19 de agosto de 2022


Lives de cantoras no final de semana


21/05/2021


Muita música, filmes e entrevistas em Dicas

O fim de semana tem live musical na Sala Cecília Meireles com apresentação de voz e guitarra com músicas de Kurt Weil, Milton Nascimento, cocos e compositores da nova geração, além de música erudita; Marcelo D2 comanda o festival virtual Roda Cultural; Elba Ramalho, Preta Gil, Fernanda Abreu, Sandra de Sá, Vanessa da Mata e Negra Li, subirão ao palco montado no Caminho Niemeyer, em Niterói, sem público. E ainda terá a vencedora do The Voice Brasil+, Leila Maria. Nas entrevistas o ABI Esporte fala do livro O futebol como ele é; o Cineclube Macunaíma exibe filme que mostra a invasão branca nas terras indígenas; o Claquete Musical continua com filmes de compositores; e o vereador Chico Alencar entrevista a atriz Bete Mendes sobre a nova Lei Paulo Gustavo que aprimora a Lei Aldir Blanc no Encontros com a Cultura. Um festival de filmes árabes é boa pedida.  E há ótimos livros, peças teatrais, podcasts e séries. Boa semana e vacina para todos!!!


ENTREVISTAS

 Segunda- Feira

 19h30  ABI Esporte: O apresentador Marcos Gomes convida o jornalista Rodrigo Capelo para falar do lançamento de seu livro O futebol como ele é. Os convidados serão Robson e Aldir, ex-Rádio Globo, Martin Fernandes, comentarista da Sport TV e Igor Siqueira, repórter do site UOL Esporte.

 

Terça-feira

 19h30 – Cineclube Macunaíma  exibe hoje o filme O segundo encontro, de Veronique Ballot, a partir das 10hs, com 70 minutos de duração e lançado em 2019. O filme mostra a vida dos índios Metuktire da nação Kayapo, no norte do estado de Mato Grosso, 64 anos depois de filmados por Henri Ballot, pai da diretora, para a revista O Cruzeiro, durante a expedição dos irmãos Villas-Boas à região. A partir das 19h30, haverá o debate sobre a obra, com o cineasta Sílvio Tendler e Ricardo Cota, de mediador. Os convidados são o ambientalista Ailton Krenak, o jornalista Rubens Valente e…… Para assistir o filme – que ficará disponível até segunda-feira –  e o debate, clique no canal da Associação Brasileira de Imprensa do YouTube.

 

Quarta-feira

19h30 – Claquete Musical continua abordando o Puxando Conversa, um projeto de memória da cultura popular com divulgação das histórias do samba e do cotidiano popular, contado pelos compositores. É uma coleção de 27 docuementários, homenageando 49 compositores. Hoje, o filme é com o compositor pernambucano Catoni, Um Preto Velho chamado Catoni. A apresentação é do jornalista e produtor cultural Paulinho Figueired e no debate, às 19h30, estarão presentes….O documentário ficará disponível ao público, a partir das 10hs de hoje até o dia 02/06.

Quinta-Feira

19h30 – Encontros da ABI com a Cultura: a entrevistada hoje é a ex-deputada e atriz  Bete Mendes que falará sobre a nova Lei Paulo Gustavo, projeto de lei complementar que já tramita pelo Senado e pode destinar 4,3 bilhões de reais ao combalido setor cultural, além de outros assuntos culturais e políticos.  A apresentação é da jornalista Zezé Sack, da Comissão de Cultura da ABI. Os entrevistadores são o vereador Chico Alencar (Psol/RJ) e as jornalistas Regina Lunière,…., e Vera Perfeito, diretora de Cultura e Lazer da ABI.


TV

Globoplay – para o Globo Repórter sobre a Serra do Caraça (MG), com narração sobre onde Dom Pedro II passou há 140 anos com narração de trechos do diário de viagem dele.


FILMES

Now, Sky, Vivo, Oi, Looke, iTunes e Google Play – Amigas de sorte com Susana Vieira, Rosi Campos e Arlete Salles. Comédia com argumento de Alexandre Machado e Fernanda Young (1970-2019) sobre as aventuras e desventuras de três amigas.

Projeto Bolsa Webdocumentário – O Instituto Conhecimento Liberta –  criado por Eduardo Moreira e Jessé Souza – está selecionando projetos da periferia, aldeias, acampamentos, do povo negro, dos trabalhadores, para dar bolsas de 50 mil reais (cada bolsa) para produção de webdocumentários contando essa realidade. É uma bolsa de estímulo à produção audiovisual voltada para a observação crítica da realidade brasileira. O projeto fomenta a reflexão plural sobre o país com o objetivo de contribuir para a formação cidadã do povo brasileiro.

Será sobre racismo, guerras religiosas, extermínios de indígenas, da situação dos entregadores, das milícias e do que tem acontecido de verdade neste Brasil invisível. Mas  pretendem deixar que aqueles que sofrem possam falar, gerando empregos e renda nestas comunidades com as bolsas. Wagner Moura é o padrinho do projeto.  Os autores pedem que o projeto seja divulgado nas comunidades e grupos, mostrando a oportunidade de bolsas e de renda, os projetos resultarão em documentários que acredito serão fundamentais para nosso campo no debate eleitoral do ano que vem. Não há restrições de idade ou classe social, porém o projeto atender, principalmente,  jovens de baixa renda e de regiões com carênciade equipamentos culturais (cinemas, teatros, bibliotecas, galerias, salas de concerto, museus, etc).

Entre as ideias enviadas, serão selecionadas propostas das diferentes regiões do país, destacando a expressão local e promovendo a igualdade de gênero, raça e etnia. Os candidatos serão avaliados pelo Conselho do ICL e sua Equipe Curatorial, conforme: 1- a relevância temática da proposta do webdocumentário; 2- a profundidade técnica e informativa da proposta do webdocumentário; 3- a trajetória do (a) candidato (a) e sua participação em equipes plurais. O site do projeto é: obrasildeverdade.com.br. Clique também https://obrasildeverdade.com.br/

2ª Mostra de Cinema Árabe Feminino apresenta mais de 40 filmes dirigidos por mulheres / Edição 100% online e gratuita até 27 de junho.

Uma seleção de mais de 40 filmes de diversos formatos e gêneros – curtas, médias e longas-metragens de ficção e documentários – vai trazer à tona a multiplicidade dessas cinematografias através de filmes realizados por mulheres em países como Egito, Líbano, Palestina, Sudão, entre outros. O festival é 100% gratuito e os filmes serão exibidos virtualmente no site www.cinemaarabefeminino.com. O projeto é patrocinado pelo Banco do Brasil, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

O #CCBBemCASA foi criado, disponibilizando conteúdos exclusivos da programação no site bb.com.br/cultura. A programação inclui debates, mesas redondas e uma masterclass com a diretora palestina Larissa Sansour, conhecida pelas obras de ficção científica. Haverá também      um tributo para a diretora libanesa Jocelyne Saab (1948-2019), ex-repórter de guerra que realizou dezenas de filmes ao longo de sua carreira, e uma homenagem para a diretora tunisiana Moufida Tlatli (1947-2021), a primeira mulher árabe a dirigir um longa-metragem, que faleceu este ano por decorrência da COVID-19.

