O jornalista e escritor Klester Cavalcanti é o novo diretor de Redação do Diário do Pará


18/06/2015


DSC1206Klester-Cavalcanti_livro-Dias-de-inferno-na-Si¦üria1

O jornalista Klester Cavalcanti (Foto: Google Images/Divulgação)

“O Diário do Pará”, um dos maiores jornais do Norte do País, tem, desde a última segunda-feira, dia 15, um novo diretor de Redação, Klester Cavalcanti. Nascido em Recife, ele viveu em Belém entre os anos de 1998 e 2000, como correspondente da revista Veja para a Amazônia.

Desde então, ele está em São Paulo, vindo pela própria “Veja”, tendo aqui iniciado um ciclo que o levou, na sequência, às revistas “Viagem” e “Turismo”, “Caminhos da Terra”, “VIP” e “Contigo”, todas da Abril, chegando a editor-chefe nas duas últimas. Também passou pelo Grupo Estado entre 2010 e 2012, primeiro como editor de Cultura do “Jornal da Tarde” e editor da “Revista JT” e, depois, como coordenador do Portal do Estadão. Finalmente, foi editor-executivo da “IstoÉ, Gente”.

“O Diário do Pará” foi fundado em 1982 por Jáder Barbalho e atualmente é o líder do Estado, rivalizando com “O Liberal”, das Organizações Rômulo Maiorana, que representam a “Globo” na região.  O veículo tem uma equipe de 70 profissionais e uma tiragem entre 32 e 35 mil nos dias de semana e de 40 mil aos domingos. O jornal é presidido por Jáder Filho, que fez o convite a Klester, após indicação da jornalista Cláudia Belfort, que foi chefe do profissional no Grupo Estado.

A contratação de Klester, conforme explicou Jáder Filho à newsletter Jornalistas&Cia, faz parte de um amplo pacote de mudanças para que o jornal se ajuste aos novos tempos:

— Embora os impressos aqui ainda tenham relevância, grandes tiragens e publicidade, precisamos nos preparar para a transição, não podemos esperar a água bater no nariz. Para isso, estamos começando a tomar uma série de medidas, que ainda não posso divulgar. A vinda do Klester faz parte desse pacote. Ele veio bem recomendado, tem um perfil que considero adequado, já viveu aqui e conhece a realidade local. Chega com a missão de oxigenar os nossos processos, trazer novas ideias e formar pessoal.

Ele afirmou não se preocupar com alguma eventual resistência pelo fato do novo diretor ser de fora do Estado:

— Não podemos ficar isolados. Esse intercâmbio vai ser muito bom para nós. Além do mais, vou acompanhar bem de perto o processo. Ainda que eu seja presidente da empresa, gosto do ofício, estou sempre junto da Redação.

Na próxima semana, Klester regressa a São Paulo para a noite de autógrafos de seu quinto livro, “A dama da liberdade” (Saraiva/Benvirá), que acontecerá no dia 23 de junho, a partir das 19h30, na Livraria Saraiva, do Shopping Eldorado. A obra narra a história de Marinalva Dantas, auditora fiscal do Trabalho, que se dedicou e continua a se dedicar, aos 61 anos de idade, a combater o trabalho escravo no Brasil, saga que já contabiliza a impressionante marca de mais de 2.300 homens, mulheres e crianças libertados da escravidão no País. Klester é também autor de “Viúvas da Terra” (Planeta, 2005), “O nome da Morte” (Planeta, 2006), e “Direto da Selva” (Geração Editorial, 2007) e “Dias de inferno na Síria” (Saraiva/Benvirá, 2011). Com essa produção, já levou para sua estante de prêmios três  Jabutis: em 2005, 2007 e 2013.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012