Ficção e realidade se misturam na tela


15/09/2008


Em todo o mundo, registra-se um número cada vez maior de produções cinematográficas que utilizam o formato documental com conteúdo ficcional. O gênero ganhou várias denominações, como docudrama, semificcional e mocumentário, este último derivado da expressão inglesa mockumentary, neologismo que mescla “documentary” com “mock”, palavra que significa simulação, zombaria.

O espaço Caixa Cultural (Av. Almirante Barroso, 25 — Centro do Rio) apresenta, até o próximo dia 21, a mostra internacional cinematográfica “Nem tudo é verdade”, exclusivamente dedicada ao “falso documentário”, gênero pouco discutido por aqui.

Na programação, estão filmes inéditos no País, como os premiados argentinos “Los rubios”, de Albertina Carry, e “Upa — Uma película Argentina”, de Tamae Garateguy e Santiago Giralt; os clássicos “Verdades e mentiras”, de Orson Welles, e “Zelig”, de Woody Allen; e títulos mais recentes, como “Borat”, de Larry Charles:
— O objetivo é mostrar ao espectador que o cinema é também uma arte intrigante, porta-voz da ambigüidade e geradora da dúvida — explica Cléa Cury, produtora do evento.

Polêmica

Um dos destaques da programação é “Nanook, o esquimó”, dirigido por Robert Flaherty em 1922 e considerado o primeiro documentário — ou ”mocumentário”, para alguns — da história do cinema. O filme, que narra a vida dos inuítes no Ártico canadense, suscitou polêmica por recriar de forma ficcional técnicas de caça, pesca e construção de iglus, há muito abandonadas por aquele povo:
— Ainda que Nannok nunca tenha existido, salvo na imaginação de Flaherty, o diretor justificou-se, sublinhando que “eram necessárias algumas alterações para se aproximar do real”. O mocumentário é um gênero que, deliberadamente, incursiona no território da dúvida, sem chegar a respostas. Alguns filmes se fazem passar pelo que não são, iludem e confundem o espectador sobre o que é verdade ou mentira — diz o curador da mostra, Thiago Andries.

A programação completa da mostra pode ser conferida em www.caixa.gov.br/caixacultural