Entre os 27 filmes inéditos em exibição na 2ª Mostra de Cinema Árabe Feminino, destacam-se Escritório de EsperaBarbès e Portão de Ceuta, dirigidos pela marroquina Randa Maroufi, que participará de um debate sobre as produções; Quando Coisas Acontecem (Palestina/Reino Unido), de Oraib Toukan; O Protesto Silencioso: Jerusalém 1929 (Palestina), com direção de Mahasen Nasser Eldin e Você Já Matou Um Urso – ou Tornando-se Jamila (Líbano), dirigido por Marwa Arsanios.


DEBATES:

06/06/2021, às 13h– Marwa Zein (Arábia Saudita), diretora de Khartoum Offside e, às 16hs,Nadine Salib (Egito), diretora de Mãe daquele não-nascido.

16/06 – Randa Maroufi (Marrocos), diretora de Portão de CeutaBarbésStand-by office, às 14hs (conversa pré-gravada); Salma El-Tarzi (Egito), diretora de Underground na Superfície.

19/06, às 14hs: Mathilde Rouxel, autora do livro Jocelyne Saab: La Mémoire indomptée 1970-2015 e Nour Ouayda, curadora, crítica e cineasta

24/06, às 14h (conversa pré-gravada):Michele Tyan e Myrna Maakaroun, atrizes do filme Once Upon a time in Beirut, de Jocelyne Saab.


MESAS REDONDAS

26/06, às 15h:Palestinidades: Corpo e Território

28 de maio, às 14h:Proponentes: Daniele Regina Abilas e Fernando Resende/ A Palestina é um território e uma experiência que atravessa corpos. Ela é composta de memórias vividas, sentidas, contadas e recontadas por gerações que se amontoam e transitam por espaços limítrofes, múltiplos e disputados. Convidadas: Mahasen Nasser Eldin (cineasta – “O protesto silencioso”); Riham Isaac (artista performática e professora); Dina Matar (professora e pesquisadora)

13/06, às 15h (horário a confirmar)- Um assunto de família – com Aline Motta (cineasta), Kawthat Younis (Um presente do passado) e Leila Basma (O projeto Adam Basma).Toda memória familiar é parte constitutiva da História, particularmente quando essa memória familiar se projeta também como políticas da lembrança e políticas de apagamento.

20/06, às 15hs (horário a confirmar) – Sul-Sul: curando filmes para/de nós mesmas  – com Alia Ayman (curadora), Analu Bambirra (curadora), Carol Almeida (curadora), Janaína Oliveira (curadora e pesquisadora) e Mary Jirmanus Saba (Um sentimento maior que o amor). Com muita frequência, a experiência de pensar, programar e curar filmes que pertencem ao chamado Sul Global se dá a partir de negociações com as expectativas que os grandes festivais de cinema europeus ou estadunidenses impõem sobre o que os territórios de “alteridade” supostamente devem revelar.


Masterclass

 Um Futuro Anterior: Masterclass com Larissa Sansour – 22/05, às 13h

Larissa Sansour trabalha principalmente com cinema, e também produz instalações, fotografias e esculturas. O que é central em seu trabalho é a dialética entre mito e narrativa histórica. Nascida em Jerusalém Oriental, Palestina.

LUMIÉRE -Loucos por cinema: o festival segue até o dia 29 de maio, às sextas e sábados, 19 hs, apresentados filmes gratuitos on line pelo Facebook – lumiereloucosporcinema/livevideos .

Dia 21 – Quando voam as cegonhas(1957): A trama da promessa de um amor eterno e do encontro de almas entre Boris e Veronika é de um romantismo ímpar. No entanto, tudo isso rompe com a eclosão da guerra. O tema da ausência e do abandono é o que impulsiona o drama.

Dia 22 – Moscou não acredita em lágrimas: filme de 1979. No fim da década de cinquenta em pleno regime comunista na Rússia soviética, três mulheres de idades e histórias distintas chegam à cidade de Moscou com objetivos similares: elas estão em busca de trabalho e de um amor para a vida. Em um período de vinte anos, as vidas das três mudam completamente através de conquistas, fracassos, sonhos, desilusões e histórias de amor.

Dia 28 – A nova Babilônia: de 1929. Entre março e maio de 1871 existiu uma Comuna em Paris. Sua formação e destruição são contadas nessa obra prima da dupla Kozintsev e Trauberg. Do abastado clima burguês, no armazém Babilônia, ao desespero dos trabalhadores famintos, traçamos um caminho permeado de memoráveis interpretações, excelente música e uma fotografia apaixonante.

Dia 29 – Nós somos do jazz: Comédia musical sobre o surgimento do jazz na União Soviética, nos anos 20 e 30. Kostia é um jovem morador de Odessa que tem a música como grande paixão. Ele monta uma banda de jazz e defende a ideia de que esse estilo musical americano representa a arte proletária. O grupo viaja por várias comunidades soviéticas, vivendo aventuras tragicômicas, mas também fazendo sucesso entre público e crítica.

FESTIVAL ESTAÇÃO VIRTUAL – 35 anos de cinema brasileiro

É do grupo Estação com streaming com a exibição gratuita de produções nacionais até 31 de maio na plataforma Vimeo (/estacaovirtual) com 180 filmes da mostra e também pela série de debates que acontecem on-line.

IFcinema à la carte– até 10 de junho, uma seleção de filmes franceses gratuitos, do festival de Cannes que acontece em julho. Descubra dois deles que participaram da sessão Un certain regardRun (2014)e Barbara (2017).Acesso: https://ifcinema.institutfrancais.com/fr/streaming/alacarte

Barbara – uma atriz irá interpretar a icônica cantora Bárbara. Brigitte trabalha a personagem de Bárbara. A personagem vai crescendo dentro dela e começa a invadi-la. Yves, o realizador  também vai trabalhando através de encontros, imagens de arquivo e a música. Parece inspirado por ela. Mas por quem? A atriz ou Barbara?; Run – Run fugiu. Le acabou de matar o Primeiro-Ministro de seu país. Sua vida retorna a ele por flashes: sua infância com o mestre Tourou, quando ele sonhava em se tornar um fazedor de chuvas, suas aventuras com Gladys, e seu passado com um jovem patriota. Durante toda a vida, Run não fez suas escolhas. Em cada momento, ele foi pego por elas, fugindo de uma vida anterior.

