2 de outubro de 2022


Jornalistas comemoram
o Dia do Escritor


24/07/2020


Gabriel García Márquez, o Gabo, dizia que o jornalismo é o melhor ofício do mundo. A profissão o ajudou, certamente, a entrar no mundo literário e a escrever “Cem anos de solidão”, seu livro mais famoso que ressalta o realismo fantástico da América Latina. Mas, como se dizia nas redações, no século passado, que o jornalismo é uma cachaça – neste século, mais para gim tônica -, acaba de ser lançado no Brasil “O escândalo do século” sobre a obra jornalística do escritor colombiano que jamais esqueceu seus dias de repórter e  usou parte de seu dinheiro como vencedor do Prêmio Nobel para a compra da revista “Cambio”,  em 1999.

Como Gabo, muitos jornalistas seguiram o mesmo caminho e hoje, sábado, 25 de julho, quando se comemora o Dia do Escritor, a Diretoria de Cultura e Lazer da ABI presta homenagem a todos aqueles que com sua arte tentam melhorar o saber da humanidade.

Jornalistas que se tornaram também escritores e escritoras nos enviaram textos, contando suas histórias e trajetórias como Cristina Serra, José Augusto Ribeiro, Hélio Doyle e Regina Zappa. E Christine Ajuz tomou um caminho próximo ao se tornar editora literária, descobrindo novos talentos e reeditando aqueles já consagrados.

Boa leitura para todos.

Por falar em Dia do Escritor …

Por José Augusto Ribeiro*

Confesso que desconhecia a existência de um “Dia do Escritor” e me admiro de que ainda exista, nestes tempos dominados pela estreiteza de personalidades como Trump e Bolsonaro. Em matéria de escritores, seria mais verdadeiro colocá-los entre as espécies em extinção, tão baixo o nível em que o livro caiu na escala de valores da economia neoliberal predominante já há quarenta anos na maior parte do mundo.
Do nosso Castelinho, o grande Carlos Castello Branco, dizíamos que quando algum jovem o procurava na sucursal do JB em Brasília, pedindo emprego, ele perguntava:
— Já leu Machado de Assis, meu filho?
Se o candidato não tinha lido, Castello recomendava:
— Então leia e depois volte aqui.
Castello negava ser essa a primeira pergunta que fazia, mas se fosse verdade ele teria toda razão. Hoje a pergunta teria de ser outra:
— Você já leu algum livro, meu filho?
E muitos não teriam lido, mesmo os menos jovens. Não é que as novas tecnologias, as redes sociais e o Google tenham afastado as pessoas dos livros. É que o arrastão neoliberal, ainda em arrancos de cachorro atropelado, como diria Nelson Rodrigues, precisa mantê-las entupidas de informação de outro tipo para mantê-las longe da informação que forma o conhecimento e – diria o filósofo Zygmunt Bauman – a sabedoria.
Brizola dizia, com pontaria certeira, que o neoliberalismo é o revide dos medíocres. Só a mediocridade mais espessa e impenetrável para fazer do ganhar dinheiro o objetivo único da vida. O livro sempre foi perigoso, temido, perseguido e às vezes levado a fogueiras inquisitoriais, porque faz perguntas, suscita dúvidas e alternativas, enquanto esse modelo neoliberal se sustenta no fatalismo de um pensamento único e de um suposto “fim da história” inventado por um public relations do Departamento de Estado para convencer os próprios fiéis do neoliberalismo de que ele é o modelo imutável, definitivo – e eterno a partir de agora – de organização da sociedade humana.
Antigos e modernos impérios, o Romano, o Otomano, o Britânico, por exemplo, consideraram-se eternos e acabaram, e isso começa a acontecer com o Império Americano, o que é reconhecido por escritores americanos sobreviventes e até por bilionários inteligentes como George Soros.
À medida que se esgotem esse domínio imperial e o predomínio do pensamento único neoliberal, essa espécie em perigo de extinção, os escritores, deixará de estar nesse perigo e voltará a ser ouvida quando disser, contrariando as certezas do “fim da história”, que não se bebe duas vezes da mesma água de um rio. Como já sabia um escritor pré-socrático, Heráclito, na Grécia antiga.

