Jordânia diz que mantém esforços para libertar piloto refém do EI


Por Cláudia Souza*

01/02/2015


 

Momento que antecedeu a execução de Kenji Goto (Foto: Reprodução/Youtube)

Momento que antecedeu a execução de Kenji Goto (Foto: Reprodução/Youtube)

 

Após a decaptação do jornalista japonês Kenji Goto, a Jordânia afirmou neste domingo, dia 1º, que segue mobilizando esforços para evitar a execução do piloto jordaniano Maaz al-Kassasbeh.

O porta-voz do governo jordaniano, Mohammed al Momani, condenou em comunicado o assassinato do jornalista e as ações terroristas do EI. “O Estado Islâmico rejeitou todas as tentativas feitas pelas autoridades jordanianas para conseguir a libertação do jornalista japonês, aceitando até mesmo trocá-lo pela terrorista iraquiana Sajida Al-Rishawi, condenada à morte no país por participar de atentados terroristas na capital Amã em 2005.

No vídeo com as imagens da decaptação de Kenji Goto, o carrasco afirma que o massacre foi motivado pela participação do Japão na coalizão internacional contra o EI no Iraque e na Síria.

Em 20 de janeiro último, o EI divulgou um primeiro vídeo no qual exigia do governo japonês o pagamento de US$ 200 milhões para não executar o jornalisa Kenji Goto e o empresário Haruna Yukawa, este último morto pelos terroristas quatro dias após o ultimato.

No dia 29, após a execução de Yukawa, o EI ameaçou assassinar Mazz al-Kassasbehn e Kenji Goto, caso a Jordânia não libertasse, antes do pôr do sol iraquiano, a iraquiana Sajida al Rishawi. O governo jordaniano concordou com a troca da prisioneira pelos dois reféns, mas exigiu provas de que o piloto jordaniano estava vivo.

Já o vice-ministro das Relações Exteriores do Japão, Yasuhide Nakayama, confirmou na noite desta sexta-feira, 30, que as negociações para a libertação de Goto estavam paralisadas.

Autenticidade

O porta-voz do Japão, Yoshihide Suga, afirmou neste domingo, dia 1º, m entrevista coletiva, que o vídeo mostrando o corpo decapitado do jornalista seja autêntico, com base na análise realizada pela equipe científica da Agência Nacional de Polícia do Japão.

Dirigindo-se diretamente daao primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, o carrasco de Goto afirma que a decaptação foi motiva “em razão de sua decisão imprudente de tomar parte em uma guerra impossível de ganhar. Esta faca não matará apenas Kenji, mas a qualquer pessoas de seu povo que nós encontrarmos. Que comece o pesadelo para o Japão. Vocês, tolos aliados na coalizão satânica, tem que entender que nós, pela graça de Alá, somos um Califado Islâmico com autoridade e poder, um exército inteiro sedento pelo seu sangue.

*Com informações das agências de notícias France Presse, Reuters e EFE

 

 

“Os artigos do site não refletem, necessariamente, a opinião da Diretoria da ABI”