FESTIVAL  XI PACHA – MAMA – Cinema de Fronteira – Todos os filmes estão disponíveis para exibição gratuita no site (de 15 a 22 de maio): WWW.CINEMA DE FRONTEIRA.COM.BR 


Hoje

Harley Queen – de Carolina Adriazola e  José Luis Sepúlveda, 100 minutos, do Chile (2019) – Uma mulher anseia por encontrar sua identidade através de uma personagem supervilã, dançarina emãe, no setor de Bajos de Mena, ou o que eles chamam de “o maior gueto do Chile”, em Puente Alto,em Santiago.

Nosotros, los barbaros Juan Alvarez –Durán , 85 minutos, Bolívia( 2020) – Uma viagem em busca de uma escrita original, uma encenação da cultura aimará, um filme que mergulha nas dobras da representação quando é rotulado de documentário, uma  obra de arte na modernidade do cinema.

Mostra Geraldo Sarno – mesma programação de segunda à sexta-feira

Mostra Amazônia – 24 hs online – sessão de encerramento

A Última Floresta – Luiz Bolognesi, 74 minutos, Brasil (2020). Em um grupo Yanomani isolado na Amazônia, o xamã Davi Kopenawa Yanomani tenta manter vivos os espíritos da floresta e as tradições, enquanto a chegada de garimpeiros traz morte e doenças para a comunidade. Os jovens ficam encantados com os bens trazidos pelos brancos; e Ehuana, que vê seu marido desaparecer, tenta entender o que aconteceu em seus sonhos.

Mostra Originários – 48 horas on line

Nuhu Yãgu Yôghãm: Essa Terra é nossa! – Miguel Antunes Isael Maxakali, Sueli Maxakali,Carolin Canguçu e Roberto Romero, 70 minutos, Brasil (2020) – Antigamente, os brancos não existiam e nós vivíamos caçando com os nossos espíritos yãmĩyxop. Mas os brancos vieram, derrubaram as matas, secaram os rios e espantaram os bichos para longe. Hoje, as nossas árvores compridas acabaram, os brancos nos cercaram e a nossa terra é pequenininha. Mas os nossos yãmĩyxop são muito fortes e nos ensinaram as histórias e os cantos dos antigos que andaram por aqui.

Mostra Escola de Cinema da Amazônia

Mostra Tri Fronteira – Brasil – 48 hs on line

Um dia qualquer – Pedro Von KrUger – 88′ minutos, Brasil (2020) – Sob as máscaras e fantasias de mais um dia no subúrbio carioca, se esconde a intensa realidade das famílias e vizinhos que vivem em um bairro sob o domínio da expansiva milícia carioca.


SÁBADO

FILME DE ENCERRAMENTO 24 HORAS ONLINE

KING KONG EM ASUNCIÓN Camilo Cavalcante – 90 minutos –BRASIL (2020)  – ESTREIA NO BRASIL – Um velho matador de aluguel está escondido no interior da Bolívia, na região desértica do Salar de Uyuni. Acabou de cometer o seu último assassinato. Após meses isolado, ele viaja para o interior do Paraguai onde recebe uma boa recompensa e segue para Asunción com o objetivo de encontrar a sua única filha, a qual nunca conheceu. Esta viagem por dentro de si mesmo, seguido apenas por sua fiel companheira, a morte, acaba despertando instintos primários no velho matador, que explode em fúria e desespero pelas ruas da capital paraguaia em busca de afeto, como o King Kong aturdido em New York.

20 hs – Cerimônia de Premiação e encerramento.

Vimeo e Curta!On LIMITE até domingo, o filme, o único longa dirigido por Mário Peixoto, faz 90 anos e a Cinemateca do MAM organizou um evento virtual, desde o início da semana, com a exibição do clássico brasileiro, além de debates e máster class, em seu canal no Vimeo e na plataforma Curta!On.Em cena, três náufragos (Iolanda Bernardes, Olga Breno e Raul Schnoor) em um pequeno barco à deriva no oceano aceitam o destino iminente. Enquanto aguardam seu trágico desfecho, dialogam sobre liberdade, traumas e passagem do tempo. A obra jamais chegou ao circuito comercial. Há ainda no Curta!On um documentário sobre Mario Peixoto.


SÉRIES

­Plataforma Drive and Listen – o site que leva o viajante na carona pelas ruas de mais de 50 cidades pelo mundoCombina vídeos de passeios de carro e rádios locais do Brasil ao Japão. Lembra daquela sensação de pegar um táxi no aeroporto e ver os prédios da cidade aparecendo no horizonte pela primeira vez? Esta é a proposta do site Drive and Listenque combina vídeos de carros andando pelas ruas de 53 cidades pelo mundo e estações de rádio locais. O site (driveandlisten.herokuapp.com) simula a experiência de estar dentro de um carro, dirigindo ou no banco do carona, enquanto percorre as ruas de uma cidade, ouvindo o som ambiente e músicas ou notícias numa rádio local. Os vídeos mostram uma viagem em tempo real (mas não ao vivo, já que são gravadas, a maioria delas, inclusive, antes da pandemia). Numa lista, que aparece no canto superior direito da tela, você escolhe a cidade por onde quer passear ou “dirigir”. No mesmo instante, surge na tela a imagem que se tem num banco na frente do carro, já em trânsito, entre outros carros, táxis, ônibus, bondes… No mesmo canto direito, há um botão para “ligar” o rádio. Dependendo da cidade, há diversas estações, entre musicais e as jornalísticas. O que, por si só, é um deleite para quem tem curiosidade por esse tipo de informação: o que se houve em Seul, Moscou ou Guadalajara? Selecionar uma rádio jornalística em Tóquio, por exemplo, com debates acalorados em japonês, torna a imersão ainda mais completa. O site oferece ainda a possibilidade de acelerar a reprodução da imagem e ouvir o som ambiente – o que, em Havana, num passeio a bordo de um Cadillac antigo, permite escutar as conversas do motorista no inconfundível sotaque cubano. Os vídeos usados no site são todos retirados do YouTube, e há um link para assistir a suas versões originais na plataforma. Em Roma, por exemplo, o passeio já começa na zona mais turística da cidade, com cartões-postais comColiseu e Piazza di Spagna no cenário. Em Amsterdã, o caminho passa na lateral do Reijksmuseum. Em Pequim, uma larga avenida, com mais bicicletas que carros, leva ao centro financeiro da cidade, cheio de prédios modernos. Já em Nova Dehli, as ruas, largas ou estreitas, são lotadas de carros e tuk-tuks verde e amarelo.Em Nova York, o viajante virtual experimenta um pouco do trânsito pesado em Midtown, até que percebe que saiu em frente à Grand Central Station. Em Buenos Aires, o passeio noturno passa pela Avenida Corrientes, onde se concentram os teatros portenhos, com o obelisco ao fundo. Em Tel Aviv, o passeio não é de carro, e sim de bicicleta, por um belo calçadão à beira-mar.