*José Augusto Ribeiro tem 82 anos e 61 dedicado ao jornalismo. Atuou no Diário Carioca, Jornal do Brasil, Última Hora, O Globo, Tv Globo e Tv Bandeirantes. Foi assessor de imprensa nas campanhas presidenciais de Tancredo Neves e Leonel Brizola. É autor dos livros: A era Vargas (2001); A era Vargas: Agosto 1954, a crise e a morte do presidente; Jânio Quadros & José Aparecido: o romance da renúncia: 31 de janeiro-25 de agosto, os sete meses de um governo que ainda assombra o Brasil (2008); Tancredo Neves: A noite do destino (2015, segundo lugar no Prêmio Jabuti); Lula na Lava Jato e outras histórias mal contadas (2018)

____________________________________________________________________________

Uma história contada por um jornalista que gosta de cinema

Por Hélio Doyle*

Não me considero um escritor. Escrevi meu primeiro e único romance, Interregno – O feitiço de Tobago”, com 65 anos de idade. Até então, estive totalmente dedicado, desde os 19 anos, a milhares de textos jornalísticos, alguns artigos acadêmicos, uma dissertação de mestrado e vários planos de comunicação e relatórios de consultoria. Meus dois outros livros são uma coletânea de colunas publicadas e uma coautoria de pesquisa histórica.Embora pensasse sempre em escrever um romance, o excesso de trabalho como jornalista, professor e consultor era minha ótima desculpa para não me envolver na ficção. As histórias banais e sem importância nas quais pensava, e que poucos leriam, não justificariam o esforço de dedicar madrugadas e fins de semana à escrita, como faziam muito colegas que eu invejava.
A desculpa do tempo, porém, não servia para os últimos dias de 2015 e primeiros meses de 2016. Tinha passado um ano e meio mergulhado em um projeto que tinha terminado e os meses de verão não são, em Brasília, os mais propícios para iniciar uma nova atividade profissional. Tinha tempo disponível, portanto, e resolvi ocupá-lo tentando escrever uma história que me parecia boa para ser contada.Confesso, porém, que minha intenção não era escrever um romance, mas o roteiro de um filme. Achei que poderia compensar assim um pouco uma de minhas frustrações, a de não ter me dedicado profissionalmente ao cinema. Quando jovem queria ser cineasta, mas também gostava de jornalismo e, como precisava trabalhar, fui ser repórter ainda estudando. O cinema, para mim, limitou-se à direção de quatro documentários, um deles lançado no ano passado.
Não demorei, porém, a constatar minha incapacidade para escrever um roteiro de ficção, o que só tinha feito na faculdade. Mas já estava embalado e resolvi arriscar: a história foi se ampliando e assim saiu o romance de 385 páginas. Foram quase três meses pesquisando, escrevendo, revisando, reescrevendo.
Interregno é apenas uma história contada por um jornalista que gosta decinema e que, enquanto escrevia, pensava mesmo era em um filme. Mas confesso que
gostei da experiência e, se voltar a ter tempo e conseguir me concentrar, poderei tentar escrever outro romance. Uma segunda temporada de Interregno, talvez.

*Hélio Doyle é jornalista e trabalhou no Diário da Tarde (BH), Correio Brasiliense, O Estado de São ão Paulo, Jornal de Brasília, Folha de São Paulo, Jornal da Tarde, Zero Hora, Jornal do Brasil, revistas Time, Opinião, Veja, Isto É e Argumento.  Foi também professor universitário e ex-secretário-chefe da Casa Civil do Governo do DF. Estreou na ficção, em 2019 com o livro  Interregno-Metrópoles.

____________________________________________________________________________________________

“O texto jornalístico satisfazia meu prazer de escrever”

