Mônica Zarattini: Uma paixão da mocidade


31/07/2015


monica08Há 18 anos trabalhando na Agência Estado — após passagem pelo Diário Popular —, Mônica Zarattini é formada em História pela Universidade de São Paulo e começou a carreira de fotojornalista como freelancer na imprensa sindical, em 1981, cobrindo a campanha de Luiz Inácio Lula da Silva para Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Na mesma época, a reportagem que fez sobre um ato público pela anistia lhe rendeu a primeira foto de capa, publicada na Tribuna Metalúrgica:
— Desde que estudei Fotografia no segundo ano colegial, me apaixonei. Adorava não só fotografar, mas também revelar e fazer ampliação. Vivíamos um momento político muito especial, e eu queria registrar tudo, mostrar toda a luta por liberdades democráticas. Só me afastei um pouco no período em que, depois de me formar, em 1986, dei aula de História para o ensino médio e fundamental.

Depois que decidiu dedicar-se integralmente à fotografia, Mônica Zarattini — ou simplesmente Zara, como é chamada na Redação — mereceu prêmios, como o Embratel,o Kodak e o Vladimir Herzog, e participou de diversas mostras individuais e coletivas, com destaque para O Brasil na virada do século: perspectiva para o próximo milênio, no Museu de Arte Moderna de São Paulo, em 1999.

Sobre a qualidade do fotojornalismo nacional, Zara diz que é uma das melhores do mundo. Entre os muitos excelentes profissionais do País,destaca Evandro Teixeira, que considera “emblemático,uma verdadeira lenda”.

— Ele tem uma carreira maravilhosa, que se mantém até hoje. O que mais admiro nele é o seu jeito jovem de ser, sua garra. A cada matéria,é como se aquela pauta fosse a primeira de sua vida. Evandro passa uma energia positiva muito forte, que se reflete em todo o seu trabalho.

Desvairada como a Pauliceia

Paulistana do Bexiga, bairro boêmio da capital paulista, Mônica Zarattini acha um  desafio fotografar a cidade “quando se quer mostrar as belezas que quase ninguém vê”. Por sua vez, a editora do Caderno Cidades do Estadão, Márcia Glogowski, diz que Zara “é o retrato de São Paulo, desvairada como sua Pauliceia” e apresenta a cidade “no seu âmago, com suas formas, cores, beleza e poesia ” — o comentário foi feito na apresentação da mostra Pauliceia 2000, na qual Mônica mostrou sua visão particular da terra em que nasceu.

Embora fotografe de tudo no dia-a-dia, Zara não esconde que a cobertura política a atrai:
— Como leio bastante, estou sempre por dentro dos conchavos. Gosto muito também de fazer fotos de esportes; congelar o momento único de um movimento esportivo é fantástico. Mostrar para o leitor aquilo que os olhos humanos não podem ver,ainda mais para os que estão nas arquibancadas,é muito gratificante.

Quando tem chance, ela também gosta de desenvolver temas específicos e pautas próprias, como a que a levou a Cuba para fazer uma reportagem sobre a produção de charutos:
— Acabei escrevendo três matérias para o Estadão e outra, de seis páginas, para a revista Gowhere, que ainda rendeu uma exposição fotográfica em parceria com o Cristiano Mascaro, que tem um trabalho maravilhoso.

Sobre as coberturas que mais marcaram sua carreira, cita as Paraolimpíadas em Atlanta, 1996, e os 80 anos da morte de Euclides da Cunha, 1989:
— Refizemos todo o caminho da Quarta Expedição,que acabou com o exército de Antônio Conselheiro no sertão de Canudos.

Entre as mais difíceis, destaca a cobertura da chegada da regata Whitbread em 1998, quando os organizadores do torneio colocaram a imprensa nacional e internacional num barco com um timoneiro completamente bêbado:
—Por pouco não afundamos, embaixo de chuva. A cobertura foi bem complicada, mas eu fui feliz. Já na largada enfrentamos problemas:dividimos o pagamento de um helicóptero com a Agência Reuters, eu tinha o fechamento do Estadão, muito cedo, e o outro fotógrafo não queria que o piloto pousasse para eu descer, como havíamos combinado. Quase tive um troço, ameacei pular do helicóptero, até pararmos no meio da praça, em São Sebastião.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012