16 de agosto de 2022


Globo afasta William Waack após vazamento de vídeo


09/11/2017


A Rede Globo decidiu afastar o apresentador do Jornal da Globo, William Waack nesta quarta-feira (8), depois da repercussão negativa do vazamento de um vídeo em que o jornalista aparece fazendo comentários racistas.

No vídeo, o jornalista aparece ao lado do comentarista Paulo Sotero em frente à Casa Branca se preparando para entrar no ar durante a cobertura das eleições americanas de 2016. Na rua, alguém começa a buzinar e Waack irritado olha para fora e diz: Tá buzinando por quê, seu merda do cacete? Não vou nem falar porque eu sei quem é”. A seguir ele se vira para Sotero e diz: “É preto, coisa de preto”.

Em nota, a Globo afirmou que é “visceralmente contra o racismo em todas as suas formas e manifestações. Nenhuma circunstância pode servir de atenuante. Diante disso, a Globo está afastando o apresentador William Waack de suas funções em decorrência do vídeo que passou hoje a circular na internet, até que a situação esteja esclarecida.”

A emissora afirmou ainda, que: “Waack, contrariado, faz comentários, ao que tudo indica, de cunho racista.” O jornalista disse não se lembrar da situação, já que o áudio não tem clareza, mas pede sinceras desculpas àqueles que se sentiram ultrajados pela situação.

A nota indica também que “William Waack é um dos mais respeitados profissionais brasileiros, com um extenso currículo de serviços ao jornalismo. A Globo, a partir de amanhã, iniciará conversas com ele para decidir como se desenrolarão os próximos passos.”

Renata Lo Prete substituiu Waack na edição de quarta-feira do Jornal da Globo e leu a nota oficial da emissora.

Nas redes sociais, a repercussão foi imediata e o nome do jornalista figurou durante os termos mais utilizados no Twitter.

O jornalista Chico Barney, do UOL disse pelo microblog: “Eu sou fã de carteirinha da Rede Globo, então a minha torcida é pura e simplesmente pela decisão correta. É hora de dar o exemplo. Ou a Globo demite William Waack ou a Globo assume que é parte fundamental do problema”.

Maurício Stycer se manifestou por um texto em sua página do UOL intitulado: “Inevitável, afastamento de Waack é coerente com a política atual da Globo”. E lembrou da campanha da emissora quando a apresentadora Maria Julia Coutinho sofreu com agressões racistas pelas redes sociais.

Na época, a Globo concedeu mais de um minuto durante o Jornal Nacional para a jornalista falar, ao vivo, sobre a situação. “A Globo não poderia ter tomado atitude diferente. Seria desmoralizante, depois do espaço dado a Maria Julia Coutinho e da campanha institucional lançada em 2016, e ainda no ar, intitulada “Tudo começa pelo respeito”, na qual combate todos os tipos de intolerância, o racismo e a homofobia, entre outros”, afirma.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012