Por Cristina Serra*

Cresci numa casa cheia de livros. Lembro que na biblioteca do meu pai, havia estantes com prateleiras do chão ao teto. A biblioteca tinha um cheiro diferente do resto de casa. Era o cheiro dos livros, que eu aprendi a amar desde menina. Até hoje, sempre que compro ou ganho um livro, a primeira coisa que faço é abrir e cheirar suas páginas. Meu pai era químico, mas havia de tudo um pouco nas estantes. Lembro de uma coleção de clássicos da literatura russa; outra sobre história do Brasil, ecologia, histórias em quadrinhos. Eu trocava qualquer brincadeira de rua por um livro.
Apesar dessa paixão pela leitura, nunca pensei em ser escritora. Quer dizer, nunca tive um plano, um projeto. Mas gostava de escrever, ia bem nas redações escolares. Quando veio o vestibular, entre ser historiadora ou jornalista, escolhi a segunda opção. O texto jornalístico satisfazia meu prazer de escrever. Até que uma cobertura mudou a minha vida. Fui escalada para cobrir o desastre provocado pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), em cinco de novembro de 2015. O desastre matou 19 pessoas, destruiu três povoados e poluiu o rio Doce ao longo de 660 km, até sua foz, no oceano Atlântico. Na época, eu trabalhava para o programa Fantástico, da Rede Globo. Quando cheguei no local do desastre, levei um choque ao ver a destruição provocada pela lama. Estava diante de uma tragédia humana, social e ambiental. Durante semanas voltei a Mariana para produzir outras reportagens. Acompanhei o drama das pessoas atingidas, as que perderam parentes, as que sobreviveram, as que perderam casas, sustento, laços comunitários. Passei o Natal com duas famílias e essa experiência me marcou para sempre: fiquei comovida e impressionada com a maneira como tentavam seguir em frente, apesar das perdas, do luto, das feridas que ainda sangravam.

Ainda estava em Mariana quando uma fonte me alertou que a investigação indicava negligências inadmissíveis na operação da barragem por parte da empresa, a mineradora Samarco, que tem as gigantes Vale e a BHP como acionistas. Outra fonte me informou sobre falhas escandalosas no processo de licenciamento da barragem e na fiscalização do poder público. Percebi que estava diante de uma história grande demais para caber numa reportagem ou mesmo em várias. Era preciso compreender o cenário político-institucional que gerou as condições para aquele desastre. Entendi que só uma investigação cuidadosa me daria as respostas que eu buscava. E isso tudo só caberia num livro.

Por indicação de um amigo, conversei com uma editora, que imediatamente aprovou meu projeto. No dia seguinte, eu estava com uma proposta de contrato no meu e-mail. Confesso que deu frio na barriga. Assinei e recebi um adiantamento. Era preciso por mãos à obra porque tinha muito trabalho pela frente. Para encurtar a história, consegui entregar o livro – “Tragédia em Mariana” – em 2018, dentro do prazo previsto. Missão cumprida? Hum… não é bem assim.

A editora se encarrega de publicar. O resto é com o autor. Passei a cavar oportunidades para divulgar meu livro em feiras, eventos, palestras, qualquer lugar onde houvesse alguém disposto a me ouvir e comprar o livro.

Outra grande dificuldade foi conseguir que alguém na grande imprensa se interessasse em ler o livro para escrever uma crítica. Eu não queria elogios. Queria uma crítica, fosse qual fosse a avaliação sobre o livro. Só não queria a indiferença. Cheguei a procurar pessoalmente alguns colegas nos grandes jornais. Nada. Minha sorte, digamos, é que muitos amigos me ajudaram com o boca a boca nas redes sociais. Muitos mesmo! E a eles meus mais sinceros agradecimentos !
Não conto essa experiência com ressentimento, mas apenas para que as pessoas entendam como é difícil fazer o livro chegar ao seu destino final, o leitor. Antes de mais nada, o leitor precisa saber que o livro existe.

Enfim, o que quero dizer é que não há glamour na vida do escritor (salvo as exceções que confirmam a regra). Há muito trabalho antes, durante e depois de o livro estar pronto. Uma mistura de inspiração com transpiração. Também não se ganha muito dinheiro. No meu caso, o valor que recebi foi praticamente todo investido nas viagens a Minas Gerais para apurar o livro. O que importa, porém, é que o livro fez com que eu me reencontrasse com o jornalismo. Consegui fazer um trabalho autoral, com a abordagem que eu planejei, trazendo as respostas que eu achava importantes para o entendimento do caso, e, principalmente, dando um rosto humano à tragédia.

Quando o livro ficou pronto, entendi que trilhara um caminho sem volta. Não conseguia me ver novamente na televisão, onde, muitas vezes, o repórter não consegue ter o controle sobre todo o processo do seu trabalho. Quando meu contrato com a Globo acabou, decidi não renová-lo. Dali em diante, mesmo ciente de todas as dificuldades, iria concentrar minha energia em outros projetos de livros. Sei que livro não dá independência financeira para o autor – a não ser, como eu disse, para algumas poucas exceções – e continuo fazendo trabalhos de free lancer para pagar as contas. O trabalho de divulgação é insano etc etc etc . Mas tudo que eu quero na vida é escrever livros. Já publiquei um segundo volume (“A Mata Atlântica e o Mico-Leão-Dourado”), participei de uma coletânea com outros autores (“Antifascistas”) e agora, durante a pandemia, terminei um terceiro livro, ainda sem título. Estou à procura de editor. Alguém se interessa?

