30 de setembro de 2022


Diversidade no Jornalismo Latino-Americano


22/07/2021


Publicado no Centro Knight

O livro, em espanhol, está disponível para download gratuito e traz reflexões de 16 jornalistas de sete países sobre como tornar as redações e a cobertura jornalística mais inclusivas. Ele foi lançado durante um debate na conferência anual da Associação Nacional de Jornalistas Hispânicos dos Estados Unidos (NAHJ).

O livro está dividido em quatro seções: gênero, orientação sexual, questões raciais e étnicas e deficiência.

Os autores do e-book são líderes na promoção da diversidade nas redações, e alguns lançaram seus próprios meios nativos digitais por e para públicos mais diversos, conforme observou a editora do livro, Mariana Alvarado.

“Como você vai ler no livro, a América Latina é diversa e é importante que essa diversidade se reflita nas redações”, disse Alvarado. “Por termos redações mais diversificadas, temos redações mais pluralistas, mais democráticas e essa é a melhor forma de contribuir com um jornalismo de qualidade que atenda a todas as etnias e diferentes comunidades. Não podemos continuar a nos concentrar em um único segmento da população, porque nossa população latino-americana é rica e diversificada”.

Lina Cuéllar, autora de um artigo sobre orientação sexual, destacou a importância do livro ao apontar para o fato de que a diversidade, em geral, é vista como algo isolado e característico dos contextos locais.

“No entanto, a América Latina tem altos níveis de violência explícita e simbólica (legislativa, cultural, violência policial, acesso a recursos, entre outros) contra pessoas LGBTQ, mulheres, pessoas com deficiência e pessoas racializadas, e a mídia e os jornalistas não podem escapar disso realidade”, disse ela. “Instituições abrangentes como o Centro Knight têm a capacidade de estabelecer diálogos regionais sobre como o jornalismo está tratando (ou não) dessas questões tanto local quanto regionalmente e como jornalistas podem ser treinados para lidar melhor com elas”.

Questionada sobre por que as redações deveriam focar na diversidade em todas as suas formas, Andrea Medina, autora de um artigo sobre deficiência, enfatizou a responsabilidade social da mídia.

“Eles devem dar conta dos eventos que ocorrem em suas comunidades, representar todas as pessoas e, assim, tornar visível a diversidade existente”, disse. “No caso das pessoas com deficiência, é necessário que sejam representadas como agentes ativos, protagonistas das suas próprias notícias, pois muitas vezes são outras pessoas que falam por elas e elas persistem com uma abordagem assistencialista e não de direitos”.

Baixe o livro grátis agora em JournalismCourses.org.

Assista ao vídeo do painel de lançamento durante a conferência anual da NAHJ.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012