3 de outubro de 2022


João Nogueira em filme e debate hoje


14/07/2021


Filme de João Nogueira no Claquete de hoje

 Carioca Suburbano Mulato Malandro: João Nogueira (1979), de Jom Tob Azulay, é o curta metragem colorido de 30 minutos exibido hoje, a partir das 10hs, no Claquete Musical, programa apresentado pelo jornalista e produtor cultural Paulinho Figueiredo. Às 19h30, tem início o debate sobre o filme e a obra do compositor falecido em 2000, tendo como convidados o cineasta Jom Tob, além do cantor Didu Nogueira e do violonista Jorge Simas.

No programa serão lembrados os 40 anos do Clube do Samba, fundado por João Nogueira, e que resultou em um álbum comemorativo com várias participações. E ainda a gravação do CD por Didu Nogueira e Jorge Simas, em homenagem aos 80 anos do compositor/cantor em 12 de novembro deste ano. Veja o filme e o bate-papo pelo canal da ABI no YouTube.

A trilha musical do documentário/biografia é do cantor e de Nozinho da Portela, Tia Vicentina, Walter Rosa e Walter Alvaiade. A canção plica é de  João Nogueira e Paulo César Pinheiro. No elenco estão João Nogueira, Nozinho da Portela, Walter Rosa,Walter Alvaiade, Ângela Nogueira, Gisa Nogueira, Geraldinho Vespar, Manoel do Cavaco, Wilson das Neves, mestre Marçal, o bandolinista Joel do Nascimento, Antonio Candido, tia Vicentina (que não conta o segredo de sua feijoada para ninguém) e participação especial do jornalista Sérgio Cabral.
Acesse este link para assistir o filme:

https://www.facebook.com/joaonogueiracantor/videos/2390903934562698/

Acesse este link para ouvir o álbum comemorativo dos 40 anos do Clube do Samba, em 2020, com várias participações.

https://open.spotify.com/album/2rrVtsx9s3BC1mD3z2yjtU?si=e5yYGwK7TSSzKYpb7Cb1sQ&utm_source=copy-link&dl_branch=1


Homenageado

João Nogueira gravou 18 álbuns desde que começou a compor, aos quinze anos, fazendo sambas para o bloco carnavalesco Labareda, do Méier. Seu primeiro disco foi um compacto simples com Alô Madureira e Mulher Valente. Em 1969, Elizeth Cardoso grava seu Corrente de Aço, no disco Falou. Em LP de 1974, ele reserva uma faixa para Noel Rosa, de quem gravou Gago Apaixonado e ainda Não Tem Tradução, reverenciando mais uma vez o poeta da Vila, um dos três esteios de sua inspiração, ao lado de Geraldo Pereira e Wilson Batista.

Seu grande parceiro foi Paulo Cesar Pinheiro, além do violonista e compositor, Cláudio Jorge, e de Ivor Lancelotti. Pertenceu à ala dos compositores da Portela, a partir de 1972. O namoro durou até meados dos anos 80, quando João abandonou a escola, descontente com os rumos que o presidente Carlinhos Maracanã lhe impôs, e juntou-se a outros sambistas, herdeiros do velho Natal, para fundar, em 1984, a Tradição, escola para a qual compôs em parceria com P. C. Pinheiro os cinco primeiros sambas-enredo, de 1985 a 1989. Diogo, seu filho, é a reconciliação com a Portela, onde foi por quatro vezes vencedor do samba-enredo.

Em 1979, João fundou o Clube do Samba, com Alcione, Martinho da Vila e Beth Carvalho, entidade à qual dedicou o título de seu disco daquele ano, que trouxe novos sucessos, como plica Canto do Trabalhador (com P. C. Pinheiro). O clube, mais tarde, lançou um bloco carnavalesco para desfilar na Avenida Rio Branco arrastando foliões saudosos dos velhos carnavais. Pelo seu palco, passaram D.Ivone Lara e Roberto Ribeiro.