*Cristina Serra  trabalhou no jornal Resistência, em Belém (PA).No Rio de Janeiro, Brasília e Nova York, trabalhou nas redações de LEIA, Jornal do Brasil, revista  Veja e Rede Globo.
Atualmente escreve para o jornal Folha de São Paulo.

_____________________________________________________________________________________________

Uma jornalista que virou editora de livros

Por Christine Ajuz*

Soube que seria jornalista no dia em que apresentaram à minha mãe o resultado do meu teste vocacional, pelo qual ela pagara tão caro. Primeira opção: diplomata; segunda: juíza ou promotora: terceira; jornalista. Claro que mamãe me queria cursando o Instituto Rio Branco; não fora por outro motivo que me inscrevera na Cultura Inglesa e na Aliança Francesa aos 10 anos de idade. Mas meu espírito aventureiro queria algo que eliminasse ao máximo a rotina, uma profissão que me mantivesse em contato diário com o inesperado. Daí que escolhi o jornalismo.

E por 25 anos sorvi todas as surpresas, corri todos os riscos, chorei muito e dei ótimas gargalhadas nesse turbilhão de emoções em que nos lança o trabalho diário de reportagem. Em 11 anos de Jornal do Brasil (1973-1984), passei da entrevista em francês com uma senhorinha russa que falava baixo e com dificuldade – a viúva do pintor Kandinsky – ao choro irreprimível de Dona Maria Rodrigues, mãe de Cláudia Lessin Rodrigues, a jovem cujo corpo foi encontrado preso às pedras do mar de São Conrado, próximo à Gruta da Imprensa, depois de ser atirado do alto da Avenida Niemeyer.
Eu era uma repórter da Geral ligada ao pedame de Cultura, mas toda semana recebia solicitações da chefia do Caderno B para cobrir alguma coisa na área das artes, geralmente histórias que exigiam domínio do inglês ou do francês, enquanto me esforçava terrivelmente para convencer o chefe de Reportagem a me deixar correr para algum caso de polícia bem barra pesada, minha preferência desde sempre. Ainda assim, foi essa apaixonada por jornalismo investigativo que Hedyl Valle Jr. escolheu para inventar – e depois editar, por dois anos – o Caderno de TV do JB. Hedyl justificou assim sua escolha: “Você faz minha mãe chorar com suas matérias. Para ter um bom caderno de televisão, preciso de alguém que faça minha mãe chorar!”

Vieram em seguida diversas experiências ótimas: editora de cultura na sucursalcarioca da revista IstoÉ, chefe de reportagem da TV Educativa (hoje TV Brasil), ondetambém passei nove anos como debatedora do programa ao vivo “Sem Censura”; seisanos assinando coluna diária no jornal O Dia (Coluna da Christine), entre outras oportunidades que me encheram de entusiasmo. Mas em 1998, após esperar por dois anos e meio que a Editora Bloch assinasse minha carteira de trabalho, chutei o balde, ingressei com uma ação trabalhista contra minha última empregadora (que pouco depois pediu falência) e decidi que nunca mais teria patrão.
Ali começava minha história como editora assistente da Topbooks, que meu marido, José Mario Pereira, criara em 1990, e que tinha minha irmã como sócia minoritária. Comprei a parte dela, e nunca mais pensei em trabalhar para nenhuma outra família que não fosse a Ajuz-Pereira. Claro que, junto com as vantagens, como criar seu próprio horário e poder dizer “não” pra muitos chatos, vem um caminhão de desvantagens no pacote: se você fica doente, ninguém lhe paga as horas paradas; não dá pra tirar mais do que duas semanas de férias, uma no final de dezembro e outra no Carnaval. Fora isso, assume-se um monte de responsabilidades com relação a funcionários, encargos trabalhistas, contratos com autor, prestação de contas de direitos autorais, recarga de extintores de incêndio etc. etc. Horrível! Mas o lado bom é…
MUITO bom!
Pra início de conversa, sempre gostei demais de escritores, da paixonite infantil por Monteiro Lobato, passando por Machado de Assis, Erico Verissimo, Fernando Pessoa, Edgar Allan Poe, ao meu ídolo na adolescência: o Antonio Callado de Quarup, que li aos 15 anos, escondida de meu pai. Como desejava conhecer pessoalmente o Callado! Ao longo de duas décadas e meia como repórter, entrevistei bons escritores, mas confesso que sofri um bocado pra destrinchar o intrincado Avalovara, romance de Osman Lins sobre o qual tive que escrever a pedido de meu saudoso amigo Remy Gorga Filho, então editor do suplemento Livros, no JB.