Saiba como é a visita virtual pelo Municipal de São Paulo e por outros teatros do país – prédios culturais históricos em Manaus e Belém também oferecem passeios virtuais.  É possível matar a saudade de teatros históricos sem sair de casa. Alguns dos palcos mais importantes do país oferecem visitas virtuais. O mais recente a abrir as portas para um tour on-line foi o Theatro Municipal de São Paulo, localizado no coração do Centro Histórico da capital paulista. Através do site da instituição (theatromunicipal.org.br/pt-br/tour-virtual), que completa 110 anos em 2021, o visitante pode escolher dois tipos de passeios: ele pode ver os ambientes na ordem que preferir e, na opção interativa, há um jogo de perguntas e respostas sobre o teatro, e conforme se acerta uma questão, é possível avançar  para o ambiente seguinte como Sala de Espetáculos, onde são realizados as óperas e os concertos, e o Salão Nobre, inspirado na Sala dos Espelhos, do Palácio de Versalhes, e que chama a atenção por sua rica decoração, com pinturas, pedras preciosas italianas, cristais belgas e o afresco do teto.  A Cúpula, por exemplo, que encobre o teto do teatro. O espaço, que até os anos 1980 servia de depósito, hoje é usado para os ensaios de orquestras, corais e corpos de baile das produções mais grandiosas que passam por lá. Há inclusive dois vídeos em que se pode ver como são esses ensaios. O mesmo acontece quando se chega ao palco e às coxias, onde se pode ver vídeos com bastidores de produções como “O barbeiro de Sevilha” e “Rigoletto”.

Conexão Baré – visita virtual a uma comunidade indígena nos arredores de Manaus.  É realizada através videoconferência e os participantes se conectam com os moradores de Nova Esperança, uma comunidade indígena da etnia Baré com cerca de 130 pessoas dentro da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Puranga Conquista. Os passeios on line são organizados pela Braziliando, e ao longo de 2h30 os participantes são guiados e membros da comunidade como Baixinho, o benzedeiro, são apresentados. As próxima viagens acontecerão em 26/6 e 31/7 e o valor é de R$ 150 por pessoa (www.braziliando.com). A agência de turismo pedagógico Terra Nativa faz expedições virtuais à aldeia guarani Tekoa Kalipety, na Terrsa Indígena Tenondé Porã, no extremo sul da cidade de São Paulo. A aventura on-line se baseia em um vídeo de 30 minutos, gravado na aldeia, em que o indígenas apresentam seu modo de vida e é exibido em videoconferência por uma guia especializada em 1h30, no valor de R$69 por pessoa (www.terranativa.com.br). A aldeia Tekoa Itakupe, na subida do Pico do Jaraguá, é outra que se pode visitar à distância. O projeto Aldeia 360 combina vídeos, fotos, textos e realidade virtual com um passeio de 360º graus em alguns pontos da aldeia. Um mapa interativo no site www.aldeia360.art.br indica pontos de interesse. Pode-se conhecer os costumes dos Guarani Mbya, como o Nhemongaraí, uma celebração de agradecimento à natureza, ritual ancestral que resiste ao tempo mesmo cercado pela maior cidade do Hemisfério Sul.

TV Senado no YOUTUBE – todos os vídeos dos depoimentos da CPI da Covid. O de Pazzuelo é o mais acessado, principalmente pelo discurso do Senador Humberto Costa que “jantou” o ex- ministro e acabou com Bolsonaro.

Tracks – canal no YouTube  que reúne documentários sobre o mundo todo realizados por emissoras de diversos países com uma coleção extraordinária de vídeos. Há uma série holandesa sobre os países do Saara. Está em inglês, mas há opções de legendas automáticas.

Netflix

Halston – repito a indicação da série com um ótimo Ewan McGregor no papel do estilista norte-americano. Asérie o uso de drogas e muito sexo por Halston  na badalação do Studio 54 junto com Lisa Minelli e o amante Victor Hugo embora tenham “esquecido” de falar de Andy Wharhol. Vale ver.

Quem matou Sara?: série mexicana cuja segunda temporada estreou. A primeira leva de episódios, lençada no final de março,  foi líder no ranking de produções mais vistas pelos assinantes  do serviço no Brasil. Com traições, violência, sexo e mistério, a trama narra a saga de Alex (Manolo CArdona), um homem determinado a se vingar e provar que foi falsamente incriminado pelo assassinato da irmã, Sara (Simena Lamadrid). Outras produções mexicanas na Netflix: Mãe só tem duas, a série adolescente Control Z, e os dramas Monarca e A rainha do tráfico.

Prime Video – El candidato: parceria Televisa com Amazon.Conta a história de dois agentes da CIA que trabalham infiltartdos para pegar o mais poderoso senhor das drogas do México. Como sobrevivir solteiro, a comédia tem a primeira temporada com sucesso e terá mais duas temporadas.

Starzplay – Run the world: ambientada no Harlem, em NY, a sériee acompanha um grupo de mulheres negras de 30 e poucos anos. Enquanto lutam para dominar o mundo, cada uma delas passa por altos e baixos na carreira e em relacionamentos. Desilusões que as fazem reavaliar  quem

Globoplay

Mães:Amor e vidaem 13 episódios, a produção se passa na ala pediátrica de um hospital em Madri, onde mães e médicos compartilham experiências difíceis com filhos e pacientes., além de problemas familiares e emocionais. O elenco da série espanhola conta com Belém Rueda.

How I meet your mother: são nove tenporadas da produção. Em 2030, Ted Mosby (Josh RAdnor) conta como conheceu a mãe de seus filhos. A cada episódio, ele volta ao passado, relembrando aventuras amorosas e a busca pela mulher dos seus sonhos.

Hit Parade: quase uma comédia e quase um drama, a série estreou, ontem, do Canal Brasil, e os oito episódios estão disponíveis na Globoplay. Década de 1980: Simão (Tulio Starling), um cantor idealista tem dificuldades em se estabelecer no mercado fonográfico. Sem dinheiro ou sucesso, ele é convencido por sua mulher, Lídia (Bárbara Colen) a ´rpcurar qualquer trabalho e  colaborar com as contas da casa. Ele vai até o produtor Missiê Jack que o convida a criar uma composição para o cantor  kitsch Ivanhoé (Edy Star). A música bombas nas paradas musicais, mas a parceria entre compositor e produtor dura pouco. Simão decide abrir sua própria gravadora, a Sensacional Discos, para enfrentar o desafeto. Com trapaças e mentiras, os dois iniciam uma guerra para ver quem emplaca mais hits no topo das paradas.

