Operação Lei Seca tem apoio da mídia


25/05/2009


Lançado em 19 de março de 2009, o Projeto Operação Lei Seca conta com o apoio fundamental da mídia. Diariamente, os veículos de comunicação têm divulgado dados estatísticos e alertado a população para os riscos de acidentes de trânsito, por causa da ingestão de bebida alcoólica.

De acordo com a coordenadoria geral do projeto Lei Seca, em 60 dias foram registrados os seguintes números: 12.090 veículos abordados; 2.573 multados; 812 rebocados; 1.600 carteiras de habilitação apreendidas; 10.899 testes de bafômetro; sendo que 1.143 motoristas se recusaram a fazer o teste.

Os dados levantados pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), de 19 de março a 19 de abril de 2009, mostram que, em relação ao mesmo período de 2008, houve uma redução de 19% nos acidentes de trânsito.

Já o Grupo de Socorro de Emergência (GSE), da Secretaria estadual de Saúde e Defesa Civil, informou que de 1º a 30 de abril deste ano foram registrados 1.423 acidentes. Em 2008, no mesmo período, foram computados 1.862 casos.

Para o Subsecretário de estado de Governo da capital, Carlos Alberto Lopes — coordenador do projeto Lei Seca — o trabalho da mídia tem contribuído muito com a diminuição do número de acidentes de trânsito:
— A imprensa tem tido um papel fundamental desde o início do projeto, porque vem divulgando os números alarmantes que afetam o Brasil e o estado do Rio de Janeiro.

Para Carlos Alberto Lopes, a ajuda da mídia está contribuindo para que os motoristas se conscientizem que não devem dirigir após tomarem bebidas à base de álcool:
— A divulgação desses números impressionantes faz com que haja mudanças comportamentais face à gravidade da situação. Este fato não ocorria antes, declarou.

As operações do projeto Lei Seca contam também com o importante trabalho de educação e conscientização que vem sendo realizado por cadeirantes, dirigido a freqüentadores de bares, restaurantes e casas de shows, contando sobre os motivos que os fizeram de vítimas. 

Privacidade

A Coordenadoria geral do projeto Lei Seca no Rio de Janeiro faz questão de informar que não defende a invasão de privacidade dos cidadãos, e nem que eles não devam beber. O que se espera com a campanha é que, a partir do relato dos cadeirantes, as pessoas reflitam sobre a gravidade da situação. Se beberem, utilizem os serviços de taxistas, que vêm sendo chamados de “amigos da vez”.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012