Só que agora, como sócia na editora, a relação era muito diferente. Meu primeiro desafio se chamava Guilherme Figueiredo, o irmão intelectual do presidente João Baptista. Seu livro de memórias, A bala perdida, me exigiu quase dois anos de muita discussão e pesquisas. Guilherme era genial, e escreveu o que considero um dos mais belos títulos do catálogo da Topbooks, mas sua memória já falhava aos 80 anos: ele confundia lugares e datas, ficava nervoso com isso, e insistia em repetir, ao longo do texto, algumas histórias pelas quais tinha maior apreço.

Foi aí que dei mais valor a meus 25 anos de experiência como jornalista. Não só consegui pesquisar com facilidade e rapidez, na Biblioteca Nacional e em livros particulares, sobre as lacunas da memória de nosso querido autor, como pude perceber que a técnica da entrevista, exercitada por tanto tempo, facilitava muito nosso entendimento. Guilherme morreu aos 82 anos em junho de 1997, oito meses antes do lançamento de sua autobiografia – esse foi o tempo de que precisei para fazer a revisão final, realocar os capítulos e dar uma organização melhor a toda aquela maravilhosa vida que ele generosamente compartilhou com os leitores.

A segunda “epifania”, nessa minha trajetória como editora, se deu com o genial Otto Maria Carpeaux (1900-1978). Coube a mim, felizmente, a tarefa de organizar o volume 2 dos Ensaios Reunidos do grande intelectual austríaco que escolheu o Brasil como segunda pátria. Sabia muito pouco sobre ele, lera quase nada de sua autoria, e precisei de muito empenho e energia para conseguir resgatar seus artigos sobre filosofia, história, literatura, poesia, cinema, teatro, artes plásticas, política, psicanálise (e muito mais) escritos entre 1946 e 1969 – para órgãos de imprensa como A Manhã, O Jornal, O Estado de S. Paulo etc. – nos já precários exemplares da Biblioteca Nacional.
Foram três anos rodando bem lentamente, e com a maior atenção do mundo, a manivela da máquina de impressos em microfilme, na tentativa de localizar, um por um, os escritos do mestre. Pelo menos um terço desses textos tinha rasuras provocadas pelas dobras que os jornais já apresentavam ao serem microfilmados, tornando ilegíveis muitas palavras, o que me obrigou, nos poucos casos mais graves, a completar algumas frases de Carpeaux usando apenas o bom senso… Haja coragem! Só sei que, ao finalizar esse volume de 942 páginas, lançado pela Topbooks em 2005, tive uma sensação única, jamais experimentada: parecia que minha vida inteira tinha recebido um up grade!
Ao longo dessa minha segunda carreira profissional, aproximei-me de grandes escritores que me foram apresentados por meu marido, já então amigo e editor de todos eles. O poeta Bruno Tolentino (1940-2007), autor de Anulação & Outros Reparos e de A Balada do Cárcere, entre outras obras-primas, passou como um cometa, deixando flashes inesquecíveis de sua inteligência acima do comum. Fiquei amiga de mentes brilhantes como Maria José de Queiroz, Nélida Piñon e Mary Del Priore, e de poetas premiados como Antonio Carlos Secchin, Felipe Fortuna, Adriano Espínola, Weydson Barros Leal, entre muitos outros igualmente importantes. Recentemente, fiz amizade com dois ótimos romancistas: o coreano Kang Byoung Yoong, autor de Pepino de Alumínio e hoje professor de literatura coreana em Liubliana, Eslovênia, e a jornalista Denise Assis, de quem editei Imaculada, baseado numa história real ocorrida na
ditadura militar.
É do poeta inglês Samuel Taylor Coleridge a frase que norteia a linha editorial da Topbooks: “Fazer um livro não significa mérito nenhum se esse livro não melhora as pessoas”. Por isso mesmo, me orgulho de ter participado na editoração de títulos de alta qualidade, como Minha Formação, de Joaquim Nabuco; O Rio de Janeiro Imperial, de Adolfo Morales de los Rios; Areopagítica – Discurso pela liberdade de imprensa ao Parlamento da Inglaterra, de John Milton; Panfletos Satíricos, de Jonathan Swift; além de haver colaborado com meu marido em seus esforços para resgatar dois grandes historiadores brasileiros que haviam sido esquecidos – Manoel Bonfim e Oliveira Lima – e de publicar no Brasil muitos autores estrangeiros fundamentais, como Adam Smith, Samuel Johnson, David Hume, Benedetto Croce, Johannes Althusius, Jacob Burckhardt, Edmund Burke e Benjamin Constant, reunidos na fabulosa Coleção Liberty Classics.
Nesse momento em que a Topbooks celebra 30 anos de fundação, lutando com todas as forças para não sucumbir à tragédia sanitária, política, social, econômica e cultural que solapa o país, gostaria ainda de dizer, para finalizar, que festejo o Dia do Escritor com imensa alegria por haver ajudado muitos brasileiros criativos e inteligentes a realizar o sonho de editar sua obra – seja fazendo a revisão técnica do livro e escrevendo os textos de orelhas e quarta capa, seja produzindo os press releases e divulgando cada título publicado, não só no site da editora, cujo conteúdo é integralmente produzido por mim, como junto à imprensa de todo o país.
Vida longa aos escritores, aos jornalistas, aos editores, e a todos que formam na linha de frente contra a opressão, o obscurantismo e o retrocesso! Vida longa também à Associação Brasileira de Imprensa por seu exemplo de coragem e destemor na defesa da liberdade de expressão!

