28 de novembro de 2022


Correspondente e tradutor são mortos no Afeganistão


06/06/2016


David Gilkey, à direita, e o tradutor afegão Zabihullah Tamanna

David Gilkey, à direita, e o tradutor afegão Zabihullah Tamanna

O jornalista americano David Gilkey e seu tradutor afegão foram mortos este domingo, enquanto viajavam com uma unidade do exército, que foi alvo de um ataque na província de Hemland (sul do Afeganistão), noticiou a National Public Radio, para onde trabalhava Gilkey.

O tradutor foi identificado como Zabihullah Tamanna. Outros dois jornalistas que viajavam com Gilkey – Tom Bowman e Monika Evstatieva – saíram ilesos.

“David estava cobrindo guerras e conflitos no Iraque e no Afeganistão desde o 11/09. Ele se dedicava a ajudar o público a ver estas guerras e as pessoas que se tornam suas prisioneiras. Ele morreu cumprindo esse compromisso”, declarou Michael Oreskes, vice-presidente sênior de notícias e diretor-editorial da NPR.

“Como homem e fotojornalista, David despertou a humanidade em todos aqueles que o rodeavam. Ele nos permitiu ver o mundo e uns aos outros através dos seus olhos”, acrescentou.

Gilkey recebeu em 2007 um prêmio Emmy por uma série de vídeos sobre o batalhão dos Marines de Michigan no Iraque.
“As coisas para fazer eram incríveis e os lugares para ver, épicos”, disse uma ocasião o repórter sobre seu trabalho. “Mas são as pessoas, as pessoas que fazem com que valha a pena o esforço”.

Segundo a AFP, sua fotografia ajudou a NPR a ganhar um prêmio Peabody por sua cobertura da epidemia de ebola.

“Sua cobertura na África ajudou a dar rosto a uma doença (…) Realizou uma cobertura de alcance mundial muito pessoal”, destacou a NPR.

“Incidentes horrorosos como este nos lembram o importante papel dos jornalistas na vida cívica dos Estados Unidos. Ajudam a que compreendamos além das manchetes e ver a humanidade nos outros”, afirmou, comovido, Jarl Monh, CEO e presidente da NPR.

O respeitado jornalista recebeu várias honrarias, como sua indicação a fotógrafo do ano pela Associação de Fotógrafos da Casa Branca, em 2011, entre 36 distinções, bem como nove primeiros prêmios desde 2009, concedidos pelo grupo para o qual trabalhava.

No ano passado, foi o agraciado com o prêmio Edwrd R. Murrow pela cobertura de eventos internacionais, conflitos bélicos e desastres naturais, tornando-se o primeiro jornalista multimídia a receber esta premiação da Corporation for Public Broadcasting.
Em 2004, foi escolhido pela Associação de Fotógrafos de Imprensa de Michigan como “Fotógrafo do ano” daquele estado.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012