Novela – Roda de Fogo: com Tarcísio Meira e Bruna Lombardi. A trama voltou ao ar no Globoplay e está fazendo sucesso. Tarcísio é Leonardo Villar um milionário e corrupto até que descobriu um tumor cerebral e reviu conceitos.E fala de política e moral de um Brasil cheio de falhas. Tem ainda Renata Sorrah, Cecil Thiré, Eva Vilma, Osmar Prado, Joanna Fomm, Carlos Kroeber, o jovem Felipe Camargo e Isabela Garcia. Vale a viagem.


LIVROS

Minhas histórias dos outros (Companhia das Letras) – Zuenir Ventura. Quando completa 90 anos, o jornalista e escritor relança seu livro de 2005 em que relembra alguns personagens com quem cruzou ao longo da carreira.

Dicionário dos Refugiados do Nazifascismo no Brasil – organizado por Israel Beloch e produzido por Fabio Koifmann, da Casa de Stephan Zweig, em Petrópolis. A obra foi concebida durante a pandemia e reúne 300 biografias de homens e mulheres europeus que se refugiaram do nazifascismo e tiveram carreiras de destaque no Brasil em áreas relacionadas às ciências, artes e produção de conhecimento em geral. À venda em diversas livrarias.

Rinha de Galo (Moinhos) – da equatoriana Maria Fernanda Ampuero. No conto que abre o livro, uma menina explorada sexualmente por criadores de galos se banha no sangues das aves mortas nas rinhas. Com o ritual macabro, consegue repelir seus abusadores.

As coisas que perdemos no fogo (Intrínseca) – da argentina Mariana Enriquez. Os contos combinam crítica de costumes e terror psicológico, tendo como mote uma série de assassinatos, desaparecimentos  corposmutilados nos bairros escuros e decadentes das cidades argentinas.

A cachorra (Intrínseca) –  da colombiana Pilar Quintana. Entre beleza e violência, a escritora colombiana discute o lugar das mulheres na sociedade contemporânea. Uma mulher sem filhos inicia uma intensa relação de amor e ódio com uma cachorra adotada que engravida.

Distância de resgate (Record), da argentina Samanta Schweblin. Uma perturbadora história sobre maternidade que reinventa a geografia do campo como um espaço de medo e perigo. Dando um toque sinistro À realidade, elapuxa os efeitos do agrotóxico para o centro de sua narrativa marcada pela urgência.

Temporada de furacões (Mundaréu) – da mexicana Frenanda Melchor. A trama policial em uma cidadezinha perdida no México envolve bruxas mitológicas, superstições, miséria, misoginia e violência institucional.

Poesia em risco: (34, R$79) – Viviana Bosi. A professora de Teoria Literária da USP analisa a obra de Augusto de Campos, Ferreira Gullar, Torquato Neto, Armando Freitas Filho, Ana Cristina Cesae e boa parte da poesia marginal da década de 1979 para construir uma panorama amplo do período, abordandando interações com as artes visuais e o circuito das publicações alternativas, entre outros recortes.

Trama de meninos (Alfaguara, R$39,90) –  João Anzanello. 14 contos com relação de afetos, alegrias e desencantos. Encontros e desencontros entre pais e filhos, marido e mulher, ou entre irmãos.

Noite e dia desconhecidos ( DBA Literatura, R$54,90) – Bae Su-ah. O romance da autora sul-coreana se passa na capital Seul, e a protagonista é a atriz Ayami, sem rumo depois que perde o emprego em um teatro para cegos. A trama de desenrola numa atmosfera com toques surrealistas na qual se misturam identidades, cenários e os limites entre sonho e pesadelo.

Onde está Daisy Mason? (Trama, R$ 49,90) – Cara Hunter. A nova história do detetive Adam FAwley gira em torno da busca por Daisy, uma garotinha de 8 anos que sumiu durante uma festa de família sem deixar qualquer rastro. O livro é um dos primeiros títulos do novo selo Trama, dedicado a thrillers psicológicos, de ação e históricos, além de obras de ficção científica e de fantasia.

Klara e o Sol (Companhia das Letras, R$59,90) – O nipo-britânico Kazuo Ishiguro. É o primeiro livro publicado pelo escritor depois de receber o Prêmio Nobel, em 2017, narrado por uma inteligência artificial. É uma androide treinada para ser uma Amiga Artificial, contratada para fazer companhia a uma garota inteligente, Josie. Logo sentimos que estamos num furo não muito longe . Crianças com genes aprimorados, conseguem as melhores vagas na universidade, mas podem sofrer uma doença debilitante, com risco de morte, como efeito colateral.

E por olhar tudo, nada via (Relicário, R$ 45,90)– Margo Glantz. Aos 91 anos, a autora  é uma das mais influentes intelectuais mexicanas e continua na ativa no Twitter e publica esse livro no  qual questiona a s novas mídias por não diferenciarem o importante do banal.


SÉRIE PARA OUVIR

Riquezas da Floresta, ouça o quinto episódio da série, apresentada por Mara Régia, um programa dedicado a quem vive na Amazônia! E que, claro, usa o livro Frutíferas e plantas úteis na vida amazônica para manejar a floresta e conseguir alimento, recursos, remédios e muitos outros benefícios.Depois de explicar os benefícios e maravilhas de açaí, bacuri, castanha e copaíba, Mara conversa com personagens sobre o uso do livro e do conhecimento sobre as plantas e frutas amazônicas. Ouça a série e compartilhe!https://amazonialatitude.com/2021/05/14/riquezas-da-floresta-5-floresta-e-nutricao-floresta-e-saude/


PODCASTS

Zuenir Ventura – ao completar 90 anos, o jornalista e escritor abriu a série “Depoimentos cariocas”, do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro em que personalidades contam sua relação com a capital fluminense. Está disponível em podcast e em vídeo no perfil da instituição no YouTube.


MÚSICA

Sinal  Fechado– single de Zizi Possi que chega hoje às plataformas. Música de Paulinho da Viola de 1969. A cantora está há 20 anos sem lançar álbum gravado em estúdio.

Twenty One Pilots – o sexto álbum de estúdio do duo Americano, Scaled and Icy. Vencedores do Grammy e apontados pela indústria musical como responsáveis por manter acesa parte da chama do rock entre os jovens da geração Instagram, o cantor e multi-instrumentista Tyler Joseph e o baterista Josh Dun passaram a quarentena construindo, à distância,  o sucessor do grandioso Trench, o álbum a anterior a esse.