*Christine Ajuz é jornalista, editora de livros e autora do livro “Igrejas do Rio de Janeiro”

____________________________________________________________________________________________

Viva o leitor

Por Regina Zappa*

Lembro quando, certa vez, Luis Fernando Verissimo escreveu uma crônica no Jornal do Brasil logo depois daquela noite em que Lula, vitorioso nas eleições para presidente, comemorou a vitória com alguns companheiros em um restaurante carioca, tomando um Romanée-Conti, vinho proibidíssimo para um representante legítimo do operariado. Uma avalanche de críticas condenou o recém-eleito presidente a um copinho de cachaça e olhe lá. Na sua crônica, empunhando seu espírito crítico e bem humorado, Verissimo se aproveitou do preconceito alheio para fazer galhofa: “Quem o Lula pensa que é, tomando Romanèe-Conti? Gente! O que é isso? Onde estamos? Romanèe-Conti não é pro teu bico não, ó retirante. Vê se te enxerga, ó pau-de-arara.”
Nova avalanche de críticas. E indignação. Desta vez para esculhambar o escritor, tão infeliz em sua coluna, que humilhava o presidente e mostrava seu racismo e sórdido preconceito de classe. Perplexo com a reação, Verissimo se desculpou com os leitores, prometendo que da próxima vez anunciaria: “Atenção, ironia”. Tomou para si a culpa pelo leitor não ter entendido que, ao debochar da audácia do Lula estava, ao contrário, fazendo uma forte denúncia daquele sentimento elitista e classista. E arrematou, com a habitual elegância: quando o leitor não entende o escrito, a culpa é sempre do escritor.
Elegância à parte, sabemos que a percepção da ironia exige um olhar afiado por parte do leitor e que a prática da boa leitura contribui para o entendimento da prosa de grandes escritores. Mas onde quero chegar? É que escrever e ler são ações complementares. Escrever é carpintaria árdua e, ao mesmo tempo, prazerosa, muito gratificante quando se chega onde se quer chegar. Mas de que serve se não houver ninguém para ler? A leitura também pode ser de extremo prazer, ainda que, muitas vezes, árdua.
Precisamos hoje no Brasil não apenas de escritores. Temos muitos. Brilhantes. Mas precisamos cada vez mais que se formem batalhões de leitores atentos, ávidos, preparados para transformar o mundo. Como se diz por aí, quem sabe escrever, sabe pensar. Quem souber ler, vai aprender a pensar.

*Regina Zappa é jornalista e escritora, trabalhou mais de 20 anos no Jornal do Brasil e é autora de 12 livros, entre eles,  a as biografias de Chico Buarque, Gilberto Gil e Hugo Carvana, o romance “Doce Lar”, “1968, Eles só queriam mudar o mundo”, com Ernesto Soto, o livro de contos “A Cápsula”.

 

 

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012