecipação dos acontecimentos, tanto para decidir como se proteger quanto para se ter um bom enquadramento.
A proteção é fundamental porque numa cobertura de guerra, explica Scorza, além de perder a visão periférica por estar com a câmera junto ao rosto, o fotógrafo usa lentes curtas, que dão maior mobilidade, mas deixam o profissional mais vulnerável por precisar se aproximar da situação a ser registrada. Além disso, lembra ele, à distância, a lente da câmera se parece com um RPG (lançador portátil de granadas), tornando o fotógrafo ou cinegrafista um alvo preferencial. 

“Vários fotógrafos e cinegrafistas foram mortos por este motivo”, revela.
A recomendação, nestes, casos é deixar claro quem você é.
“Quanto mais o jornalista se identificar, melhor”, diz ele, que ressalta a importância de o correspondente se preparar em cursos específicos que oferecem treinamento para jornalistas que cobrem conflitos.

Embora não tenha participado de nenhum, ele salienta que os conhecimentos passados por colegas que tiveram a oportunidade de faze-los foram muito importantes.
Concentrados nos Estados Unidos e na Europa, estes cursos foram criados por ex-militares para minimizar os riscos de correspondentes de guerra serem feridos ou mortos durante a cobertura. Ali os jornalistas aprendem a escapar do fogo cruzado, como reconhecer as trajetórias das balas, as últimas inovações tecnológicas da indústria bélica, a procurar áreas protegidas durante a cobertura, além de primeiros socorros, como evitar e eventualmente negociar um seqüestro, prevenir-se de armas químicas, etc.
Com duração média de cinco dias, têm um custo salgado: entre dois e cinco mil dólares.

Um dos mais conhecidos, o Ake (Awardeness, Knowledge anda Excellence), foi criado em 1991 por ex-militares das forças de elite do exército britânico. A princípio, o curso era oferecido para executivos e diplomatas que seriam enviados para áreas hostis, mas passou a ser ministrado também para jornalistas depois de um período especialmente mortal para jornalistas em meados da década de 90, especificamente durante a guerra da Somália, em 1993. 
                                       
                                                                                                                      Voltar

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012