Paulo Cézar Caju defende imprensa desportiva


15/05/2019


Quem me conhece sabe que minha relação com a imprensa sempre foi de amor e ódio. Pouco amor, diga-se de passagem, Kkkk!!! Me irrita ouvir comentários de quem não entende nada sobre futebol. E as mesas-redondas estão cheias desses personagens. Para mim, é o mesmo caso de treinadores que nunca chutaram uma bola.

Um debate na TV não é a mesma coisa de uma resenha na pelada. Os torcedores têm uma forma de se expressar, xingam, passam dos limites, invadem o campo, picham muro, mas também te carregam no colo e fazem juras de amor.

Os comentaristas, principalmente os aventureiros, devem se portar de forma diferente. Não posso admitir ler uma matéria em que o jornalista deboche da forma de falar, da língua presa, de Vanderlei Luxemburgo. E é “profexô” pra cá, “profexô” pra lá, uma falta de respeito e de educação que contamina qualquer relação.

Em 1973, liderei, com Marinho Chagas e Piazza, o que a imprensa batizou de “Manifesto de Glasgow”. Vários jornalistas acompanharam a excursão da seleção brasileira à Europa e as matérias publicadas eram mais de fofoca do que outra coisa — algumas totalmente mentirosas e descabidas. Cláudio Coutinho escreveu o manifesto e todos jogadores assinaram. Ficamos um período sem dar entrevistas.

Sou totalmente a favor da liberdade de expressão, mas odeio mentiras e jornalistas que se aproveitam do cargo para atacarem “desafetos” sem qualquer critério. Os grandes veículos não podem agir como os anônimos das redes sociais e nem cair em arapucas como a que levou o goleiro Sidão a ser eleito o melhor da partida mesmo após ter uma atuação desastrosa. A torcida gritar “frangueiro” é uma coisa, mas a imprensa aderir ao deboche é bem diferente. Imaginam o goleiro Júlio César recebendo o troféu de melhor da partida após a goleada de 7×1 para a Alemanha? E o que o goleiro Muralha sofreu? Chegaram a publicar que a partir de suas falhas nunca mais o chamariam pelo apelido. Se o jornal for de humor, OK, cada um no seu quadrado.

Não passo a mão na cabeça de ninguém em minhas colunas, falo que determinados jogadores não têm condições de vestir a amarelinha, que a escola gaúcha destruiu o futebol, que os professores de Educação Física não podem tomar o lugar dos ex-jogadores e blá-blá-blá. Todos os temas podem gerar um debate saudável. E e é apenas a minha opinião.

O que não gera debate, mas suscita a ira, é ironizar a língua presa do técnico e a estatura de um jogador, por exemplo. Criticar que o Maxi López está acima do peso é totalmente compreensível porque ele é um ídolo e deve dar o exemplo. São casos e casos, até porque odeio mimimi, mas educação é bom e eu gosto. A impressão que dá ao zapear os canais e ver as mesas-redondas é que as emissoras estão em busca de perfis polêmicos, e isso não favorece o debate saudável. Pelo contrário, empobrece.

Também não me interessa ver jornalistas desenhando estratégias em quadros. Da mesma forma que prezamos um futebol bonito, audacioso, ofensivo, com a bola rolando, como Sampaoli vem fazendo com o Santos, também gostamos de assistir uma resenha de qualidade, sem bobalhões querendo ser engraçadinhos, mas com troca de ideias, informações exclusivas e conteúdo relevante. O futebol merece, nós merecemos.

 

“Os artigos do site não refletem, necessariamente, a opinião da Diretoria da ABI”