Com P. C. Pinheiro, seu parceiro mais constante, lançaria o CD Parceria, em 1994, no qual comemoravam 22 anos de composições conjuntas e mais de cinquenta obras compostas. Nas dezessete faixas do CD, há uma homenagem a Clara Nunes, morta em 1983, nas faixas Um Ser de Luz As Forças da Natureza, de versos emocionados. Além dos 18 álbuns de qualidade, ele participou de discos coletivos, como Clara Nunes Com Vida (1995), no qual dividiu as faixas com gente como Martinho da Vila, Roberto Ribeiro e Nana Caymmi. E Chico Buarque da Mangueira (1998), disco em homenagem ao compositor, que era enredo da escola naquele ano. Em 1995, João gravara um CD só com músicas de Chico, com 14 canções.

João participou também do disco Esquina do Samba, gravado ao vivo em 2000 no botequim Pirajá, em São Paulo, com Ivone Lara, Walter Alfaiate, Beth Carvalho, Moacyr Luz, Luiz Carlos da Vila e outros. No mesmo ano participou de um disco da Velha Guarda da Portela e, em 2009, foi lançado um DVD da participação dele no programa Ensaio, da TV Cultura de SP.

João Nogueira morreu na madrugada do dia 5 de junho de 2000, aos 58 anos, vítima de um infarto fulminante, em sua casa no Recreio dos Bandeirantes. Seu último álbum foi João de Todos os Sambas, lançado em 1998 na quadra da Escola de Samba Acadêmicos da Rocinha, na favela que era homenageada no disco. Ele deixou quatro filhos, entre eles Diogo, que pegou seu bastão. Com sua morte, colegas apresentaram um espetáculo em sua homenagem com a participação de Zeca PagodinhoBeth CarvalhoDona Ivone LaraArlindo Cruz, SombrinhaEmílio SantiagoCarlinhos Vergueiro e a família de João: o sobrinho Didu, o filho Diogo e a irmã e parceira Gisa. O show foi gravado para o disco João Nogueira, Através do Espelho.


Bate-papo

Do debate sobre o filme e a vida e obra de João Nogueira participam os seguintes convidados:

Jom Tob Azulay, 69 anos, é cineasta e pertence à geração que entrou para o corpo diplomático na ditadura militar, vendo-se na obrigação de representar um regime com o qual não se identificava. Deixou o Itamaraty, em 1976, ao qual foi reintegrado pela comissão da anistia. Servirá na Índia, como conselheiro, até completar 70 anos, em dezembro, quando deverá se aposentar. Ele foi diretor de fotografia e técnico de som de vários filmes, entre eles, Muito prazer (1979), de David Neves, prêmio de melhor fotografia no XII Festival de Brasília. Produziu os longas-metragens O homem e o cinema (1976), Os Doces Bárbaros, de 1978, Corações a Mil, de 1983, e O Judeu, de 1995, além do documentário Caminhos da Diplomacia Brasileira, de 1996 e o de João Nogueira (1979). Nesses 35 anos fora do Itamaraty, foi produtor, fotógrafo e roteirista.

Didu Nogueira é produtor e organizador de eventos de samba, e aumenta sua força e sua raça, demonstradas num CD que revitaliza seu amor pelo ritmo que o embala desde o berço, ninado por Gisa Nogueira, sua mãe. É sobrinho de João Nogueira, primo de Diogo Nogueira e respeitado no mundo do samba carioca. Seu trabalho de estreia é o bom CD de samba, Identidade (independente). Com voz de sambista da velha guarda, diz os versos com entusiasmo e canta a melodia numa levada que seduz os versos, resultando num ótimo suingue.

Jorge Simas é um violonista consagrado da atual cena da música popular brasileira. Na bagagem, o instrumentista possui mais de cinco mil faixas gravadas, além de arranjar e acompanhar importantes intérpretes e músicos brasileiros como João Nogueira, Jair Rodrigues, Beth Carvalho, Alcione, Agepê, Roberto Ribeiro, Toquinho, Zé Kéti, Martinho da Vila, Carlos Lyra, Jamelão, Noite Ilustrada, Dona Ivone Lara e Chico Buarque.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012