No Ceará, jornalistas debatem futuro da profissão


22/08/2019


Para debater o papel dos jornalistas, sua função social, a viabilidade econômica da profissão e os novos desafios aos profissionais, cerca de 350 profissionais de comunicação estarão reunidos, na cidade de Fortaleza (CE), nos próximos três dias (22 a 24 de agosto), no 38º Congresso Nacional dos Jornalistas, promovido pela Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) em parceria com o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Ceará (Sindjorce). Durante o evento será efetivada a posse da presidente da FENAJ. Maria José Braga, para um novo mandato de  três anos (2019/2022). Também o presidente do Sindjorce), Rafael Mesquita, foi reeleito para mais um mandato.

Devido as dificuldades financeiras em que encontrou a Associação Brasileira de Imprensa – ABI, o presidente da mesma, Paulo Jeronimo de Sousa, o Pagê, não pode comparecer o encontro. Ele se fez representar pelo presidente do Conselho Fiscal da Casa do Jornalista, Oswaldo Manescky, que já estava programado para participar do evento. Na abertura do Congresso, na noite de quinta-feira (22/08) Manescky leu carta assinada por Pagê na qual ele abre as portas da ABI para trabalhar em conjunto com a FENAJ e os sindicatos – no encontro 19 deles estava com delegações e/ou representantes -, em prol da categoria;.

Uma das preocupações da comissão organizadora do 38º Congresso Nacional dos Jornalistas é a discussão da categoria e da sociedade sobre o exercício do jornalismo e o papel dos jornalistas – o tema central do evento.

“Estamos vivendo uma conjuntura desfavorável, em que redações tradicionais desempregam cada vez mais, por conta da crise do modelo de negócios baseado em publicidade, sobretudo nos impressos; a convergência tecnológica sobrecarrega os que ainda se mantêm empregados nas mídias tradicionais; a falta de credibilidade dos veículos e jornalistas (em função de linhas editoriais e coberturas enviesadas) e a proliferação da desinformação como arma política”, avalia Samira de Castro, diretora de Comunicação do Sindjorce e membro da Diretoria Executiva da FENAJ.

A proliferação de conteúdos mentirosos e enganosos – as chamadas fake news -, distribuídos massivamente por meio de aplicativos de mensagens e redes sociais, à vista grossa do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que tiveram papel preponderante no resultado das eleições de 2018 no Brasil, será debatido nesta sexta-feira (23/08) no painel  intitulado “Internet e (des)informação: desafios para o presente”. Deste debate participarão o professor da Escola de Comunicação, Artes e Design – Famecos, da PUC-RS. jornalista, chargista e diretor da Federação Nacional dos Jornalistas, Celso Schröder; a diretora executiva e cofundadora da plataforma de verificação Aos Fatos, Tai Nalon; e a coordenadora do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação e secretária geral do Centro de Estudos de Mídia Alternativa Barão de Itararé, Renata Mielli.

Leia a carta na íntegra:

Confira abaixo a Programação:*

DIA 22 – QUINTA-FEIRA

– Oficinas

Podcast para Jornalistas – André Jonathas (Associação Brasileira de Podcasters – ABPOD)

Introdução ao Jornalismo de Dados – Thays Lavor (freelancer para veículos nacionais e internacionais)

Comunicação Sindical em novas mídias – Rafael Mesquita (Sindjorce/FENAJ)

17h –  Aprovação do Regimento Interno

20h – Solenidade de abertura

DIA 23 – SEXTA-FEIRA

– Painel 1 – Comunicação pública na era da hiperinformação

Moacir Maia – Coordenador de Comunicação Social da Prefeitura de Fortaleza

Chagas Vieira – Assessor Especial de Comunicação do Governo do Estado do Ceará

Wilson da Costa Bueno – Professor sênior da USP e Diretor da Comtexto Comunicação e Pesquisa

– Painel 2 – Internet e (des)informação: desafios para o presente

Tai Nalon – Cofundadora e diretora executiva da Aos Fatos, plataforma de fact-cheking

Celso Schröder – Professor da Famecos e diretor da FENAJ

Renata Mielli – Coordenadora do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC)

– Painel 3 – Jornalismo de proximidade e os desafios da profissão fora dos grandes centros

Mariama Correia – Pesquisadora no Nordeste do projeto de jornalismo de dados “Atlas da Notícia”

Fernando Firmino da Silva – Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo na UFPB e do Curso de Jornalismo na Universidade Estadual da Paraíba

Valci Zuculoto – Professora do curso de graduação e do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina e diretora da FENAJ

DIA 24 – SÁBADO

– Painel 4 – Contrarreformas trabalhista e previdenciária: luta e resistência do movimento sindical dos jornalistas

Maria José Braga – Presidenta da FENAJ e membro do Comitê Executivo da FIJ

Carlos Chagas – Advogado trabalhista, assessor jurídico do Sindjorce

– Painel 5 – O Jornalismo e a retomada da democracia no Brasil

Luis Felipe Miguel – Professor titular livre do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília e coordenador  do Grupo de Pesquisa sobre Democracia e Desigualdades (Demodê)

Rogério Christofoletti – Professor do Departamento de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina e um dos líderes do Observatório da Ética Jornalística (objETHOS)

“Os artigos do site não refletem, necessariamente, a opinião da Diretoria da ABI”