Persona: Jogo das Mutações – selo paulistano reedita  Persona, uma fusão de disco e jogo criado pelo artista plásticoLuis Sergio Carlini. È uma das peças mais raras – e estranhas – da discografia da música popular brasileira , sendo uma série de explorações psicodélicas do autor, que era da banda Tutti Frutti, que acompanhou Rita Lee após a saída dos Mutantes. O disco de 10 polegadas foi feito em 1975 e chamava a atenção dos colecionadores antes mmesmo que eles pusessem a agulha sobre o vinil: a sedução começava pela capa, com a imagem que fundia os rostos de uma mulher e um gato. O selo paulistanoNada Discos pos em pré-venda on-line (www.nadadiscos,com) uma reedição do Persona em suas versões: a completa (R$430) e um só com o LP da trilha e o pôster de instruções encartado (R$140).

Música sertaneja: a mais ouvida no streaming. Marília Mendonça, Jorge&Mateus, Gustavo Lima e Henrique&Juliano disputam entre si o topo dos rankings de músicas e álbuns. O mesmo segue no rádio, sendo que das 50 músicas mais tocadas em todo o país, 33 vêm do sertanejo, além de sete das lives mais assistidas no mundo são do gênero. A playlist Esquenta sertanejo no Spotify (a maior do país, e que está entre as dez maiores do mundo e quase 6 milhões ouvem) dificilmente uma faixa lembra a outra, em termos musicais. É um grande caldeirão que passa por funk, pop eletrônico, piseiro, forró, brega, pagode. Nesse dez anos de mercado, o sertanejo virou a verdadeira música popular brasileira. É ritmo camaleão que se adapta aos outros e traz o concorrente, aglutina e se renova. Por isso, não sai do primeiro lugarBaton de cereja, de Israel&Rodolfo,teve 7,5 milhões de play no Spotify.


BALÉ

Cinco espetáculos disponíveis on-line e que acontecem nos principais teatros do continente: Royal Opera House, em Londres – a companhia se apresenta no Royal Opera House, cujo prédio atual, de 1858, é fruto de obras de reconstrução após incêndios que ocorreram no local. A história artística de lá é mais antiga: vem de 1734, quando recebeu seu primeiro espetáculo de balé. Para se sentir parte dessa história, Claudia separou três apresentações ali e que estão disponíveis na internet. O La Bayadère narra a história de Nikya e de Solor, que planejam fugir juntos. youtu.be/LryyMf74p40O clássico Lago dos Cisnes é outro. A peça conta a saga da princesa Odette, uma jovem aprisionada pelo feiticeiro Von Rothbart no corpo de um cisne e é protagonizado pela maior bailarina atual, a Marianela Núñezyoutu.be/Z1tdKI16QFc Dom Quixote, com a clássica saga de Dom Quixote de La Mancha e Sancho Panza. youtu.be/vn3aBodxIM. A versão de Dom Quixote do Carlos Acosta, que é cubano e ex-bailarino de lá, mostra uma forma muito atual do balé, em que dá para trazer a história para esse século.

Um espetáculo da companhia de balé da Ópera de Paris. O grupo se apresenta no Palácio Garnier, na França, prédio construído em 1669 por Luís XIV, um dos principais exemplos de arquitetura barroca do país. Há um tour virtual disponível no site oficial do local para conhecer os detalhes. A apresentação on-line de A História de Manon, sobre Manon, filha de 16 anos de um militar, que é escoltada por seu irmão a caminho de um convento. youtu.be/LryyMf74p40.

Teatro Bolshoi, em Moscou – Quando se trata de balé, a companhia Bolshoi dispensa apresentações. O teatro de mesmo nome, em Moscou, se destaca principalmente por ser a casa de onde saíram os maiores nomes do balé da História, mas também pelo enorme palco, um dos maiores do mundo, explica. Fundado em 1776, o prédio passou por diversas transformações. A sua fachada atual está, inclusive, representada na nota de 100 rublos. O balé Spartacus é sobre a vida do protagonista de mesmo nome, líder da revolta de escravos contra os romanos. Essa apresentação mostra bem por que essa é a maior companhia do mundo. O Spartacus foi criado para o Bolshoi e ninguém dança ele como os russos. Estar lá é o sonho de todo bailarino no mundo, e poder ver esse espetáculo, mesmo que virtualmente, é encantador e impressionante. youtu.be/dw2hpIKztGQ


LIVES

HOJE

14 às 22hs – Roda Culturalhoje, amanhã e domingo, Marcelo D2 comanda o festival virtual Roda Cultural, que marca o início da produção de seu novo disco, Assim tocam os meus tambores – Volume 2. Na programação, há sessões ao vivo no estúdio com músicos convidados, DJs, bate-papos e exibição de filmes. As transmissões acontecem no canal do artistas na plataforma Twitch (https://www.twitch.tv/marcelod2).

18h – Orquestra Jovem Alegro – sinos.art.br

19h30 – ISRAEL & RODOLFFO (LIVE BATOM DE CEREJA)

youtube.com/israelerodolffo | Multishow

20h – CHITÃOZINHO E XORORÓ – youtube.com/chxofic

 19 hs – A Sala Cecília Meireles apresenta, dentro da Série Sala Jazz, o duo formado por Lívia Nestrovski (voz) e Fred Ferreira (guitarra), com o espetáculo Na Beira do Mundo. O duo traça narrativas inusitadas entre canções de Kurt Weil, Milton Nascimento, cocos nordestinos, compositores da nova geração, além da inclusão de peças de música erudita. Presencial/transmissão pelo YouTube da Sala Cecília Meireles e e pela TV Alerj canal 12 na Net , 10.2 UHF. Lívia Nestrovski, voz e Fred Ferreira, guitarra. Ingressos: R$ 40,00 e R$ 20,00 na bilheteria da Sala e Link para compra pela internet: https://bileto.sympla.com.br/event/67737/d/98517 . PROGRAMA:

Milton Nascimento / Ronaldo Bastos -Um Gosto de Sol; Chico Buarque

-A Ostra e o Vento;  Kurt Weill / Roger Fernay –Youkali;  Maria Beraldo –Cavala; Guinga / Thiago Amud –Contenda; Tomáz Mendes –-Cucurrucucu Paloma; Jacinto Silva / Onildo Almeid -Gírias do Norte; Jacinto Silva / Zezé da Lojinha-Coco Sincopado; Xangai / Pinto Pelado-Coco Sincopado; Jararaca / Ratinho-O Sapo no Saco; Ná Ozzetti / Luiz Tati –Doroti; Zecarlos Ribeiro -Falta alguma coisa;  Benjamin Britten-Corpus Christi Carol; Martin Codax -Cantiga I; Bruno Cosentino / Márcio Bulk –Estela; Zé Miguel Wisnik (sobre poema de Gregório de Mattos)-Mortal Loucura; Milton Nascimento / Marcio Borges-Os Povos.Todos os arranjos são de autoria de Fred Ferreira.Lívia & Fred – Ao longo de sua parceria de mais de dez anos, Lívia & Fred gravaram o disco DUO (2012) e realizaram centenas de shows em quase 20 países da América do Sul e do Norte, Europa e Oriente Médio, além de todas as regiões do Brasil. O duo de guitarra e voz enfeitiça o público, por onde quer que passe. Clássico e moderno, popular e contemporâneo, do Brasil e do mundo, tão experimental quanto acolhedor, o passeio delineado por Lívia Nestrovski (voz) e Fred Ferreira (guitarra, bandola venezuelana, viola caipira, viola da gamba, arranjos) é sutil, inesperado, inspirado.


