Morre em Juiz de Fora o colunista social Fernando Zerlottini


Por Igor Waltz*

26/11/2013


zerlottini cortadoMorreu no último domingo, 24 de novembro, em Juiz de Fora, o jornalista Fernando Zerlottini. Considerado um dos grandes nomes do colunismo social, o jornalista teve passagens por jornais e revistas mineiros e cariocas, com um estilo que unia acontecimentos da alta sociedade e notícias da cidade do país, que ajudou a influenciar as gerações posteriores de colunistas. Zerlottini faleceu após uma cirurgia para drenar um edema cerebral, decorrente de uma queda em frente à sua casa. O sepultamento aconteceu no domingo no Cemitério Municipal de Juiz de Fora.

Zerlottini ingressou no Jornalismo ainda na adolescência. Em 1948 foi convidado por um colega de turma do colégio a ingressar como redator no Diário Mercantil, jornal de Juiz de Fora ligado ao grupo Diários Associados. Mesmo depois de formar-se em Direito, continuou sua carreira como jornalista. Foi redator do jornal Folha Mineira e mais tarde redator-chefe da sucursal em Juiz de Fora da revista semanal Binômio, editada em Belo Horizonte.

Nos anos 1970, muda-se para o Rio de Janeiro, onde teve passagens por revistas como a Manchete e Desfile. Tornou-se redator de O Globo e mais tarde um dos titulares da Coluna Carlos Swann até os anos 1980. Manteve uma coluna no Jornal do Commércio até 2003 quando se aposentou definitivamente. Em 2011, voltou a morar com as irmãs em Juiz de Fora.

Zerlottini era conhecido principalmente como um descobridor de talentos, entre eles Fernando Gabeira e Anna Ramalho. Para Ivanir Yazbeck, que iniciou sua carreira junto com o jornalista na Binômio, Zerlottini introduziu em Minas Gerais um modelo de jornalismo menos calcado na opinião e mais na informação.

“Tive o raro privilégio de me iniciar no Jornalismo seguindo os ensinamentos de Fernando Zerlottini. Mais tarde, nos reencontramos novamente na redação de O Globo, ele como colunista de prestígio e eu, diagramador. Zerlottini ocupava lugar de destaque nessa lista, respeitado por todos pela seriedade e ética, e pela cultura geral, especialmente nas áreas de literatura e de música clássica”.

Cesar Romero, colunista do jornal Tribuna de Minas, explica que Zerlottini representou o crescimento e a credibilidade do colunismo nacional. “No inicio da década de 80, Zerlottini proporcionou a este colunista o privilégio de circular em elegantes festas no Rio e participar de importantes rodas sociais. Mas ele sempre atuou de maneira séria, sem nunca se valer dessa condição para tirar proveito próprio”, afirma.

Anna Ramalho, que trabalhou no início da carreira com o colunista na Coluna Carlos Swann, conta que ele foi quase esquecido depois que deixou a coluna. “Zerlottini foi o côté Swann mais sociável e social, que encarava os jantarecos chatíssimos, os coquetéis quase diários, os casamentos que só têm graça para os noivos e seus pais, foi esquecido por todos quando saiu do jornal. Exceção feita a literalmente uma meia dúzia de pessoas daquele tempo de glória”.

O diretor de Jornalismo da ABI, o fotógrafo Alcyr Cavalcanti, trabalhou com o colunista n’O Globo nos anos 1980 e ressalta que mesmo noticiando acontecimentos da alta sociedade, Zerlottini sempre manteve uma postura crítica. “Trabalhei com ele para a coluna Carlos Swann, que era muito lida e comentada inclusive entre os mandatários do poder. Nossas relações eram as melhores, visto já ter experiência de ter trabalhado com Hildegard Angel e Reinaldo Loy. Ele não exigia nada, deixava meu trabalho à vontade. Sua formação ‘de esquerda’ facilitava nosso contato. Ele não era somente um colunista, mas um crítico do chamado high society e da sociedade brasileira”, relembra Cavalcanti.

Apaixonado por literatura e música clássica, Zerlottine foi autor do livro “Assis Pacheco: nossa voz”, uma biografia do cantor lírico brasileiro Armando de Assis Pacheco.

* Com informações do jornal O Globo, Portal Anna Ramalho e Tribuna de Minas 

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012