ONG Artigo 19 lança documentário em memória ao jornalista Rodrigo Neto


Por Cláudia Souza

07/07/2015


 

rodrigoneto1

Rodrigo Neto (Foto: jornal “Diário Popular”)

A entidade de defesa dos profissionais de imprensa produziu documentário sobre a vida e a trajetória profissional do repórter assassinado com três tiros em 2013, na cidade mineira de Ipatinga, localizada na região do Vale do Aço.

De acordo com o inquérito policial, Rodrigo Neto de Faria foi morto em decorrência de seu trabalho como repórter, especialmente pelas denúncias de envolvimento de policiais em crimes registrados em Ipatinga. Colegas do jornalista criaram o “Comitê Rodrigo Neto” para exigir apuração do crime e punição para os responsáveis. O assassinato do jornalista mobilizou autoridades estaduais e federais, e obteve grande repercussão internacional.

A investigação policial levou a dois homens, entre os quais um policial civil, que foram condenados pelo homicídio. Contudo, pessoas próximas a Rodrigo Neto afirmam que outros envolvidos no crime ainda não foram responsabilizados.

Com 15 minutos de duração, “Impunidade mata” reúne depoimentos de colegas de trabalho de Rodrigo Neto, do jornalista Kerison Lopes, presidente do Sindicato de Jornalistas de Minas Gerais, e de Maria do Rosário, ex-ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

Júlia Lima, coordenadora da área de Proteção à Liberdade de Expressão, da ONG Artigo 19, explicou que “um dos objetivos documentário é promover o debate em torno de ações punitivas para os envolvidos em crimes contra profissionais de imprensa”:

— Esta é a realidade de muitas regiões do Brasil e que tem grande influência na falta de resolução de casos. O assassinato de Rodrigo Neto mostra que o envolvimento de outras esferas do poder público pode ser determinante para o avanço das investigações.

 

“Impunidade mata” é o segundo filme de uma trilogia que trata de crimes contra profissionais de imprensa. O primeiro documentário foi lançado em dezembro de 2014, sobre o fotógrafo Alex Silveira, que perdeu parte da visão após ser atingido por um tiro de bala de borracha durante uma manifestação na capital paulista. O fotógrafo chegou a ser apontado pelo Judiciário como responsável pela agressão da qual foi vítima.

Fonte: Artigo 19

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012