SÁBADO/ DOMINGO

15h30 – Festival on-line terá shows de Elba Ramalho, Preta Gil, Fernanda Abreu, Sandra de Sá, Vanessa da Mat e Negra Li . O fim de semana promete para quem pretende ficar em casa aproveitando as lives musicais pela internet. Amanhã e domingo, as cantoras acima subirão ao palco montado no Caminho Niemeyer, em Niterói, para um festival sem público no local. O músico Toni Garrido será o mestre de cerimônias nos dois dias de lives. Já os atores Rafael Zulu e Juliana Knust vão comandar a transmissão, interagindo com o público. A transmissão, ao vivo, acontece pelo canal do Youtube da Enel Brasil e pelo MusicBox (canal 123 da Claro e Net, 145 na Oi e 637 na Vivo).


SÁBADO

19h30 – Leila Maria, finalista do The Voice + faz live no Rival Refit, acompanhada do ator Tonico Pereira e do companheiro do time Mumuzinho no programa musical de tv, Carlos Candeias que, com ela, interpretará Cheek to cheek, de Irving Berlin, imortalizada nas vozes de Louis Armstrong e Ella Fitzgerald. Sozinho, Candeias cantará Blue Moon& quot  (Richard Rogers/Lorenz Hart). Leila Maria será acompanhada no espetáculo inédito As canções que eu fiz e as que gostaria de ter feito, pelo trio formado por Rodrigo Braga (direção musical, arranjos, piano), Rodrigo Ferreira (baixo) e Daniel Conceição (bateria). Outras duas participações muito especiais: da harpista Cristina Braga, parceira de Leila em tantos eventos, e do baixista Ricardo Medeiros na canção que será pedida por Tonico Pereira. Todas essas participações serão virtuais. Link para doações opcionais: https://www.sympla.com.br/leila-maria—transmissao-ao-vivo—teatro-rival-refit-abrindo-portas-apresenta__1208782. A transmissão será pelo YouTube pelo canal do teatro Rival Refit.

20 hs – Mini concerto para bailar com Camila Cabeça e Banda – Gravado com as bênçãos do Grande Otelo, a cantora Camila Cabeça, paraense e que fez do Acre sua morada, visita clássicos latinos, em uma viagem afetiva pela sonoridade de Cuba, Colômbia, Brasil e de outros países da Latino América. O palco do Mini Concierto é a sala da Saci Filmes, pois nosso momento afirma: o menos é mais. O show intimista teve direção musical de Maiara Rio Branco e contou com João Gabriel na percussão. Gravado com equipe reduzida, com todos os devidos cuidados. No site do Festival Pacha Mama – WWW.CINEMADEFRONTEIRA.COM.BR

 21h30 – ALCIONE + CRIOLO – YouTube | Multishow


DOMINGO

15 hs – BUENA VISTA, SOUL, JAZZ & BLUES FESTIVAL

Atrações: Carla Sceno + Fabi Metzker + O Delta –
youtube.com/sionproducoes

16h – CULTURA NAS ESTAÇÕES

Atrações: Vanessa da Mata + Negra Li + Fernanda Abreu
youtube.com/enelbrasil

17 hs – HELIÓPOLIS & SIMONINHA CONVIDAM: GABRIEL MOURA E VERÔNICA FERRIANI

institutobaccarelli.org.br/inscricao-eventos


SEGUNDA-FEIRA

18 hs – A Sala Cecília Meireles, em conjunto com o Fórum Brasileiro de Ópera, Dança e Música de Concerto, apresenta a Conversa na Sala Especial para lançar o Concurso de Composição – Ópera, que integra o programa Brasil de 22 a 22. Nelson Kunze, Diretor da Revista Converto, mediará o bate-papo com maestros e produtores integrantes do Fórum-ODM e responsáveis pela criação do edital do certame. Conversa na Sala Especial será transmitido pelos canais de YouTube da Sala Cecília Meireles e Fórum-ODM.


QUINTA-FEIRA

18h – FESTIVAL NÃO EXISTE, DA GOP TUN

Atrações: BADSISTA, Arthur Joly, Eli Iwasa e outros nomes da cena de música eletrônica brasileira- youtube.com/gopgoptun

19h – TATO + ANASTÁCIA @casanaturamusical


TEATRO

HOJE

20 hs – Protocole Volpone – Um clássico em tempos pandêmicos: Com Helena Ranaldi, Daniel Alvim e mais oito atores, ganha temporada virtual, previamente gravada. Na trama, um homem que finge estar agonizante se diverte cm seu s bajuladores que o enchem de favores. Sextas e sábados. Gratuito, com transmissão via YouTube. Até 5 de junho.

Como devo chorá-los?– o enredo parte do mito de Antígona, obra de Sófocles que questiona os limites do poder na sociedade. O elenco terá artistas como Chandelly Braz, Pedro Henrique Müller e Zahy Guajajara. A proposta é discutir, por meio do teatro, performance, intervenção urbana, cinema e artes visuais, quais são os limites do poder no Brasil de hoje,, principalmente, a violência sistêmica  do Estado brasileiro contra as populações pobres, pretas e indígenas. Fica em cartaz até dia 30 de maio, às 21hs, com sessões on-line pelo comodevochoralos.com.br.

Angustia-metexto: Julia Spadaccini e Marcia Brasil; direção: Alexandre Mello. Com Fábio Ventura, Leandro Baumgratz, Maria Adélia, Noemia Oliveira, Raquel Rocha e Rogério Garcia.A comédia dramática mergulha nas angústias de seis pessoas em situações inusitadas. O espetáculo segue disponível gratuitamente no Youtube com ingressos retirados pelo SymplaAté 30 de junho.

19 hs – Riobaldotexto: Guimarães Rosa. Adaptação e atuação: Gilson de Barros. Direção: Amir Haddad. Adaptação do livro “Grande sertão: veredas”, a peça acompanha o ex-jagunço Riobaldo, hoje fazendeiro, em lembranças de sua vida e mulheres que determinaram sua trajetória: Diadorim, Nhorinhá e Otacília. Ter, às 19h. A partir de R$ 20, por meio do Sympla. 70 minutos. Até 25 de maio.

A melhor versão : Ana Paula Secco, Armando Babaioff e Michel Blois estrelam a peça com texto de Julia Spadaccini. A história retrata uma família carioca representativa de uma tradição e moral que atravessa décadas, desde os anos 50 até 2020. Até 30 de maio disponível gratuitamente no Sympla.

Terra em trânsitoUma solista se encontra enclausurada dentro de um camarim. Ela conversa o tempo todo com um cisne judeu enquanto o alimenta, com a finalidade de fazer foie gras. Está aí o pontapé para o elogiado espetáculo com texto e direção de Gerald Thomas, e interpretado pela atriz Fabiana Gugli. Até 31 de maio, com transmissão gratuita via YouTube.

19hs e 20h30O homem do besouro – do romeno Matéi Visniec. A história adaptada pelo grupo Lunar de Teatro esmiúça as inquietações de um homem solitário enclausurado no apartamento onde vive. Depois de reparar na presença constante de um inseto em casa, o personagem repensa hábitos, desejos e medos.Gratuito, com transmissões pelo YouTube (no canal  da companhia).

18h30 e 20hs:O plantio das palavras – com Emilie Becker e Janaína Mello, traz o passado para o presente do Brasil. Em 2021, após acordar de um pesadelo, uma mulher encontra cartas escondidas no assoalho de casa: são poemas escritos por uma antiga moradora, em 1964, com planos para uma revolução contra a ditadura, Gratuito, com transmissões via YouTube (no canal Infinito Ontem).

20, 20h30 e 21hs: C.R.I.A.S.’: filhos de empregadas domésticas, os atores Éer Augusto Marcos, Maria Rosa e Paloma Rodrigues se debruçaram sobre histórias de suas famílias para criar o espetáculo, também oinspirado no clássico As criadas, de Jean Genet. Os profissionais sonham com ouras vidas. Gratuito por meio do Sympla.

Ela e eu – Vesperal com chuvacom Suely Franco. É o primeiro monólogo da atriz, inspirado em um conto de Lúcia Benedetti e se concentra nas memórias de uma senhora sobre fatos corriqueiros da infância, amores do passado, decepções e sonhos que ficaram para trás. A montagem pode ser vista em qualquer horário até julho, A partir de R$ 20, por meio da plataforma Funarj Em Casa. 45 minutos. Até 22 de julho.

A melhor versão : Ana Paula Secco, Armando Babaioff e Michel Blois estrelam a peça com texto de Julia Spadaccini. A história retrata uma família carioca representativa de uma tradição e moral que atravessa décadas, desde os anos 50 até 2020. Até 30 de maio disponível gratuitamente no Sympla.

17hs – Fragmento de um sorriso: texto: livremente inspirado em entrevistas de Elisa Lucinda. Direção: João Artigos. Com Vilma Melo. O monólogo reflete sobre a expressão “quase da família”, utilizada muitas vezes para para se referir às mulheres que prestam serviço doméstico há muitos anos numa casa. R$ 10, no site do Teatro Petra Gold. 60 minutos. Até 30 de outubro.

20 hs –  O pior de mim: Texto e atuação: Maitê Proença. Direção: Rodrigo Portella. Em cena, a atriz traz à tona momentos e características pessoais que ela sempre manteve discretos. O espetáculo é transmitido do Teatro Petra Gold. Em entrevista sobre a peça, Maitê Proença diz: “Todos somos inseguros, mesmo os que têm verniz brilhoso, como eu”. R$ 20, no site do Teatro Petra Gold. 50 minutos. 14 anos. Até 30 de outubro.On line.

20 hs –  Minha amiga John Lennon: na 21ª Conferência de Depoimentos Inúteis, uma palestrante conta um fato inusitado, que transformou sua vida durante o período de isolamento social. Sex e sáb, às 20h. R$ 25, por meio do Sympla. 30 minutos. Até 31 de outubro. On line

20 hs – A protagonista:  texto: Carol Barbosa, Juliana Soure e Tatiane Santoro. Direção: Juliana Soure. Com Aliny Ulbricht, Carol Barbosa, Rosa Nogueira e outras. A peça acompanha o dia a dia de quatro funcionárias de uma empresa que atua de maneira remota. Sex a dom, às 20h. Para ter acesso, é preciso se inscrever no Instagram (@coletivoparalelas) ou por e-mail (contato.coletivoparalelas@gmail.com). 60 minutos. 14 anos. Até 11 de outubro.

21 hs – Kamikaze: texto e direção: Oscar Saraiva. Com Ana Julia Hammer, Carolina Alfradique, Eduardo Parreira e outros.Com narrativa fragmentada, a montagem cruza a história de personagens confinados e mostra como eles lidam com questões afetivas e eventos inesperados. Sex e sáb, às 21h. A partir de R$ 10, por meio do Sympla (em bit.ly/33zd1Zo). 56 minutos. Até 31 de outubro.


SÁBADO

Terra em trânsitode Gerald Thomas. Quando estreou em 2006, a peça escrita e dirigida por Gerald Thomas tecia críticas ao então presidente dos EUA, George W.Bush, cuja política bélica endureceu após os ataques de 11 de setembro de 2001. Passados 15 anos, o texto foi atualizado para a estreia em formato virtual. Nessa npva versão, o dramaturgo e diretor expressa seu desgosto com Donald Trump, Jair Bolsonaro e o atual estado do Brasil e do mundo, o que inclui a pandemia do novo coronavirus. Um solista (Fabiana Gugli) está prestes a entrar no palco para interpretar a ária Liebestod, da ópera Tristao e Isolda, de Richard Wagner. No camarim, ela começa a perder a noção da realidade enquanto dialoga consigo mesma diante do espelho – ou da câmera, na versão gravada. Tudo fica ainda mais alucinante com a entrada do cisne judeu (manipulado por Isabela Carvalho e com a voz do ator Marcos Azevedo) que é alimentado à força para virar fois-gras. O espetáculo conta com a participação de Ney Latorraca, que faz uma falsa chamada de vídeo com Fabiana Gugli. Os dois travam um diálogo metalinguístico sobre a peça e citam o jornalista Paulo Francis, cuja voz abria a versão anterior.A partir daí começam as falas alucinadas que têm relação com a realidade. Sábado e domingo, às 20 hs. Entre 1º e 31 de maio, disponível no YouTubeAcesso pelo link: bit.ly/terraemtransito. Gratuito.

18 hs – Novos normais: sobre sexo e outros desejos pandêmicos’Texto: Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez. Direção: Rodolfo García Vázquez. Com Alessandra Nassi, Alex de Felix, Alex de Jesus e outros.O espetáculo do grupo Os Satyros aborda os desafios do mundo atual em relação a afetos na pandemia. Dom, às 18h. A partir de R$ 5, por meio do Sympla (/espacodigitaldossatyros). 60 minutos. 18 anos. Até 26 de outubro.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012